Grande Herrera

Essa foi realmente sensacional. Mas genial será se, na próxima vez que marcar três gols num jogo só, Herrera seguir uma sugestão que li: pedir a música “A pipa do vovô não sobe mais”, na voz de Sílvio Santos…

A propósito, não me parece coincidência que outros jogadores que andaram às turras com a Globo sejam estrangeiros, não acostumados com o jornalismo esportivo a la “joão sorrisão”. Pedir seriedade: foi o que fizeram o também argentino Hernán Barcos, do Palmeiras; e o colega de Herrera no Botafogo, o uruguaio Loco Abreu.

Meus oito anos

Não, esse post não é o famoso poema de Casimiro de Abreu. São as lembranças dos meus oito anos: a campanha política das eleições presidenciais de 1989.

Começo com um vídeo que mostra trechos dos programas de vários candidatos.

Agora, vídeos específicos de cada um deles. Começando com o candidato para quem eu pedia votos no primeiro turno: Leonel Brizola.

Agora, meu “voto” no segundo turno de 1989: Lula.

Posso dizer que essa eleição foi uma das primeiras frustrações de minha vida. Pois quem ganhou foi Fernando Collor de Melo, com a promessa de acabar com os chamados “marajás”:

Essa música lembro até hoje: o tema de campanha de Ulisses Guimarães, “Bote fé no velhinho”.

Sílvio Santos presidente? Sim, ele foi candidato!

Da candidatura de Afif Domingos eu lembrava. Mas da música, não.

Mas uma das melhores foi esse tapa na cara da Globo, que apoiava descaradamente o Collor: no dia do segundo turno das eleições, o cantor Lobão se apresentou no programa do Faustão e pediu aos telespectadores que votassem no Lula. E não bastasse isso, o público começou a cantar “Olê olê olá, Lula, Lula”!