Promessas

Nunca me esqueço de uma crônica de Luis Fernando Verissimo acerca de resoluções de ano novo, na qual explicava por que não as fazia. O motivo principal: elas costumam acontecer “no calor do momento”, quando a soma de bebidas alcoólicas e empolgação por uma “novidade” – que nada mais é do que uma convenção – nos impele a falar coisas sem pensar.

Lembro disso e, automaticamente, de outras promessas que fiz – as quais, obviamente, não consigo cumprir.

Uma delas é bem recente: a de não mais beber cerveja. Foi na noite seguinte à derrota do Grêmio para o River Plate, que eliminou o Tricolor da Libertadores. Para mim o saldo foi bem mais negativo do que um resultado adverso no campo, visto que naquela noite fui furtado: quando percebi meus bolsos estavam vazios, precisei encarar burocracia em busca da segunda via dos meus documentos e terei a despesa não-planejada da compra de um novo celular (atualmente uso um provisório só para acessar o básico). É verdade que bebi demais, mas injustamente quis culpar a cerveja: o maior culpado, antes de qualquer outra pessoa (ou bebida), é, obviamente, o ladrão. Até havia algum fundamento na ideia de largar a cerveja: aquela noite, dois dias após o segundo turno eleitoral, foi apenas um “fecho de ouro” para o pior outubro da minha vida, no qual muito bebi para suportar o fardo que era – aliás, ainda é – morar no Brasil. Mas foi só (re)começar o calorão que me veio a vontade de tomar uma breja gelada: moderadamente, vale muito a pena.

Outra promessa que andei fazendo tempos atrás e não tenho como cumprir: não reclamar do calor. Pois a fiz lá em junho, lembrando que nunca convenci ninguém que prefere o inferno ao inverno a mudar de ideia, para dar uma indireta aos “chatonildos do pão e circo” que reclamavam da Copa do Mundo – que foi das raríssimas coisas boas de 2018, apesar do fracasso latino-americano nos gramados russos. Era o auge do inverno (aliás, outra coisa boa de 2018 é que teve inverno, mesmo que eu tenha caído de cama por um gripaço), já tinha quase me esquecido do desconforto que o verão me proporciona. Mas não completamente: em alguns momentos cheguei a desejar temperaturas amenas, jamais o abafamento e os banhos de suor típicos do nosso verão.

Mas o maior fracasso dentre minhas promessas, sem dúvida alguma, foi a de ignorar o noticiário político. Não tive como. Ainda mais numa eleição como foi a de 2018.

É por isso que continuarei bebendo, mesmo que moderadamente. E substituo a expressão “calor de desmaiar Batista” por “calor coiso”: acho que faz muito mais sentido, pois trinta e todos graus – assim como o candidato que venceu a eleição presidencial – me dão desespero e vontade de ir embora para o Canadá, enquanto o frio pode até causar algum desconforto, mas nos leva a pensar mais nas pessoas e dá vontade de abraçá-las. Inverno é amor.

O Brasil de costas para a América do Sul

No momento em que escrevo, River Plate (Argentina) e Tigres (México) disputam a decisão da Libertadores de 2015 no Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires. Estou bem dividido quanto ao jogo: se por um lado sou extremamente grato ao Tigres por ter eliminado o Inter (não ia dar para aguentar um terceiro título deles na Libertadores), por outro acho que será bizarro demais o River representar a América do Sul no Mundial de Clubes sem ser o campeão sul-americano (o Tigres não irá ao Mundial mesmo sendo campeão pois o México integra a Concacaf).

Sintonizei na Fox Sports para assistir ao jogo. Se quiser, troco de canal e assisto no Sportv. Por curiosidade, coloquei na Globo e nada de jogo: passava a novela.

Pois é: no Brasil, quem gosta de assistir futebol (e não apenas ao seu clube do coração) precisa ter TV por assinatura. Pois a Globo só mostra jogos internacionais se envolverem um clube brasileiro ou a Seleção (cada vez mais da CBF e menos do Brasil). As exceções são a Copa do Mundo (teria de fechar as portas se não mostrasse todos os jogos) e a Liga dos Campeões da UEFA.

“Ah, mas os jogos da Liga dos Campeões são bem melhores que os da Libertadores”. Concordo. Inclusive, a final da principal competição de clubes da Europa não é mais apenas um evento esportivo, passou a ser também televisivo. Tanto que a partir de 2010 a decisão passou a ser disputada em um sábado, de modo a dar a maior audiência possível; na última final eu estava em Porto Alegre e me reuni com amigos na casa do meu irmão para assistir ao jogo.

E nesse aspecto, sem dúvida alguma, a decisão da Libertadores não ajuda: além de ser disputada em dois jogos (a da Europa é em partida única num estádio definido com bastante antecedência, sendo raro algum clube decidir “em casa”), acontece no meio da semana, em uma quarta-feira (como era na Europa até 2009). Obviamente não dá para simplesmente “copiar” os europeus, pois nossa realidade é diferente: na Europa as viagens são mais curtas (podendo ser feitas de trem inclusive) e os torcedores têm mais condições de viajar.

Sem contar que, dependendo do palco, o público da final em jogo único e em campo neutro poderia ser um fiasco: este River x Tigres não levaria muita gente a um Maracanã, por não atrair a atenção dos brasileiros. E aí, entra a culpa da Globo.

Quarta-feira é o “dia do futebol na Globo”. Tanto que temos jogos no absurdo horário das 22h, para que eles sejam transmitidos “depois da novela”. Mas, como não tem clube brasileiro na disputa (obrigado, Inter!), para a Globo é como se nada estivesse acontecendo no Monumental de Nuñez.

Por conta disso, acho bastante discutível essa história de considerar o Brasil como “o país do futebol”. Em geral, brasileiro gosta apenas de assistir ao jogo do seu time (aliás, até isso está ficando difícil, com os altos valores dos ingressos). Se estiver “neutro” na disputa, pode até ver a partida pela televisão, mas dificilmente se deslocará ao estádio – a não ser que seja Copa do Mundo, aí estará disposto a pagar caro por um ingresso só para tirar uma selfie e dizer “fui num jogo de Copa”.

Ranking de pontos da Libertadores

A Conmebol divulgou a tabela histórica atualizada da Taça Libertadores da América, em que são somados todos os pontos conquistados por todos os clubes que dela participaram – semelhante ao ranking de pontos do Campeonato Brasileiro. O River Plate, da Argentina, é o líder, com 495 pontos, quatro a mais que o uruguaio Peñarol.

O São Paulo (melhor brasileiro no ranking) aparece apenas em 12º lugar, com 231 pontos – atrás de clubes como o Bolívar (Bolívia), que nunca chegou sequer à decisão mas disputou 25 edições da Libertadores, enquanto o São Paulo participou 13 vezes.

O segundo melhor brasileiro é o Palmeiras, 15º colocado com 225 pontos, e o terceiro é o Grêmio, 18º com 184. Já o “mais internacional dos clubes brasileiros” é o sétimo melhor do Brasil na história da Libertadores: ocupa a 36ª posição, com 111 pontos.

Coisas do “país do futebol” (será mesmo?)

Li no blog sobre futebol que o Hélio Paz escreve que as craques da seleção feminina de futebol do Brasil precisaram comparecer a um compromisso na “Casa Brasil” em Pequim – desperdício de dinheiro público para tentar mais uma vez (e provavelmente não conseguir mais uma vez) trazer os Jogos Olímpicos para o país – de táxi. Enquanto isso, nossa medíocre seleção masculina tinha um ônibus à sua disposição, após o baile diante da Argentina…

Clique aqui para ler mais.

E clique aqui para ler o ótimo artigo de Idelber Avelar sobre a xenofobia anti-argentina que vigora na imprensa esportiva brasileira. Aliás, lembro que sempre associam futebol argentino à violência, mas ontem quem bateu não foi a Argentina. E lembro também que em 2003 o Corinthians enfrentou o River Plate pelas oitavas-de-final da Libertadores: os argentinos deram um banho de bola, enquanto os brasileiros só deram porrada – e perderam.

Sobre o artigo do Idelber: ele levanta uma discussão interessante de ser abordada, a respeito de alguns “dogmas patrióticos” existentes em diferentes países. No caso do Brasil, é o futebol. Em breve, escreverei mais sobre o assunto.