A gripe do PIG

A “grande mídia” é apelidada “carinhosamente” de PIG, sigla de “Partido da Imprensa Golpista”. Afinal, ela nunca aceita a vitória eleitoral de um candidato que não o agrada, e faz tudo para derrubá-lo.

Curiosamente, nos últimos dias a gripe “suína” (ou seja, “do porco”), parece ter atingido em cheio o porcão que finge que nos informa. Eu, “à moda Vampeta”, finjo que acredito nele…

Alguém já parou para pensar por qual motivo, afinal, o atual surto de gripe é considerado “uma ameaça à humanidade”, mesmo que a chance de se contraí-la e morrer seja tão grande quanto ganhar na Mega Sena? O Luiz Carlos Azenha já respondeu: porque gripe não distingue classe social nem país. A malária mata muito mais, mas é “coisa de pobre do Terceiro Mundo”.

E o porcão não tem os pobres como prioridade. Afinal, eles não podem consumir os produtos anunciados pelo grande suíno. Por isso, a prioridade sempre será dada às doenças que não estão nem aí para renda e nacionalidade de seus acometidos, como a gripe. A estação rodoviária pode estar um caos, mas o aeroporto será destaque, e qualquer atrasinho virará “caos aéreo”. Se tiver engarrafamento, a culpa será sempre dos caminhões (mesmo os que abastecem a cidade) ou dos ônibus, nunca dos carros. Manifestações de grupos sociais marginalizados, como o MST, serão sempre “baderna provocada por vagabundos”, palavras que não serão usadas para os verdadeiros baderneiros.

Então, o que fazer em relação à outra gripe (a que não é do PIG)? Bom, o melhor a fazer é se manter a par da situação, mas com o “desconfiômetro” ligado. Afinal, antes diziam que mais de 150 pessoas tinham morrido no México, agora já são… 7! Chega a parecer o “caso Isabella”, de um ano atrás (com a diferença de que uma gripe é mais importante que um assassinato): toda hora eram publicadas notícias baseadas em especulações; assim se podia divulgar “novidades” constantemente, mesmo que fossem mais especulações.

Anúncios