Dez anos do golpe fracassado na Venezuela

Em abril de 2002, a Venezuela vivia uma grave crise política. A oposição ao presidente Hugo Chávez o acusava de ser um “ditador”. E decidiu agir, implantando ela própria sua ditadura, colocando o empresário Pedro Carmona na presidência, sem que ele tivesse recebido um voto sequer, já que não disputara uma eleição.

Sem conseguir vencer Chávez nas urnas, a direita venezuelana comprovava que só defendia a democracia quando ganhava as eleições. Quando a esquerda ganhou, começou aquele discurso de que “o povo não sabe votar”, e de quanto isso “ameaça a democracia”, por permitir a instalação de uma “ditadura comunista”.

Qualquer semelhança com o que diziam os golpistas de 1964 no Brasil não é mera coincidência. Pois os golpistas de 2002 na Venezuela decidiram fazer igual a seus pares brasileiros: apelar à força das armas contra o voto do povo.

Só não tinham percebido que os tempos eram outros. No Brasil de 1964, as pessoas se informavam basicamente via jornal, rádio e televisão – e todos estes meios, com poucas exceções, apoiaram a quartelada. Na Venezuela de 2002 tinha tudo isso. Tinha também uma televisão pública – o Canal 8 – que não deixava a visão da mídia corporativa ser a única e, não por acaso, foi a primeira emissora a ter seu sinal cortado pelos golpistas na noite de 11 de abril, para que o povo não soubesse que Chávez fora deposto por um golpe midiático-militar e assim acreditasse que ele havia renunciado. Só que o povo não acreditou – como, aliás, já não vinha acreditando mais na “grande mídia” da Venezuela, que tanto falava que o país piorava em tudo; enquanto isso, para os mais pobres a vida só melhorava.

O povo fez mais do que não acreditar. Usou a tecnologia a seu favor: dotado de celulares que enviavam mensagens de texto, podia se comunicar, se informar, sem depender da mídia tradicional. Assim como podia se mobilizar.

E se mobilizou. Tomou as ruas de Caracas no dia 13 de abril. Foi para a frente do Palácio de Miraflores dizer que só reconhecia a autoridade do presidente que havia sido legitimamente eleito, ou seja, Hugo Chávez. E os golpistas fugiram com o rabo entre as pernas.

Na noite de 13 para 14 de abril, Chávez estava de volta ao palácio, nos braços do mesmo povo que o levara à presidência pelo voto – esta instituição que a direita tanto finge defender, mas revela temer quando não a favorece.

———–

Dez anos depois, Chávez continua a ser o presidente da Venezuela, e pode, em outubro próximo, conquistar um novo mandato de seis anos. Ditador? Se só o tempo de governo é pré-requisito para uma ditadura, a direita tinha de falar um pouquinho mais sobre um certo Hosni Mubarak, que governou o Egito por 30 anos e só quando estava caindo foi chamado de ditador pelos que criticam Chávez. Mubarak só enfrentou um opositor nas urnas quando já estava no poder há 24 anos, e venceu graças a fraudes. Já todas as eleições que Chávez venceu foram comprovadamente limpas, com a oposição tendo todo o direito de fazer campanha e de se manifestar (quer maior “liberdade de expressão” para a oposição do que ter a “grande mídia” a seu favor?). Tanto que Chávez também perdeu um referendo, em dezembro de 2007, quando não conseguiu aprovar uma série de reformas constitucionais nas urnas – nas ruas, opositores chegaram a usar a bandeira dos Estados Unidos na comemoração.

Porém, nem tudo são flores na Venezuela. Em 2009, quando foi aprovado o fim do limite de reeleições para cargos executivos, alertei:

Porém, como ninguém está livre de nada, e se acontecer algum problema que impeça Hugo Chávez de continuar, quem o substituirá? Não há a preocupação de se lançar novas lideranças dentro do próprio partido de Chávez, que possam sucedê-lo sem dificuldades.

Pois agora Chávez luta contra um câncer. E se devido à doença ele não puder continuar a ser presidente? Seu projeto político é muito vinculado a ele próprio, e assim seu partido se verá em maus lençóis caso ele não possa continuar. E com Chávez podendo se candidatar à reeleição quantas vezes quiser, provavelmente se pensará ainda menos em alguém que possa dar continuidade a seu projeto político.

Anúncios

A ditadura da mídia corporativa

Sensacional o documentário “Levante a Sua Voz”, inspirado no premiadíssimo “Ilha das Flores” (1989), de Jorge Furtado. Assista, e entenda os motivos pelos quais eu – além de vários outros blogueiros – tanto criticamos a “grande mídia” que de neutra e imparcial não tem nada.

Mídia conservadora desinforma sobre o #15O

Amanhã é o dia da grande mobilização mundial convocada pelos jovens indignados espanhóis. Em várias cidades – inclusive Porto Alegre – a juventude irá ocupar as praças para exigir a democracia real, não esta falsificada que temos aí.

As manifestações terão como alvo os poderes financeiro, político (que é subjugado pelo primeiro), militar e midiático. Este último é uma das explicações para a mentira descarada que foi publicada em jornais de Porto Alegre ontem. Segundo a mídia conservadora guasca, amanhã Porto Alegre terá uma “marcha contra a corrupção” convocada pela OAB, e não uma manifestação que é parte de uma mobilização mundial. Detalhe: seguindo exatamente o mesmo roteiro previsto para a marcha do #15O.

Obviamente a corrupção nos causa indignação. Só que o #15O e as “marchas contra a corrupção” são movimentos absolutamente distintos.

O #15O questiona o modelo político e econômico vigente, defende um mundo com mais solidariedade em lugar de tanto individualismo e consumismo. E obviamente, é crítico à corrupção: basta lembrar que quem se corrompe o faz objetivando vantagens ilícitas sobre os outros. Em um mundo mais solidário e menos individualista, as pessoas passarão a pensar mais nas outras e não só em si mesmas: não é óbvio que com isso, a tendência é de que a corrupção diminua (ou até mesmo acabe)?

Já as tais “marchas contra a corrupção” não questionam o status quo. São manifestações apenas moralistas e de caráter conservador, ainda mais quando se percebe quem está por trás: tem um tal de grupo “Acorda Brasil” (lembram daquelas malditas correntes?) apoiando, além da “juventude maçom”.

A companhia de gente desse “naipe”, eu não quero de jeito nenhum.

A censura no Brasil

Esse tipo de censura nos atinge muito mais do que pensamos. Jamais veremos, por exemplo, algum dos principais jornais do Brasil publicar matérias que demonstrem o quanto melhor para a cidade – e mesmo para a saúde humana – é trocar o carro pela bicicleta: basta folhear o jornal e contar os anúncios de revendas de automóveis… A mídia corporativa depende dos anunciantes para sobreviver. Logo, não irá divulgar alguma notícia que prejudique os interesses das empresas que a patrocinam. (E quando uma matéria não é ruim para nenhum anunciante, pode o ser para o próprio dono do veículo de mídia.)

Para ler na íntegra, clique aqui e confira minha colaboração para o Jornalismo B.

Será que o Irã é tudo isso que dizem?

Sábado à tarde, assisti ao final do programa “Zonas de Guerra” sobre o Irã no canal National Geographic. O pouco que vi, recomendo a todos que repetem ipsis litteris o senso comum sobre aquele país.

Em Teerã, o repórter-apresentador visitou judeus, que inclusive frequentam sinagogas. Isso mesmo: em um país majoritariamente (e oficialmente) muçulmano, e cujo presidente já defendeu a destruição do Estado de Israel (e vale lembrar que o programa foi gravado após tais declarações de Mahmoud Ahmadinejad), os judeus têm direito a expressarem sua fé. O Estado iraniano reconhece algumas minorias religiosas do país, e reserva a elas cadeiras no parlamento – ou seja, no Irã os judeus têm inclusive um representante político.

É realmente de se ficar com a “pulga atrás da orelha”: será que tudo o que já se falou sobre o Irã é simplesmente mentira? Bom, acredito que não: como disse, assisti apenas ao final do programa. Não sei se na boa parte que perdi, não se falou alguma coisa sobre as penas de morte por apedrejamento, os direitos das mulheres etc. Sem contar que o fato de que o Estado reconhece algumas minorias religiosas quer dizer que outras não têm tal distinção, e assim podem ser alvo de perseguições.

Mas ao menos, o programa oferece uma oportunidade de se conhecer um pouco do “outro lado” do Irã, que a mídia corporativa brasileira, “tão imparcial e democrática”, insiste em não mostrar.

Por que não ser solidário sempre?

A mobilização que se viu para ajudar as vítimas das chuvas no Rio de Janeiro me fez pensar sobre o quanto os desastres naturais acabam por despertar a solidariedade nas pessoas.

No dia-a-dia, costuma-se ser extremamente individualista. Quando se vê um mendigo pedindo esmola, geralmente não se justifica o fato de não dá-la porque isso não soluciona o problema (e de fato não soluciona, mas ao mesmo tempo, ficaríamos mais pobres por dar umas moedas ao cara?), mas sim, porque “se esse vagabundo quer dinheiro, que vá trabalhar!”. (Mas o imbecil que diz isso daria um emprego ao coitado?)

Então vem um desastre natural. Chuvarada, vendaval, terremoto. E muitas vezes vemos aquele furioso individualista, separando roupas e alimentos para doar às vítimas da tragédia.

A catástrofe fez o cara mudar, repensar suas atitudes? Não. É apenas uma “solidariedade de ocasião”. Pois reparem que geralmente as tragédias geram mobilizações quando suas vítimas não se resumem às classes mais baixas. Tanto nas chuvas do Rio quanto nas de Santa Catarina (2008), a classe média também foi afetada. E, como lembra a letra da música “Classe Média”, de Max Gonzaga, “toda tragédia só me importa quando bate em minha porta”. Ainda mais quando é no Sul ou no Sudeste.

Sendo assim, a mídia corporativa teve de noticiar. E sabem como é: se a televisão fala em solidariedade, em como “doar é bonito”, o médio-classista individualista tem de aderir, não pode ficar fora dessa.

Isso que quer dizer que condeno a solidariedade às vítimas da tragédia? Claro que não! Que bom que, ao menos nestas ocasiões, as pessoas se ajudam umas às outras. Mas não custaria nada sermos solidários sempre (até porque, ao mesmo tempo que ajudaríamos, também seríamos ajudados). Não só com quem perdeu sua casa, como também com quem não tem casa.

Esperança de honestidade

Segunda-feira, aconteceu em São Paulo aquele encontro que eu já havia divulgado, da “mídia livre e imparcial”. (E pelo visto, não chamaram o Professor Hariovaldo!)

Fiquei com uma esperança. Foi sugerido aos veículos de mídia (corporativa) que assumam publicamente a candidatura presidencial que apoiarão (a favor de José Serra ou contra a “stalinista” Dilma Rousseff de tudo que é jeito), medida à qual sou totalmente favorável. Desta forma, a “grande mídia” perderá totalmente sua aura de “neutra”, e o cidadão saberá que o jornal que lê (ou a rádio que ouve, ou a emissora de televisão que assiste) tem posição.

O leitor do Cão Uivador sabe que este espaço é gremista e de esquerda. Modéstia a parte, sou honesto com o leitor, pois não tento enganá-lo com a balela da imparcialidade. Bem diferente da “grande mídia”, que posa de imparcial e assim, implicitamente, constroi subjetividades que são claramente conservadoras, mas não perceptíveis por quem não pára um pouco para pensar.

  • Leia mais sobre o assunto e também sobre o lançamento da Altercom (Associação Brasileira de Empresas e Empreendedores da Comunicação, ou simplesmente Associação da Outra Mídia) no Jornalismo B.

Quem é o maior “perigo mundial”?

Até 1979, o Irã era uma monarquia pró-Ocidente. Com a Revolução Islâmica, “o jogo virou”, e o país passou a ser visto como “ameaça” pelos antigos aliados.

Então entrou em cena Saddam Hussein, ditador do Iraque. Armado pelos Estados Unidos, invadiu o Irã e deu início a uma longa guerra (1980-1988), que deixou mais de um milhão de vítimas e acabou “empatada”. Saddam usou armas químicas e biológicas contra iranianos e curdos.

Com a economia debilitada após o conflito, o Iraque, rico em petróleo, desejava que o valor do barril fosse aumentado, o que obviamente não era desejado pelo Ocidente. Em agosto de 1990, Saddam Hussein ordenou a invasão e anexação do Kuwait, riquíssimo em petróleo, que assim como a Arábia Saudita era aliado dos países ocidentais e não aumentava o preço do barril. Foi o que motivou a Guerra do Golfo de 1991, após a qual o Iraque sofreu sérias sanções econômicas, e Saddam foi acusado de possuir “armas de destruição em massa” – pelos países que mais as possuem e, pasmem, que o armaram e o apoiavam quando as utilizou.

Ao longo da década de 1990, as acusações ao Iraque quanto à posse de “armas de destruição em massa” continuaram. O país seria novamente bombardeado em 1996 e 1998, quando o presidente estadunidense Bill Clinton precisava “agradar à opinião pública” nos Estados Unidos: na primeira oportunidade, Clinton concorria à reeleição; na segunda, corria risco de impeachment por conta de um escândalo sexual.

Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, o presidente George W. Bush incluiu o Iraque no “eixo do mal”, lista dos países contrários aos interesses dos Estados Unidos, sob o pretexto de “apoiar o terrorismo”. Ao longo de 2002 procurou, sem sucesso, convencer o mundo inteiro de que Saddam Hussein era uma ameaça igual ou maior que Osama Bin Laden, que o mundo inteiro corria perigo.

Saddam decidiu permitir a visita de inspetores da ONU, em busca das tais “armas de destruição em massa” que supostamente o Iraque teria. Nada foi encontrado. Já Bush e sua claque juravam de pés juntos que Saddam possuia sim as tais armas, para justificarem a guerra. Ignoraram a ONU e os protestos em todos os cantos do mundo, e em 20 de março de 2003 iniciaram a invasão do Iraque.

Seis anos depois, nenhuma “arma de destruição em massa” foi utilizada contra o invasor, nem sequer encontrada. Sinal de que Saddam não tinha mais nenhuma. O país foi loteado entre empresas privadas que auxiliariam na “reconstrução”: a “liberdade” de Bush destruiu o Iraque, para permitir a entrada das grandes corporações “de bem” lá.

Saddam Hussein foi capturado no final de 2003, julgado e condenado à morte, sendo executado em 30 de dezembro de 2006. Foi um julgamento muito longe de ser justo: embora Saddam tenha sido um ditador cruel, deveria ter sido submetido a um tribunal neutro, fora do Iraque ocupado por forças estrangeiras.

————

Por que lembrei tudo isso? Para alertar do perigo que são esses coros de “fulano é um perigo regional/mundial”. Afinal, eles partem de onde está o verdadeiro perigo.

A “bola da vez” é Hugo Chávez. Tudo bem, não é de hoje que ele vem sendo tratado como um “monstro ameaçador”, mas agora a campanha reacionária parece estar se intensificando, com essas tais “marchas” contra ele, orquestradas pelo governo da Colômbia para ocorrerem em vários países.

Mas são milhões assistindo televisão, que apenas fala mal de Chávez sem contraponto. Muitas pessoas que podem acabar incorporando o discurso reacionário sem se darem conta disso, que nem acontece em relação às medidas tipicamente nazistas.

Ora, quem acusa Chávez?

  • Governo dos Estados Unidos. O mesmo que é contra certos países terem armas de destruição em massa, mas as tem aos montes. Assim como no caso do Iraque, o interesse não é a paz mundial ou a democracia: “é o petróleo, estúpido!”. Barack Obama pode até parecer menos ameaçador que George W. Bush, mas é presidente dos Estados Unidos. Como já foi lembrado, Bill Clinton (do mesmo Partido Democrata de Obama) bombardeou o Iraque quando a coisa tava feia em casa, no final de 1998;
  • Governo da Colômbia. O presidente Álvaro Uribe acusa Chávez de envolvimento com as FARC, que por sua vez são acusadas de tráfico de drogas. Porém, o próprio Uribe é acusado de ser um grande narcotraficante. Demonstra não respeitar a soberania dos países vizinhos, quando ainda defende a ação militar que violou a fronteira do Equador em março de 2008, para matar guerrilheiros das FARC;
  • Mídia corporativa. A mesma que apoiou o golpe de 1964 no Brasil e o recente em Honduras, “em defesa da democracia”, acusa Chávez de ser “ditador”. Chiou quando foi aprovada a emenda constitucional na Venezuela que acabou com o limite de mandatos consecutivos – tanto para Chávez quanto para governadores e prefeitos, inclusive os oposicionistas – mas não fez o mesmo agora que o presidente colombiano Álvaro Uribe também poderá concorrer a mais um mandato. E a mesma que chorou a não-renovação da concessão da RCTV em 2007 apoiou os golpistas que fecharam o canal público venezuelano por dois dias em abril de 2002, e não divulgou nada quando o povo saiu às ruas para pedir a volta de Chávez.

Diante de acusadores assim, é possível acreditar que o perigo é Hugo Chávez? Sim, desde que não se divulgue quem está por trás da campanha contra o presidente venezuelano.

Chávez nunca ordenou ao exército da Venezuela que violasse a soberania de outros países, nem sequer pediu à Rússia ou outro país que não se dê lá muito bem com os Estados Unidos para instalar bases militares em território venezuelano.

Blogs têm força nos EUA, e ainda engatinham no Brasil

Não foram poucas as vezes que o Hélio Paz citou, em seus posts, a força dos blogs – e da própria internet – nas campanhas políticas dos Estados Unidos. Tanto que a vitória de Barack Obama na eleição presidencial se deveu ao competente uso das ferramentas oferecidas como redes sociais e blogs.

Para termos uma idéia de como andam as coisas por lá: começou a circular nesta semana em Chicago e São Francisco um jornal cujo conteúdo é exclusivamente oriundo da internet. É o “The Printed Blog”, que inicialmente será semanal, mas aspira à circulação diária. O jornal será distribuído em estações de transporte público nas duas cidades, gratuitamente. Sendo baseado em blogs, obviamente se pode ler o jornal pela internet, inclusive baixá-lo em formato PDF.

Uma iniciativa dessas por aqui teria chances de dar certo? Atualmente, acredito que não. Nos EUA, os blogs têm importância para a política e na formação da “opinião pública” (tanto que há gente disposta a anunciar em um jornal que expresse uma visão diferente da dominante). No Brasil, continuam muito restritos.

Pegando o meu próprio exemplo: em um ano e cinco meses e meio no WordPress, o Cão teve quase 77 mil acessos. Pode parecer bastante, mas é muito pouco, considerando que há blogs e páginas ligadas a grandes grupos de mídia que alcançam tal número de acessos em menos de um dia. E quando me conecto no WordPress, os blogs destacados (mais acessados) muitas vezes tratam de fofocas e celebridades – ou seja, são pautados pela televisão. Não podemos chamar isso de “mídia independente”…

Outro fator que pesa contra é, no caso dos blogs políticos, o fato de muitos serem partidarizados. Pois a força da mídia corporativa se deve à sua alegada “imparcialidade”: quem usa o senso crítico obviamente não acredita nessa balela, mas boa parte das pessoas lê jornais e revistas semanais, e assiste telejornais, e acredita que tudo o que é dito é “a verdade”. Acho extremamente honesto dizer de qual lado se está, mas resumir a política à defesa de determinados partidos e à luta pelo poder político é uma idéia equivocada.

É preciso lutar por idéias, não por partidos. Bons exemplos são movimentos como os Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho: politizados (pois a luta em defesa da natureza também é política) sem serem partidarizados. Ainda mais quando boa parte das pessoas se tornou descrente da política partidária: prova disso é que o único partido forte que se baseava na defesa de um ideal, o PT, tornou-se igual aos outros que tanto criticava.