16 de maio

Amanhã, meu irmão completa 36 anos de vida, o que faz do 17 de maio um dia muito importante para mim.

Mas o dia de hoje também tem significado nos últimos cinco anos.

Foi em 16 de maio de 2016, no início da tarde, que recebi e-mail de uma colega de trabalho aqui de Porto Alegre que desejava voltar a morar em Ijuí e por isso queria saber se eu mantinha minha vontade de me transferir para a capital.

Por alguns segundos fiquei na dúvida, que obviamente não duraria muito. Sim, eu queria.

À noite (mais precisamente, à meia-noite) eu faria uma chamada pelo Skype para o meu irmão, por conta do aniversário dele. Passei boa parte do dia na dúvida sobre contar ou não que tinha possibilidade de retornar a Porto Alegre.

Perto da meia-noite, decidi contar. Pois mais cedo ou mais tarde eu faria isso, então que fosse em uma ocasião festiva.


Nestes últimos cinco anos, muitas vezes pensei se acertei ou não naquele 16 de maio. Em especial desde que começou a pandemia: ficar em casa num apartamento com sacada (como aquele no qual eu morava em Ijuí) seria bem melhor do que onde moro agora. Sem contar que um ano e sete meses não foi suficiente para eu conhecer mais a cidade.

Mas, em compensação, a distância da família era o fator principal. Por ter voltado, pude ficar perto de minha avó nos anos finais da vida dela (exceto nos últimos três meses por conta do isolamento pandêmico); também pude acompanhar bastante minha mãe após a cirurgia cardíaca que fez no começo de 2021.

Ultimamente, estou mais convicto de que acertei em retornar para Porto Alegre. E ao mesmo tempo, também acho que valeu muito a pena ter morado em Ijuí. Foi uma excelente experiência de vida, que recomendo a muitas pessoas que nunca viveram fora de capitais e têm uma visão bastante estereotipada do que é o interior.

Talvez um dia novamente eu deixe de morar em Porto Alegre. Mas por enquanto, não o farei, apesar da “politização” da população local

A decisão certa

Já escrevi, mais de uma vez, sobre morar no interior do Rio Grande do Sul. Em setembro de 2015, ainda sob o efeito de um feriadão muito tenso por conta da violência em Porto Alegre, dizia não ter vontade de voltar a viver na capital – para, menos de um ano depois, estar de volta. Cinco setembros depois daquele texto, lembrava a vida em Ijuí e comentava até mesmo sobre a nostalgia que me dava, ainda mais por ter passado relativamente pouco tempo lá; mas, ao mesmo tempo, não achava que tinha tomado a decisão errada ao retornar a Porto Alegre. E após a última eleição, irritado com a acomodação do eleitorado porto-alegrense, deu vontade de novamente me mudar para o interior.

Mas, como disse no texto do início de dezembro, seria algo para pensar apenas depois da pandemia, mais interminável que o Gauchão de 1994. E de qualquer forma, eu estava realmente certo quando voltei em 2016: a principal razão era que minha mãe e meu pai envelheceriam como a minha avó e demandariam maiores cuidados, que cairiam todos nas costas do meu irmão caso eu continuasse em Ijuí. E se já faz quase duas semanas que não escrevo nada, isso se deve muito à preocupação com a minha mãe, que em exames de rotina descobriu problemas cardíacos e precisou fazer uma cirurgia de ponte de safena: felizmente, correu tudo bem na operação, realizada ontem; amanhã provavelmente ela sairá da UTI pós-operatória (pelo menos dois dias lá são de praxe) e será transferida a um leito clínico, com previsão de mais cinco dias mas podendo ir para casa até antes.

Nada como ter tomado a decisão certa, na hora certa. Em janeiro de 2016, quando me inscrevi no edital de remoção, não pus Porto Alegre como minha primeira opção por achar que seria muito difícil conseguir. Achava mais fácil que abrisse vaga em Santa Cruz do Sul ou Lajeado – e até preferia mesmo ir para uma das duas cidades, bem menos distantes que Ijuí. Mas no começo da tarde do dia 16 de maio, ao abrir meu e-mail após o almoço e ver a mensagem de uma colega aqui da capital manifestando interesse em uma permuta e perguntando se eu ainda queria (afinal, poderia ter mudado de ideia em quatro meses), nem precisei pensar muito antes de responder: iria querer sim, só precisaria de um tempo para me organizar e planejar a mudança.

Mais do que nunca, estou convicto de que não errei. Morar em Porto Alegre, ainda que sentindo vontade de voltar ao interior algum dia, significa estar perto da minha família sem precisar passar horas em um ônibus para isso. Ainda mais agora, em tempos de pandemia. (Já basta a exposição no hospital, acompanhando minha mãe.)

Definitivamente, valeu a pena estar aqui.

Nada de novo

Pelo contrário, tudo muito velho neste começo de 2021 – e nem dava para esperar algo diferente.

A pandemia, obviamente, não respeita calendário, seguindo firme e (ainda mais) forte. Ali pelo meio de janeiro veremos os resultados das aglomerações durante as festas de final de ano.

Em Porto Alegre, temos um novo velho governo. Sebastião Melo, vice-prefeito no segundo mandato de José Fortunati, assumiu a prefeitura na sexta-feira e hoje já decretou uma irresponsável flexibilização que também ajudará a abreviar muitas vidas. Parecia difícil imaginar que um dia eu sentiria saudades de ver Nelson Marchezan Júnior no Paço Municipal, e mais incrível que isso se dê menos de uma semana após ele transmitir o cargo.

Nada de novo também no tocante ao pouco caso de muitas pessoas sobre o que é racismo e como ele passa desapercebido. Como vemos no hino do Rio Grande do Sul, com aquele famoso trecho sobre o destino de “povos sem virtude”. Discussão que ocorre justo quando a Austrália alterou a letra de seu hino nacional por conta de um verso que desconsiderava os indígenas – que chegaram àquelas terras milhares de anos antes do primeiro europeu pôr seus pés lá.

Dizem que Francisco Pinto da Fontoura, autor da letra do Hino Rio-Grandense, não se referiu aos negros quando escreveu “acaba por ser escravo”, mas sim aos rio-grandenses em relação ao Império do Brasil. Da mesma forma que Peter Dodds McCormick (que escreveu os versos do hino nacional australiano) provavelmente nem pensou que suas palavras desconsiderariam os indígenas – até porque eles sequer eram considerados como pessoas pelos censos da Austrália antes da década de 1960. Assim como August Heinrich Hoffmann von Fallersleben nem se preocupou que seu “Alemanha acima de tudo” pudesse ser associado ao nazismo, já que ele escreveu a letra da canção que se tornaria o hino nacional alemão quase meio século antes do nascimento de Adolf Hitler. E ainda há gremista que jure de pés juntos que o uso do termo “macaco” para se referir aos colorados é porque eles “eram imitões”, e não porque nosso rival abriu antes suas portas aos negros. (Sim, reconhecer isso não me faz menos gremista.)

Só que os tempos mudam. E certas coisas não cabem mais neles.

Eram negros os escravizados nos tempos em a letra que o Hino Rio-Grandense foi escrita – e a então província foi reintegrada ao Império do Brasil, não sem antes entregar “de presente” os Lanceiros Negros, tirando-lhes as armas que precisariam para a defesa. Ao contrário do que era cantado com sentido patriótico até 31 de dezembro de 2020 na Austrália, ela não foi descoberta no Século XVIII como diz sua “história oficial”, pois já era habitada mais de 60 mil anos antes da chegada dos europeus. Depois dos horrores perpetrados pelos nazistas, tornou-se inaceitável que os alemães cantassem em coro um verso que colocasse seu país “acima de tudo” mesmo que ele tivesse sido escrito um século antes. E, sinceramente, acho que a torcida do Grêmio fica bem mais legal incentivando o time ao invés de ficar falando do Internacional de forma escrota.

Só não mudam as pessoas que preferem manter suas cabeças fechadas. Assim como as que põem o lucro acima da vida e que agora estão, infelizmente, com mais poder em Porto Alegre.

Até o SARS-CoV-2 muda. Inclusive, sua famosa variante mais transmissível já está no Brasil.


Para alterar aquele verso do Hino Rio-Grandense, vi no Facebook uma sugestão que embora mude um pouco a rima, mantém a mesma vocalização:

Povo que não tem virtude, adora o Bolsonaro.

Minha Porto Alegre… Minha?

Ao contrário da eleição anterior, não publiquei texto abrindo meus apoios às vésperas da votação. Meu computador estava com problema e não rolava escrever muito no celular. Mas quem acompanha minhas redes sociais (sinceramente, muito mais gente do que quem costuma vir aqui) já sabia meu posicionamento. De qualquer forma, para constar: votei em Karen Santos para vereadora e Fernanda Melchionna no primeiro turno. Ambas do PSOL. No segundo turno, não tive dúvidas: fui de Manuela. Meus votos em 2020 foram todos para mulheres.

Uma obviedade por minha posição política de esquerda, mas era algo que vai além disso: Porto Alegre é governada pela direita há 16 anos, que agora chegará a 20 com a eleição de Sebastião Melo. Era mais do que um voto “ideológico”: era para a cidade sair da mesmice. Ainda mais se considerarmos que é uma mesmice RUIM: há cidades governadas pela direita onde se vive melhor, as coisas funcionam, o que não é o caso de Porto Alegre.

Com o agravante de que o eleito é o vice do lamentável segundo mandato de José Fortunati, o prefeito que mandava cortar árvores com o estúpido argumento de que “as pessoas não as usavam” para alargar uma avenida e que deixou a cidade com inúmeras obras inacabadas – aliás, boa parte delas eram para a Copa de 2014, e não ficaram prontas até agora quando já acontecem as eliminatórias para 2022. E como se não bastasse, Melo promete “abrir tudo” como se fosse possível acabar com a pandemia por decreto; de aumentar a testagem da população para que tal abertura possa ser mais segura ele não falou em nenhum momento.

A maioria do eleitorado porto-alegrense prefere continuar na mesmice ruim para não votar na esquerda. Um voto puramente ideológico… Como costumam ser os meus?

Não. Pois não estou do lado que se utiliza de desinformação e um discurso muito velho. Apoiadores de Melo falavam que se Manuela ganhasse a população porto-alegrense iria “comer carne de cachorro”, o próprio candidato apelava a um anticomunismo que mais caberia na década de 1960 do que em 2020… Sem contar os ataques de Rodrigo Maroni, ex-noivo de Manuela que parecia ser candidato mais por “dor de cotovelo” do que por ter propostas para a cidade (não tinha). Houve campanhas de mais baixo nível em outras cidades brasileiras, mas em Porto Alegre não recordo de outra tão suja.


Lembro de quando cogitei pela primeira vez morar no interior do Rio Grande do Sul, quando fiz um concurso para a prefeitura de Farroupilha em 2013. Um conhecido, de esquerda como eu e que era da Serra, disse: “te prepara”.

Não fui para Farroupilha, me saí (muito) mal na prova. Mas pouco tempo depois passei em outro concurso e em janeiro de 2015 me mudei para Ijuí, a 400 quilômetros de Porto Alegre. Eu pensava seriamente em morar no interior: embora não planejasse ir para tão longe (as outras opções eram ainda mais distantes), o fato de ter o desejo de “mudar de ares” facilitou bastante minha adaptação a uma nova vida interiorana.

Imaginava ficar pelo menos três anos em Ijuí, mas circunstâncias pessoais (das quais não falarei novamente, escrevi sobre isso não faz tanto tempo) me fizeram retornar a Porto Alegre assim que surgiu uma oportunidade. E como disse no texto citado, não me arrependi do retorno: era o famoso “cavalo encilhado” que não podia deixar passar.

Ao mesmo tempo, o isolamento social imposto pela pandemia muitas vezes me levou a refletir sobre como seria melhor morar em uma cidade no interior, onde pelo mesmo valor que pago de aluguel em Porto Alegre eu estaria em um apartamento maior, com sacada, talvez até com churrasqueira: não era o caso de Ijuí (onde quase consegui um com), mas não custaria uma exorbitância como em Porto Alegre.

Fala-se muito sobre o conservadorismo do povo do interior, e o exemplo que relatei do conhecido me “alertando” sobre como seria morar na Serra diz tudo. Mas, sinceramente, o povo de Ijuí (que é de onde posso falar um pouco, por já ter morado lá) não me parece tão mais conservador que o de Porto Alegre, que aceita ser governado pela direita por (pelo menos) 20 anos mesmo que ela não faça muito por merecer cinco vitórias eleitorais consecutivas. (E sim, também acho que a esquerda também errou nesta e em campanhas anteriores, somos muito fracos em comunicação.)

Mas, se é para conviver com tantos conservadores (e mesmo reacionários)… Não seria melhor fazer isso onde eu tivesse mais qualidade de vida?

Eis algo em que vou pensar com bastante carinho, especialmente após o fim desta maldita pandemia, já que agora nem adianta muito. Não necessariamente me mudarei, mas pensarei seriamente.

O pior de todos os verões

Dizer que o verão de Porto Alegre é “infernal” configura redundância. Não é de hoje que faz “calor de desmaiar Batista” (a própria expressão surgiu em 2010 após o referido comentarista passar mal ao vivo na televisão).

Mas o próximo verão, que se aproxima e já faz seus primeiros “ataques”, tem tudo para ser o pior de todos os tempos. Pois se em tempos normais já se passa muito calor por aqui, em 2020/2021 teremos o agravante do uso da máscara por conta da covid-19.

Sexta-feira tive uma “amostra grátis” do que nos aguarda. Fui ao supermercado e cheguei em casa vertendo suor. E isso que nem estava tão quente… Imagina em janeiro.

Pior é pensar que poderia ser menos arriscado sair sem máscara agora que o tempo começa a esquentar. Pois ainda antes do inverno um bando de idiotas vinha com o papo furado de “direitos individuais” para justificar o não uso da proteção. Por conta disso, a pandemia até “arrefece” mas segue muito longe de estar controlada. E provavelmente não será recomendado o uso de ar condicionado no serviço durante o verão.

Os tais “direitos individuais” dessa corja atentam contra o direito coletivo de preservarmos nossa saúde e de sofrermos menos com o calor. Culpa principalmente do ser repulsivo que foi eleito presidente em 2018, apesar de tanto avisarmos que era roubada.

Conselhos: se fossem bons, seriam pagos

O ditado é um tanto “dinheirista”, mas concordo demais pois faz muito sentido.

Ontem postei uma foto cujo objetivo maior era o escárnio ao (des)governo instalado em Brasília na última terça-feira. Captura de tela do meu celular informando a temperatura de 37°C e dizendo que após o coisa ruim tomar posse, “estávamos no inferno”.

Pra quê… Recebi “conselhos” para “aproveitar melhor o verão”, como “me associar em clube com piscina”.

É o seguinte: isso não cabe no meu orçamento. Se coubesse, talvez já tivesse me associado… Talvez. Pois ser sócio de clube com piscina não me livraria desta noite de merda, com 30°C depois de uma hora da madrugada e ar condicionado não dando vencimento. E ainda tenho de torcer para não ter corte de luz – algo muito possível numa noite como essa. Sair de Porto Alegre me parece muito mais eficaz do que clube com piscina: pena que só tenha direito a 30 dias anuais de férias e o verão dure (pelo menos) 90… Sem contar que eu sequer teria dinheiro para passar um mês fora dessa fornalha.

“Ai mas no inverno os pobres sofrem, moradores de rua passam frio”: sim, mas eles não sentem calor também? O problema do inverno é meramente de ordem sócio-econômica: com um teto para se abrigar e roupas para vestir, dificilmente se sofrerá realmente com o frio por aqui.

Isso me dá muito nojo: gente que pode tranquilamente usar estufas e mesmo tirar férias durante o inverno para viajar a um lugar mais quente (ou simplesmente dormir até mais tarde já que, de fato, o frio dá preguiça de sair da cama), ao invés de fazer isso, prefere ficar de “mimimi” em rede social fingindo que se preocupa com os pobres, quando apenas quer uma desculpa “nobre” para sua preguiça de vestir algumas roupas a mais. E nem é no inverno inteiro: dá para “contar nos dedos” o número de dias de “renguear cusco” a cada ano – e em alguns deles não temos nenhum.

A pobreza não acaba quando a temperatura sobe, acho bom lembrarem disso. E eu mesmo reclamo de “barriga cheia” do calor: felizmente tenho ar condicionado (espero que haja energia para ele funcionar a noite inteira), os pobres que sofrem com o frio certamente estão com imensa dificuldade de dormir nesta noite de merda.

Larguem de ser populistas: vocês que reclamam de um inverno que é “fichinha” na comparação com Sibéria, Canadá, Escandinávia e mesmo a nossa vizinha Argentina, são de dar inveja a Trump e Bolsonaro.

E não me deem conselhos. Já tenho idade suficiente para saber o que quero. Se eu precisar de qualquer dica, pedirei. Caso eu simplesmente reclame de alguma coisa e não peça ajuda, reclame junto ou mantenha um respeitoso silêncio. E se quiser mandar contra, ao menos seja engraçado ao invés de passar conselhos que mais parecem “spam”.

Nostalgia… Mas de quê?

Um dos motivos pelos quais uso este template para o blog é poder usar várias imagens de cabeçalho, que variam a cada clique. Assim quebro um pouco menos a cabeça na escolha de uma.

Resolvi dar uma “atualizada” no cabeçalho, excluindo algumas fotos e incluindo outras – e todas as que “entraram” foram tiradas em Ijuí.

Toda vez que vejo as fotos que tirei no tempo em que morei lá (janeiro de 2015 a agosto de 2016) me bate um sentimento que ainda não defini bem. Uma espécie de nostalgia. Tanto da vida mais tranquila que levava em Ijuí, como também – acho que o mais provável – de morar sozinho.

O curioso é que em nenhum momento desde o retorno eu me senti arrependido de ter voltado a Porto Alegre. Quando bate a nostalgia, lembro também do tempo que precisava passar dentro de um ônibus para ver minha família, e que às vezes ficava mais de mês sem vir para cá.

Talvez isso passe quando eu me mudar (novamente) da casa da minha mãe e voltar a morar sozinho. Isso é, aliás, minha única “resolução” para 2017.

Porto Triste

Passei o último feriadão em Porto Alegre. Quando embarquei sabia que a situação por lá não era das melhores. Desde terça-feira da semana passada eram frequentes as notícias relativas à violência, e colegas de trabalho chegaram a sugerir que talvez fosse melhor ficar em Ijuí. Não fosse a saudade da minha família (desde junho eu não ia para lá), provavelmente eu teria cancelado a viagem, esperando que as coisas acalmassem.

Sexta-feira à noite, quando cheguei, logo soube de mais um tiroteio – que infelizmente resultou na morte do dono de uma padaria do bairro Menino Deus. Na manhã seguinte, li a notícia de que um pub tinha sido assaltado no Moinhos de Vento (bairro “chique”), e em um grupo de amigos do tempo do colégio no WhatsApp, uma amiga disse não ter respondido às mensagens trocadas no dia anterior porque na hora estava em pânico devido a um tiroteio na esquina da casa dela.

Apesar da impressão de estar em meio a um filme de faroeste, saí para a rua, pois queria ir ao Mercado Público tomar um caldo de frutas, para matar a saudade. E no final da tarde de sábado fui para a casa da minha avó, no bairro Bom Fim (onde dias antes um homem fora executado em plena tarde), passar a noite lá – e só me senti tranquilo quando cheguei. Só em ambientes fechados eu me sentia seguro.

No domingo, passei boa parte do dia na casa da minha avó, e à tarde fui à Arena do Grêmio, onde exorcizei minha “síndrome de Mick Jagger” com a vitória de virada do Tricolor sobre o Goiás. Assisti ao jogo com o Hélio, a Lu e o Evandro. Comentei que se não tivessem compromisso depois poderíamos ir à Cidade Baixa, mas aí o Hélio disse que na situação atual, com tantos assaltos, era melhor evitar. Voltei da Arena para o Centro de ônibus, desci no Mercado e pretendia pegar outro para chegar à casa da minha mãe. Só que na hora ele não estava no fim da linha, e por temer ficar esperando quando já escurecia (ainda mais que dias antes houve registros de “arrastões” no Centro), resolvi pegar um táxi: “melhor dar 10 reais para o taxista do que 20 para um assaltante”, pensei. E fiquei em casa na noite de domingo, conversando com a minha mãe – o que não foi ruim, pois não tinha passado muito tempo com ela, que me contou que ultimamente vinha evitando andar a pé na rua à noite.

Embarquei de volta para Ijuí às 13h de segunda-feira (cedo, pois não gosto de viajar à noite). Lamentando pelo feriadão ter passado tão rápido – passei bastante tempo com a família, mas gostaria de poder ficar mais. Só que ao mesmo tempo, com um certo alívio, pois durante a maior parte do tempo que estive em Porto Alegre me senti muito inseguro. Não sou uma pessoa de muitas certezas na vida, mas estou cada vez mais convicto de que não quero voltar a morar na cidade onde nasci e vivi por 33 anos – o que não digo sem uma boa dose de tristeza, pois continuo me sentindo em casa quando estou em Porto Alegre.

Sim, sei que a violência fora de controle neste início de setembro se deveu muito à redução do já deficitário efetivo policial causada pela paralisação em protesto contra o parcelamento dos salários (muito embora eu, como graduado em uma ciência humana, bem saiba que a criminalidade não se resolve simplesmente com “mais polícia”).

Só que no interior vivo muito menos intranquilo que na capital. No último dia 4, quando viajei, Ijuí amanheceu sem policiamento e andei na rua sem a mesma apreensão que senti muitas vezes em certas partes de Porto Alegre mesmo com a polícia trabalhando normalmente. Embora não pense em ter filhos, se um dia resolver tê-los quero que cresçam em uma cidade onde andar na rua não seja algo arriscado.

Por isso eu digo a quem deseja uma vida mais tranquila: quando aparecer uma oportunidade de morar no interior, não deixe de aproveitar. “Ah, mas no interior não se tem tantas coisas para fazer como na capital”: sobre isso falarei outra hora, em outro textão.

Seis meses da mudança

Morar sozinho em uma cidade diferente daquela onde morei por 33 anos requer capacidade de saber se adaptar à nova vida. Não é fácil, tem gente que não aguentaria sair de uma capital para viver em uma cidade de interior, apesar de muitas vantagens decorrentes disso (aumenta a qualidade de vida devido ao ritmo menos corrido, e diminui o custo por não ser uma capital).

Ontem completei seis meses morando em Ijuí. Sim, seis meses. Vim para cá definitivamente no dia 26 de janeiro, mas a noite do dia 28 para o 29 foi a primeira que passei em minha casa e acho mais correto, portanto, “oficializar” o 28 de janeiro como “dia da mudança”.

Seis meses depois, claro que sinto falta de pessoas e lugares de Porto Alegre. Algumas que eu via quase todos os dias (minha avó, minha mãe, meu pai e meu irmão) agora moram a 400 quilômetros de distância. Se sinto vontade de tomar um caldo de frutas no Mercado Público ou um café na Casa de Cultura Mario Quintana (com direito à sensacional vista do Guaíba lá no último andar), não é mais questão de simplesmente ir: é preciso entrar num ônibus e ficar seis horas dentro dele.

Mas confesso que não sinto saudade de morar em Porto Alegre (o que não quer dizer que nunca mais voltarei a morar lá). Continuo gostando muito da cidade (não simplesmente por ser minha terra natal, mas também pelas razões explicadas no parágrafo anterior), mas em Ijuí tenho mais qualidade de vida. Costumo dizer de brincadeira que aqui congestionamento é “dez carros” (óbvio que não é tão pouco assim, mas demonstra como o trânsito aqui é mais tranquilo que na capital). Posso morar perto do Centro (e do trabalho) sem precisar pagar uma fortuna mensal de aluguel, e devido à distância menor consigo inclusive almoçar em casa (em Porto Alegre isso seria impossível). Sem contar que aqui o verão é menos desesperador: cheguei em janeiro e achei a cidade quente mas menos sufocante que o “Forno Alegre” (é verdade que o último verão não foi dos piores, mas notei que aqui a umidade não é tão alta como em Porto Alegre e de noite costuma refrescar). As opções de lazer não são tantas como na capital, mas existem e são boas (já sei onde fica o melhor xis, o melhor pastel, a melhor pizza etc.). Já fui a jogos do São Luiz no Estádio 19 de Outubro (pena que o time não tenha ajudado muito). Até hospital já conheço: em abril dei um mau jeito na coluna e a dor era tanta que me impedia de dormir e me levou a procurar atendimento médico.

E pessoas? Quando vim para cá já tinha dois contatos: minha prima Simone e meu amigo Italo (com quem já assisti a alguns jogos do Grêmio e é das poucas pessoas de esquerda que conheço aqui). Seis meses depois, já conheço mais gente, é óbvio. E como acredito que ao me mudar não deixei nenhum coração apaixonado para trás (admiradora secreta em Porto Alegre, se houver: fale agora ou cale-se para sempre), quando uma colega falou em me apresentar uma amiga solteira achei uma boa ideia. Só que resolvi conferir o perfil da moça no Facebook antes para ter uma ideia do que ela gosta, como pensa etc., e acabei descobrindo que ela votou no Aécio e é a favor do impeachment…

Achei melhor permanecer solteiro.

Um trajeto de táxi e um pouco de História

– Pega a Cauduro, depois a João Telles à esquerda e a Irmão José Otão, também à esquerda.

E assim comecei a explicar ao taxista o trajeto que deveríamos fazer. Meu pai, que ia no banco da frente do carro, estranhou a orientação. Obviamente na parte em que falei em “Irmão José Otão”. Prontamente lembrei que era a “continuação” da Rua Vasco da Gama, que a partir da João Telles muda de nome e passa a denominar-se Irmão José Otão, mas que ainda assim muitas pessoas costumam chamar de “Vasco” – inclusive eu em não tão poucas ocasiões.

Certamente a maioria das pessoas se pergunta por que raios de motivos a rua simplesmente muda de nome naquele cruzamento. De fato, parece algo totalmente sem lógica: se você segue reto, obviamente continua andando pela mesma rua. Mas, olhando para a História, percebemos que faz sentido.

A Rua Vasco da Gama data do final do Século XIX e, ao contrário do que o sentido de circulação dos carros indica, começa na João Telles ao invés de terminar (aliás, vale lembrar que até meados de 1991 o sentido da rua era o contrário, centro-bairro ao invés de bairro-centro). Pois, regra geral, define-se o ponto mais próximo do Guaíba como o início de uma rua em Porto Alegre. Tanto que a própria João Telles, que demarca a “fronteira” entre a Vasco da Gama e a Irmão José Otão, começa na Avenida Independência, mesmo que os veículos “subam” a rua em direção à referida avenida (trata-se de uma lomba que renderá um belo banho de suor a quem ousar subi-la a pé num dia como foi ontem).

Já a Irmão José Otão foi aberta em meados da década de 1970, com o propósito de ser uma “continuação” da Vasco da Gama a partir da João Telles. Se pensarmos na lógica da numeração de ruas em Porto Alegre, verificamos que, na verdade, acontece o contrário: a Vasco da Gama que é continuação da Irmão José Otão – que tem seu ponto inicial na Praça Dom Sebastião (ao lado do Colégio Rosário) e não na João Telles. Mas, como vimos, a Vasco é mais antiga e, além disso, tem sua numeração iniciada pelo “zero” (enquanto em outros casos ela se inicia com valores mais altos, devido à previsão de extensão futura, lembrando que é preciso levar em conta a lógica do ponto inicial ser aquele mais próximo do Guaíba). Se a “continuação” da Vasco recebesse o mesmo nome, ou as edificações do novo trecho teriam de receber números negativos (imagine um endereço do tipo “Rua Vasco da Gama, -215”), ou seria estabelecido um novo “zero” lá na Praça Dom Sebastião e as edificações do trecho mais antigo precisariam trocar sua numeração (o que geraria uma enorme confusão).

Mas essa não é a única situação curiosa da região. Há uma outra, que também é explicada pela História.

Quando caminhamos pela Vasco da Gama e/ou pela Irmão José Otão, estamos no Bom Fim. E na paralela Avenida Independência, andamos pelo bairro homônimo. Agora, quando se sobe ou desce a Fernandes Vieira, João Telles, Santo Antônio, Garibaldi, Tomaz Flores e Barros Cassal (todas elas, ruas que ligam a Independência à Vasco da Gama ou à Irmão José Otão), surge a dúvida: em que ponto passamos de um bairro ao outro?

De modo geral, os limites entre os bairros são estabelecidos conforme o traçado das ruas, para facilitar a vida de todos. Só que entre Bom Fim e Independência a coisa é diferente (e não é caso isolado), com a divisa sendo estabelecida por uma linha imaginária e paralela à Avenida Independência, que corresponde a um prolongamento da Rua Castro Alves, jamais aberto, que iria até a Praça Dom Sebastião (na verdade, começaria ali). A linha imaginária só corresponde a traçados de ruas nas quadras iniciais da Irmão José Otão (entre a praça e a Barros Cassal) e da Castro Alves (entre a Fernandes Vieira e a Felipe Camarão).

No fim, o prolongamento aberto foi da Vasco da Gama, mas os limites entre os bairros mantiveram-se inalterados, gerando uma situação curiosa: a linha imaginária passa por dentro de terrenos e edificações, e assim há pessoas que dormem em um bairro e fazem refeições em outro sem saírem de casa. E assim será enquanto um projeto de lei que redefine os limites de vários bairros da cidade não for sancionado – no caso de Bom Fim e Independência, a “fronteira” será justamente o traçado das ruas Irmão José Otão e Vasco da Gama.