A quem serve uma Redenção cercada?

Vez que outra, volta à discussão o cercamento do Parque da Redenção. O argumento é sempre o mesmo: “mais segurança”, como se um ladrão não soubesse passar por um portão. Dizem também que o parque cercado seria fechado à noite e assim não serviria de esconderijo para criminosos, porém, a insegurança em um local se combate com pessoas ocupando-o, não com cercas. Não é o sol que inibe o crime, e sim, gente. (Mas é claro que para um parque ser ocupado à noite é preciso que seja bem iluminado, pois a escuridão, de fato, dá a sensação de que o local é inseguro.)

Pois agora, apareceu um novo projeto de lei, do vereador Nereu D’Ávila (PDT), que propõe a realização de um plebiscito sobre o cercamento da Redenção juntamente com as eleições de 2014. Se a Câmara Municipal aprovar, verdadeiros problemas do parque – como a limpeza e a iluminação – serão deixados de lado, para que se discuta “a solução mágica”. Que, como já foi dito, não soluciona nada.

Porém, o ótimo artigo no blog Aldeia Gaulesa mostra os interesses que estão por trás de um possível cercamento da Redenção. Destaque para o trecho abaixo:

Os custos da medida ainda não foram definidos, mas estima-se que seriam necessários cerca de R$ 1 milhão para cercar os 2,5 mil metros de perímetro do parque. A proposta, conforme aponta o vereador Nereu, seria bancar o custo das obras através de parceiras com a iniciativa privada, com publicidade nas cercas, por exemplo. Com isso, o efeito concreto seria mais um espaço público da cidade que passaria a ser entregue para a exploração privada.

Ou seja: querem transformar nossa Redenção em um outdoor e beneficiar empresas privadas. O que virou regra na Porto Alegre da administração Fortunati…

Anúncios

Marcha das Vadias

Foi realizada ontem no Parque da Redenção a edição porto-alegrense da Marcha das Vadias (no sábado ela aconteceu em várias outras cidades brasileiras). A ideia nasceu no início de 2011, a partir da indignação gerada pela declaração de um policial que atribuiu o alto número de estupros na região da Universidade de Toronto (Canadá) às “mulheres que se vestiam como vadias” (em inglês, “sluts”). A primeira SlutWalk aconteceu em Toronto, e logo o movimento se espalhou pelo mundo, graças à repercussão dada pelas redes sociais.

Por incrível que pareça, ainda tem gente que acredita no papo furado que o estupro é culpa da mulher. É porque elas “se vestem como vadias”, “se insinuam” etc. Engraçado é que basta usar a lógica para perceber que sem estuprador é impossível acontecer um estupro, pouco importando a roupa que a mulher veste.

Sem contar a clara diferença de tratamento dada a ambos os sexos. Se nós homens tiramos a camisa quando sentimos calor, ou “damos em cima” de uma mulher, isso é aceito com naturalidade. Agora se elas andam com pouca roupa num dia de calorão ou “dão em cima” de um cara… São “vadias”, “estão se insinuando”, logo, “não podem reclamar de um estupro”. É estúpido, mas Sérgio Porto (mais conhecido como Stanislaw Ponte Preta) estava certo quando disse, lá na década de 1960, que a maior inflação no Brasil era de estupidez: cinquenta anos se passaram, e isso não mudou.

A propósito, Stanislaw foi um dos grandes humoristas brasileiros. Bem diferente destes metidos a “politicamente incorretos” que são, na verdade, politicamente reaças.

Lagoa da Redenção

Formação de uma lagoa, segundo a Wikipédia (os grifos são meus):

Lagoas podem resultar de uma ampla gama de processos naturais, embora em muitas partes do mundo estes sejam fortemente condicionados pela atividade humana. Qualquer depressão no terreno que coleta e conserva uma quantidade suficiente de precipitação pode ser considerada uma lagoa, como as depressões formadas por eventos geológicos, como o tectonismo ou os glaciares.

Apresento aos leitores a mais jovem lagoa do Rio Grande do Sul: ela fica no Parque da Redenção (onde faz tempo que inexiste algo chamado “drenagem”). Durante o inverno é quase perene. No verão o calor faz com que ela evapore mais rápido após uma chuvarada – não fosse isso, teríamos um baita criadouro de mosquitos (dengue, lembram?) em uma das áreas mais movimentadas de Porto Alegre.

Domingo, na hora que passei pela Redenção para ir ao jogo do Grêmio, ela ainda estava lá, nos lembrando o quanto choveu sábado e também o quão malcuidada está a cidade.

Debate “Copa 2014 em Porto Alegre: Para que e para quem?”

Amanhã, às 18h, acontece no auditório do CPERS Sindicato (Av. Alberto Bins, 480) um debate sobre o impacto das obras para a Copa do Mundo de 2014 em Porto Alegre. O objetivo do encontro é informar as mudanças (não necessariamente para melhor) que acontecerão na cidade devido à realização do evento.

Engana-se quem pensa que até agora nada aconteceu em Porto Alegre por conta da Copa de 2014. A primeira mudança se deu em 29 de dezembro de 2008: com a desculpa de viabilizar a realização dos jogos, a Câmara Municipal alterou o regime urbanístico de partes da cidade, permitindo a construção de edifícios de 52 metros de altura junto ao Beira-Rio (que junto com o Pontal do Estaleiro, abre o precedente para novos descalabros na Orla do Guaíba) e de 33 metros na área do antigo estádio colorado, o Eucaliptos (em ruas não muito largas para suportarem o aumento do fluxo de automóveis). Mas pior foi o relacionado ao meu Grêmio: junto à “arena”, no bairro Humaitá (próximo ao aeroporto) se construirão espigões de 72 metros de altura; e serão monstrengos do mesmo tamanho que, após a conclusão da “arena”, ocuparão o lugar do Olímpico, que será demolido (no que será um dos dias mais tristes da minha vida). Detalhe: a altura máxima que o Plano Diretor permite (e isso só em avenidas de grande movimento) é 52 metros. E imaginem como ficará o trânsito na Azenha…

Quase um ano depois, em 21 de dezembro de 2009, novamente o Plano Diretor da cidade foi rasgado pela Câmara, que aprovou prédios de 100 metros de altura no Cais Mauá. A desculpa utilizada foi uma ideia que em si, é boa: revitalizar a área, que com atividades o ano inteiro resultaria em mais pessoas circularem por lá, aumentando a segurança no Centro. Porém, o que o projeto aprovado fará é aumentar a circulação de carros, pois além dos espigões, há previsão de um shopping com cinco mil vagas de estacionamento. Além de piorar o trânsito, ainda ajudará a matar um pouco mais o comércio de rua no Centro. Mas isso não tem problema, pois “vai atrair muito turista, principalmente na época da Copa”, dizem os defensores.

Ou seja, com a desculpa da Copa do Mundo, se aprova qualquer barbaridade na cidade. E se deixa outras partes dela literalmente abandonadas. Um bom exemplo é a Redenção, cuja drenagem defasada faz com que qualquer chuva mais significativa transforme um gramado que fica ao lado do Monumento ao Expedicionário em uma verdadeira “lagoa” – no verão a água evapora mais rápido, mas enquanto está lá ela é um bom ambiente para a proliferação de mosquitos, como o da dengue; já no inverno a “lagoa” é quase perene, pois o frio impede a evaporação mais rápida, e muitas vezes volta a chover antes que ela tenha desaparecido por completo.

Logo, provavelmente a “lagoa” estará lá, à espera dos turistas que virão a Porto Alegre para a Copa – que será realizada no nosso inverno.

Cercas não adiantam nada

Ontem à tarde, uma briga de gangues resultou em um tiroteio próximo ao chafariz do Parque da Redenção, um dos lugares mais movimentados de Porto Alegre. Não presenciei o fato porque estava no Olímpico Monumental.

Já imagino a avalanche de artigos de um colunista de um dos jornais da cidade, clamando pelo cercamento do parque. E muito bovino, claro, vai atrás…

Não percebem que uma cerca em nada deixará os frequentadores da Redenção mais seguros. A diferença é que um eventual ladrão terá de passar por um portão – mas entrará no parque mesmo assim. O mesmo se aplica para as gangues que ontem trocaram tiros: a briga foi combinada pela internet, logo eles iriam à Redenção com ou sem cerca. (A propósito, se o confronto foi marcado, será que não havia maneira de avisar a Brigada Militar com antecedência, para que aumentasse o policiamento de modo a inibir a ação das gangues? Só imagino tudo o que estariam dizendo na mídia se o governador fosse o Olívio: a culpa seria dele e do Bisol!)

Cercas também não adiantam nada porque não eliminariam a causa do problema. Enquanto jovens de bairros da periferia – como os de onde eram as gangues que se enfrentaram ontem – não tiverem educação de qualidade, continuarão com forte tendência à criminalidade. E não hesitarão em cruzar o eventual portão de um parque cercado para lá cometerem seus delitos.

————

Também não adiantará nada simplesmente não ir à Redenção. Já li que há pessoas que “não levarão mais os filhos à Redenção”. Eu fui caminhar no final da tarde de hoje no parque. E não deixaria de ir se alguém me dissesse que “a rua está muito perigosa”.

Pois sim, a rua está muito perigosa. Afinal, ela está cada vez mais vazia. Quanto menos pessoas caminhando, melhor para o ladrão, que terá menos testemunhas para seu roubo. Se todo mundo ficar trancado dentro de casa ou só andar de carro, vai piorar. E muito.

E acabou-se o horário de verão

No período em que vigorou (18 de outubro até ontem), estima-se que houve uma redução de demanda de energia elétrica de 4,4% no Centro-Oeste e no Sudeste, e 4,5% no Sul (no Nordeste e no Norte não houve horário de verão). Parece pouco, mas dá para abastecer cidades de médio porte por um bom tempo com o que se economizou.

Apesar de detestar verão, gosto do horário de verão (alguma coisa boa tinha de ter, para compensar o calorão dos infernos). Não dá para negar: é ele que permite, por exemplo, ficar na Redenção até as 20h. Com o retorno do horário normal, terei de mudar meu horário de caminhada, pois 20h já será noite, e não é nada recomendável andar pelo parque depois que anoitece.

Mas, ao mesmo tempo, gosto de quando termina o horário de verão. Afinal, trata-se do primeiro sinal de que o outono está a caminho…

Manifestação foi um sucesso em São Paulo

De acordo com o Eduardo Guimarães, mais de 200 pessoas se reuniram no MASP (Museu de Arte de São Paulo) para manifestar seu repúdio ao presidente do STF, ministro Gilmar Mendes. O ato teve visibilidade, e chamou a atenção inclusive da “grande” mídia – uma equipe da Globo esteve presente no local, filmou tudo e prometeu apresentar matéria no “SPTV 2ª edição” (telejornal local), às 19 horas.

Também estiveram presentes a TV Cultura, a Radiobrás, a NGT (canal 48 UHF de São Paulo) e um repórter fotográfico do jornal O Estado de São Paulo.

———-

Já aqui em Porto Alegre, cerca de 20 pessoas – bem menos do que eu esperava – se reuniram no Monumento ao Expedicionário, no Parque da Redenção. Por parte da imprensa, cobertura do Jornal Já, que mandou a repórter Naira Hofmeister ao local.

Houve falha de nossa parte: não levamos nenhum cartaz, nenhum panfleto para chamar a atenção de quem passava pelo local. Quem via de longe aquela nossa roda de discussão, jamais pensaria que se tratava de uma concentração para protestar contra Gilmar Mendes.

Mas também pensei: PQP, esses gaúchos são acomodados mesmo! Mandei e-mail a cerca de 30 pessoas falando sobre o ato, a maioria de Porto Alegre. Dos meus contatos daqui, ninguém apareceu no Monumento ao Expedicionário.

Não foi à toa que um dos presentes, o amazonense Marcelo, disse ter ficado surpreso com o pouco número de presentes no local. Afinal, os gaúchos adoram se exibir, repetindo a balela de que o Rio Grande do Sul é o “estado mais politizado do Brasil”.

Ironicamente

Na manhã deste domingo, segundo minha mãe, estava programada a realização de um protesto (do estilo “Cansei” e “NoFlyDay”) no Parque da Redenção, aqui em Porto Alegre.

Dava apoio ao protesto um avião com uma faixa “Movimento Luto Brasil”.

———-

Cumplicidade

Uma comprida palavra em alemão (há uma comprida palavra em alemão para tudo) descreve a “guerra de mentira” que começou com os primeiros avanços da Alemanha nazista sobre seus vizinhos. A pouca resistência aos ataques e o entendimento com Hitler buscado pela diplomacia européia mesmo quando os tanques já rolavam se explicam pelo temor comum ao comunismo. A ameaça maior vinha do Leste, dos bolcheviques, e da subversão interna. Só o fascismo em marcha poderia enfrentá-la. Assim muita gente boa escolheu Hitler como o mal menor. Ou, comparado a Stalin, o mau menor. Era notório o entusiasmo pelo nazismo em setores da aristocracia inglesa, por exemplo, e dizem até que o rei Edward VIII foi obrigado a renunciar não só pelo seu amor a uma plebéia mas pela sua simpatia à suástica. Não tardou para Hitler desiludir seus apologistas e a guerra falsa se transformar em guerra mesmo, todos contra o fascismo. Mas por algum tempo os nazistas tiveram seu coro de admiradores bem-intencionados na Europa e no resto do mundo – inclusive no Brasil do Estado Novo. Mais tarde estes veriam, em retrospecto, do que exatamente tinham sido cúmplices sem saber. Na hora, aderir ao coro parecia a coisa certa.

Comunistas aqui e no resto do mundo tiveram experiência parecida: apegarem-se, sem fazer perguntas, ao seu ideal, que em muitos casos nascera da oposição ao fascismo, mesmo já sabendo que o ideal estava sendo desvirtuado pela experiência soviética, foi uma opção pela cumplicidade. Fosse por sentimentalismo, ingenuidade ou convicção, quem continuou fiel à ortodoxia comunista foi cúmplice dos crimes do stalinismo. A coisa certa teria sido pular fora do coro, inclusive para preservar o ideal.

Se esses dois exemplos ensinam alguma coisa é isto: antes de participar de um coro, veja quem estará do seu lado. No Brasil do Lula é grande a tentação de entrar no coro que vaia o presidente. Ao seu lado no coro poderá estar alguém que pensa como você, que também acha que Lula ainda não fez o que precisa fazer e que há muita mutreta a ser explicada e muita coisa a ser vaiada. Mas olhe os outros. Veja onde você está metido, com quem está fazendo coro, de quem está sendo cúmplice. A companhia do que há de mais preconceituoso e reacionário no país inibe qualquer crítica ao Lula, mesmo as que ele merece.

Enfim: antes de entrar num coro, olhe em volta.

(Luiz Fernando Veríssimo, Zero Hora, 19 de julho de 2007)