Charges em tempos de (des)governo

Mais um ótimo debate promovido pelo Jornalismo B, desta vez com uma novidade: será num sábado à tarde. Dia 26 de setembro, às 15h.

jornalismob 2609

————

Já que falamos em “charges” e “(des)governo”, vale a pena conferir a seleção do Tinta China, para o post especial “Semana Esfarrapada”.

E os chargistas da GRAFAR não escondem: lamentarão muito a saída da Yeda do Piratini. Afinal, nunca houve algum (des)governo que rendesse tantas piadas como o atual!

Anúncios

A nova preocupação da classe mídia brasileira

Charge do Ronaldo (clique nela para ir ao blog da GRAFAR)

Charge "roubada" do blog da GRAFAR

Televilão

Dando uma olhada no Tinta China, achei essa sensacional série do Canini: Televilão. O próprio nome já diz muito, né? E uma das melhores charges da série é esta que está abaixo:

Graças à televisão, a maior parte da população gaúcha apóia a truculência da Brigada Militar do Coronel Mendes sem pestanejar. Acham que “tem que dar pau mesmo nesse monte de vagabundo”. Aliás, naquela época criticavam (e ainda hoje criticam!) toda hora a política de segurança pública do Olívio (atacavam o governo até em programa de esportes!), porque a Brigada “perguntava antes de atirar” – ou seja, não era padrão em suas operações bater ou atirar em qualquer um sem saber se tinha cometido algum crime. Hoje, ela dá muita cassetada, atira, e nem sequer pergunta! E a criminalidade no Estado, diminuiu? Que eu saiba, ela aumentou…

Como diz a frase de B. C. Cohen no cabeçalho do Dialógico, “A mídia não diz o que fazer, mas ela diz o que pensar.”