Técnico tem que ser “brigão”?

Ainda sobre a troca de comando no Grêmio.

O estilo de Vagner Mancini, “educado demais”, não agradava a certos dirigentes gremistas. “Com jogador tem que falar grosso”, teria comentado um deles.

Mas, e o Tite? Ele também era “educado demais”. Os críticos o acusavam de ser muito “filósofo”. Mas foi com Tite que o Grêmio ganhou a Copa do Brasil de 2001, dando um chocolate no Corinthians em pleno Morumbi.

Vale lembrar que o Tricolor não deixou de ter garra em 2001, mas jogou um futebol bonito a ponto de, pela primeira vez, não ouvir os comentários de sempre de alguns comentaristas-mala de São Paulo e Rio de Janeiro, que em todas as conquistas do Grêmio acusavam o time de ser violento.

Não que Tite tenha sido o maior técnico de todos os tempos no Grêmio – Felipão “falava grosso” e foi mais vencedor -, mas é a prova de que mesmo um técnico mais “calmo” pode dar certo. Os estilos de Felipão e Tite eram bem diferentes, mas ambos foram competentes em seus trabalhos. Felipão ganhou mais títulos por ser melhor, não por “gritar mais”.

Se Vagner Mancini daria certo, só o tempo de trabalho diria. Mas foi “educadamente” que ele levou o Paulista de Jundiaí – hoje na Série C do Campeonato Brasileiro – à conquista da Copa do Brasil em 2005.

Anúncios