Como atentar contra a vida de alguém que tem cérebro?

Existem inúmeras maneiras, mas a mais simples é: mandar um e-mail corrente. Afinal, quem tem cérebro irá rir tanto, mas tanto, que correrá sério risco de acabar como o pessoal desta esquete do Monty Python.

Pois a última “tentativa de assassinato” que sofri se deve a uma das coisas mais toscas que já circularam na internet recentemente. Trata-se de uma “denúncia”: o ex-presidente Lula teria uma fortuna de R$ 2 bilhões de dólares (não, caro leitor, não leste errado: o trecho grifado é exatamente idêntico ao que veio no texto da mensagem), estando assim entre as pessoas mais ricas do mundo. E mais: ele teria aumentado muito seu patrimônio justamente nos anos em que era presidente (ou seja, seria um grande corrupto). Tanto que já teria merecido uma capa da revista Forbes, em edição dedicada aos “bilionários”. Abaixo, a “prova”:

Pois é, tem gente que levou isso a sério. Gente que, sinceramente, parece não ter o mínimo senso do ridículo. Pois basta uma análise bem rápida dessa “capa” para ver que, se fosse verdadeira, o nome de Lula apareceria (afinal, é o “destaque” dela). Mas não: na verdade, o rosto dele tapa parte do texto da capa, comprovando que se trata de uma montagem – e muito mal-feita, por sinal.

Essa aí me fez lembrar uma montagem ainda mais tosca que recebi em 2010 (da qual já tinha falado naquela postagem em que detonei as correntes reaças): uma foto de Dilma fumando um charuto que qualquer amador em Photoshop faz. Pior que isso, só aquela foto de integrantes do MST roubando ovos de tartaruga às margens de um Rio Solimões no qual era possível surfar

Oceano Solimões

Recebi hoje uma das correntes mais bizarras que já chegaram à minha caixa de e-mail. Vinda do mesmo amigo que me mandou várias que detonei ano passado.

Tão absurda, que me fez soltar aquela risada. Trata-se de uma “acusação” ao MST: ao invés de produzir em um assentamento às margens do Rio Solimões, estaria roubando ovos de tartarugas que fazem seus ninhos no local para depois vendê-los. Terrível, né?

Agora, reparem em uma das fotos anexadas à merda de mensagem. Descobri que é possível surfar no Solimões…

Isso mesmo: não é o Rio Solimões, e sim, mar. Trata-se do Oceano Pacífico! Mais específicamente, da praia de Ostional, na Costa Rica, onde vários milhares de tartarugas marinhas da espécie “oliva” costumam desovar por várias noites seguidas (em um fenômeno conhecido como arribada), gerando um verdadeiro “congestionamento de tartarugas”.

Nas primeiras 36 horas das arribadas, o governo da Costa Rica permite a coleta de ovos, numa área que é de preservação ambiental, e tal prática é endossada pelo Projeto Tamar. Hã?

É bem simples: invariavelmente estes ovos recolhidos acabariam destruídos por ondas e mesmo por outras tartarugas que pisariam em cima deles; em consequência disso, apodreceriam e contaminariam o local. O recolhimento dos primeiros ovos, assim, não ameaça a sobrevivência da espécie (muito pelo contrário!), visto que estes não chegariam a gerar novas tartaruguinhas, e ainda por cima se transformariam em uma ameaça.

Com essa, ficou bem claro a que nível podem chegar alguns direitosos, no desesperado intuito de desacreditar a esquerda. Se tivessem só um pouco de senso crítico, não repassariam uma corrente dessas. E nem digo que fosse por “checarem a informação”, mas por simplesmente observarem que as fotos não mostravam um rio, e sim um oceano!

Ofensa aos grandes humoristas brasileiros

O Brasil é um país onde o que não falta é humor de qualidade. Não é difícil citar exemplos de brasileiros craques na arte de fazer rir: Aparício Torelly (o famoso “Barão de Itararé”), Sérgio Porto (o “Stanislaw Ponte Preta”, autor dos “FEBEAPÁs”), Henfil, Edgar Vasques, Santiago, Kayser

Em compensação, nunca assisti a um “CQC” inteiro. Ou seja, não tenho nem como criticar o programa. Mas sei do que seus integrantes andam falando por aí. E não vejo nada de engraçado.

Um deles dizendo que estupro é “um favor às mulheres feias”, outro fazendo piadas sem nenhuma graça sobre amamentação em público… E na mais recente, o mais badalado deles dizendo que “comeria ela e o bebê”. Só que como nesse caso a ofensa atingiu “gente que importa”, a Bandeirantes (emissora que transmite o “CQC”) optou por tirar do ar o autor da “genial piada”.

Claro que os defensores do politicamente incorreto estão revoltados. Afinal, trata-se de mais um caso de censura por parte da patrulha do politicamente correto e sua ditadura das minorias. Coisa de gente mau-humorada, verdadeiros malas!

O engraçado, é que esses “politicamente incorretos” costumam mesmo é destilar ódio por tudo o que é diferente, usando suas piadinhas toscas como disfarce. Só que basta alguém não achar graça delas que o “bom humor” vai embora e eles revelam o que realmente são. Gritam que são vítimas de “censura” dessa “patrulha ideológica”, e até mesmo ameaçam processar quem os critica!

Assim, por favor, não me venham com o papo furado de que o “CQC” é vítima de “censura” e que “a liberdade de expressão no Brasil está ameaçada pela patrulha ideológica”: isso é uma verdadeira ofensa aos grandes humoristas que nosso país teve, tem e ainda terá. Gente que faz rir, mas também faz pensar de forma crítica.

Me antecipando a ela

Corre na internet a notícia de que será erguida em Brasília uma estátua do ex-presidente Lula, projetada para ser mais alta que o Cristo Redentor, ao custo de R$ 13 milhões (13 milhões? Coincidência?) para os cofres públicos. Parece absurdo, né?

Não parece: É ABSURDO. (Inclusive, a ausência das aspas na palavra “notícia” do primeiro parágrafo foi proposital: me divertir um pouco, imaginando quantos reacinhas não cairiam facinho nessa.)

Foi via Facebook que achei a matéria de Carlos Newton no Tribuna da Imprensa publicada no último dia 5, alertando para mais uma dessas malditas correntes. Criação de algum imbecil para desinformar as pessoas: ele ri, mas muito “inocente útil” já deve ter repassado essa bobagem, “espumando de raiva” contra “mais essa dos petralhas”.*

E tenho certeza de que em breve mais essa merda corrente chegará à minha caixa de e-mail

————

Fica uma dica aos leitores: antes de saírem repassando qualquer coisa, pesquisem na internet e chequem a informação. Pode até ser que não se trate de uma mentira (sabe lá se não é notícia em primeira mão), mas se for algo tão absurdo quanto uma estátua em homenagem a uma pessoa viva (ainda mais se acompanhada de comentários raivosos), é alta a chance de ser apenas mais uma dessas porcarias de correntes.

Para facilitar um pouco, indico textos que detonam algumas delas. Tem dois do Vinicius Duarte: um sobre a tal de “bolsa-bandido”, e outro simplesmente impagável sobre aquela “campanha cívica” para baixar o preço da gasolina.

E tem também os que escrevi aqui no Cão, em ordem cronológica (a maioria é relacionada à última campanha eleitoral, mas podem servir como lição):

  • Quem quer um Brasil melhor NÃO REPASSA CORRENTES! Neste aí, acabei com quinze desses e-mails;
  • Não alimente os trolls. Não foi exatamente sobre correntes, e sim sobre os malas que adoram tumultuar o debate em blogs – e enchem o saco também;
  • Depois dos concretoscos, os DIREITOSCOS. À medida que a campanha eleitoral de 2010 avançava, o nível das correntes baixava (e estávamos recém no final de julho). Neste, desmenti a suposta “censura” do governo federal contra o blog de uma jornalista que “desagradaria ao governo” por ser direitosa: na verdade, a “censura” se dera por ordem judicial de um deputado estadual do Mato Grosso, ou seja, nada a ver com Brasília;
  • Mais uma mensagem tosca… Não chegava a ser exatamente uma corrente, pois a informação de que o Brasil abriria uma embaixada em Tuvalu não era totalmente falsa: na verdade o relacionamento bilateral entre os países seria de responsabilidade da embaixada brasileira na Nova Zelândia. Mas foi preciso explicar que relações diplomáticas não são questão de governo, e sim de Estado: só imagino o que mundo pensaria se José Serra ganhasse a eleição e uma de suas primeiras medidas como presidente do Brasil fosse romper as relações com Tuvalu;
  • A última da “fábrica de correntes”. Esta era uma “pesquisa imparcial” que apontava ampla vantagem de Serra, com mais de 60% dos votos. Tão “imparcial”, que Dilma venceu a eleição com 56,05% dos votos válidos no 2º turno;
  • Tem gente que PEDE para não ser levada a sério. Na ânsia de chamar Dilma Rousseff de “ladra”, um amigo teve a ousadia de me enviar (mesmo eu sendo graduado em História) um vídeo de Jair Bolsonaro… Nem assisti até o fim, pois era muito previsível: Bolsonaro começou falando sobre o PNDH-3 – ou seja, a iminente implantação de uma “ditadura comunista” no Brasil – e depois certamente acusaria Dilma de ter sido “assaltante de bancos” na época da ditadura militar (que para o deputado foi o auge da democracia no Brasil), sem citar que não há prova alguma de que Dilma tenha participado de ações armadas, e também de que os “terroristas” dos anos 60 e 70 não combatiam um governo democrático – pelo contrário, o verdadeiro terrorismo era o governo;
  • Eu morro e não vejo tudo… Recebi uma suposta entrevista do nadador Cesar Cielo ao jornal O Estado de São Paulo detonando os dirigentes da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) e o governo federal. Mas detonado mesmo foi esse e-mail: Cielo realmente criticou muito os dirigentes da CBDA, só que na matéria do Estadão que fala disso, publicada em 2 de setembro de 2008, a palavra “governo” sequer aparece… Neste mesmo texto também relatei o recebimento pela segunda vez e da mesma pessoa, de uma outra corrente.

————

* Retificação (14/09/2011, 21:14). Via Facebook, o Natusch me avisou que a origem da “notícia” é o G17, página que satiriza o G1. Ou seja, alguém viu, achou que era sério (já que o leiaute realmente lembra o do G1) e repassou… Ou seja, continua válida a dica de checar as informações. Inclusive para este que vos escreve, de modo a evitar xingamentos a quem fez algo que muito prezo: humor.

É tosco, mas tá na moda

Há pouco mais de um mês, fiz um breve comentário sobre a atual praga moda da classe média motorizada: os “adesivos família”. O sujeito compra os adesivinhos e cola na traseira do automóvel, cada um deles simbolizando um membro da família – tem até cachorro e gato. E está cada vez mais comum ver carros com esses adesivos toscos colados na traseira.

Quando comentei com o meu pai sobre essa tosqueira, ele contou que muitos anos atrás a “moda” era umas mãozinhas abertas, que eram presas na lateral dos carros através de uma espécie de mola, e que com o movimento do carro ela se mexia, “abanando” para os demais motoristas.

Mas, como não falar de idiotices também em outros aspectos, principalmente no vestuário? Lembram dos anos 80, as famosas “ombreiras”? Hoje achamos ridículo, mas naquela época era moda!!!

Na música, também vemos muito lixo virar moda. Principalmente no verão: as músicas mais tocadas nessa época dificilmente chegam à primavera seguinte fazendo o mesmo “sucesso”. Mas a boiada galera, claro, vai atrás, e ouve o que a rádio toca. Afinal, é o que “todo mundo ouve”.

Segue por aí: frequentam o restaurante “ao qual todo mundo vai”; vão sempre para o mesmo lugar (ou seja, alguma praia “da moda”) em todos os verões, “porque todo mundo vai”… Essa última me faz pensar que, se um dia eu convencer esse pessoal que a moda é “ir à merda”, eles certamente irão!

E qual é a lógica dessas modas passageiras? É aquilo do que falei semana passada: a obsolescência programada.

Tem gente que PEDE para não ser levada a sério

Ontem e hoje, recebi dois e-mails direitoscos contra Dilma Rousseff. Os dois de pessoas que sem querer me disseram de forma implícita: “Rodrigo, tens toda a liberdade para nunca mais me levares a sério”.

O primeiro, foi uma coluna do Diogo Mainardi na Veja… Este a minha mãe recebeu de uma amiga (mesmo depois de pedir dezenas de vezes a ela para que não mais mandasse e-mails desse tipo), e me repassou para que eu visse, risse e respondesse. Escrevi uma resposta dizendo que quem manda isso pede para não ser mais levado a sério, que a minha mãe encaminhou à amiga dela.

Já o último, que me foi enviado por um amigo, conseguiu ser mais tosco (e teve resposta no mesmo teor da anterior). É um vídeo do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), notório defensor da ditadura militar de 1964-1985. Confesso que nem assisti até o final, por ser algo totalmente previsível: ele começou falando do PNDH-3 – ou seja, seria mais um daqueles típicos discursos direitosos dizendo que o plano é “autoritário” (e os generais da ditadura não eram, né?). E como também xingavam Dilma de “ladra” no corpo da mensagem, também é previsível que o deputado acusou a candidata petista de ter sido “assaltante de bancos” na época da ditadura. (Detalhe: não há nenhum documento provando que ela participou de alguma ação armada.)

Claro que ele também deve ter dito que o dinheiro roubado ajudava a financiar a luta armada (o que de fato acontecia), mas sem sequer citar o motivo da existência de luta armada no Brasil daqueles tempos. Claro, pois não interessa à direita brasileira lembrar que por 21 anos o país esteve sob uma ditadura militar apoiada por muitos políticos que andam por aí pedindo votos (e pior ainda, conseguindo-os).

E pelo visto, tem gente que perdeu o senso do ridículo, já que segue repassando essas direitosquices.

Até quando ficaremos calados diante disto?

A velha lei do olho por olho deixará a todos cegos.
Martin Luther King Jr.

O texto que publicarei abaixo, foi recebido por e-mail e também publicado nos blogs Porto Alegre RESISTE! e Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho. Foi escrito pela cidadã Maria Elisa da Silva, ativista da entidade “União pela Vida”. (O link no trecho em que ela fala do filme Invictus, fui eu quem adicionei.)

Homem tangido como gado no Moinhos de Vento

Amigos!

13 de Março de 2010. Cerca de 12h30min, meu marido e eu subíamos a Félix da Cunha rumo ao restaurante onde pretendíamos almoçar.

Quando a Félix se funde com a Olavo Barreto Viana e a Padre Chagas, defronte ao Sheraton e ao Shopping Moinhos, surgiu o que de início pareceu uma performance, mas na realidade o “espetáculo”, assistido por dezenas de pessoas, era uma pequena comitiva formada por quatro brigadianos (policiais militares) à cavalo, dois homens à frente e duas mulheres fechando o cortejo e entre eles, a pé, sem camisa, um homem moreno, com os ossos aparecendo, sei lá se descalço, sei lá se algemado, pois apenas a sua expressão de extrema humilhação, sendo arrastado à execração pública medievalmente, foi suficiente para que eu pedisse a meu marido que encostasse o carro (na esquina da Olavo Barreto Viana com a 24 de Outubro).

Desci e marchei, sobre a pista de rolamento rumo aos cavaleiros e pedi que parassem. O que parecia o mais graduado, respondeu-me que não podia parar, pois estavam conduzindo um preso. Respondi educadamente que era exatamente esse o ponto, que essa pessoa estava sendo conduzida de forma indigna, que eles parassem e mandassem vir uma viatura para conduzí-lo, que a maneira escolhida era bárbara, humilhante , um atentado à dignidade daquela pessoa e à minha. A resposta foi que eu deveria me queixar ao comandante. Seguiram com seu cortejo, e quando vi, eu já estava gritando “isso é medieval, isso é um absurdo!!!!!!!!!!!!!!!!”

Voltei para o carro, um pai com duas crianças esperava o sinal para a atravessar, meio que rindo, e falei diretamente para eles: um dia esse aí, outro dia, teu filho! Não deram um pio. Fomos embora, vi que os brigadianos levaram o preso para baixo de uma árvore no Parcão e quero imaginar que deve ter chegado uma viatura para conduzí-lo a uma delegacia, de onde vão liberá-lo em seguida, ou a uma prisão, de onde sairá ainda mais vilipendiado. Enfim, entrei no carro e tive um acesso de choro. Não tenho a mais remota idéia do que essa criatura possa ter feito, além de desfliar sua magreza e sua miséria pela Padre Chagas, fazendo as madames (como eu própria, porque não?) torcer o nariz e dizer às amigas “que desagradável”!

Mas o fato é que não vivemos numa ilha da fantasia e não adianta fazer de conta que miseráveis não existem, eles estão entre nós, cada vez mais perto e em maior número.

Quero viver numa cidade onde animais e homens (embora homens também sejam animais) sejam tratados com respeito. Abaixo à essa forma de tratamento, ministrada pela Brigada, que só serve para devolver essas pessoas à nossa convivência, com mais raiva, com mais vontade de descontar a humilhação no primeiro que aparecer.

Recomendo à Cupula da nossa Brigada Militar, que assista e obrigue a TODOS os seus comandados a assistir o filme INVICTUS, que mostra exatamente como lidar com essa questão da violência de uma forma racional e construtiva, ensinada pelo grande líder Nelson Mandela.

Maria Elisa Silva
União pela Vida
(e pela dignidade de todos os seres)

Se tem coisa que me deixa indignado, e até desesperançoso quanto ao futuro da humanidade, são as acaloradas reações a algum crime violento. Sempre – eu disse SEMPRE – tem um bando de gente que defende a “solução mágica” para o problema da criminalidade: “pena de morte já”, “pau nesses vagabundos” etc.

Por que eu fico desesperançoso? Primeiro, porque há uma grande hipocrisia nessas “reações indignadas”. Em geral, tanta repercussão se dá quando a vítima do crime é de classe média para cima. Todos os dias, nas periferias das cidades brasileiras, milhares de jovens morrem vítimas da violência. Quantas passeatas pela paz, quantos pedidos de “pena de morte já”, “pau nesses vagabundos” nós vemos ou participamos em decorrência de um pobre assassinado? Só olhamos para nossos próprios umbigos, só reclamamos quando a violência atinge os lugares que frequentamos – como o tiroteio acontecido na Redenção no último dia 28 de fevereiro. E sempre queremos aquela “solução mágica”, claro.

Também fico desesperançoso quanto ao futuro da humanidade, porque tal lógica de combater a violência com mais violência é de uma burrice inexplicável. Seria a mesma coisa que um sujeito, alcoólatra, decidir acabar com seu problema… Bebendo mais!

E, motivo de mais desesperança ainda, é que o fato relatado no texto de Maria Elisa da Silva nem pode ser classificado, com absoluta certeza, de “combate à violência”. O que aquele pobre homem tinha feito? Assaltara algum pedestre? Ou simplesmente a presença dele em frente a um hotel 5 estrelas e um centro comercial frequentado pela “nata” da sociedade porto-alegrense era incomodativa demais?

Como podemos imaginar que aquele homem não sentirá raiva de tudo o que aconteceu? E principalmente, como podemos acreditar que, tratando pessoas como se fossem bichos não faremos com que elas acabem agindo feito bichos? (Aliás, acho que nem podemos dizer “feito bichos”, já que muitas vezes os animais ditos “irracionais”, que dizemos serem evolutivamente inferiores, agem de maneira “mais humana” que nós, animais racionais, que temos o péssimo hábito de usarmos pouco a razão.)

E nem adianta alguém vir com o argumentosco de que “direitos humanos são para humanos direitos”: quanto pior tratamento dermos aos que cometem delitos, mais ressentimento geraremos neles – logo, mais violentos eles ficarão. Trata-se daquele velho ditado: “você colhe o que planta”. Não podemos esperar que, plantando violência, possamos colher paz.

E se alguém acha que um criminoso violento não merece ser tratado como ser humano, e sim como “um animal”, lembre que todos nós somos animais. Aliás, foi da Lei de Proteção aos Animais que o grande jurista Heráclito Fontoura Sobral Pinto, um ferrenho anticomunista, se utilizou para que o líder comunista Luiz Carlos Prestes não fosse mais torturado de forma brutal na prisão em que se encontrava durante a ditadura de Getúlio Vargas.

O pior jogador da história do Grêmio?

Em março de 2007, o Kayser publicou no blog dele uma lista pra lá de tenebrosa. Tratava-se da “seleção dos pesadelos” do Grêmio, contando apenas com as perebas e as decepções que já vestiram a camisa tricolor. Fosse feita hoje, a “seleção” certamente contaria com os “reforços” de “craques” da estirpe de Marcel (o “nariz entupido” do Olímpico), Morales, dentre outros.

Folha da Tarde Esportiva, 28/08/1968

Folha da Tarde Esportiva, 28/08/1968

O último citado (Morales) é uruguaio. E foi um compatriota seu que, na década de 1960, entrou para a história do Grêmio. Não por qualidade, mas sim por ruindade. Trata-se de Jorge Luís Oyarbide.

Meu pai – que é colorado – me contou a história desse cara pela primeira vez há uns dez anos, quando eu estava indignado com a grana que o Tricolor havia jogado fora com Sebástian “El Loco” Abreu, que ficou seis meses no Grêmio, ganhava salário mensal de 70 mil dólares (e numa época de crise, em que o dólar disparava) e fez apenas um gol que até eu faria – e olha que sou o pior jogador de futebol de todos os tempos (vou seguir o exemplo do Íbis, e usar minha ruindade no futebol como marketing pessoal). Eu não acreditava que pudesse haver, de jogadores profissionais, algo pior que “El Loco” Abreu, a ponto de entender com facilidade a pífia campanha da Seleção Uruguaia na Copa do Mundo de 2002: “El Loco” era titular…

Aí meu pai disse que eu achava “El Loco” Abreu um horror porque não tinha visto Oyarbide em campo. Contou que o cara era tão ruim, mas tão ruim, que por certo tempo virou sinônimo de perna-de-pau: “Esse aí… É um Oyarbide!” – aliás, sinto que esse rótulo colaria em mim com extrema facilidade, tamanha a minha “categoria”. Segundo meu pai, Oyarbide não conseguia sequer dominar uma bola – chegava ao ponto de tentar matar no peito, e a bola ir para o lado. Era absurdamente podre.

E não foi apenas isso. O Grêmio havia gasto uma quantia considerável de dinheiro para contratar o uruguaio. Dinheiro posto fora, é claro… Tanto que o meu pai conta que era a única maneira de se conseguir tocar alguma flauta em gremista naquela época, visto que o Grêmio, além de heptacampeão gaúcho (1962-1968) tinha conquistado doze dos últimos treze campeonatos (entre 1956 e 1968 o Tricolor só não levou o caneco em 1961). A simples menção ao nome de Oyarbide era capaz de deixar um gremista furioso em tempos tão vitoriosos (naquela época Gauchão era um dos títulos mais almejados, pelo simples fato de torneios a nível nacional como Taça Brasil e “Robertão” serem bastante recentes).

Imag000-1Pois bem, era difícil para mim acreditar que pudesse existir jogador profissional tão ruim. E eis que ontem, ao verificar fontes para a minha monografia que será escrita ao longo do segundo semestre de 2009 (mas não se iludam, não é sobre o Oyarbide!), acabei encontrando uma matéria sobre o “craque”, na edição do dia 28 de agosto de 1968 do jornal “Folha da Tarde Esportiva”, que apenas ajuda a confirmar o que meu pai tanto dizia… Tirei fotos, de pouca qualidade porque batidas com câmera de celular (pois fui ao museu Hipólito da Costa apenas verificar fontes, não fotografá-las). Um trecho do texto do jornal diz:

Imag001-1

Tanto por parte da crônica como de torcedores (neste caso alguns milhares), Oyarbide foi criticado, gozado. Quase virou adjetivo negativo na terminologia do futebol.

Vou ter de corrigir o jornal: na memória coletiva dos torcedores – gremistas e colorados – daquela época, Oyarbide virou sim adjetivo negativo na terminologia do futebol, a ponto de chegar a ser considerado o pior jogador da história do Grêmio.

Tosqueira futebolistica

O blog Quelque Chose publicou uma série de posts chamada “Os piores escudos de times de futebol”. É de se mijar rindo, com o que se vê…

E não pensem que são apenas escudos de times pequenos de países desconhecidos. Há clubes grandes, de países tradicionais como Itália e Inglaterra.

Há a promessa por parte do autor do Quelque Chose de que a hilária série continuará!

Um “lance de soccer”

Entre meus amigos, chamamos “lance de soccer” a toda jogada hilária acontecida em um campo de futebol. A expressão deve-se ao local que jogamos: a Soccer & Cia., na Avenida Farrapos. Pois nossos jogos são pródigos em lances engraçados.

Alguns fazem rir só de lembrar. O melhor exemplo é a saída de gol mais tosca da história do futebol. A bola foi chutada de longe, e o goleirão ao invés de usar as duas mãos para soqueá-la, deu um pulo levantando apenas uma das mãos, para deter a bola. Ela passou ao lado da mão levantada e entrou… E o goleiro, meus amigos, era este que vos escreve!

Porém, tais bizarrices acontecem não só conosco, ali na Soccer. Alguns profissionais se superam e produzem também os seus “lances de soccer”. Como o zagueiraço do vídeo abaixo.