Algumas observações sobre a “micareta direitosa”

Foi menor que dia 15 de março, verdade. Mas ainda é muita gente. Falar em “fracasso” me parece um pouco arriscado.

O que não diminuiu foi a quantidade de pérolas. Chega a dar a impressão de que aumentou. Talvez as idiotices tenham se tornado mais visíveis com a redução no número de participantes, pois quem tem bom senso tende a ficar longe desses protestos.

Na década de 60, já nos primeiros anos da ditadura, o escritor Sérgio Porto (mais conhecido pelo pseudônimo Stanislaw Ponte Preta) publicou uma trilogia chamada “FEBEAPÁ”, sigla para “Festival de Besteiras que Assola o País”. Por meio da sátira, procurava criticar a repressão e os absurdos cometidos pelo regime ditatorial recém-instalado, como mandar prender Sófocles (mesmo tendo este morrido mais de 2 mil anos antes) por conta de “conteúdo subversivo” de uma peça de sua autoria encenada na época. Como bem se percebe, um dos efeitos do autoritarismo e da paranoia é perder totalmente a noção.

Se Sérgio Porto fosse vivo (morreu em 30 de setembro de 1968, menos de três meses antes do AI-5), teria muito conteúdo para escrever mais várias edições do FEBEAPÁ. Pois as idiotices dos protestos… Algumas merecem ser comentadas. Não publicarei as fotos para não dar mais visibilidade a essa gente, mas as frases merecem o esculacho.

  • Somos milhões de Cunhas contra a corrupção, fazendo referência ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. Isso é algo do tipo fazer guerra pela paz, trepar pela virgindade, beber pela sobriedade, comer bacon pela magreza etc;
  • Volta Sarney. Lembro de um tempo que a turma reaça pedia sua cabeça não por achá-lo “esquerda”, mas sim porque era aliado do governo Lula;
  • Intervenção militar não é crime. Só não é crime se for por determinação presidencial (e alguém acha que Dilma um dia irá acordar, ligar para os militares e dizer “me derrubem”?);
  • Sonegar é legítima defesa. E se dizem “contra a corrupção”;
  • Por que não mataram todos em 1964? Daquelas que me fazem lamentar saber ler;
  • País sem corrupção é país onde rico manda, pois quem é rico não precisa roubar. Tipo empreiteiros, todos honestíssimos, sem problemas com a Operação Lava-Jato;
  • Je suis interditin militaire. Além de faltar às aulas de História, galera andou matando as do curso de francês;
  • Under communism e off communism, lado a lado. Curso de inglês também é uma boa ideia.

E por fim, teve jornalista se confundindo e chamando os carros de som de “carros alegóricos”. Foi daquelas situações nas quais se acerta errando.

Anúncios

FEBEAPÁ, versão 2014

Na década de 1960, o escritor Sérgio Porto (mais conhecido por seu pseudônimo Stanislaw Ponte Preta) publicou três livros acerca do que chamava, ironicamente, “FEBEAPÁ – Festival de Besteiras que Assola o País”. Foi uma genial crítica à repressão nos primeiros anos da ditadura militar, que não teve prosseguimento devido ao falecimento do escritor em 30 de setembro de 1968, meses antes do AI-5.

O “festival” consistia em pequenas notas jornalísticas, simulando um noticiário. Era algo tão absurdo que dificilmente alguém acreditaria se tratar de coisa séria, mas que, no contexto da época, não seria nenhuma surpresa. Caso da acusação de “subversão” contra o autor da peça clássica Electra, em cartaz no Teatro Municipal de São Paulo; o problema é que Sófocles, que escreveu o roteiro, falecera em 406 a. C., e assim já era “um pouco tarde” para a polícia tentar prendê-lo.

A “ingenuidade” (?) policial também era alvo da sátira de Stanislaw, como mostra o trecho abaixo:

Segundo Tia Zulmira “o policial é sempre suspeito” e — por isso mesmo — a Polícia de Mato Grosso não é nem mais nem menos brilhante do que as outras polícias. Tanto assim que um delegado de lá, terminou seu relatório sobre um crime político, com estas palavras: “A vítima foi encontrada às margens do riu sucuriu, retalhada em 4 pedaços, com os membros separados do tronco, dentro de um saco de aniagem, amarrado e atado a uma pesada pedra. Ao que tudo indica, parece afastada a hipótese de suicídio”.

Absurdo, né? Mas, e se dissermos que em 2014 é pior?

Pois bem: o corpo de um jovem é encontrado com uma barra de ferro atravessada na perna e com todos os dentes arrancados pela raiz, além de conter marca de hematomas que indicam espancamento. E o que aparece no boletim de ocorrência? Suicídio.

A lembrança do FEBEAPÁ é natural. Porém, isso não é engraçado. E atentemos para dois detalhes: Kaique Augusto Batista dos Santos, o jovem assassinado, era negro e homossexual; ou seja, integrante de dois grupos sociais intensamente estigmatizados no Brasil.

Em tese, todos os brasileiros são iguais e têm os mesmos direitos, não importando sua cor da pele ou orientação sexual. O racismo e a homofobia não são “previstos em lei”. Só que ambos os preconceitos estão aí, e a dificuldade de combatê-los decorre justamente do fato de que são velados. Mas em algumas ocasiões eles tornam-se mais aparentes – como no caso de um jovem negro e homossexual que tem todos os dentes arrancados pela raiz, além de hematomas e uma barra de ferro atravessada na perna, e tem sua morte registrada como “suicídio”.

Marcha das Vadias

Foi realizada ontem no Parque da Redenção a edição porto-alegrense da Marcha das Vadias (no sábado ela aconteceu em várias outras cidades brasileiras). A ideia nasceu no início de 2011, a partir da indignação gerada pela declaração de um policial que atribuiu o alto número de estupros na região da Universidade de Toronto (Canadá) às “mulheres que se vestiam como vadias” (em inglês, “sluts”). A primeira SlutWalk aconteceu em Toronto, e logo o movimento se espalhou pelo mundo, graças à repercussão dada pelas redes sociais.

Por incrível que pareça, ainda tem gente que acredita no papo furado que o estupro é culpa da mulher. É porque elas “se vestem como vadias”, “se insinuam” etc. Engraçado é que basta usar a lógica para perceber que sem estuprador é impossível acontecer um estupro, pouco importando a roupa que a mulher veste.

Sem contar a clara diferença de tratamento dada a ambos os sexos. Se nós homens tiramos a camisa quando sentimos calor, ou “damos em cima” de uma mulher, isso é aceito com naturalidade. Agora se elas andam com pouca roupa num dia de calorão ou “dão em cima” de um cara… São “vadias”, “estão se insinuando”, logo, “não podem reclamar de um estupro”. É estúpido, mas Sérgio Porto (mais conhecido como Stanislaw Ponte Preta) estava certo quando disse, lá na década de 1960, que a maior inflação no Brasil era de estupidez: cinquenta anos se passaram, e isso não mudou.

A propósito, Stanislaw foi um dos grandes humoristas brasileiros. Bem diferente destes metidos a “politicamente incorretos” que são, na verdade, politicamente reaças.

Ofensa aos grandes humoristas brasileiros

O Brasil é um país onde o que não falta é humor de qualidade. Não é difícil citar exemplos de brasileiros craques na arte de fazer rir: Aparício Torelly (o famoso “Barão de Itararé”), Sérgio Porto (o “Stanislaw Ponte Preta”, autor dos “FEBEAPÁs”), Henfil, Edgar Vasques, Santiago, Kayser

Em compensação, nunca assisti a um “CQC” inteiro. Ou seja, não tenho nem como criticar o programa. Mas sei do que seus integrantes andam falando por aí. E não vejo nada de engraçado.

Um deles dizendo que estupro é “um favor às mulheres feias”, outro fazendo piadas sem nenhuma graça sobre amamentação em público… E na mais recente, o mais badalado deles dizendo que “comeria ela e o bebê”. Só que como nesse caso a ofensa atingiu “gente que importa”, a Bandeirantes (emissora que transmite o “CQC”) optou por tirar do ar o autor da “genial piada”.

Claro que os defensores do politicamente incorreto estão revoltados. Afinal, trata-se de mais um caso de censura por parte da patrulha do politicamente correto e sua ditadura das minorias. Coisa de gente mau-humorada, verdadeiros malas!

O engraçado, é que esses “politicamente incorretos” costumam mesmo é destilar ódio por tudo o que é diferente, usando suas piadinhas toscas como disfarce. Só que basta alguém não achar graça delas que o “bom humor” vai embora e eles revelam o que realmente são. Gritam que são vítimas de “censura” dessa “patrulha ideológica”, e até mesmo ameaçam processar quem os critica!

Assim, por favor, não me venham com o papo furado de que o “CQC” é vítima de “censura” e que “a liberdade de expressão no Brasil está ameaçada pela patrulha ideológica”: isso é uma verdadeira ofensa aos grandes humoristas que nosso país teve, tem e ainda terá. Gente que faz rir, mas também faz pensar de forma crítica.

Não somos racistas?

“Ser de esquerda hoje é ser crítico em relação a todas as formas de dominação, sobretudo às sutis.” (Pierre Bourdieu)

Essa semana, reparei que tinha um monte de gente indignada com o deputado gaúcho Edson Portilho, autor de uma lei que permite a tortura indiscriminada de animais. Terrível!

Ora, terrível mesmo é gente que sai repassando qualquer coisa sem checar a informação. Bastaria fazer uma busca na internet para descobrir que a lei realmente existe, mas foi aprovada em 2003 (atrasadinha essa “indignação”, né?) e que ela não autoriza tortura em animais, mas sim versa sobre a utilização destes em rituais de religiões de matriz africana. E além disso, Edson Portilho não é mais deputado desde 2006 (e era apenas estadual) – atualmente, é vereador em Sapucaia do Sul. Ah, e se é lei, quer dizer que passou por votação parlamentar, então é uma estupidez atacar apenas ao autor, pois outros deputados também votaram favoravelmente.

Pode-se muito bem discordar da lei, que permite o sacrifício (sem que seja de forma torturante) de animais voltados à alimentação humana. Mas é dose ter de aturar desinformação.

E pior ainda, é que não percebo tamanha “indignação” com questões mais atuais – e mais perigosas. Como os crescentes ataques à laicidade do Estado brasileiro, e mesmo à democracia, por parte de deputados como Jair Bolsonaro e pastores evangélicos.

Afinal, é graças a esse pessoal que as mulheres não têm direito a abortar, que homossexuais sofrem constante discriminação (e também são atacados fisicamente, e mesmo assassinados), que criticar piadas preconceituosas é considerado “patrulha ideológica”, que defender “minorias” estabelece uma “ditadura”… Tudo em nome de uma tal “família brasileira” (formada apenas por brancos, heterossexuais e cristãos; e obviamente “chefiada” por um homem, jamais por uma mulher), além, é claro, da velha dupla “moral e bons costumes” (quem definiu o que é “moral” e o que é “imoral”?).

Aí, se tenta aprovar uma lei que prevê a criminalização da homofobia, e vêm os caras dizer que “é um atentado à liberdade religiosa”… A mesma liberdade que têm os seguidores de religiões afro-brasileiras de expressarem a sua fé. Se sacrificar animais em um ritual religioso é “maldade”, por que uma pregação religiosa cheia de ódio ao diferente não é?

Mas, segundo Ali Kamel, não existe racismo no Brasil… E o pior é que não falta quem acredite nisso.

————

A “indignação” contra Edson Portilho não é novidade: em abril de 2010 o ex-deputado já fora atacado no Twitter por conta da mesma lei “da tortura aos animais”. Comprova-se assim o que disse Sérgio Porto (mais conhecido como Stanislaw Ponte Preta) em seu livro “FEBEAPÁ 1 – Primeiro Festival de Besteira que Assola o País”, escrito na década de 60:

“A maior inflação nacional é de estupidez.”