O papa e a hipocrisia

Foi-se embora o papa Francisco. Em Guaratiba, ficou o prejuízo pelo fato dele não ter ido até lá – repetindo-se o que aconteceu em 1988 na cidade uruguaia de Melo e servindo de alerta para o que ainda virá. Mas segundo a mídia conservadora, o legado foi uma imagem de “simplicidade” e “preocupação social”.

Muito se destacou, desde que o argentino Jorge Mário Bergoglio foi eleito papa, seu estilo de vida “simples”, que incluía o hábito de usar o transporte público, fazer sua própria comida e ser torcedor fanático de futebol (é inclusive sócio do San Lorenzo de Almagro). A ideia de que é uma pessoa “igual a nós” causou encanto, e assim não falta gente se rasgando em elogios ao papa.

Chega a parecer que não existe mais ninguém que ocupe ou tenha ocupado cargos importantes e adota um estilo de vida “simples”. Nem é preciso pensar muito para nos lembrarmos do presidente do Uruguai, José Mujica: considerado o Chefe de Estado “mais pobre” do mundo, “Pepe” Mujica mora em sua pequena fazenda nos arredores de Montevidéu, dirige seu próprio carro (um Fusca ano 1987) e doa a maior parte de seu salário como presidente a ONGs que combatem a pobreza.

Foto: Marcello Casal Jr., Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr., Agência Brasil

Porém, aqui no Rio Grande do Sul temos também um exemplo de simplicidade no poder, chamado Olívio de Oliveira Dutra. Prefeito de Porto Alegre de 1989 a 1992, Governador do Rio Grande do Sul de 1999 a 2002 e Ministro das Cidades de 2003 a 2005 durante o primeiro mandato de Lula como presidente, Olívio jamais abriu mão de seus hábitos simples. Usava transporte público para ir trabalhar quando era prefeito, e ainda hoje é visto se deslocando pela capital sem seguranças, sem carro com motorista particular. Não é em qualquer lugar que se corre o “risco” de embarcar em um ônibus e sentar ao lado de alguém que já governou o Estado e foi ministro.

Em uma época na qual tanto se reclama dos políticos por “não nos representarem”, era para Olívio Dutra ser uma das primeiras lembranças, né? Porém, não é o que acontece. Pois ele foi alvo de uma campanha difamatória das mais sujas que recordo. Lembro da campanha eleitoral de 1998: muitos acusavam Olívio de ser “um bêbado”, por conta de seu hábito diário de tomar uma dose de cachaça no Bar Naval, um dos mais tradicionais do Mercado Público. Quem o acusava obviamente não era abstêmio: os mesmos que bebem uísque até cair em ambientes “finos” rejeitam quem toma a bebida típica brasileira – o que não é de estranhar, pois o que nossa elite mais odeia é justamente o Brasil.

Pior foi depois de Olívio ser eleito e assumir o governo. No final de abril de 1999, a Ford decidiu ir embora – e já está mais que provado que foi a empresa que decidiu partir, não o governo que a “expulsou” por querer renegociar um contrato que abriria um rombo nas já combalidas finanças do Estado. Mas não foi o que se disse na época: por muitos e muitos anos, se repetiu como um mantra a mentira de que “o Olívio mandou a Ford embora”. Não foram poucos os que acreditaram nisso, e o pior é que ainda há quem acredite.

E por isso, preferem idolatrar um religioso “simples” mas conservador (contrário ao aborto, à eutanásia e ao casamento homossexual), ao invés de pessoas que buscam a igualdade não só no discurso, como também na prática.

Anúncios

Algumas (?) linhas mais sobre os protestos

Os protestos das últimas semanas, confesso, me deixaram confuso. Inicialmente, achei fantástico ver multidões nas ruas do Brasil, embora a mudança de postura da mídia conservadora me intrigasse. Veio a quinta-feira e os relatos da infiltração da extrema-direita nas manifestações, em especial na de São Paulo, e então me preocupei, defendendo que era preciso dar uma trégua – o que não aconteceu.

Com isso, tinha decidido não ir ao protesto de segunda-feira em Porto Alegre. Ouvi diversos argumentos pró e contra participação nas manifestações de massa, que tinham perdido seu foco inicial de luta por um transporte público acessível e de qualidade. Em favor de ir aos atos, a necessidade de não deixar a direita falando sozinha nas ruas. Já por outro lado, também havia o problema de ir ao protesto sem saber bem o que reivindicar, e acabar dividindo espaço com gente que carrega cartazes com mensagens que significam o oposto do que defendo.

Assim, acabei ficando em casa – ainda mais que tinha trabalhos por terminar. Eis que, lendo relatos (além da bela reportagem feita pela equipe do Sul 21), fiquei ao mesmo tempo preocupado mas também esperançoso, e motivado a ir ao próximo protesto.

A preocupação se deve ao aumento do número de vândalos nos atos. Antes dos protestos “virarem moda”, eles eram uma minoria (mas sempre eram o destaque na cobertura da mídia conservadora, que não falava da maioria pacífica, ao contrário do que acontece agora). Agora, eles estão se infiltrando em maior número graças ao aumento da quantidade de manifestantes, promovendo roubos e arruaça em proporção maior do que antes. (E a Brigada Militar, ao invés de pegar somente os vândalos, joga bomba de gás lacrimogêneo a esmo, atingindo gente que nada tem a ver com o distúrbio.)

Por outro lado, o que me agradou foi saber que, ao contrário do que aconteceu na última quinta-feira, a manifestação de segunda em Porto Alegre teve pauta. Havia vários cartazes “contra a corrupção”, mas um caminhão de som dava o tom dos gritos de protesto, focando no passe livre e no transporte público – ou seja, a causa inicial da onda de manifestações.

Pode ser que um protesto focado tenha menor adesão, mas acho melhor assim: menos pessoas, mas com todas defendendo a mesma causa, ao invés de 100 mil que gritam tantas coisas diferentes diferentes a ponto de não se entender quase nenhuma delas. Afinal, com um grito em uníssono, fica mais fácil saber o que é reivindicado – e assim, conseguir novas adesões à causa.

Os “ecochatos” me representam

Resfriado, acabei não indo ao protesto contra o corte de árvores na região do Gasômetro, que aconteceu no final da tarde de hoje. Porém, ao mesmo tempo que lamentava o fato de estar ausente, também tinha certeza de algo: quem lá esteve, me representou.

Não consigo ver sentido em querer reduzir os congestionamentos em Porto Alegre (um problema que é sério) mediante o alargamento de ruas. Com isso trilhamos o caminho inverso ao seguido por cidades como Bogotá, onde o problema do trânsito foi resolvido não com construção de avenidas largas e viadutos, mas sim com ciclovias e transporte público de qualidade. Para ver só: enquanto em outros lugares os governantes (e a população, que os elege) estão abrindo os olhos e percebendo que priorizar o automóvel só piora as coisas…

Aqui em Porto Alegre, certa imprensa não se cansa de deixar bem claro que está ao lado da prefeitura (embora siga fingindo ser “imparcial”). E vários comentários em suas matérias, então, são de um reacionarismo nauseante. Aquele velho papo de “tem que dar pau nesses vagabundos”, típico de gente que não dá a mínima importância para a democracia. Sem contar, claro, as tradicionais referências a quem luta pelo meio ambiente como sendo “ecochatos que impedem o progresso da cidade”.

Pois eu digo: fico feliz que os “ecochatos” estejam se manifestando. Não sei se conseguirão alcançar seu objetivo, que é o de impedir a derrubada das árvores, visto que ela foi permitida pelo Tribunal de Justiça. Mas ao menos estão tentando.

Os “ecochatos” me representam, assim como a todos os que não têm como estar lá. Bem ao contrário dos que ainda conseguem a façanha de acreditar que asfalto é progresso: diante de tanta estupidez, num momento de raiva pensei em responder dizendo que desejava a eles que fossem para o inferno. Porém, depois reparei em algo: Porto Alegre já está se tornando infernal (e não simplesmente devido ao intenso calor do nosso verão), e no que depender desses “asfaltochatos”, o inferno será aqui.

Por IPI zero para bicicletas

Para deter a desaceleração da indústria automobilística no Brasil, o governo decidiu baixar o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre automóveis novos. Para carros de mil cilindradas, o imposto foi zerado.

Porém, uma pergunta que faço é: com o trânsito cada vez mais caótico nas grandes cidades brasileiras, ainda vale a pena comprar um carro?

Eu, particularmente, prefiro continuar andando a pé, de ônibus, lotação, táxi, carona… Se assim eu já sou um cara estressado, imaginem se dirigisse nesse caos todos os dias? É portanto duvidoso o benefício econômico do “IPI zero” para automóveis: quem não é facilmente seduzido pela propaganda vai pensar bem antes de decidir comprar um carro.

Mas, talvez realmente as pessoas saiam a comprar mais carros. Teremos assim mais motoristas nas ruas, cada vez mais estressados. Mais poluição atmosférica. Consequentemente, os hospitais ficarão ainda mais lotados com gente doente.

Já se o “IPI zero” fosse para bicicletas, veríamos o contrário. A venda de bicicletas certamente aumentaria, afinal, elas já são mais baratas que automóveis. Teríamos um estímulo a mais bicicletas e menos carros nas ruas – e consequentemente menos poluição atmosférica, visto que as bicicletas não emitem gases (a não ser que o ciclista peide muito). Só isso já seria benéfico à saúde da população, mas como se não bastasse, andar de bicicleta é também um excelente exercício; portanto, o benefício à saúde seria duplo.

Na verdade, triplo: bicicletas ocupam menos espaço que carros, e assim o trânsito fluiria muito melhor. As pessoas se estressariam menos, e por isso, ficariam menos doentes.

Barbárie em Porto Alegre

Na tarde dessa sexta-feira (a última do mês, como é tradicional, e também acontece em São Paulo), aconteceu mais uma Massa Crítica em Porto Alegre, em que ciclistas se reúnem e pedalam por várias ruas, de modo a lembrar que eles também são o trânsito (ao contrário do que diz a mídia, que eles “atrapalham o trânsito”). E também serve para chamar a atenção para a situação que eles vivem: para pedalar com segurança, só assim, em grandes grupos.

Na verdade, nem assim. Na tarde dessa sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011, a Massa Crítica foi vítima de uma tentativa de assassinato na Cidade Baixa. Um motorista simplesmente avançou por cima de todo mundo com sua arma seu carro, resultando em vários feridos e em uma justíssima revolta por parte dos ciclistas e das testemunhas da barbárie.

Eu não estava lá, mas ninguém conseguirá me convencer de que os depoimentos do vídeo acima não são verdadeiros. Pois como percebi em outra ocasião, em que estava caminhando e vi a Massa Crítica passar, muitos motoristas de Porto Alegre são assassinos em potencial. Lembro de um que, indignado por ter de esperar as bicicletas passarem, desceu do carro e começou a fazer gestos obscenos. Afinal, o coitado estava perdendo cinco minutos da vida dele (como se já não tivesse perdido muito mais em congestionamentos).

O que motoristas como esse que citei não percebem é que o tempo perdido por eles é, na maioria das vezes, culpa deles mesmos. Pois com as raras exceções dos que realmente precisam do carro para trabalhar (como os taxistas), o trajeto que eles costumam seguir diariamente (da casa para o trabalho, e do trabalho para casa) poderia muito bem ser feito no transporte público, de bicicleta, ou até mesmo a pé.

“Ah, mas os ônibus são muito ruins”, dizem eles. Entenderam então por que os “baderneiros” reclamam que a passagem subiu???

Só que, como a boiada prefere comprar um carro em 99 prestações do que exigir um transporte público de qualidade ou mais segurança para se andar de bicicleta ou a pé

Vem aí mais um assalto ao bolso do porto-alegrense

A passagem de ônibus em Porto Alegre, que já é cara, pode ficar ainda mais cara: pelo que fiquei sabendo via  Twitter, a tarifa pode subir a R$ 2,75! Como sempre, o aumento vem no meio do verão, para dificultar a mobilização dos cidadãos.

Já se paga muito por um serviço que não melhora, muito pelo contrário. Se ao menos toda a frota tivesse ar condicionado (em verões rigorosos como este, faz muita falta), os horários fossem cumpridos e os veículos andassem menos cheios, seria menos injusto gastar R$ 2,45 (tarifa atual) por viagem.

Com tantos aumentos, a diminuição no número de passageiros que se verificou muito nos últimos anos é uma consequência óbvia. Eu próprio sirvo de exemplo: antigamente valia a pena pegar ônibus para deslocamentos relativamente curtos, pois o gasto não era tão grande – e com ar condicionado num dia de calorão, então, podia-se dizer que era quase “de graça”, dado o conforto; agora, só pego ônibus se o lugar para onde vou é realmente longe, ou se corro risco de chegar atrasado. Se bem que de ônibus também se corre tal risco, dados os atrasos e o trânsito cada vez mais caótico – que é estimulado por tantos aumentos, pois com um transporte público ruim, quem tem carro dificilmente irá deixá-lo na garagem, e a maioria de quem não tem quer logo ter.

Até para ir aos jogos do Grêmio, tenho levado o hino ao pé da letra, indo a pé ao Olímpico (e às vezes voltando também). E não é um deslocamento relativamente curto: são aproximadamente quatro quilômetros de caminhada.

Ah, e tudo isso sem contar o péssimo estado de conservação das paradas de ônibus em Porto Alegre… Lembrando que em abril passado um jovem morreu eletrocutado em uma delas.

————

O aumento de R$ 0,30 na tarifa pode parecer pouco, mas pense em quem usa ônibus todos os dias. São R$ 0,60 a mais por dia, isso se a pessoa só precisa de uma linha para os deslocamentos. Agora, multiplique isso por todos os dias úteis de cada mês, e perceba que faz diferença, sim, no orçamento – principalmente dos mais pobres.

Como maquiar um problema sério

Hoje à noite, o estádio de outro clube na cidade do Grêmio sediará a decisão da Taça Libertadores da América. Não vou falar do jogo em si, nem sequer perderei meu tempo assistindo à partida (vou ler Bourdieu que eu ganho mais).

O que me chamou a atenção foi a medida adotada pela prefeitura para diminuir o caos no trânsito de Porto Alegre: antecipar o fim do expediente do funcionalismo público para as quatro da tarde – ideia que foi seguida por órgãos estaduais e federais na cidade. Assim, se reduz o número de carros nas ruas nas horas mais próximas ao jogo.

Ótima ideia, né? Assim, os jornalistas de outros países que estão em Porto Alegre para cobrir o jogo não ficam com uma impressão tão ruim da cidade… Não perceberão que ela está quase parando, devido a tantos carros nas ruas.

E a prefeitura tem participação nisso, sim, mesmo que também haja um problema de mentalidade (individualismo): muitas pessoas compram carros porque “dá status”, mas também para fugir do transporte coletivo, que já foi melhor por aqui. Mesmo que tenham de ficar horas paradas no trânsito ao volante de seus carros, preferem-no do que passar o mesmo tempo dentro de um ônibus lotado e sem ar condicionado. Bicicleta, então, para eles é “atraso”, mesmo que estejam se tornando cada vez mais populares em países da Europa (que para eles é “civilizada”).

Se o transporte coletivo fosse melhor (e nem falo só de ônibus: Porto Alegre já tinha de ter um metrô mais extenso, assim como linhas de barco aproveitando o Guaíba) e houvesse ciclovias de verdade, seria mais fácil convencer as pessoas a deixarem seus carros em casa ou a nem os comprarem. Tudo bem que se mais gente deixasse de usar o automóvel sem esperar tais melhoras, isso significaria mais cidadãos (e eleitores – que é o que importa para boa parte dos políticos) a reclamarem do caos nas ruas. Mas isso não exime a prefeitura de sua responsabilidade, de forma alguma.

Sociedade do Automóvel

Ganhe 39 minutos em sua vida: assista ao documentário Sociedade do Automóvel, que trata sobre o caótico trânsito de São Paulo mas que pode ser aplicado a qualquer metrópole brasileira. Aqui em Porto Alegre, por exemplo, tem horários em que se demora para chegar a qualquer lugar sem que seja a pé, devido ao excesso de carros nas ruas e à falta de alternativas de transporte público como metrô ou aeromóvel – os ônibus ficam presos nos congestionamentos nas ruas em que não há faixa exclusiva.

O video pode ser baixado aqui, ou assistido na TV Cão.

Fracasso que não tem fim

Mesmo com a campanha da RBS e com as propagandas que usam atrizes dizendo que não querem homens apressados no trânsito, o verão de 2007/2008 está mais 10,5% mais mortífero nas estradas gaúchas do que o de 2006/2007. Os dados são da própria Zero Hora de hoje (pág. 11), principal jornal da RBS.

Ou seja: está mais do que provado que esta campanha é um fiasco. Acharam que colocar três atrizes da Globo mexeria com os brios dos homens. Porém, é só olhar boa parte das propagandas de carro: vende-se a idéia de que automóvel impressiona mulher.

Tem algumas que para escolher o cara levam em conta o carro que ele tem. O problema é que a maioria dos homens acredita que só “pega mulher” se tiver motor potente – o que demonstraria a “potência do cara” em outro lugar. Daí a “necessidade” de acelerar sempre.

Querem acabar com a violência do trânsito? Façam campanhas para mudar a cultura da população, para reduzir a dependência em relação ao automóvel que algumas pessoas têm. Tem gente que pega carro para andar duas quadras. Mais que preguiça, isto é estupidez. Incentivem o uso do transporte público, e também de meios como a bicicleta, que não polui.

Façam também campanhas para a retirada das placas de sinalização que indicam onde estão os pardais: isto é um incentivo à correria, já que a maioria dos motoristas pisa fundo, diminui a velocidade quando vê a placa do pardal e depois volta a acelerar. Vale lembrar que a mídia fez toda uma campanha contra os pardais – ainda mais na época do governo Olívio – por estes serem “arrecadadores”. É muito fácil não ser vítima da “fúria arrecadatória” do Estado: basta não correr.

Transporte público: necessidade urgente

O final de tarde da última quinta-feira foi caótico em Porto Alegre. Boa parte da cidade ficou congestionada. Um colega de faculdade embarcou num ônibus da linha D43 (Universitária) às 17:30 e chegou ao Campus do Vale às 19:00 – em condições normais, a viagem duraria entre 30 e 40 minutos.

O pior de tudo, é que o acontecido na última quinta-feira tem tudo para se tornar rotina não só em Porto Alegre, mas em todas as metrópoles do mundo: cada vez mais pessoas usam o automóvel apenas para se deslocarem de casa ao trabalho, e vice-versa. É um uso desnecessário. Na maioria das vezes, é uma pessoa que ocupa um espaço onde cinco poderiam estar bem acomodadas.

Daí a necessidade de se investir maciçamente em transporte público de qualidade, para se combater não só os problemas de circulação viária, mas também ambientais. Porto Alegre tem andado na contramão: enquanto o número de automóveis nas ruas aumenta, o sistema de ônibus piora a olhos vistos, o que contribui para afastar os passageiros e – óbvio! – aumentar a frota de carros.

É muito fácil dizer a uma pessoa para que ela deixe seu carro em casa e vá para o trabalho ou para a faculdade de ônibus. Qual a vantagem que eles verão em deixar o conforto (e o ar-condicionado) do carro para andarem em ônibus quentes e lotados? De nada adianta dizer que é para o bem da cidade e do planeta: em geral os motoristas são extremamente individualistas, pensam apenas em si. Poluição? Provavelmente eles morrerão antes das piores conseqüências do uso irracional de seus carros.

Ou seja: não adianta só falar, é preciso que haja melhorias de fato no sistema de transporte público. E não apenas investimentos em ônibus: é preciso alternativas menos poluentes. Para fazer a pessoa deixar o automóvel em casa, é preciso que haja vantagem nisso. O motorista tem que pensar “por que me estressar no trânsito, quando posso ir muito bem de ônibus ou trem?”. Enquanto isto não acontecer, ele continuará a engarrafar as ruas com seu carro, pensando: “está tudo trancado mesmo, mas eu estou sentado confortavelmente no ar-condicionado, enquanto os ônibus estão lotados e quentes”.

———-

Esta é minha contribuição para o Dia de Ação dos Blogs, cujo tema é meio ambiente. Não tive tempo de melhorar o texto, por causa de uma prova de lascar que farei na próxima quarta. Quando puder, escreverei mais – e melhor – sobre a questão do excesso de carros nas cidades.