As Copas que eu vi – Alemanha 2006

No final da tarde do dia 4 de setembro de 2005, me reuni com o meu amigo Diego Rodrigues para tomar cerveja e comer uns pastéis na pastelaria “República do Pastel”. O local, propriedade de um uruguaio, era ponto de encontro de orientales que vivem em Porto Alegre em dias de jogos da Celeste Olímpica. Caso daquele domingo, em que Uruguai e Colômbia se enfrentavam no Estádio Centenário, em Montevidéu, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006, que se disputaria na Alemanha.

Naquele momento, eu nem imaginava que, em menos de seis meses, estaria no local que via pela televisão. Conversávamos sobre desilusões amorosas, e foi quando eu disse que “o amor é regido pela Lei de Murphy”. O Diego gostou tanto do que falei, que parou um garçom, pediu uma caneta emprestada e anotou a frase em um guardanapo que guardou consigo até o início de 2010, quando me repassou o que é um verdadeiro documento histórico.

Outra coisa que eu não imaginava, era que o Uruguai acabaria ficando fora da Copa. A vitória por 3 a 2 naquele jogo contra a Colômbia foi fundamental para a Celeste chegar à repescagem contra a Austrália, treinada por Guus Hiddink. Na primeira partida, em Montevidéu, 1 a 0 para o Uruguai. Quatro dias depois, em Sydney, 1 a 0 para os australianos nos 90 minutos. Na prorrogação, não foram marcados gols, e assim a decisão foi para os pênaltis. E a vitória foi dos Socceroos por 4 a 2: a Austrália voltava à Copa do Mundo depois de 32 anos – a última (e única) participação fora em 1974, ironicamente também na Alemanha (embora fosse apenas a Ocidental). Continuar lendo

Ministro das Comunicações acha que sou demente

Ele não disse com essas palavras, é claro. E nem se referiu só a mim.

Mas só pode achar que a juventude é demente, ao recomendar que “despendure” da internet e assista mais televisão, e acreditar que muita gente – não só jovem – seguirá seu “conselho” (que nada mais é do que o desejo das corporações de rádio e TV, que o ministro defende). Foi a primeira coisa que pensei ao ler tal pérola, indicada via Twitter.

Infelizmente, ainda é uma minoria que troca a televisão pela internet, pelo simples fato da primeira ser mais acessível que a última. Mas cada vez mais gente tem acesso à internet, e percebe que se há muito lixo na rede, em compensação há muito mais diversidade e qualidade de informação. E principalmente, há a opção de escolher o que ler – e até mesmo assistir, via YouTube e outros sítios de vídeos -, o que inexiste na TV, na qual muitas vezes se é obrigado a assistir lixo num telejornal, à espera de notícias realmente importantes.

Se fosse dito para a juventude que saísse um pouco da internet para ler livros, passear na rua (que com mais pessoas caminhando fica mais segura), praticar esportes, eu concordaria totalmente – pois o vício em internet também não é bom. Agora, trocar a internet pela televisão…

Aí fica claro o quão medroso é o governo Lula em relação à “grande” mídia – o Hélio Costa está no Ministério das Comunicações porque foi nomeado pelo presidente. Ao invés de lutar pela democratização da comunicação (e tem legitimidade para tal, Lula foi reeleito com mais de 60% dos votos em 2006 contra a vontade da TV, que o ministro quer que assistamos), defende a continuação do status quo midiático.

Ameaça à liberdade de expressão

Li a notícia que serve de alerta, para lembrar mais uma vez que não temos verdadeira liberdade: uma ordem judicial da 31ª Vara Cível de São Paulo pode bloquear o acesso dos internautas brasileiros aos blogs hospedados no WordPress, fato semelhante ao acontecido ano passado com o YouTube.

A ordem judicial deve-se a mensagens criminosas publicadas em um blog hospedado no WordPress. O juiz havia ordenado o bloqueio de apenas um blog, mas conforme a Associação Brasileira dos Provedores de Internet – ABRANET, não é possível bloquear um blog, e para cumprir a decisão da Justiça seria preciso impedir o acesso a todos os blogs hospedados no WordPress. Da mesma forma que, quando quiseram impedir os brasileiros de assistirem ao vídeo da “garrafa de Skol 500ml”, todo o YouTube acabou censurado.

É impressionante como é atrasada a Justiça brasileira. Não seria mais fácil se sugerir que o WordPress retirasse do ar o blog ao qual a decisão judicial se refere? Por que essa mania de mandar bloquear páginas, tal qual faz o governo chinês?