E na Copa, torces para quem?

O Milton Ribeiro escreveu um belo texto no seu blog sobre a Seleção Brasileira e a falta de identificação de muitos brasileiros com o time.

Hoje em dia, basta dar uma olhada nas listas de convocações para perceber que a maior parte dos jogadores que, dizem, “representam o Brasil”, atuam em clubes europeus. É raro alguém ir a um estádio brasileiro e ver, ao vivo, um destes “seus representantes”. Três semanas atrás, naquele Grêmio x Santos, eu vi Robinho, e só – já que Victor não foi convocado para a Copa do Mundo.

E o pior é que nem se pode mais falar isso apenas para se referir aos clubes onde atuam os jogadores da Seleção Brasileira. Nos últimos anos, a CBF simplesmente não marcou mais amistosos por aqui, exceto aquele Brasil x Portugal (6 x 2) jogado em 2008 na reinauguração do Bezerrão, em Brasília (a propósito, por que construir outro estádio “moderno” lá para a Copa de 2014, ao invés de ampliar o já existente?). A Seleção joga onde “pagam mais”: ou seja, mais que um time que representa um país, virou uma “marca”.

E do jeito que vai, não duvidemos que nas Eliminatórias da Copa de 2018 a Seleção mande seus jogos em sua “nova casa”, o Emirates Stadium

————

Quanto à pergunta do título: este ano, pelo menos, vejo a Seleção com menos antipatia do que em 2006, quando chegava a sentir nojo (além da baderna, a “grande mídia” insistia naquela porra de “quadrado mágico” que só funcionava na ficção). Assim fica mais fácil torcer por ela – ou não secá-la.

Mas não escondo que acharia muito bacana ver a Copa sendo levantada pelo Uruguai ou por alguma seleção africana. Se não der nenhum deles (o que é mais provável), pode ser a Argentina (por causa do Maradona) ou a Holanda (para reparar uma tripla injustiça, já que a Laranja Mecânica era o melhor time nas Copas de 1974, 1978 e 1998, e não ganhou nenhuma delas).

E tu, leitor ou leitora, torces para quem?

————

Atualização (03/06/2010, 02:49): mais um texto interessante sobre “torcer ou não pela Seleção”, lá no Somos todos torcedores.

Anúncios

O pior jogador da história do Grêmio?

Em março de 2007, o Kayser publicou no blog dele uma lista pra lá de tenebrosa. Tratava-se da “seleção dos pesadelos” do Grêmio, contando apenas com as perebas e as decepções que já vestiram a camisa tricolor. Fosse feita hoje, a “seleção” certamente contaria com os “reforços” de “craques” da estirpe de Marcel (o “nariz entupido” do Olímpico), Morales, dentre outros.

Folha da Tarde Esportiva, 28/08/1968

Folha da Tarde Esportiva, 28/08/1968

O último citado (Morales) é uruguaio. E foi um compatriota seu que, na década de 1960, entrou para a história do Grêmio. Não por qualidade, mas sim por ruindade. Trata-se de Jorge Luís Oyarbide.

Meu pai – que é colorado – me contou a história desse cara pela primeira vez há uns dez anos, quando eu estava indignado com a grana que o Tricolor havia jogado fora com Sebástian “El Loco” Abreu, que ficou seis meses no Grêmio, ganhava salário mensal de 70 mil dólares (e numa época de crise, em que o dólar disparava) e fez apenas um gol que até eu faria – e olha que sou o pior jogador de futebol de todos os tempos (vou seguir o exemplo do Íbis, e usar minha ruindade no futebol como marketing pessoal). Eu não acreditava que pudesse haver, de jogadores profissionais, algo pior que “El Loco” Abreu, a ponto de entender com facilidade a pífia campanha da Seleção Uruguaia na Copa do Mundo de 2002: “El Loco” era titular…

Aí meu pai disse que eu achava “El Loco” Abreu um horror porque não tinha visto Oyarbide em campo. Contou que o cara era tão ruim, mas tão ruim, que por certo tempo virou sinônimo de perna-de-pau: “Esse aí… É um Oyarbide!” – aliás, sinto que esse rótulo colaria em mim com extrema facilidade, tamanha a minha “categoria”. Segundo meu pai, Oyarbide não conseguia sequer dominar uma bola – chegava ao ponto de tentar matar no peito, e a bola ir para o lado. Era absurdamente podre.

E não foi apenas isso. O Grêmio havia gasto uma quantia considerável de dinheiro para contratar o uruguaio. Dinheiro posto fora, é claro… Tanto que o meu pai conta que era a única maneira de se conseguir tocar alguma flauta em gremista naquela época, visto que o Grêmio, além de heptacampeão gaúcho (1962-1968) tinha conquistado doze dos últimos treze campeonatos (entre 1956 e 1968 o Tricolor só não levou o caneco em 1961). A simples menção ao nome de Oyarbide era capaz de deixar um gremista furioso em tempos tão vitoriosos (naquela época Gauchão era um dos títulos mais almejados, pelo simples fato de torneios a nível nacional como Taça Brasil e “Robertão” serem bastante recentes).

Imag000-1Pois bem, era difícil para mim acreditar que pudesse existir jogador profissional tão ruim. E eis que ontem, ao verificar fontes para a minha monografia que será escrita ao longo do segundo semestre de 2009 (mas não se iludam, não é sobre o Oyarbide!), acabei encontrando uma matéria sobre o “craque”, na edição do dia 28 de agosto de 1968 do jornal “Folha da Tarde Esportiva”, que apenas ajuda a confirmar o que meu pai tanto dizia… Tirei fotos, de pouca qualidade porque batidas com câmera de celular (pois fui ao museu Hipólito da Costa apenas verificar fontes, não fotografá-las). Um trecho do texto do jornal diz:

Imag001-1

Tanto por parte da crônica como de torcedores (neste caso alguns milhares), Oyarbide foi criticado, gozado. Quase virou adjetivo negativo na terminologia do futebol.

Vou ter de corrigir o jornal: na memória coletiva dos torcedores – gremistas e colorados – daquela época, Oyarbide virou sim adjetivo negativo na terminologia do futebol, a ponto de chegar a ser considerado o pior jogador da história do Grêmio.

Façanha boliviana

A última vez que torci mesmo pela Seleção Brasileira foi na Copa de 1994. Não era o futebol mais adorado pela torcida, mas eu ainda me identificava com o time. Talvez pelo fato de que fazia tanto tempo que o Brasil não era campeão.

Depois, comecei a sentir antipatia pela equipe – o Zagallo certamente colaborou muito com isso. E uma das vezes que mais torci contra foi justamente num Brasil x Bolívia, em 1997: Zagallo convocou Paulo Nunes para a Seleção, deixando-o no banco de reservas durante praticamente toda a Copa América, enquanto no Grêmio ele teria sido utilíssimo, e talvez o Tricolor tivesse passado pelo Cruzeiro nas quartas-de-final da Libertadores se o “diabo loiro” estivesse à disposição da equipe. Na decisão do título da Copa América contra os bolivianos em La Paz a altitude não foi tão decisiva, o Brasil fez 3 a 1 e eu tive uma congestão: afinal, engolir o Zagallo não é fácil…

Na Copa de 2002 ainda torci por causa do Felipão, mas sem a mesma intensidade de 1994. Depois, nunca mais. Ainda mais que a Seleção deixou de ser realmente brasileira, jogando apenas na Europa e às vezes nos Estados Unidos, e com raras convocações de jogadores que atuem no Brasil. O time busca apenas atender a interesses econômicos: os amistosos são disputados onde se paga mais pela presença da marca CBF do Brasil, e não com os atletas tendo contato com a torcida brasileira, em seu país.

Por isso, adorei ver a CBF o Brasil empatar em 0 a 0 com a Bolívia, em um Engenhão cheio… De espaços vazios nas arquibancadas. Botaram ingressos caros para ver essa farsa que dizem representar o país.

Quem realmente representa o Brasil são os atletas olímpicos e paraolímpicos, que até sem ganhar medalhas são vencedores, já que conseguem competir mesmo sem o menor incentivo. No futebol, a Seleção Brasileira Feminina consegue ser vice-campeã mundial e olímpica representando um país sem um campeonato nacional da modalidade.

Já esse time que a mídia insiste em chamar de Seleção Brasileira… Quero mais é que fique fora da Copa de 2010. Quem sabe assim aconteça alguma mudança profunda que faça esse time voltar a representar realmente o Brasil.

Pequim 2008

Quando aconteciam os Jogos Olímpicos da Grécia Antiga, as guerras paravam. Largava-se as armas por um período, e a disputa passava a ser no campo esportivo.

Já nos Jogos Olímpicos da Era Moderna, as guerras não param. Podem até começar no dia da cerimônia de abertura, como a atual entre Rússia e Geórgia. É mais fácil trocar os esportes pelas armas (como aconteceu nas duas guerras mundiais) do que o contrário.

———-

Em apenas quatro dias de competições, a China conquistou mais medalhas de ouro do que o Brasil conquistará em todo o evento. E temos de agüentar a grande mídia pintando o Brasil como potência olímpica por causa de medalhas no Pan-Americano, do qual os principais atletas dos Estados Unidos não participam.

Poderia ser, mas infelizmente não há incentivo ao esporte nesse país. Até mesmo o futebol masculino vai mal, com nossos bons jogadores saindo do Brasil às vezes sem nem ter 18 anos – e só se reunindo vez que outra para disputar amistosos caça-níquel pela seleção cada vez menos brasileira e mais refém de interesses econômicos. E no feminino, nossas maiores craques não têm sequer uma liga nacional para disputar.

E em outros esportes, temos um grande talento vez que outra. Não que o Brasil não tenha potencial, mas o fato é que a dificuldade para se conseguir um patrocínio a esportes que não sejam prioridade na mídia faz com que poucos consigam se destacar. Aí joga-se a esperança de todo um país nas costas de uma só pessoa – como aconteceu com a Daiane dos Santos em 2004 e agora com o João Derly – e assim um eventual fracasso acaba pesando muito.

Se um nadador australiano não sobe ao pódium, há vários outros que sobem, e ainda ganham ouro. Os Estados Unidos têm Micheal Phelps – não é preciso dizer mais nada. Se uma ginasta russa falha, várias outras acertam. E da China, nem é preciso falar. Esses países sim, são potências olímpicas.

E nem é preciso ir tão longe para se ter bons exemplos. Aqui na América Latina temos um país que costuma ir muito bem nos Jogos: Cuba. Prova de que não é preciso ser “ricaço” para se desenvolver esporte de qualidade.

Lógica

Pessoa 1: O que tu tá fazendo?
Pessoa 2: Torcendo contra a Seleção Brasileira.
Pessoa 1: Ué.. mas tu não é brasileiro? Por que torcer contra a seleção?
Narrador do jogo: Richarlysson toca pra Gilberto Silva. Ele rrrrecolhe a bola e passa para Josué, que tabela com Julio Baptista e erra o lance.
Pessoa 1: Vou ali comprar uma camiseta da Suécia e já volto.

Copiado na íntegra do Cataclisma 14.

Alguém me explique

Hoje acontece o amistoso entre Brasil e Suécia, para comemorar os 50 anos da conquista da primeira Copa do Mundo pela Seleção Brasileira. Em comum com aquela partida histórica, apenas o adversário.

Pois o jogo de 1958 foi em Estocolmo, no dia 29 de junho, e o de 2008 é em Londres, no dia 26 de março. Dizem que a data de hoje é devida à impossibilidade dos dois times se enfrentarem em junho – o que é verdade, pois a Suécia disputará a Euro 2008 -, e que o local (Londres) se deve ao frio de Estocolmo nesta época.

Mas, ironicamente, nevou por esses dias em Londres, e em Estocolmo apenas faz frio, sem neve.

Além disso, em 2006 o Brasil jogou contra a Rússia em Moscou a uma temperatura de -15°C, os jogadores reservas passaram o jogo enrolados em cobertores devido ao frio. E, no ano passado, se não me engano houve um amistoso entre Brasil e Chile, no mês de março, em… Estocolmo.