Há 40 anos, morria Pablo Neruda

Pablo_Neruda

Lançado em 1994 e baseado em um livro do escritor chileno Antonio Skármeta, o filme “O Carteiro e o Poeta” conta a história da amizade entre um jovem carteiro e o poeta Pablo Neruda. Enquanto no livro a história se passava no Chile dos anos 1970, o filme a transportou para a Itália na década de 1950.

No filme, o comunista Neruda teve de partir para o exílio devido à perseguição política no Chile, e optou por morar em uma pequena ilha italiana, onde a maioria da população vivia da pesca. Seria o destino de Mario Ruoppolo, não fossem seus enjoos quando subia no barco; instado por seu pai a procurar outro trabalho, consegue um emprego como carteiro, mas com uma peculiaridade: entregaria correspondências apenas a uma pessoa, justamente o poeta chileno.

Mario refere-se a Pablo Neruda como “poeta do amor”, e é a ele que recorre quando se apaixona por uma mulher e não sabe como conquistá-la; seu chefe no Correio, comunista como Neruda, prefere chamá-lo de “poeta do povo”. Trata-se de uma aparente oposição, mas que não se mantém: no decorrer do filme, Mario adere ao comunismo e também torna-se poeta com o apoio de Neruda, conquistando o amor de Beatrice, com quem se casa.

Assisti ao filme pela primeira vez por volta dos 14 anos de idade, período em que começava a ter uma melhor compreensão do mundo. Saber que Pablo Neruda, “o poeta do amor”, era comunista, fez com que a esquerda ganhasse ainda mais pontos em meu coração. Não por acaso, foi por aquela mesma época que escrevi meu “manifesto comunista”: um texto usando a parte vermelha da fita de minha máquina de escrever.

————

Pablo Neruda morreu em Santiago, a 23 de setembro de 1973. Oficialmente, devido a um câncer de próstata. Mas suspeita-se que na verdade ele tenha sido assassinado pela recém-instalada ditadura de Augusto Pinochet (apenas doze dias antes do falecimento de Neruda, acontecera o violento golpe militar que derrubou Salvador Allende), o que motivou a exumação do corpo do poeta. Ainda mais que na mesma clínica em que Neruda foi internado em seus últimos dias, morreu em 1982 o ex-presidente Eduardo Frei Montalva – e investigações provaram que sua morte se deu por envenenamento, a mando do regime.

O poeta do amor deixou a vida quando seu país passava a ser governado pelo ódio. Em um 23 de setembro, dia que no hemisfério sul marca o início da primavera – que só 17 anos depois chegaria ao Chile.

Anúncios