O passado que não vai embora

Esses dias, conversava sobre a cantina Monte Polino, um dos melhores restaurantes italianos de Porto Alegre (fica a dica aos visitantes). Eis que ouvi a referência de onde ele ficava: “defronte ao Nacional da Aureliano de Figueiredo Pinto”. E me perdi, pois na minha cabeça aquele supermercado continua a ser o Mobycenter, da rede Zottis.

Deve fazer em torno de 20 anos que a rede Zottis foi vendida e deixou de existir – o que resultou também no fim do Mobycenter. O Monte Polino continua lá e o supermercado virou Nacional, conforme já tinha dito. Mas ainda não consigo chamá-lo assim naturalmente, pois a primeira lembrança que me vem é do Mobycenter e seu simpático logotipo com uma baleia esguichando.

mobycenter

Perto de onde eu morava, tinha um Zottis. Era um supermercado pequeno, mas que supria nossas principais necessidades. Depois que a rede foi vendida, também virou um Nacional. Em meados da década de 1990, já com a nova denominação, pegou fogo; saiu no jornal o “incêndio no Nacional da Cristóvão”. Mas na minha cabeça, não era o Nacional, era o Zottis que incendiara.

Na mesma Cristóvão Colombo, próximo ao Zottis, havia um outro supermercado, o Poko Preço. Era o que ficava mais perto de minha casa, e assim eu tinha uma curiosa medida de distância, baseada em três supermercados: “perto” era o Poko Preço, “mais ou menos” era o Zottis, e “longe” era “do Zaffari pra lá” – no caso, o Zaffari da Cristóvão na esquina com a Hoffmann. Dos três, hoje em dia só resta o Zaffari – visto que o próprio Nacional que sucedeu o Zottis não existe mais (nem lembro se reabriu depois do incêndio), e no local está sendo construída uma torre comercial.

Morei naquela região até 1997. Primeiro na Rua Pelotas, depois defronte à Brahma, lugar onde hoje se encontra o Shopping Total. Dizer que eu morei defronte à Brahma não é incorreto – muito antes pelo contrário – pois a cervejaria encerrou suas atividades no local em 1999, e o centro comercial só foi inaugurado em 2003. Só que em várias ocasiões, quando vou dar a referência de onde morava na época, deixo escapar um “defronte à Brahma” e muitas vezes o interlocutor não entende, por ter chegado à cidade depois de 2003 ou simplesmente já ter fixa a referência do Shopping Total (quem nasceu em 2000, por exemplo, nunca viu a Brahma funcionando naquele lugar).

Isso não é apenas um sintoma de que eu estou ficando velho. Mostra também que certos pontos de referência que fixamos na nossa mente sobrevivem a seu próprio fim. E muitas vezes, tais referências são coletivas e se mostram presentes até mesmo na cabeça de quem nunca as viu de fato.

Os ônibus que passam defronte ao Estádio Olímpico Monumental ainda anunciam em suas rotas a antiga casa do Grêmio, mesmo que o clube não mais jogue lá. É verdade que o estádio ainda existe, mas deixou de cumprir sua função principal de realizar jogos de futebol, e é um ponto de referência para a maioria esmagadora dos porto-alegrenses – inclusive para os colorados. Tanto que na hora de citar os caminhos que levam à Zona Sul de Porto Alegre, tenho como rotas principais a “via Beira-Rio” e “via Olímpico”. Depois da implosão do estádio, ficará estranho dizer “via empreendimento da OAS”; provavelmente o Monumental continuará a ser referência para quem o viu em pé, por seguir existindo em muitas memórias.

Mas provavelmente não haja melhor exemplo que a tal de Rua da Praia (que tem até um centro comercial com esse nome). Quando vemos alguém chamando-a de “Andradas”, temos quase certeza de estarmos diante de uma pessoa que vem de outra cidade. Chegando naquela rua, ela obviamente presta atenção nas placas, que dizem “Rua dos Andradas”. Pura questão de lógica: vai chamar pelo que diz na placa, ou falar de uma praia que deixou de existir há mais de século? Só nós, porto-alegrenses “das antigas”, para chamarmos uma rua sem praia de “Rua da Praia”…


Logo mais, vou ao Centro. Preferencialmente, pegando lotação que pare na Mesbla.

Anúncios

Libertadores só no rádio?

Em 2012, diferentemente de outros anos, quem quiser assistir à Libertadores não deve sintonizar sua televisão no Sportv. Os direitos de transmissão por TV fechada para o Brasil pertencem à Fox Sports. Na televisão aberta, a Globo transmitirá os jogos de quarta-feira à noite.

A Fox Sports estreou há poucos dias a sua programação brasileira, já de olho na audiência da Libertadores. Porém, até agora, o canal não está disponível nas principais operadoras de televisão por assinatura, Net e Sky. As negociações para que o novo canal seja exibido parecem longe do fim (há quem ache que é vingança da Globo, o que não é de se duvidar), e por conta disso, ao torcedor do Fluminense que não foi ao Engenhão só resta uma alternativa para acompanhar a estreia de seu time contra o Arsenal de Sarandí (Argentina): o rádio. A não ser que haja bares que assinam operadoras menores que têm a Fox Sports em sua programação.

Certamente os torcedores do Fluminense não são os únicos que torcem para que haja logo um acordo de modo a disponibilizar a Fox Sports nas principais operadoras de televisão por assinatura. Afinal, se depender da Globo, dificilmente se poderá assistir a algum jogo da Libertadores que não envolva Corinthians ou Flamengo (que por terem as maiores torcidas, são prioridade da emissora por “darem mais audiência”). Ruim para quem gosta de futebol e por conta disso adora assistir a jogos de Libertadores, pior ainda para os torcedores dos demais clubes brasileiros na disputa.

————

Tudo isso me fez, imediatamente, lembrar da Libertadores de 2002, competição na qual o Grêmio era um dos favoritos ao título. Os direitos de transmissão pertenciam ao canal PSN (Panamerican Sports Networks); nem a televisão aberta (leia-se Globo) passava as partidas, mesmo com o Flamengo jogando aquela Libertadores. Porém, o PSN fechou as portas no começo daquele ano, deixando os torcedores brasileiros na mão: restava apenas o rádio para acompanhar os jogos, devido à confusão quanto aos direitos de transmissão para o Brasil. Foi quando tive a experiência extremamente agonizante de acompanhar uma partida de volta de quartas-de-final pelo rádio: o Grêmio tinha vencido o primeiro jogo contra o Nacional de Montevidéu por 1 a 0, e assim, podia empatar no Centenário para seguir adiante; derrota por um gol de diferença levaria aos pênaltis, e por dois gols significaria adeus. O Nacional fez 1 a 0, mas o Grêmio empatou e se classificou para enfrentar o Olímpia na semifinal.

Quando o Tricolor entrou em campo no Defensores del Chaco, já tinham se passado quase dois meses daquele jogo contra o Nacional. A Copa do Mundo de 2002 também já era passado. E, enfim, a televisão mostrava o jogo… Deu azar: o Grêmio perdeu por 3 a 2; e na partida de volta, disputada no Olímpico, venceu por 1 a 0 mas acabou eliminado nos pênaltis.

Grande Peñarol!

O Peñarol me dá uma grande alegria nesta Libertadores. Não por ter eliminado o Inter (isso nada mais é do que OBRIGAÇÃO), mas sim por confirmar a melhora da auto-estima do futebol uruguaio, que andava tão por baixo em tempos recentes.

Pois a classificação do Peñarol para a final não é exceção. Basta dar uma conferida no que tem acontecido nos últimos dois anos.

  • 2009: Nacional chega à semifinal da Libertadores, fase que não alcançava desde 1988, e que desde 1989 nenhum clube uruguaio disputava (quando o Danúbio foi semifinalista);
  • 2010: Seleção do Uruguai faz sua melhor campanha em Copas do Mundo desde 1970, acabando em 4º lugar;
  • 2011 (fevereiro): Uruguai é vice-campeão no Sul-Americano sub-20, resultado que coloca a Celeste nos Jogos Olímpicos após 84 anos de ausência (curiosamente, a última participação fora em 1928, quando o Uruguai ganhou o ouro);

E agora, em junho, o futebol uruguaio volta a ter um representante na final da Libertadores depois de 23 anos (na última ocasião, em 1988, o Nacional foi campeão). O Peñarol, por sua vez, desde 1987 não chegava à final (naquela oportunidade, foi também campeão).

No texto em que falei sobre a classificação do Uruguai às quartas-de-final da Copa de 2010, eu comentei que, com aquela campanha, os uruguaios voltavam a acreditar que era possível fazer bonito no futebol e, até mesmo, conquistar grandes títulos. O que se reflete não só na torcida, como nos próprios jogadores da seleção e dos clubes do país, que não entram mais em campo “semiderrotados”, oprimidos por um longo jejum de títulos. Sí, se puede: se só a técnica não bastar, então é preciso que seja na garra. E o Peñarol de 2011 tem os dois, mais a experiência de alguns jogadores que passaram anos na Europa.

Mas é preciso ressaltar que a visível melhora do futebol uruguaio também se deve ao sensacional trabalho que vem sendo realizado nas categorias de base da seleção e que é coordenado pelo técnico da equipe principal, o maestro Oscar Tabárez. Além da formação de atletas, há a preocupação com o ser humano que é cada um dos jovens: como se sabe que a maioria esmagadora não terá sucesso no futebol, então, é preciso prepará-los para a vida fora dos gramados, estimulando-os a estudar. E os que dão certo, são jogadores com mais “cabeça”, mais senso crítico, coisa rara no meio.

Ou seja: o que vem acontecendo não é, de forma alguma, obra do acaso. Assim como uma festa uruguaia no dia 22 de junho, em São Paulo, também não pode ser descartada: embora o Santos tenha um time melhor, é importante lembrar que o Peñarol só passou por equipes consideradas superiores nos “mata-matas”. Se já bateu três (Inter, Universidad Católica e Vélez Sarsfield), pode muito bem vencer a quarta.

Duas classificações suadas

A quarta-feira teve bastante futebol.

Ontem, em Montevidéu, o Nacional podia empatar em 0 a 0 com o Palmeiras, para se classificar para a semifinal da Libertadores. Um jogo histórico. Afinal, a última vez que um clube uruguaio alcançara tal fase na Libertadores fora em 1989, com o Danúbio. O Nacional, por sua vez, não ia tão longe desde 1988, quando foi campeão.

Mais que uma vaga, valia também a melhora da auto-estima de um país com um passado tão vitorioso no futebol: a taça que o Nacional levantou em 1988 foi a sua terceira (ganhou também em 1971 e 1980) e a oitava do futebol do Uruguai (o Peñarol ganhou La Copa cinco vezes: 1960, 1961, 1966, 1982 e 1987). E para minha satisfação, aconteceu o resultado que o Nacional precisava: 0 a 0, classificação no saldo qualificado, já que a partida de ida, em São Paulo, acabara em 1 a 1.

Ainda resta uma vaga em disputa para o Uruguai, mas é tarefa muito complicada. O Defensor, que perdeu a primeira em casa para o Estudiantes por 1 a 0, precisa vencer por pelo menos 2 a 1 (1 a 0 leva para os pênaltis) em La Plata, para fazer a semifinal contra o… Nacional! Mas não custa nada torcer por uma final Brasil x Uruguai, o que não acontece desde 1983 – quando o campeão foi o Grêmio!

Aliás, o Grêmio… A situação era idêntica à do Nacional: podia empatar em 0 a 0 com o Caracas e se classificaria pelo saldo qualificado. E o resultado foi idêntico ao do time uruguaio. Embora o futebol da Venezuela tenha melhorado nos últimos tempos, e o Caracas seja o time menos pior enfrentado pelo Grêmio nessa Libertadores, não dá para ficar feliz com uma classificação vinda da forma que veio.

Pois se o Tricolor levou sufoco no final, isso se deve à enorme quantidade de gols perdidos por seu ataque – terminasse o primeiro tempo metendo uns 3 a 0 (o que não seria nada estranho), poderia só administrar o resultado no segundo tempo. São oportunidades que, se desperdiçadas contra um São Paulo ou um Cruzeiro (acho que vai dar Raposa), poderão tirar a vaga na final.

E chamam a atenção também as atuações ruins de Tcheco e Souza, como comprovam as médias dos dois jogadores no Almômetro do jogo de ontem e também no de domingo passado, contra o Fluminense. De positivo em Grêmio x Caracas, Adílson, que parece ter se encaixado bem no 4-4-2 de Autuori, assim como Túlio.