Quando a Lua triunfar sobre o Sol

89 dias atrás, era 23 de setembro. Início da primavera mas ainda com cara de inverno, vestíamos casacos. Parece que foi ontem.

Agora, é 21 de dezembro, começa o verão. Mas, dentro de 89 dias, será 20 de março. Parece que é amanhã. Então, o outono é logo ali, e não demorará tanto para, enfim, as noites serem mais longas e a Lua triunfar sobre o Sol.

Aliás, o que seria da poesia se não existissem as noites e a Lua?

Mais um dia de chuva

Charge do Kayser (2005)

E aquele ponto do corredor de ônibus da Osvaldo Aranha, claro, continua lembrando a superfície da Lua.

Verdade que a cratera de sexta, que poderia muito bem detonar a suspensão de um ônibus que não passasse bem devagar, parece ter sido tapada (não deu para ver asfalto, pois tinha água). Quando os coletivos passavam ali hoje, não “afundavam”. O problema são todos os outros buracos, que apesar de não serem tão fundos, acumulam bastante água. Muitos já estavam lá na sexta, outros surgiram depois, provavelmente devido à chuva de hoje (já que sábado não choveu, e ontem foi pouca).

E tem previsão de chuva até quinta…

Não estou com a mínima saudade do verão

A “moda” entre os gaúchos nas redes sociais (Twitter, Facebook etc.), no momento, é reclamar do frio intenso que vem atingindo o sul do Brasil nos últimos dias. Além de torcer para que o verão chegue logo.

Não tenho achado nada fácil sair do banho, levantar da cama e, principalmente, “passar um fax” com todo esse frio. E sei que tem muita gente dormindo nas ruas, quase congelando – só que, sempre gosto de lembrar, isso não é culpa do inverno.

Ainda assim, não estou com a mínima saudade do verão, que me causa um desconforto imensamente maior que o frio dos últimos dias. Banhos de suor, gasto excessivo de energia com ventilador e/ou ar condicionado (sem isso é impossível dormir), sol inclemente… Aliás, cientista que afirma ser a falta de luz solar uma causa de depressão, só pode ser vendido para a indústria do verão*, ou desprezar as exceções à regra (será que realmente são exceções?). Afinal, me sinto mais atraído pela noite (tanto que a Lua tá lá no cabeçalho do blog) do que pelo dia.

E, pior ainda, é gente incoerente. Agora, reclama do frio e pede verão, mas quando ele chega, se queixa do calor… Quem não aguenta mais o inverno, mas não reclama do verão mesmo nos dias mais tórridos, tem todo o meu respeito (apesar da minha discordância climática). Agora, para os de memória curta que torcem para o verão chegar logo mas dentro de alguns meses estarão reclamando do calor, recomendo o vídeo abaixo:

Sim, dias como 3 de fevereiro de 2010 são exceção (afinal, o Batista não desmaia em todos os jogos que comenta durante o verão). Mas essa cena é muito simbólica do que é aquela época em Forno Alegre…

————

* A propaganda (enganosa) só fala em sol, mas o verão me lembra mesmo é chuvaradas, como aquelas que causaram várias tragédias no Rio de Janeiro (mas reconheço que a culpa não é do clima).

————————

Atualização (07/07/2011, 23:29). Domingo tem jogo do Grêmio, e deve fazer um calorão em Porto Alegre, acima de 20°C! Batista que se cuide, caso ele seja escalado para comentar a partida…

26 anos do PRIMEIRO TÍTULO MUNDIAL do Rio Grande do Sul

O primeiro homem a pisar na Lua foi Neil Armstrong. O segundo, ninguém lembra…

A primeira ovelha clonada foi Dolly. A segunda, ninguém lembra…

O primeiro avião construído foi o 14-bis. O segundo, ninguém lembra…

O primeiro gol da história do Campeonato Brasileiro foi marcado pelo atacante argentino Nestor Scotta, do Grêmio, contra o São Paulo, em partida vencida por 3 a 0 pelo Tricolor dos Pampas (em pleno Morumbi). O segundo, ninguém lembra…

————

No dia 11 de dezembro de 1983, pela primeira vez um clube do Rio Grande do Sul sagrou-se CAMPEÃO DO MUNDO. No Estádio Nacional de Tóquio, numa tarde fria e nublada, o Grêmio bateu o Hamburgo por 2 a 1, dois golaços do grande Renato Portaluppi, obtendo a marca histórica.

Os primeiros são os que todos lembram, e os que alguns, magoados por não terem sido eles os pioneiros, tentam de todas as formas desmerecer. Pelo visto dor de cotovelo pode ser, sim, insuportável…

Mudança de novo

De novo (!!!) volto ao modelo “da lua”, após o comentário do Jorge Vieira, que afirmou dificuldades para ler no modelo do fundo preto. Notei que as letras ficavam pequenas nos posts mais antigos – o mais recente sempre tinha a fonte maior – e realmente, isso pode atrapalhar a leitura. E realmente, a leitura fica mais fácil com letra escura em fundo claro, menos cansativa.