Como maquiar um problema sério

Hoje à noite, o estádio de outro clube na cidade do Grêmio sediará a decisão da Taça Libertadores da América. Não vou falar do jogo em si, nem sequer perderei meu tempo assistindo à partida (vou ler Bourdieu que eu ganho mais).

O que me chamou a atenção foi a medida adotada pela prefeitura para diminuir o caos no trânsito de Porto Alegre: antecipar o fim do expediente do funcionalismo público para as quatro da tarde – ideia que foi seguida por órgãos estaduais e federais na cidade. Assim, se reduz o número de carros nas ruas nas horas mais próximas ao jogo.

Ótima ideia, né? Assim, os jornalistas de outros países que estão em Porto Alegre para cobrir o jogo não ficam com uma impressão tão ruim da cidade… Não perceberão que ela está quase parando, devido a tantos carros nas ruas.

E a prefeitura tem participação nisso, sim, mesmo que também haja um problema de mentalidade (individualismo): muitas pessoas compram carros porque “dá status”, mas também para fugir do transporte coletivo, que já foi melhor por aqui. Mesmo que tenham de ficar horas paradas no trânsito ao volante de seus carros, preferem-no do que passar o mesmo tempo dentro de um ônibus lotado e sem ar condicionado. Bicicleta, então, para eles é “atraso”, mesmo que estejam se tornando cada vez mais populares em países da Europa (que para eles é “civilizada”).

Se o transporte coletivo fosse melhor (e nem falo só de ônibus: Porto Alegre já tinha de ter um metrô mais extenso, assim como linhas de barco aproveitando o Guaíba) e houvesse ciclovias de verdade, seria mais fácil convencer as pessoas a deixarem seus carros em casa ou a nem os comprarem. Tudo bem que se mais gente deixasse de usar o automóvel sem esperar tais melhoras, isso significaria mais cidadãos (e eleitores – que é o que importa para boa parte dos políticos) a reclamarem do caos nas ruas. Mas isso não exime a prefeitura de sua responsabilidade, de forma alguma.

Anúncios

TRI lento, TRI falcatrua, TRI RUIM!

Em março, escrevi aqui no Cão demonstrando minha desconfiança (e insatisfação) em relação ao sistema de bilhetagem eletrônica implantado em Porto Alegre, o TRI. Afinal, pela primeira vez eu utilizara o troço, e percebi que o saldo do meu cartão era dado em reais, e não em passagens. Logo imaginei que, quando houver aumento da tarifa, acontecerá o seguinte: comprarei, digamos, 75 passagens antes do aumento, mas como o saldo é dado em reais, eu não terei 75 passagens por causa do aumento.

Enviei e-mail ao “Fale conosco” da página do TRI, e recebi como resposta a promessa de que, após aumentos de tarifa, por um período seria descontado do cartão o valor correspondente à tarifa antiga. Pois é… Mas como aqui em Porto Alegre os aumentos acontecem sempre no meio do verão, isso vai mesmo é significar mais lucro para os empresários, já que certamente não será dado mais de um mês de colher-de-chá (se é verdade o que me disseram no e-mail): em março, quando a cidade voltar ao ritmo normal, certamente os leitores do TRI descontarão a nova tarifa.

Desconfiança que aumenta ao lembrarmos que a promessa da prefeitura era da implantação de tarifa única para quem precisa pegar dois ônibus para se deslocar, e o que temos agora é o pagamento de uma passagem e meia. Se não cumpriram essa promessa, quem garante que cumprirão a promessa de não nos roubarem passagens?

Leia mais sobre o TRI RUIM no Porto Alegre de Fogaça.