O pior jogador da história do Grêmio?

Em março de 2007, o Kayser publicou no blog dele uma lista pra lá de tenebrosa. Tratava-se da “seleção dos pesadelos” do Grêmio, contando apenas com as perebas e as decepções que já vestiram a camisa tricolor. Fosse feita hoje, a “seleção” certamente contaria com os “reforços” de “craques” da estirpe de Marcel (o “nariz entupido” do Olímpico), Morales, dentre outros.

Folha da Tarde Esportiva, 28/08/1968

Folha da Tarde Esportiva, 28/08/1968

O último citado (Morales) é uruguaio. E foi um compatriota seu que, na década de 1960, entrou para a história do Grêmio. Não por qualidade, mas sim por ruindade. Trata-se de Jorge Luís Oyarbide.

Meu pai – que é colorado – me contou a história desse cara pela primeira vez há uns dez anos, quando eu estava indignado com a grana que o Tricolor havia jogado fora com Sebástian “El Loco” Abreu, que ficou seis meses no Grêmio, ganhava salário mensal de 70 mil dólares (e numa época de crise, em que o dólar disparava) e fez apenas um gol que até eu faria – e olha que sou o pior jogador de futebol de todos os tempos (vou seguir o exemplo do Íbis, e usar minha ruindade no futebol como marketing pessoal). Eu não acreditava que pudesse haver, de jogadores profissionais, algo pior que “El Loco” Abreu, a ponto de entender com facilidade a pífia campanha da Seleção Uruguaia na Copa do Mundo de 2002: “El Loco” era titular…

Aí meu pai disse que eu achava “El Loco” Abreu um horror porque não tinha visto Oyarbide em campo. Contou que o cara era tão ruim, mas tão ruim, que por certo tempo virou sinônimo de perna-de-pau: “Esse aí… É um Oyarbide!” – aliás, sinto que esse rótulo colaria em mim com extrema facilidade, tamanha a minha “categoria”. Segundo meu pai, Oyarbide não conseguia sequer dominar uma bola – chegava ao ponto de tentar matar no peito, e a bola ir para o lado. Era absurdamente podre.

E não foi apenas isso. O Grêmio havia gasto uma quantia considerável de dinheiro para contratar o uruguaio. Dinheiro posto fora, é claro… Tanto que o meu pai conta que era a única maneira de se conseguir tocar alguma flauta em gremista naquela época, visto que o Grêmio, além de heptacampeão gaúcho (1962-1968) tinha conquistado doze dos últimos treze campeonatos (entre 1956 e 1968 o Tricolor só não levou o caneco em 1961). A simples menção ao nome de Oyarbide era capaz de deixar um gremista furioso em tempos tão vitoriosos (naquela época Gauchão era um dos títulos mais almejados, pelo simples fato de torneios a nível nacional como Taça Brasil e “Robertão” serem bastante recentes).

Imag000-1Pois bem, era difícil para mim acreditar que pudesse existir jogador profissional tão ruim. E eis que ontem, ao verificar fontes para a minha monografia que será escrita ao longo do segundo semestre de 2009 (mas não se iludam, não é sobre o Oyarbide!), acabei encontrando uma matéria sobre o “craque”, na edição do dia 28 de agosto de 1968 do jornal “Folha da Tarde Esportiva”, que apenas ajuda a confirmar o que meu pai tanto dizia… Tirei fotos, de pouca qualidade porque batidas com câmera de celular (pois fui ao museu Hipólito da Costa apenas verificar fontes, não fotografá-las). Um trecho do texto do jornal diz:

Imag001-1

Tanto por parte da crônica como de torcedores (neste caso alguns milhares), Oyarbide foi criticado, gozado. Quase virou adjetivo negativo na terminologia do futebol.

Vou ter de corrigir o jornal: na memória coletiva dos torcedores – gremistas e colorados – daquela época, Oyarbide virou sim adjetivo negativo na terminologia do futebol, a ponto de chegar a ser considerado o pior jogador da história do Grêmio.

Anúncios

O início de mais uma caminhada

O Caue Fonseca escreveu no Impedimento um texto que poderia ter sido muito bem escrito por mim.

São impressionantes as semelhanças: assim como o Caue, eu era sempre o último escolhido para os times de futebol na Educação Física e também comecei a gostar de futebol tardiamente. Em 1991, quando o Grêmio foi rebaixado, não me senti tão humilhado quanto em 2004 (se bem que 2004 realmente foi pior).

Comecei a prestar mais atenção em 1993, quando a professora de Educação Física praticamente impôs que eu jogasse futebol, já que em geral eu ficava sentado assistindo (chegou ao ponto de um colega inventar um gol para mim no passado, pois eu mal tocava na bola quando jogava). Em 1994, não assisti apenas aos jogos do Brasil na Copa – partidaços como Romênia x Colômbia, Romênia x Suécia e Bulgária x Alemanha foram marcantes no início de minha adolescência.

E foi naquela época que comecei a me sentir gremista mesmo. Não me lembro de nada da Copa do Brasil de 1989, mas de 1994 sim: pela primeira vez eu disse “ganhamos”, me sentindo “integrante” da “comunidade imaginada” chamada “torcida do Grêmio”.

No início de 1995 eu ainda era um “gremista em formação”. Para alguém em um processo desses, ganhar a Copa Libertadores da América seria demais. Simplesmente demais. E ela veio.

O Grêmio começou desacreditado, mas foi avançando na competição. Nas quartas-de-final, o adversário era o Palmeiras, grande favorito. Mas em dois jogos inesquecíveis, o Grêmio seguiu adiante: fez 5 a 0 no Olímpico, tomou 5 a 1 em São Paulo e se classificou no saldo. Depois passou pelo Emelec (que já havia enfrentado na primeira fase), empatando em 0 a 0 no Equador e vencendo por 2 a 0 no Olímpico. E na final, o Nacional de Medellín. Vitória de 3 a 1 no Olímpico, e empate na Colômbia em 1 a 1 conquistado no final do jogo, que nos deu o título (pela segunda vez).

Fica fácil entender o motivo pelo qual sou fascinado pela Libertadores. A quero mais do que qualquer outro caneco. Ganhar o Brasileirão em 2008 seria bom, mas o mais importante, a vaga para “La Copa”, nós conquistamos.

E agora, vou lá, começar mais uma caminhada.