O outro 11 de setembro

Há 11 anos o dia 11 de setembro virou, para muita gente, um símbolo de barbárie. Não foi sem justificativa: cerca de 3 mil pessoas perderam suas vidas nos atentados terroristas que aconteceram naquela terça-feira de 2001 nos Estados Unidos. Uma das consequências daquele trágico dia foi a “guerra ao terror” travada pelos EUA no Afeganistão e no Iraque, que já matou quase um milhão de pessoas.

Porém, é sempre importante lembrar o outro 11 de setembro, que já era um símbolo de barbárie desde 1973. Há 39 anos, também uma terça-feira, um golpe militar que contou com o apoio dos Estados Unidos derrubou o presidente do Chile, Salvador Allende. O general Augusto Pinochet, que fora nomeado comandante do Exército pelo próprio Allende, traiu seu comandante-em-chefe e liderou a criminosa ação militar que resultou no bombardeio do Palácio de la Moneda, sede da presidência chilena. Allende ensaiou uma resistência, mas ao perceber que não teria como derrotar os golpistas, fez um último pronunciamento pelo rádio. Depois, cometeu suicídio ou foi assassinado – ainda não há uma certeza sobre sua morte.

Pinochet assumiu o poder à força, para governar ditatorialmente até 1990 e comandar uma repressão que foi das mais sangrentas que viu a América Latina. Milhares de pessoas foram assassinadas.

Assim como lembramos e lamentamos as vidas perdidas naquela terça-feira de 2001, é preciso também fazer o mesmo em relação às vítimas do 11 de setembro de 1973.

Anúncios

Um sopro de pensamento crítico

Não costumo assistir ao “Fantástico”. Considero tal programa um verdadeiro convite à depressão.

Domingo passado, imaginava que o assunto principal seria o décimo aniversário dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos. Nem precisaria assistir para comprovar que estava certo: era mais óbvio do que chover para baixo.

Mas via Facebook, descobri que foi pior do que esperava: o “Fantástico” praticamente ignorou as enchentes em Santa Catarina, que podem não ter matado 3 mil pessoas como os atentados nos EUA, mas afetaram muitos milhares de pessoas. Exato: o programa deu mais importância a um acontecimento de dez anos atrás em outro país, do que a algo que acontecia na atualidade aqui no Brasil.

E eis que durante o almoço de hoje, tive uma grande (e positiva) surpresa.

Ouvia o “Sala de Domingo”, programa esportivo dominical da Rádio Gaúcha, quando o apresentador Nando Gross avisou que antes do jogo de hoje à tarde no Beira-Rio haveria arrecadação de donativos para os flagelados de Santa Catarina. Até aí tudo normal.

Só que então, Nando Gross comentou sobre o “Fantástico” do domingo passado, criticando o fato de se ter dedicado tanto espaço ao 11 de setembro de 2001, e tão pouco tempo ao que acontecia em Santa Catarina: segundo ele, foram apenas doze segundos. Exato: doze segundos, não minutos.

Cheguei a me beliscar para me certificar que não era sonho: um jornalista da RBS – que retransmite o sinal da Rede Globo para Rio Grande do Sul e Santa Catarina – criticando ao vivo o principal programa “global” de domingo à noite. O beliscão doeu uma barbaridade, então percebi que era real.

Bom, agora é esperar que a RBS, que se diz ardorosa defensora da liberdade de imprensa, mantenha na internet o áudio do “Sala de Domingo” de hoje, para que eu não passe por mentiroso. O trecho em que Nando Gross faz a crítica está aos 30 minutos de programa.

Terça-feira, 11 de setembro

Em 11 de setembro, uma terça-feira, uma barbárie causou a morte de milhares de pessoas. Teve importantes reflexos na economia, na política e até mesmo no futebol – o ano seguinte seria de Copa do Mundo.

Sim, falamos do 11 de setembro de 2001. Mas também do 11 de setembro de 1973.

Na terça-feira, 11 de setembro de 1973, um golpe militar depôs o presidente do Chile, Salvador Allende. O comandante do Exército, Augusto Pinochet, que havia sido nomeado pelo próprio Allende, chefiou a criminosa ação na qual o Palácio de La Moneda, sede do governo chileno, foi bombareado por caças da Força Aérea. Allende ensaiou uma resistência, mas ao perceber que não teria como superar as forças golpistas, fez um último pronunciamento no rádio. Depois, cometeu suicídio ou foi assassinado – ainda não há uma certeza sobre a morte do presidente chileno.

O general Augusto Pinochet assumiu o poder, e implantou uma das mais sangrentas ditaduras que já teve a América Latina. De 1973 a 1990, milhares de pessoas foram vitimadas pela repressão. Qualquer um que fosse “suspeito” de simpatizar com o governo de Allende podia ser preso e brutalmente torturado – isso quando não fosse executado ou “desaparecido”.

A economia chilena foi bastante impactada pelo golpe. Antes, o país estava quase paralisado, graças a decisão dos Estados Unidos de “sufocar” o Chile pela via econômica, para não deixar que um país se tornasse comunista “devido à irresponsabilidade de seu povo” como disse Henry Kissinger (ou seja, para ele o povo chileno não valia nada). Com o fim da democracia, os dólares voltaram a entrar no Chile, que transformou-se em “laboratório de testes” para o neoliberalismo dos “Chicago Boys”, cujo maior expoente era Milton Friedman. Exato: não foi com Ronald Reagan nem com Margaret Thatcher que ele começou, mas sim com Augusto Pinochet… Detona-se, assim, o mito segundo o qual liberalismo econômico e democracia são sinônimos.

Até o futebol sofreu o impacto do 11 de setembro de 1973. Mais precisamente, a Copa do Mundo de 1974, na Alemanha Ocidental. Havia uma preocupação muito grande com a segurança (como veremos no Mundial de 2002, menos de um ano após os atentados nos EUA), devido ao terrorismo: nos Jogos Olímpicos de Verão de 1972, realizados também na Alemanha Ocidental (na cidade de Munique), o grupo Setembro Negro invadiu a Vila Olímpica e assassinou onze atletas israelenses. Mas o impacto do 11 de setembro se deu dentro de campo mesmo: nas repescagens das eliminatórias para a Copa, uma das vagas seria disputada entre uma seleção sul-americana e uma europeia; o Chile seria esta equipe da América do Sul, e a União Soviética a da Europa.

A primeira partida foi disputada em 26 de setembro de 1973 (portanto, já depois do golpe) em Moscou, e terminou empatada em 0 a 0. O jogo decisivo estava marcado para 21 de novembro no Estádio Nacional de Santiago, que após o 11 de setembro se tornara um campo de concentração no qual inúmeras pessoas foram torturadas e fuziladas. Os dirigentes soviéticos pediram que a partida fosse realizada em outro local que não o Estádio Nacional, mas a FIFA se fez de surda e com isso, a seleção da URSS não viajou a Santiago para jogar. Desta forma o Chile garantiu a vaga à Copa sem disputar o jogo que a URSS poderia muito bem vencer apesar de jogar fora de casa, mas para “cumprir tabela” os chilenos entraram em campo e marcaram um gol no arco vazio.

————

Em 11 de setembro de 2001, uma terça-feira, quase 3 mil pessoas morreram vítimas dos atentados terroristas nos Estados Unidos. Mas em consequência disso, quase um milhão de vidas foram tiradas nas guerras travadas pelos EUA no Afeganistão e no Iraque. Aquele trágico dia tornou-se “justificativa” para matar ainda mais gente.

A economia sofreu as consequências do 11 de setembro de 2001. Os Estados Unidos vivem hoje a sua pior crise econômica desde 1929, e uma das causas disso são os gastos excessivos com as guerras “justificadas” pela tragédia.

E o futebol, claro, também foi afetado. Na Copa de 2002, realizada na Coreia do Sul e no Japão, a preocupação com a segurança foi muito maior do que nos Mundiais anteriores. E a seleção dos Estados Unidos teve de contar com esquema especial de proteção, devido ao temor de ataques terroristas.

————-

Como bem disse o chileno Pablo no vídeo que abre este post, em uma carta dirigida aos familiares de vítimas do 11 de setembro de 2001: os chilenos, assim como todo o mundo, lembram as vidas perdidas de 2001; e é preciso que os estadunidenses, e o mundo também, lembrem de 1973.

A morte (?) de Bin Laden não deixa o mundo mais seguro

Na noite de domingo foi anunciada a morte de Osama Bin Laden, acusado de ser o mentor dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos. Após a operação conduzida por militares estadunidenses, o presidente Barack Obama anunciou o “sucesso” da empreitada.

Obama disse que “o mundo ficou mais seguro” com a morte (?) de Bin Laden. Porém, penso exatamente o contrário, ao lembrar de uma frase que lembro de ter conhecido anos atrás, em uma aula de História Moderna (se não me engano):

O rei morreu. Viva o Rei!

Tratava-se de uma saudação à instituição “Rei”, ou seja, à monarquia, que era maior que qualquer pessoa que fosse monarca.

Agora, substituam “rei/Rei” por “Osama Bin Laden”…

Exato: Bin Laden era um símbolo da Al-Qaeda e do extremismo islâmico. Muitos muçulmanos o viam como heroi (desde antes do 11 de setembro de 2001), devido a suas pregações (e ações) contra o mundo ocidental, visto por eles como “opressor” – que realmente é.

Agora, mais do que heroi, ele se torna mártir (se é que realmente morreu). E provavelmente servirá de motivação para novos atentados.

Assim, os estadunidenses que acreditam na volta dos soldados para casa, por já “terem cumprido seu objetivo”, podem tirar o cavalinho da chuva. Pois agora a “justificativa” para a continuidade da guerra será a de “evitar as represálias”…

————

Pergunta que não quer calar: se os Estados Unidos são “a terra da liberdade e da justiça”, por que Bin Laden foi morto (?) sem sequer ser submetido a um julgamento?

30 anos do atentado terrorista no Riocentro

Na mais recente campanha eleitoral, fomos bombardeado (geralmente, via e-mail) com a baixaria de que “Dilma foi terrorista”, e que por isso não deveríamos votar nela. Ora, se havia motivos para não votar nela, alguns eram os que apresentei em um texto postado em 5 de maio do ano passado (acabaria mudando o voto cinco dias antes do 1º turno). O fato dela ter combatido a ditadura militar (embora sem provas de que tenha participado de ações armadas), que motivou a alcunha de “terrorista” por parte dos reacionários, na minha opinião pesa a favor dela, e não contra.

Porém, o que os mesmos reaças teriam a dizer do acontecido na noite de 30 de abril de 1981? Naquela ocasião, enquanto acontecia no Riocentro um show de música popular para um público de 20 mil pessoas (comemorativo ao 1º de Maio), duas bombas explodiram no lado de fora: uma delas, dentro de um carro que manobrava no estacionamento do local; já a outra, mais potente, foi lançada contra a casa de força do Riocentro, mas não chegou a atingir seu alvo, e assim a explosão não resultou na escuridão que provavelmente causaria o pânico nas milhares de pessoas que assistiam ao show, o que obviamente teria consequências funestas. Dentro do automóvel Puma destruído por uma das bombas, estavam dois militares do Exército: um morreu na hora (sargento Guilherme do Rosário), o outro (capitão Wilson Machado) sobreviveu à explosão.

O atentado terrorista no Riocentro não foi um fato isolado. Desde o início do ano anterior, várias bombas já tinham explodido em várias partes do Brasil, inclusive com consequências fatais: em 27 de agosto de 1980, a explosão de uma carta-bomba na sede da OAB-RJ resultou na morte de sua secretária, Lyda Monteiro.

Por motivos óbvios, o governo (militar e ainda ditatorial, apesar da “abertura lenta, gradual e segura”) acusava “radicais de esquerda” de serem os autores dos atentados. Porém, tal hipótese era absurda, visto que a feroz repressão dos anos 60 e (principalmente) 70 acabara com os grupos armados de esquerda no Brasil. E o fato da bomba no Puma ter explodido no colo de um dos seus passageiros (que ainda por cima eram militares) não deixou dúvidas de que era a extrema-direita que, por meio do terrorismo, pretendia “fabricar” uma ameaça, de modo a “justificar” a retomada de uma repressão mais severa e, consequentemente, a continuidade da ditadura por mais tempo. O que obviamente interessava ao governo de então.

A investigação do atentado foi feita no âmbito da Justiça Militar, e o inquérito acabou arquivado em setembro de 1981. A reabertura do caso, em 1999, foi breve: três meses depois, o processo foi novamente arquivado; apesar de alguns envolvidos terem sido indiciados, nenhum deles cumpriu pena. Em 30 de abril de 2001 (ou seja, há dez anos), o crime prescreveu.

————

Agora voltemos ao começo do texto, e à questão do uso do termo “terrorista”. Acusavam (erradamente) Dilma de ter participado de ações armadas contra a ditadura, considerando isso como “terrorismo”, mesmo que os alvos fossem específicos (ou seja, gente ligada ao regime, de modo a conseguir a libertação de presos políticos).

Pode-se até questionar o método dos militantes de esquerda em sua luta contra a ditadura (afinal, houve inocentes que acabaram morrendo). Mas não é possível falar sério deixando de considerar o contexto histórico: mesmo que se consiga realmente provar que as guerrilhas pretendiam instalar “uma ditadura comunista” no Brasil, não foi contra um regime democrático que elas pegaram em armas, e sim contra o terrorismo de Estado que imperava desde 1964.

Bem diferente dos que tramaram os diversos atentados acontecidos em 1980 e 1981 em várias partes do país. Estes, eram contra a democracia – que, aliás, ainda nem tinha sido restaurada, mas só tal possibilidade já era suficiente para deixá-los em polvorosa. E aquelas bombas não tinham alvos específicos: o objetivo era assustar a população. Ou seja, terrorismo.

Campanha antidemocrática

"Cabos eleitorais do Serra", por Carlos Latuff

Quando anunciei minha mudança de voto no primeiro turno, de Plínio para Dilma, meu amigo Diego Rodrigues, que foi de Marina, criticou a decisão. Pelo que entendi, não foi por meu voto em si, mas sim pela motivação: declarei que iria votar contra a realização de um segundo turno nesta eleição presidencial de 2010, devido ao jogo sujo da direita. O Diego afirmou que era muito problemático a candidata petista ser eleita apenas por conta de “transferência de votos” gerada pela altíssima popularidade do presidente Lula, de cuja política Dilma representa a continuidade, e que seria “bom para o Brasil” a realização de um segundo turno – embora ele mesmo ache que o PSDB não tem projeto para o país.

Pois minha pergunta é: no que esta campanha para o segundo turno, que já é considerada mais suja até mesmo que a de 1989 por quem tem lembranças “em primeira mão” (eu tinha oito anos, lembro, mas não entendia realmente o que acontecia), está sendo boa para o Brasil? Como o Diego mesmo disse, a campanha do PSDB deixa clara a ausência de um projeto para o país: ao invés de apresentar argumentos que sustentem a afirmação “Serra é o melhor para o Brasil” (da qual discordo), a maior preocupação é difamar Dilma. Vale tudo, até o repetido uso de mentiras, uma estratégia goebbeliana (Joseph Goebbels, ministro da propaganda de Hitler, disse que “uma mentira muitas vezes repetida, torna-se verdade”).

Collor jogou sujo em 1989, utilizando-se de vários factoides para disseminar no eleitorado o medo de uma vitória do PT. Que iam desde o “anticomunismo” (enquanto os brasileiros escolhiam seu futuro presidente, os regimes burocráticos que se diziam “socialistas” caíam no Leste Europeu) até a declarações de que “os empresários iriam embora do Brasil” caso Lula fosse eleito. Mas não se chegou ao ponto de usar a religião como “arma política”, como está se vendo agora – Dilma já falou em “Deus” no seu programa (aliás, ela nunca negou ter fé), assim como Serra.

Como eu já declarei várias vezes, não acredito na existência de algum ser superior. Mesmo assim, me dou muito bem com gente que tem fé. Como religiões são baseadas em dogmas, e todo dogma é algo considerado “inquestionável”, evito discutir tal tema, ainda mais com amigos, por saber que não haverá a mínima possibilidade de alguma concordância (a não ser que esteja conversando com quem eu sei ser agnóstico ou ateu). Fé, definitivamente, trata-se de uma questão de foro íntimo: por mais que eu critique as religiões, sei que uma pessoa religiosa lerá o que eu escrevo e não deixará de ser religiosa; assim como ela poderá deixar um comentário falando sobre a existência de um ser superior, céu, inferno etc., e eu continuarei a não acreditar em nada disso.

O problema é que muita gente não tem a tolerância que, modéstia a parte, eu tenho com quem tem fé religiosa – e estes comigo. E quando Serra diz que se eleito defenderá “os valores cristãos”, o que ele faz (mesmo que não seja sua intenção) é estimular a intolerância religiosa num país cujo Estado é laico – ou seja, no qual seu presidente não deve defender “valores cristãos” ou de qualquer outra religião, e sim, o direito de todos os brasileiros, de quaisquer crenças (inclusive, os que não têm crença nenhuma), a se expressarem e acreditarem (ou não) no que quiserem.

E por conta disso, considero que a campanha de José Serra é, sim, antidemocrática. Pois a palavra “democracia” significa “governo do povo”, logo, exercido em nome de e para todos, não apenas para os que têm determinada fé.

Agora, eles vêm com uma “profecia”…

Trata-se de mais um dos tantos “e-mails eleitorais” deste ano de 2010. Meu pai recebeu e me repassou, fazendo o comentário: “não desistem nunca…”, em referência aos direitoscos que continuam mandando essas coisas.

Como sempre, as “previsões” da tal mulher que “nunca se engana”, são catastróficas e relacionadas à eleição de Dilma Rousseff para a presidência.

Diante de tal enxurrada de e-mails, lembro daquelas mensagens que pintavam Dilma como uma “perigosa terrorista” e pergunto: não seria mais correto classificar como “terroristas” os que criam tais porcarias? Pois quem repassa, geralmente já o faz “apavorado” – e o objetivo do terrorismo é justamente esse.

11 de setembro

Hoje, os Estados Unidos lembram o nono aniversário dos atentados de 2001, que vitimaram quase 3 mil pessoas e foram a desculpa que o presidente da época, George W. Bush, precisava para fazer o que mais gosta: “brincar” de guerra. Sim, “brincar”, pois é que nem criança brincando com seus soldadinhos: independentemente do resultado do confronto, ela sequer se machuca – bem diferente dos soldados de verdade que foram enviados ao Afeganistão e ao Iraque, assim como dos que eles combatiam e também dos civis inocentes (assim como os que morreram em 11 de setembro de 2001).

Mas hoje é também dia de lembrar os 37 anos da derrubada de Salvador Allende no Chile – num 11 de setembro que, assim como em 2001, caiu numa terça-feira. A “grande mídia” prefere lembrar os atentados nos Estados Unidos sem falar muito sobre o golpe comandado pelo general Augusto Pinochet em 1973: talvez seja porque ela era predominantemente favorável às ditaduras militares.

Seguramente, esta será a última oportunidade em que poderei dirigir-me a vocês. A Força Aérea bombardeou as antenas da Rádio Postales e da Rádio Corporación. Minhas palavras não têm amargura, mas decepção. Que sejam elas um castigo moral para quem traiu seu juramento: soldados do Chile, comandantes-em-chefe titulares, o almirante Merino, que se autodesignou comandante da Armada, e o senhor Mendoza, general rastejante que ainda ontem manifestara sua fidelidade e lealdade ao Governo, e que também se autodenominou diretor geral dos carabineros.

Diante destes fatos só me cabe dizer aos trabalhadores: Não vou renunciar! Colocado numa encruzilhada histórica, pagarei com minha vida a lealdade ao povo. E lhes digo que tenho a certeza de que a semente que entregamos à consciência digna de milhares e milhares de chilenos, não poderá ser ceifada definitivamente. [Eles] têm a força, poderão nos avassalar, mas não se detém os processos sociais nem com o crime nem com a força. A história é nossa e a fazem os povos.

Trabalhadores de minha Pátria: quero agradecer-lhes a lealdade que sempre tiveram, a confiança que depositaram em um homem que foi apenas intérprete de grandes anseios de justiça, que empenhou sua palavra em que respeitaria a Constituição e a lei, e assim o fez.

Neste momento definitivo, o último em que eu poderei dirigir-me a vocês, quero que aproveitem a lição: o capital estrangeiro, o imperialismo, unidos à reação criaram o clima para que as Forças Armadas rompessem sua tradição, que lhes ensinara o general Schneider e reafirmara o comandante Araya, vítimas do mesmo setor social que hoje estará esperando com as mãos livres, reconquistar o poder para seguir defendendo seus lucros e seus privilégios.

Dirijo-me a vocês, sobretudo à mulher simples de nossa terra, à camponesa que nos acreditou, à mãe que soube de nossa preocupação com as crianças. Dirijo-me aos profissionais da Pátria, aos profissionais patriotas que continuaram trabalhando contra a sedição auspiciada pelas associações profissionais, associações classistas que também defenderam os lucros de uma sociedade capitalista. Dirijo-me à juventude, àqueles que cantaram e deram sua alegria e seu espírito de luta. Dirijo-me ao homem do Chile, ao operário, ao camponês, ao intelectual, àqueles que serão perseguidos, porque em nosso país o fascismo está há tempos presente; nos atentados terroristas, explodindo as pontes, cortando as vias férreas, destruindo os oleodutos e os gasodutos, frente ao silêncio daqueles que tinham a obrigação de agir. Estavam comprometidos.

A historia os julgará.

Seguramente a Rádio Magallanes será calada e o metal tranqüilo de minha voz não chegará mais a vocês. Não importa. Vocês continuarão a ouvi-la. Sempre estarei junto a vocês. Pelo menos minha lembrança será a de um homem digno que foi leal à Pátria. O povo deve defender-se, mas não se sacrificar. O povo não deve se deixar arrasar nem tranqüilizar, mas tampouco pode humilhar-se.

Trabalhadores de minha Pátria, tenho fé no Chile e seu destino. Superarão outros homens este momento cinzento e amargo em que a traição pretende impor-se. Saibam que, antes do que se pensa, de novo se abrirão as grandes alamedas por onde passará o homem livre, para construir uma sociedade melhor.Viva o Chile! Viva o povo! Viva os trabalhadores! Estas são minhas últimas palavras e tenho a certeza de que meu sacrifício não será em vão. Tenho a certeza de que, pelo menos, será uma lição moral que castigará a perfídia, a covardia e a traição.

(Salvador Allende, em 11 de setembro de 1973)

Se soubessem a importância da PREVENÇÃO…

A UFRGS, assim como diversas escolas no Rio Grande do Sul, adiou o reinício das aulas, antes previsto para a próxima segunda-feira (3 de agosto) para o dia 17, devido à gripe A. Eu poderia dizer que a medida me é benéfica, visto que adiando em duas semanas o início do 2º semestre, também posterga o fim do semestre, o que me dá mais tempo para escrever a minha monografia.

Mas, eu queria terminar tudo ainda em 2009 (bom, pelo menos a parte escrita termina nesse ano). Não sei qual data a UFRGS estabelecerá para o fim do 2º semestre, mas o calendário original previa que o término seria no dia 11 de dezembro (o dia que eu gostaria de apresentar o trabalho para a banca). Duas semanas depois, é 25 de dezembro, feriado religioso. Considerando que sua véspera é um “quase feriado”, pelo menos dois dias de aula ficariam para janeiro. Provavelmente, toda a última semana de aulas – período destinado à apresentação dos TCCs na História – ficará para 2010.

Tudo isso, graças à ignorância generalizada. Eu já havia tocado no assunto semana passada, e hoje o Cristóvão Feil falou no Diário Gauche da importância de se lavar frequentemente as mãos: previne não só a gripe, como um monte de doenças. A mídia corporativa não fala tanto, talvez por intere$$e em fazer com que as pessoas queiram comprar o caro remédio para a gripe A (mesmo não a tendo!), satisfazendo os anseios do fabricante do medicamento – e anunciante.

Outra forma de prevenção, é evitar fechar todas as janelas em locais com grande número de pessoas (salas de aula, ônibus etc.). Tem feito muito frio, é verdade, mas me parece tão óbvio que muita gente num lugar fechado não é bom… E não é só por causa de gripe, mas também pela horrível sensação de abafamento que tal fato provoca. No final do semestre passado, mais de uma vez eu me levantei para abrir a janela da sala de aula em noites frias, inclusive falando da gripe A: eu não me borro de medo, mas usei o “terrorismo” para ver se adiantava. Não deu certo: na aula seguinte em noite fria, tudo fechado de novo…

Fossem adotadas tais medidas preventivas desde o início da gripe, as aulas poderiam começar normalmente na próxima segunda-feira. Agora, é tarde.