Mortos não falam

Muammar al-Gaddafi está morto. Segundo a versão do governo de transição da Líbia, o ditador morreu em consequência de um tiroteio após sua captura.

Não lamento nem um pouco sua morte, pois Gaddafi foi um ditador cruel e sanguinário. Mas também não celebro.

Afinal, é fácil demais acusar um ditador de desrespeitar os direitos humanos, mas depois capturá-lo e ao invés de levá-lo à Justiça, optar por uma pura e simples “vingança”. Pois embora se diga que Gaddafi morreu devido ao tiroteio, outra versão fala que o ex-ditador teria sido executado – ou seja, assassinado. Talvez, até mesmo linchado. E pelo que vi em vários vídeos gravados após a captura, a hipótese do linchamento não me parece absurda.

O Ocidente saudou a morte de Gaddafi, ao invés de lembrar que melhor seria se ele fosse julgado pelos crimes cometidos em 42 anos de ditadura. O que não é surpresa. Aliás, a capa de hoje do jornal italiano L’Opinione resume bem os motivos da execução de Gaddafi – e da consequente aprovação do Ocidente.

Como Gaddafi está morto, ele não terá oportunidade de dizer em um tribunal muitas coisas que não sabemos, além do que já é conhecido: o mesmo Ocidente “simpático” aos rebeldes que se levantaram contra sua brutal ditadura também a apoiou quando conveniente. Afinal, se até a década de 1990 Gaddafi era um dos “vilões” para o Ocidente, nos anos 2000 o ditador “fez as pazes” com os antigos inimigos, a ponto dos serviços secretos de Estados Unidos e Reino Unido terem colaborado com a ditadura, entregando-lhe opositores.

Anúncios

Todo apoio às lutas dos povos líbio e sírio

Em fevereiro, questionei se a ditadura de Muammar al-Gaddafi na Líbia estava realmente chegando ao fim. Afinal, dada a velocidade com que caíram os regimes ditatoriais em dois países vizinhos (Tunísia e Egito) no início do ano, parecia que não demoraria muito para Gaddafi ter destino semelhante aos que tiveram o tunisiano Ben Ali e o egípcio Hosni Mubarak.

Porém, a longa ditadura iniciada em 1969 não caiu tão rapidamente. Foi preciso uma guerra civil. Num comparativo da chamada Primavera Árabe com as quedas dos regimes “socialistas” no Leste Europeu em 1989, Muammar Gaddafi agiu de forma semelhante ao romeno Nicolae Ceausescu: ambos acreditaram que eram amados pelo povo, e decidiram resistir. Na Romênia a guerra civil foi breve (durou pouco mais de uma semana) e resultou na execução do ditador e de sua esposa. Já a Líbia vive um conflito que ainda parece longe de acabar: Gaddafi já pode ser considerado ex-ditador, mas seus apoiadores não parecem dispostos a deporem as armas. Ainda mais que o líder, a princípio, está vivo, mas em local desconhecido.

Aliás, a citação ao “socialismo” do Leste Europeu não foi só para comparar Gaddafi a Ceausescu. Pois algo me incomoda: muita gente que se considera de esquerda apoia Gaddafi por seu suposto “anti-imperialismo”. Até reconhecem que os regimes da Europa Oriental eram burocráticos, autoritários e muito distantes do ideal socialista, mas não percebem que Gaddafi era também um ditador. E, principalmente, que há certo tempo ele nem era mais um “inimigo dos Estados Unidos”. Aliás, virou tão amigo, que os serviços secretos estadunidense e britânico colaboraram com seu regime por pelo menos cinco anos (2002-2007), inclusive entregando opositores da ditadura!

Aí alguém vai perguntar por que a OTAN bombardeia a Líbia, em suposto apoio os rebeldes que lutam contra a ditadura. A resposta é bem simples: oportunismo. Afinal, se o amiguinho Gaddafi está podre e vai cair, melhor derrubá-lo de uma vez e instalar um novo governo que se mantenha alinhado ao Ocidente, ao invés de correr o risco da revolta popular resultar numa Líbia verdadeiramente democrática e anti-imperialista.

Por isso, é importante que o povo líbio não se contente com a queda de Gaddafi: é preciso garantir que a vitória seja, realmente, dos líbios, e não do Ocidente.

————

Outro ditador intragável é Bashar al-Assad, da Síria. Como defender quem massacra o povo com tanques de guerra para se manter no poder??? Mas, há gente de esquerda que o considera “anti-imperialista”… É dose.

Começou a criminalização

É simplesmente inacreditável o que disse o delegado Gilberto Almeida Montenegro, da Divisão de Crimes de Trânsito de Porto Alegre, sobre a Massa Crítica, vítima de uma tentativa de assassinato na sexta-feira. Bom, na verdade não: é apenas mais um reflexo da carrocracia que impera na cidade.

O primeiro erro crucial foi esse evento ciclístico. Esse grupo cometeu um erro grave, qualquer evento desse porte se avisa a Brigada Militar (BM), a EPTC (Empresa Pública de Transporte e Circulação), a Secretaria de Segurança, para se formar um aparato para evitar situações desse tipo.

Então quer dizer que para se locomover é preciso avisar a Brigada e a EPTC? Pois a Massa Crítica nada mais é do que ciclistas pedalando juntos, se deslocando pela cidade (embora isso tenha sim um sentido de manifestação – mas para lembrar que ciclistas também são trânsito). Por essa lógica, é preciso avisar a BM e a EPTC para formarem um aparato em todos os finais de tarde, visto que os motoristas adquiriram o interessante hábito de protestar nesses horários, levando o caos à maior parte da cidade.

Aqui não é a Líbia. Aqui tem toda a liberdade para fazer manifestação, desde que avisem as autoridades. Faz a tua manifestação, mas não impede o fluxo de automóveis. Se tu impedes, dá confusão, dá baderna, dá acidente. Fica o alerta.

Ah, é? “Aqui não é a Líbia”, mas se desagradar ao Gaddafi, digo, ao fluxo de automóveis… Pelo jeito é legítimo que um bandido dirigindo um carro passe por cima de ciclistas.

Não pode impedir o fluxo de carros (que na maioria esmagadora das vezes é impedido por eles mesmos), mas de pedestres e ciclistas pode, né? Pois o tempo que aquele assassino poderia ter esperado para que a Massa Crítica passasse, é o mesmo que muitas vezes eu espero para atravessar uma rua (isso quando não preciso esperar mais).

Será o fim para o mais antigo ditador da atualidade?

Charge de Carlos Latuff

Muammar al-Gaddafi governa a Líbia desde 1969, sendo assim o mais antigo ditador da atualidade.

Por muito tempo, foi um dos “maus” na ordem mundial ditada por Washington. Inclusive, o regime de Gaddafi foi acusado de promover vários atentados terroristas em países ocidentais na década de 1980, com destaque para a explosão de um avião da Pan Am em 21 de dezembro de 1988 sobre a cidade escocesa de Lockerbie, que matou 270 pessoas (onze delas em terra).

Mas nos anos 2000, Gaddafi “fez as pazes” com o Ocidente: deixou de apoiar movimentos rebeldes, abandonou a postura anti-Israel de antes (seu governo deu cobertura ao grupo Setembro Negro, que matou onze atletas israelenses durante os Jogos Olímpicos de Munique, em 1972), indenizou as famílias das vítimas do atentado de Lockerbie, e procurou ter relações menos tumultuadas com os países ocidentais. A Líbia não se transformou numa democracia, é óbvio: apenas deixou de sofrer sanções econômicas, costumeiramente usadas contra regimes que não agradam aos Estados Unidos.

Agora, parece que a longa ditadura se aproxima de seu fim. Mas não sem antes promover um banho de sangue, inclusive usando aviões militares para massacrar os manifestantes: Gaddafi, que se diz socialista (assim como me considero o Papai Noel), toma uma atitude digna de Augusto Pinochet, que em 11 de setembro de 1973 chefiou o violentíssimo golpe militar contra o presidente socialista do Chile, Salvador Allende, com direito a bombardear o Palácio de la Moneda, sede do governo chileno.