Na Câmara de Vereadores

Ontem à tarde, diversos cidadãos porto-alegrenses, membros de entidades ambientalistas, associações de moradores ou simpatizantes fizeram manifestação silenciosa na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, contra o projeto Pontal do Estaleiro. Há uma pressão do poder econômico para que a lei que proíbe construção de espigões à beira do Guaíba seja mudada, e os vereadores, espertamente, conseguiram transferir a votação para depois da eleição. Mas os cidadãos já demonstram que estão de olho em nossos representantes.

Além do protesto, vale a pena chamar a atenção para uma fala da vereadora Sofia Cavedon (PT), que além de se manifestar contra o projeto, também declarou sua solidariedade com diversos educadores que foram vergonhosamente atacados por uma pseudo-reportagem da revista Veja, dentre eles Paulo Fioravante, professor de História do tradicional Colégio Anchieta, em Porto Alegre. Citou inclusive charges do cartunista Santiago, que ontem estava presente na Câmara passando um abaixo-assinado contra a construção de um espigão na Lima e Silva.

Grandes Kayser e Santiago

Duas charges sensacionais do Kayser, publicadas ontem e hoje. A primeira, sobre a Brigada Militar do Coronel Mendes, e a segunda, sobre o novo “apagão” que ameaça os brasileiros: a inflação.

E, do Santiago, vinda lá do Tinta China, sobre o novo tipo de eucalipto que as papeleiras vão plantar aqui no Rio Grande do Sul. Tão bom, que vai ajudar a acabar com os “baderneiros”!

Demissão

demissao.jpg

Os chargistas Kayser, Santiago e Moa foram dispensados do Jornal do Comércio.

O motivo? Charges que não são do interesse da mídia corporativa, pelo motivo de mostrarem a verdade que os donos do poder não querem mostrar.

 

santiago_charge.jpg

 

feijo.png

Mais do que o atendendimento aos interesses corporativos, o que percebo nesse episódio (e no Rio Grande do Sul) é o crescente mau humor. Essa turma direitosa (DIREITa + raivOSA) no poder – Yeda no Piratini e Fogaça na prefeitura – está colaborando decisivamente para isso. Vivemos num Estado que está na merda, e ainda fazemos cara feia para tudo.

Tanto que disse o Kayser na sexta-feira (quando informou aos leitores de sua demissão): “no lugar da minha charge, hoje havia a foto de uma manifestação direitosa na Venezuela, acompanhada de um editorial esculhambando o Chávez”.