Globo e ditadura: “mudou não mudando”

Ontem aconteceu algo histórico na história da imprensa brasileira. O jornal O Globo, principal veículo impresso das Organizações Globo, publicou em sua página na internet um “reconhecimento” de que o apoio editorial ao golpe de 1964 foi um erro – e o melhor, citando também outros jornais que fizeram o mesmo e hoje posam de “democratas”.

“Antes tarde do que nunca”, dizemos todos. De fato, é bom que a velha mídia, que se diz tão “imparcial”, não esconda a verdade de seus leitores. Pois imparcialidade não existe: qualquer narrativa sempre será feita a partir do ponto de vista de quem a escreve. Duas pessoas observando o mesmo fato poderão escrever relatos bem diferentes.

Porém, como diz o título, foi uma mudança aparente. Pois a Globo “reconhece o erro”, mas muito depois de quando deveria tê-lo feito (queria ver falar no “erro” 40 anos atrás). Como o texto publicado pelo jornal lembra, em 1984 um editorial assinado por Roberto Marinho exaltava os “avanços econômicos” em 20 anos de ditadura, e ainda dizia que as Organizações Globo tinham permanecidos fiéis aos objetivos “revolucionários” (sim, ainda consideravam o 1º de abril de 1964 como uma “revolução”), mesmo com eventuais divergências (até a Globo sofreu censura, é verdade, mas muitas vezes isso se deu lá dentro mesmo), e que o golpe ocorrera por “exigência do povo” (queria saber quantos votos foram dados em favor disso). Ou seja, ao longo de todo o período autoritário a Globo nunca deixou de apoiá-lo.

Sem contar que a Globo apenas “reconheceu o erro”, mas sequer pediu desculpas ao povo brasileiro por ter apoiado a longa noite da ditadura. Aliás, fez pior: justificou o “erro”, responsabilizado João Goulart pelo golpe por ele ter “radicalizado” a situação e ter tornado “necessária” a quartelada.

Ou seja, nada mudou em termos ideológicos. No fundo, é apenas uma tentativa de “limpar a imagem”, abalada pelos protestos de junho: um dos alvos dos manifestantes era justamente a Globo, cujos repórteres iam cobrir os atos com microfones sem a identificação da emissora, de modo a evitar hostilidades.

Anúncios

O pior e o melhor do ser humano

Acompanhando as notícias sobre Santa Maria, decidi conferir as capas de jornais de diversas partes do Brasil e do mundo. E uma em especial me deixou bastante indignado: a de O Globo. Lá estava uma charge ultrajante, enojante, de Chico Caruso. Que, inclusive, me recuso a publicar aqui.

Isso é jornalismo? Isso é humor? (Já sabendo que alguns certamente dirão que meu questionamento é “patrulha ideológica”, a “cruzada do politicamente correto”.)

Pois bem: desde pequeno aprendi que com certas coisas não se brinca. E uma delas é a dor de tantas famílias.

Imaginava que piadas de péssimo gosto ficassem restritas àqueles “sem-noção” que há aos montes na internet. Jamais passou pela minha cabeça ver algo desse tipo na capa de um dos maiores jornais do país.

————

Ao mesmo tempo que uns demonstravam o pior do ser humano, muitos outros, felizmente, faziam o contrário. Foi formada imensa rede de solidariedade se formou durante o trágico domingo no Rio Grande do Sul. Uma página no Facebook foi criada para facilitar a ajuda (a Somos Santa Maria), e divulgou algumas informações úteis sobre como colaborar de forma a reduzir o sofrimento tanto em Santa Maria como na Vila Liberdade em Porto Alegre, onde um incêndio destruiu várias casas e desabrigou muitas famílias.

É, nós incomodamos… (parte 2)

O jornal O Globo atacou hoje a entrevista concedida ontem pelo presidente Lula aos “blogs progressistas” (sinceramente, prefiro a expressão “blogs sujos” – única boa ideia de Serra na campanha!), como mostra a imagem abaixo, “roubada” do Relatividade. Sinal de desespero do jornalão que perde credibilidade (assim como seus “companheiros” de mídia “imparcialmente” direitosa). Os resultados das últimas eleições são a prova maior disso.

Perdendo poder com o debate democrático que se dá na blogosfera, só resta à mídia tradicional atacar. Não é por acaso que temos visto tantas matérias falando sobre “os perigos da internet”, como se fosse um ambiente “infestado” de pedófilos, prejudicial à saúde etc.

E isso mesmo que a internet ainda seja muito pautada pela televisão. Como se vê quando o “Big Bosta” vira o principal assunto do Twitter (óbvio que eu não contribuo para isso), ou quando se acessa o WordPress para logar no blog e geralmente as “postagens mais populares” são relacionadas a “celebridades”, novelas… E sempre ele, o “Big Bosta”. (Que é um bom motivo para eu detestar o verão – aliás, um monte de gente falando dessa porcaria de programa chega a ser pior do que o calorão infernal, que ao menos pode gerar brincadeiras bem-humoradas como a hashtag #fornoalegre.)