Para a humanidade ser menos arrogante

Em 10 de abril de 1912, o Titanic partiu para sua viagem inaugural. Maior transatlântico construído até então, era considerado “inafundável”.

Menos de cinco dias depois, um iceberg afundou o navio “inafundável” e matou 1.514 pessoas. Era um sinal de que, por mais que a humanidade “progrida”, a natureza sempre está um passo à frente.

Ainda assim, acreditamos que podemos “domar” a natureza. A única maneira dela nos lembrar que não temos tal capacidade é mandando sinais que muitas vezes são destrutivos, como tempestades, terremotos… E também corpos celestes como o meteorito que caiu sexta-feira em Cheliabinsk, na Rússia, e feriu mais de mil pessoas.

O mais interessante foi a coincidência: no mesmo dia da queda do meteorito, um asteroide três vezes maior passou a apenas 28 mil quilômetros da superfície terrestre – para se ter uma ideia, a distância que separa o planeta da Lua é de 384 mil quilômetros. Caso ele se chocasse com a Terra, provocaria uma grande devastação, muito maior do que os danos registrados na Rússia.

A queda do meteorito na última sexta-feira foi o maior acontecimento do tipo desde o Evento de Tunguska, em 1908, quando um corpo celeste (não se sabe se foi um meteorito, um asteroide ou um pedaço de um cometa) caiu na Sibéria e devastou uma enorme área. E demonstra o quão vulneráveis somos: mesmo que seja possível calcular a trajetória de asteroides, ainda não sabemos o que fazer caso um deles entre em rota de colisão com a Terra. Sem contar os corpos menores como o meteorito de sexta, que geralmente são desconhecidos, chegam ao planeta “sem avisar” e ainda causam estragos.

Ou seja: nos achamos os donos do mundo, mas somos apenas uma espécie a mais, e que a natureza pode muito bem eliminar. Talvez acabemos do mesmo jeito que os dinossauros, basta que o asteroide chegue antes de nós mesmos transformarmos a Terra num lugar inabitável.

Anúncios

Não aguentam mais “tanto frio”?

Pois saibam que o inverno gaúcho é “fichinha” perto do que se vê na Sibéria. A cidade de Oymyakon, na região da Yakutia, detém o recorde de menor temperatura já registrada em um local habitado: -71,2°C em 26 de janeiro de 1926, sendo por isso considerada o “polo do frio”.

A cidade é tão gelada no inverno que as aulas só são suspensas quando faz menos de -52°C, temperatura apontada pelo termômetro no vídeo abaixo.

Começa oficialmente mais um verão

E com isso, republico (com uma devida atualização) a lista dos motivos pelos quais prefiro o inverno ao verão, que postei pela primeira vez em julho.

  1. Odeio suar o tempo inteiro.
  2. O Sol não é meu inimigo no inverno – no verão nem adianta me encher de protetor, eu suo tudo.
  3. Os principais eventos esportivos (Copa do Mundo, Jogos Olímpicos, Copa América, Eurocopa etc.) acontecem entre junho e agosto, meses mais frios do ano no hemisfério sul.
  4. O Natal é no verão.
  5. O programa mais imbecil da televisão brasileira passa sempre no verão. Claro que não o assisto, mas me dá nojo ver como “o Brasil para” por causa desse lixo.
  6. No verão, eu bebo cerveja e suo. No inverno, ela me aquece (e não venham me dizer que isso é contradição: se for por isso, quem gosta do calor não devia ligar ventilador).
  7. Vinho não combina com 35°C.
  8. Economia de energia: no inverno não preciso ligar ventilador nem ar condicionado.
  9. Assistir a um filme enrolado num cobertor é muito bom!
  10. Verão no Rio Grande do Sul + futebol = Campeonato Gaúcho.
  11. Os mosquitos (espécie animal mais mala que existe) sofrem com o frio.
  12. Baratas, idem.
  13. A babaquice de algumas propagandas de cerveja aumenta exponencialmente no verão.
  14. Até o calor do inverno é melhor: tem dias que faz mais de 30°C e eu não suo, devido à baixa umidade (o que é raro no verão).
  15. Dizer que o nosso inverno é horrível é exagero dos bons: nunca se considerou Porto Alegre o lugar mais frio do mundo num dia. Agora, mais quente, sim… Inverno frio demais, é na Antártida ou na Sibéria.
  16. Não temo pelo meu computador em dias frios.
  17. Menos gente lê o Cão Uivador no verão.
  18. Comer chocolate no verão é um problema: ele fica todo molengão.

Parou por aí, porque por enquanto não lembrei de mais nenhum motivo – que poderá vir nos comentários.

Alguém poderá citar o sofrimento das pessoas mais pobres com o frio como motivo para preferir o verão, e a minha resposta é: a culpa não é do inverno!

————

Menos mal que, de acordo com as previsões, o fenômeno La Niña vai deixar o tempo menos úmido por aqui. Pois o que faz o verão ser terrível em #fornoalegre não é simplesmente o calor, e sim a umidade elevadíssima. A ponto de muitas vezes uma caminhadinha de 50 metros se traduzir num banho de suor, mesmo que a temperatura esteja abaixo de 30°C.

Uma pena que o La Niña seja também ruim para a agricultura, por provocar estiagem. Mas não podemos simplesmente culpar o clima pelos problemas da agricultura.

De qualquer jeito, seja o calor seco ou úmido, começa junto com o verão a minha contagem regressiva para o outono: faltam 89 dias!

Bons motivos para eu preferir o inverno ao verão

  1. Não estou suado!
  2. O Sol não é meu inimigo nessa época – no verão nem adianta me encher de protetor, eu suo tudo.
  3. Os principais eventos esportivos (Copa do Mundo, Jogos Olímpicos, Copa América, Eurocopa etc.) acontecem entre junho e agosto, meses mais frios do ano no hemisfério sul.
  4. O Natal é no verão.
  5. O programa mais imbecil da televisão brasileira passa sempre no verão. Claro que não o assisto, mas me dá nojo ver como “o Brasil para” por causa desse lixo.
  6. No verão, eu bebo cerveja e suo. No inverno, ela me aquece (e não venham me dizer que isso é contradição: se for por isso, quem gosta do calor não devia ligar ventilador).
  7. Vinho não combina com 35°C.
  8. Economia de energia: faz uns três meses que não ligo o ventilador para dormir. Ar condicionado, então, só ligo quando o calor está muito forte, no frio eu dispenso.
  9. Assistir a um filme enrolado num cobertor é muito bom!
  10. Verão no Rio Grande do Sul + futebol = Campeonato Gaúcho.
  11. Os mosquitos (espécie animal mais mala que existe) estão todos encarangados de frio.
  12. Baratas, idem.
  13. A babaquice de algumas propagandas de cerveja aumenta exponencialmente no verão.
  14. Até o calor do inverno é melhor: semana passada fez 30°C em Porto Alegre e eu não suei, graças à baixa umidade.
  15. Dizer que o nosso inverno é horrível é exagero dos bons: nunca se considerou Porto Alegre o lugar mais frio do mundo num dia. Agora, mais quente, sim… Inverno frio demais, é na Antártida ou na Sibéria.
  16. Não temo pelo meu computador em dias frios.
  17. Menos gente lê o Cão Uivador no verão.
  18. Continuo sem suar!

Parou por aí, porque por enquanto não lembrei de mais nenhum motivo – que poderá vir nos comentários.

Alguém poderá citar o sofrimento das pessoas mais pobres com o frio como motivo para preferir o verão, e a minha resposta é: a culpa não é do inverno!

O Apocalipse desembarca no Sul

São duas previsões diferentes, mas que antecipam os dias de brutal calor que assolarão Porto Alegre. Não sei qual das duas é mais desesperadora.

A primeira é do CPTEC/INPE, que prevê temperatura MÍNIMA de 30°C para a quinta-feira. Para fazer tanto calor de madrugada, é preciso muita umidade: se com alta umidade 30°C de máxima já é ruim, imagine de mínima! Como faltam quatro dias, há a esperança de que a previsão mude ou erre.

Captura de tela feita ao meio-dia de hoje da previsão do CPTEC/INPE (clique para ampliar)

Já a do Correio do Povo de hoje não aponta tamanho calor pela madrugada, mas em compensação, prevê dois dias (sexta e sábado) com máxima de 40°C, o que representa risco à saúde. Muito mais danoso do que o frio (claro que não falo de Sibéria): quando a temperatura está baixa, a solução é se agasalhar e se abrigar – diferente do calorão infernal previsto para Porto Alegre nos próximos dias, pois mesmo que fosse permitido andar PELADO na rua, não se evitaria o risco de hipertermia.

O que mata no inverno não é o frio, e sim a desigualdade social – ou alguém acha que na Escandinávia, onde faz muito mais frio do que aqui, morre muito mais gente? É capaz de até serem registradas menos mortes… Lá existe distribuição de renda. Entendo que as pessoas mais pobres não gostem do inverno: afinal, não tendo muito dinheiro para comprarem roupas, qualquer frio representa sofrimento.

Assim como quem mora em cidades onde é quente o ano inteiro, o que faz qualquer queda maior na temperatura ser muito sentida. É preciso um certo tempo para se acostumar (inclusive acho que o ideal é pegar de cara um inverno dos mais frios, aí dá para aguentar melhor os seguintes que forem menos frios).

Agora, quem mora aqui há anos e não passa dificuldades, por favor… Se está com frio, vista um casaco! Pés gelados? Meias grossas são a solução. Mãos geladas? Luvas nelas!

Não gosta de usar casaco? Pois eu não gosto de bermuda, só uso para passar um pouco menos de calor – diferente do casaco no inverno, que esquenta o corpo, inclusive, dando uma caminhada é até possível sentir… Calor!

————

Tudo bem, tudo bem, sei que muitos devem estar pensando: “esse cara exagerado aí, falando de apocalipse, pensa que pode mandar o verão embora”. Sei que (infelizmente) não posso, tudo isso é apenas um desabafo. A maioria acha o verão uma beleza. A mídia, então… Só fala de praia e “corpo bronzeado” essa época (bem que podiam não mostrar aquelas imagens de gente torrando no sol ao meio-dia, isso faz muito mais mal à saúde do que frio).

Um interessante paradoxo: um monte de gente, bem de vida, diz adorar o calor, mas no primeiro sinal do verão, corre para a praia, onde… Faz menos calor! Na praia, até eu gostaria do verão – agora, em Porto Alegre, simplesmente não dá.

Já no inverno, quem gosta do frio quer ir para onde faz mais frio, e não fugir dele. Se eu gostaria até de ir morar em São Joaquim… Só não vou porque não tenho como.

Yakutsk

Acham o nosso inverno “terrível”, frio demais? Quando é julho, não vêem a hora que chegue o verão?

Então imaginem o que pensam os moradores de Yakutsk, na Sibéria, enquanto nós estamos aqui derretendo nesse calorão…

Para se ter uma ideia, a temperatura média de janeiro na cidade é de -41,1°C. Em Verkhoyansk, situada também na República de Sakha (onde fica Yakutsk), fez -69,8°C em 1892, e em janeiro a média é de -50°C. Frio demais até para a Sibéria.

Muito menor que qualquer recorde de frio no Rio Grande do Sul, né? A Sibéria sim, é que tem um inverno “terrível” – e que eu gostaria de conhecer “ao vivo”.

E, curiosamente, a menor temperatura já registrada na Terra é também “russa”. Em 21 de julho de 1983, a base antártica de Vostok, da União Soviética, registrou -89,2°C.

————

Em 13 de setembro de 1922, fez 58°C em Alaziziyah, Líbia. É mais do que qualquer recorde de calor no Rio Grande do Sul, mas uma diferença menor do que em relação ao frio.

E ontem fez 44°C na Argentina. Não é muito mais do que se registra no Rio Grande do Sul…

Vai começar o tormento

Até parece que o post do Bruno Medina foi escrito por mim. Ele explica as razões pelas quais odeia o verão. Só não sou favorável ao desconto na conta de luz para usar mais ar-condicionado: é por conta do grande consumo de energia que estamos cada vez mais sofrendo com o calor.

Eu detesto a estação mais adorada por muitos. Tenho ojeriza ao calor. Não sou fanático por praia como a maioria das pessoas que conheço. Prefiro mil vezes, um milhão de vezes, um tempo frio e uma viagem para a Serra. Prefiro ir para a Sibéria (no inverno!) do que para o Caribe.

E o pior de tudo é que a previsão para este verão é de temperatura acima da média. E como deve chover pouco, provavelmente haverá mais água vertendo da minha pele do que caindo do céu sobre o Rio Grande do Sul. Já faz bastante tempo que não tomo um banho de suor: o último foi lá por abril. Mas sei que, mais cedo ou mais tarde, esse tormento começará. Naqueles dias abafados, basta andar 50 metros na rua para minha camisa ficar completamente molhada de suor.

Não bastasse o calor, é preciso agüentar toda a publicidade que fazem em cima do verão. Só se fala de praia, “corpo sarado” etc. Mas não dão o mesmo destaque para as baratas, os mosquitos e os demais insetos que só enchem o saco (e espalham doenças) no calor. E ainda tem aquela praga do “big bosta”: muitas vezes fico sem assunto em conversas com amigos, pois não vejo esta porcaria nem que me paguem.

Mas como nem tudo é ruim… Pelo menos o caos urbano (esse é o verdadeiro caos, não o aéreo) diminui: os congestionamentos vão para a praia, e Porto Alegre fica bem mais tranqüila.

Época de tristeza

Caso eu não conquiste o Torneio Farroupilha, domingo será um dia totalmente desgraçado.

Afinal, é o início da primavera. E eu não gosto nada disso. Apesar da previsão de frio para o início da próxima semana, sei que é dos últimos frios. Depois, a tendência não é simplesmente esquentar: é ficar mais úmido e, em conseqüência, qualquer caminhada de 50 metros sob uma temperatura de 27 graus terá como resultado um banho de suor – na recente onda de calor, fez bem mais de 30, mas a baixa umidade fez com que eu quase não suasse.

E o pior de tudo: tem gente que gosta disso! Porra, se Porto Alegre tivesse praia, eu entenderia. Mas essa cidade é uma sucursal do inferno¹ de novembro a março (às vezes até abril). Para fugir do calor, a única solução é fugir daqui, porque até mesmo peladão se sofre com as altas temperaturas.

Supondo que me oferecessem dois pacotes turísticos² para janeiro ou fevereiro: o primeiro, viagem para o Caribe por 2 mil reais; e o segundo, para a Sibéria por 6 mil. Eu me endividava, mas ia para a Sibéria. Se é para passar férias sob 40 graus, prefiro que sejam negativos.

E mais um motivo para tristeza: esse inverno foi o mais frio desde 2000. Ou seja, provavelmente não se repetirá algo igual em 2008… Seria sorte demais.

E nada está tão ruim que não possa piorar: daqui pouco mais de um mês, começam a aparecer os malditos papais noéis por aí. Eles têm surgido cada vez mais cedo. Socorro!

———-

¹ Certa vez li essa frase sensacional: “Se o verão fosse bom, o inferno não seria quente”. Perfeito!

² Os preços são totalmente chutados, não sei quanto custam essas viagens, não pesquisei.