Milésimo

Depois do milésimo gol do Romário, o Rio de Janeiro viu mais uma contagem chegar a tal marca. E mais: já a ultrapassou.

É a contagem de mortos pela violência feita pela página Rio Body Count, que iniciou-se em 1º de fevereiro deste ano.

Um milésimo que não é motivo de orgulho algum

No último domingo, Romário alcançou o milésimo gol, segundo sua contagem. Valendo ou não a marca de mil gols, o baixinho merece um lugar no panteão dos deuses do futebol, como um dos maiores jogadores (e goleadores) de todos os tempos.

Mas há outra contagem bem próxima de chegar a mil, da qual nenhum brasileiro deve se orgulhar. Nos próximos dias o Rio de Janeiro deverá registrar sua milésima morte violenta, de acordo com o Rio Body Count. Detalhe: a contagem de mortos começou em 1º de fevereiro deste ano.

Quatro meses, mil mortos… E legalizar a pena de morte (como quer nossa elite “esclarecida”) apenas aumentaria esta média macabra. Sem inclusão social, o Brasil não tem salvação.

Milésimos

No momento em que escrevo, o Vasco enfrenta o Sport pelo Campeonato Brasileiro, no estádio de São Januário, Rio de Janeiro. Pode ser que saia, finalmente, o milésimo gol do Romário.

Caso ele não marque hoje, é provável que a contagem do Rio Body Count chegue a mil antes. Detalhe: Romário conta gols dos tempos do infantil (ou seja, lá do começo dos anos 80) enquanto os mortos no Rio de Janeiro começaram a ser contados apenas em 1º de fevereiro deste ano. Agora, são 941 mortos no Rio contra 999 gols do Romário.

———-

Atualização: Romário acaba de marcar o milésimo.