Porto Alegre me dói

Está terminando a campanha eleitoral de 2012, pelo menos no primeiro turno. Se as pesquisas realmente estiverem certas, o atual prefeito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT), será reeleito já no domingo, sem necessidade de segundo turno.

Não recordo de uma eleição para prefeito que tenha me empolgado tão pouco quanto essa. E isso se deve ao simples fato de que nenhum dos candidatos (além do próprio Fortunati) com chances nesta campanha – ou seja, Manuela D’Ávila (PCdoB) e Adão Villaverde (PT) – se comportou realmente como oposição (se bem que de Manuela eu não esperava muito, como falarei logo mais). Quem realmente se opôs, se portou como esquerda, está praticamente fora da disputa: Roberto Robaina (PSOL) e Érico Correa (PSTU). E assim uma administração privatista, à qual o adjetivo “medíocre” chega a ser um elogio, provavelmente dará “um passeio” nas urnas.

Desde que comecei a votar, em 1998, jamais votei nulo. Sempre achei que isso significava desperdiçar o voto. Quando alguém dizia que “são todos ruins”, argumentava lembrando que, nesse caso, é melhor escolher o menos ruim, pois um deles terá de ganhar – então, que não seja o pior.

Porém, a possibilidade de um segundo turno entre Fortunati e Manuela me fazia pensar seriamente em anular o voto. Pois se votar no primeiro significa “assinar embaixo” de tudo o que está aí (mesmo usando a lógica do “menos ruim”), a segunda tem o apoio de Ana Amélia Lemos, senadora do PP que defende os ruralistas e apoiou o golpe no Paraguai. Qualquer uma das opções faria com que a consciência pesasse toda noite na hora de pôr a cabeça no travesseiro.

Charge do Kayser (2008)

Como Fortunati deve vencer no primeiro turno, a tendência é que eu não precise anular um voto pela primeira vez. Ainda assim, chega a me dar vergonha de morar numa cidade que provavelmente reelegerá um governo desses, mesmo que isso se deva à incompetência da oposição. E pensar que antigamente meu sentimento era “ao contrário” e não escondia o orgulho de poder dizer “sou de Porto Alegre”…

————

Mas, se a oposição tem sua culpa neste “quadro da dor”, também anda meio difícil não se enojar com o “cidadão médio” de Porto Alegre. Um exemplo é o que se vê nos espaços para comentários em notícias sobre a violenta repressão de ontem à noite no Largo Glênio Peres: um festival de reacionarismo (opiniões na mesma linha daquelas sobre os 20 anos do Massacre do Carandiru). Embora eu ache que tenha sido uma burrice derrubar aquele boneco inflável do mascote da Copa de 2014 (quem se beneficia disso é a direita, não a esquerda), nada justifica tamanha truculência por parte da Brigada Militar, que saiu distribuindo cacetadas – sendo que apenas meia dúzia tinha realmente atacado o boneco – e agrediu gente que tão somente filmava o que acontecia.

O primeiro debate de 2010

Ontem à noite, a Rede Bandeirantes realizou o primeiro debate entre os candidatos à presidência da República. Enfim, a “grande mídia” teve de abrir espaço para Plínio de Arruda Sampaio, que vinha sendo solenemente ignorado – só se falava de Dilma, Serra e Marina.

A propósito, foi justamente Plínio que salvou o debate da pasmaceira. Já tinha lido que ele se preocupava em atacar mais o PT do que a outros partidos, mas não foi o que vi ontem: o candidato do PSOL bateu forte nos três adversários, fez críticas pertinentes. E, o melhor de tudo, com toques de bom humor, diferente da postura adotada por Heloísa Helena em 2006. Afinal, qual foi a melhor: ele chamando José Serra de “hipocondríaco” por “só falar de saúde”, ou dizendo que Marina Silva é uma “ecocapitalista”?

Sem dúvida alguma, quem ganhou com este debate foi Plínio. Como falei, não se preocupou apenas em “bater no PT”, prática adotada muitas vezes pelo PSOL que considero muito equivocada, por fazer o partido se mostrar como “oposição” – que no Brasil, hoje, é de direita – e não como alternativa de esquerda, que é o que ele precisa ser. Na última eleição para a prefeitura de Porto Alegre (2008), para vocês terem uma ideia, nos debates Luciana Genro batia forte na petista Maria do Rosário enquanto debatia propostas com Onyx Lorenzoni, do DEM. Pode???

Bom, agora resta torcer para que a “grande mídia” deixe de falar em apenas três candidatos à presidência. Pois eles não são três, e nem quatro: além de Plínio, concorrem outros cinco – Rui Costa Pimenta (PCO), Zé Maria (PSTU), Ivan Pinheiro (PCB), Levy Fidelix (PRTB) e José Maria Eymael (PSDC) – que não participaram porque a lei só obriga as emissoras a convidarem os candidatos de partidos representados no Congresso.

A pacificada Porto Alegre

Na festa da vitória do Fogaça, o repórter Graciliano Rocha, da Folha de São Paulo (“jornal comunista”, para os reaças que acham que qualquer um que não os agrade é comunista), foi agredido por militantes do PMDB.

Ué, diziam que o PT perseguia jornalistas… Nunca ouvi falar de militantes de qualquer partido de esquerda (PT, PSB, PCB, PCdoB, PSTU, PSOL etc.) que tenham agredido jornalistas.

Mudança de voto

Eu ia votar na Vera Guasso, a única candidata à prefeitura de Porto Alegre que não tem o “rabo preso” nessa eleição.

Mas diante do perigo de termos um segundo turno entre Fogaça e Britto Manuela (que tem Berfran Rosado como vice), vou, mais uma vez, digitar “13” na urna eletrônica. Entre Fogaça, Manuela e Rosário, a última é a menos pior das alternativas.

É isso, ou anular o voto no segundo turno… Pois o problema não é a Manuela, e sim, as péssimas companhias que ela escolheu. Se por acaso ela deixa a prefeitura, quem assume é o Berfran.

Não dá para se iludir: votar na Manuela, infelizmente, é igual a votar no Britto. E no Fogaça também: agora no PMDB, ele foi eleito em 2004 e ficou até o ano passado no mesmo PPS de Berfran, que hipocritamente fala em “mudança”.

Lembrando Mauss

Em uma cadeira de Antropologia que cursei na faculdade, tive a oportunidade de ler parte da obra de Marcel Mauss, que é conhecido pelo chamado “princípio da reciprocidade”.

De acordo com Mauss, nada é dado “de graça”. Sempre se espera receber algo em troca. Que não necessita ser material. Pode ser um bem simbólico. O princípio é resumido pela tríade “dar-receber-retribuir”.

Embora haja críticas ao modelo de Mauss – que não serão discutidas aqui nesta postagem -, seu princípio é facilmente observável na nossa sociedade.

Quando presenteamos alguém, por exemplo, esperamos que a outra pessoa também nos presenteie, com algo que tenha valor semelhante. Daí a razão dos tradicionais amigos-secretos de final de ano terem um preço máximo para os presentes: é preciso haver um equilíbrio entre todos os participantes, independentemente do poder aquisitivo de cada um, para não quebrar o espírito de confraternização. Caso contrário, haveria o risco de uma pessoa gastar 100 reais para comprar um presente e receber em troca algo que custa 2 reais. E vice-versa. O que seria extremamente desconfortável para o grupo: o “gastão” seria chamado de ostentador, e o que tem pouco dinheiro, de “mão-de-vaca”.

———-

Aonde quero chegar com tudo isso? Bom, quero é falar sobre a questão das doações feitas por empresas para campanhas à prefeitura de Porto Alegre.

O Grupo Gerdau doou (deu) dinheiro à todos os candidatos, com exceção de Vera Guasso (PSTU), que não aceitou. Não pensem que foi por “bondade”. Não achem que, por ter doado 100 mil reais à campanha de Luciana Genro (PSOL), a Gerdau tenha tornado-se “socialista” e “verde” (já que o PSOL está aliado ao PV).

De qualquer um que se eleger – a exceção seria Vera Guasso, que certamente não se elegerá – a Gerdau espera uma “retribuição”. Não será a devolução do dinheiro doado, mas sim, que a prefeitura atenda a seus interesses. Que não são, necessariamente, os mesmos da população de Porto Alegre…

Por essa razão, decidi: vou de Vera Guasso. O PSTU é o único partido que não está “de rabo preso” nessa eleição. Não é o único coerente: o pessoal da direita receber dinheiro de empresas não é nada estranho. De se lamentar, é ver o PSOL fazer o que tanto criticava no PT…

“Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”, poderia ser o lema deles.

E além disso, é urgente uma mudança na legislação eleitoral. Todos os partidos tinham de ter tempo igual na televisão e no rádio, para assim terem – pelo menos teoricamente – a mesma chance de vencer. E também para que as coligações partidárias levassem em conta programas políticos, e não “tempo de exposição na mídia”.

E também deveria ser expressamente proibido receber doações de empresas privadas. O financiamento de campanhas eleitorais deveria ser público. Acabaria esse negócio de candidatos com o “rabo preso”, que ajudados na campanha procurariam retribuir em seus mandatos para os financiadores de sua eleição.

Os esquerdistas cegos

No dia 10 de dezembro, o Hélio Sassen Paz escreveu um ótimo post no Palanque do Blackão, sobre os atuais desafios da esquerda – inclusive recomendei a leitura. E lembrei que, quando ele citou os “esquerdistas cegos”, não tive como não pensar em muitos colegas lá da faculdade de História. São, literalmente, contra tudo e a favor de nada.

Mas este “esquerdismo” é mais “partidarista” do que ideológico. Em setembro, quando aconteceu o episódio do “baba-ovo” dos deputados de esquerda para a RBS, a Luciana Genro, do PSOL, estava incluída na turminha. Comentei sobre o assunto com uma colega que votou na Luciana ano passado, esperando que ela também ficasse indignada.

Mas, para minha surpresa negativa, ela defendeu a Luciana Genro e atacou a mim! Disse que eu era “reacionário” (!!!) demais, que a Luciana utilizava o meio – no caso, a mídia – para obter benefícios para o partido (sim, para o partido, não para uma idéia) e que a Luciana não estava errada, ou seja, que o Estado “se vê melhor” via RBS.

Não bastasse isso, lembrou que a Globo e a RBS, assim como o PSOL, atacavam o PT porque ele era um “símbolo” da corrupção (como se todos os petistas fossem corruptos), ou seja, literalmente era a favor da aliança do PSOL com a mídia corporativa. Nada diferente das alianças do PT com a direita, que deram origem ao PSOL.

Uma pena, pois apesar de não ter votado em nenhum candidato do PSOL em 2006, eu respeitava o partido.

Esquerda inteligente

Vale a pena a leitura do texto que o Hélio Paz escreveu lá no Palanque do Blackão.

Quando ele citou os “esquerdistas cegos”, foi impossível não lembrar de muitos colegas lá da História que se encaixam exatamente neste perfil…