“Alguém lembra o que é adjunto adnominal?”

Foi esta a pergunta que me fiz hoje à tarde, enquanto respondia à prova do concurso. Na prova de Língua Portuguesa, uma questão sobre adjunto adnominal, outra sobre predicado nominal, e ainda tinha sobre transitividade dos verbos.

É verdade que, por estar no edital, eu deveria ter “me prevenido” (como minha “touca” sempre foi legislação, priorizei esta). Mas em editais de outros concursos que prestei, lá estavam adjuntos, períodos compostos por subordinação e outras coisas, mas nunca caía nada disso. A banca optava por cobrar o que é realmente importante em uma prova de Língua Portuguesa: a capacidade do candidato compreender textos. (E diz-se que, quanto mais se lê, melhor se escreve.)

Aliás, quem sempre gostou do que escrevo aqui, vai passar a achar uma porcaria só por causa deste tal adjunto adnominal? Aliás, me ajudem a localizar todas essas coisas neste texto…

————

Aí, quando digo que meu problema em concursos públicos é que não sou bom de decoreba, sempre alguém vem com o papo furado de que “não é para decorar, é para entender”. Então tá.

A inútil “lei dos estrangeirismos”

Hoje, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou um projeto de lei do deputado Raul Carrion (PCdoB) que estabelece a obrigatoriedade de tradução para a língua portuguesa de palavras estrangeiras utilizadas em meios de comunicação, publicidade etc. A ideia é limitar o uso de expressões originadas de outro idioma no dia-a-dia.

Sou favorável a limitar o uso de palavras estrangeiras. Nada mais tosco do que, no Brasil, existir uma autoestrada chamada de free-way (o trecho duplicado da BR-290 entre Porto Alegre e Osório), se ver cartazes de liquidação falando em “50% off” (quando se poderia muito bem usar “desconto de 50%”), ou lojas usando em seus nomes a expressão store, que em inglês significa… Loja!

Percebe-se que a expressão em inglês é usada para dar mais “prestígio” ao que ela designa, e um exemplo bem simples é encontrado em Porto Alegre: em 1970 foi inaugurado o Centro Comercial João Pessoa, primeiro estabelecimento desse tipo na cidade. Naquela época, a expressão inglesa shopping center ainda era pouco usada no Brasil. Foi quando o Iguatemi chegou a Porto Alegre (1983), com o nome de shopping center. Pronto: todos os posteriores também foram chamados de shopping… E o próprio Centro Comercial João Pessoa tornou-se shopping, embora muitos (inclusive eu) ainda o chamem de “centro comercial”.

Assim, quem leu os parágrafos acima deve achar que sou favorável à lei de Carrion. Porém, sou contra. Por um motivo bem simples: é tosco se usar expressões em inglês por mais status (óia!) mas, a língua portuguesa não é algo rígido, imutável. De vez em quando, a grafia de certas palavras é alterada – como vimos no acordo ortográfico – e expressões originadas de outros idiomas são, sim, incorporadas. Ou seja, uma lei para regrar o uso da língua não serve para absolutamente nada, a não ser chamar a atenção para o autor dela.

E nem é preciso falar da informática, onde isso é mais visível. O futebol nos oferece alguns bons exemplos:

  • A própria palavra “futebol” é o aportuguesamento de foot-ball;
  • A gíria “becão” (geralmente usada para designar aquele zagueiro mais “grosso”) é o aumentativo de “beque” (outra gíria), que vem de back;
  • “Chute” é o aportuguesamento de shot (tiro);
  • “Gol” vem de goal (objetivo);
  • “Time” é team (equipe).

Se houvesse uma “lei Carrion” quando da chegada do futebol ao Brasil, talvez falássemos “ludopédio” ou “bola ao pé”, “tiro”, “objetivo” ou “meta”, dentre outras palavras em português. Não haveria uma distorção de sentido, mas ao mesmo tempo, sem as palavras de origem inglesa o futebol não teria uma espécie de “vocabulário próprio”: quando lemos ou ouvimos “gol”, pensamos em alguém mandando a bola para a rede, e não neste que vos escreve celebrando por seu “plano infalível” de conquistar a Natalie Portman dar certo.

É o que também faz a informática ter seus termos específicos, como chip (como se diz isso em português?) e o incorporado verbo “deletar” (vem do inglês delete, que por sua vez é de origem latina, como a língua portuguesa!), que tem o mesmo significado de “apagar”: até há quem fale em “apagar o arquivo”, mas nunca vi ninguém “deletar a luz”…

————

Importante ressaltar que eu falei sobre o português falado no Brasil. Pois em Portugal, certas expressões inglesas que usamos são substituídas por palavras em português. Lá, por exemplo, no computador se usa “rato”, e não mouse; blog é aportuguesado para “blogue”; site para “sítio”; assim como no futebol se grita “golo” de uma “equipa”.

Não há argumentos pró-Serra

O texto abaixo foi escrito por meu amigo Fábio Castilhos Figueredo, professor de Língua Portuguesa, e que há um ano ministra aulas no Timor-Leste (mas em breve estará de volta ao Brasil). Leiam:

“Por que não votar na Dilma.” Ou “Votar na Dilma, por que não?”

Todas as pessoas que me conhecem sabem que sou libriano. E como tal, adoro fazer ponderações de toda ordem (mais bunda, menos bunda; beleza, inteligência; esquerda, direita). Sou aquele tipo de libriano que adora ser gentil e perguntar a todas as pessoas “E tu? Prefere o quê?” só para não ter comigo a responsabilidade de escolher o cardápio do dia. No entanto, depois de algumas ponderações, sei perfeitamente escolher, desde que tenha tido a oportunidade de observar todos os pontos.

Como também devem saber, estou vivendo um ano fora do Brasil. Justamente ano de eleição. Apesar de não ter transferido meu título para cá, para não ter toda a burocracia de refazer o processo novamente ao chegar no Brasil, tenho acompanhado os debates e as propagandas políticas da melhor forma possível. Acompanhei algumas propagandas do Tiririca e seus atuais confrontos com a Justiça Eleitoral; fiquei sabendo das vitórias de cada estado; concordei com as derrotas, tanto eleitorais como judiciárias, de muitos medalhões. Por estar mais próximo de pessoas de outros recantos do Brasil, acompanhei a eleição em quase todo o território, do Ceará ao Rio de Janeiro, de Minas Gerais a Bahia. No entanto, não tenho uma televisão para isso.

No Brasil eu gostava de acompanhar o horário eleitoral. Não era, nem sou, um fanático, mas gostava de poder saber porque poderia votar neste ou naquele candidato. Com essa distância das urnas (entenderam a metáfora?), recebi muitas manifestações pela internet, meio de comunicação maravilhoso, pois não tem filtro, é público e nem um pouco criterioso. Como na internet todos podem mandar o que quiserem para quem quiserem, recebi toda a sorte de correntes, piadas, charges, manifestos políticos.

O que me chama a atenção é que os lendo, senti uma grande falta do que se dizer. Sou professor, eu trabalho com a Língua Portuguesa, ela é meu meio de sustento; sua escrita é meu objeto de estudo; sua argumentação é meu mestrado. Como professor, posso afirmar que li muitas comparações entre os governos Lula e FHC, li ponderações sobre os feitos de um e de outro; admito que FHC foi essencial para o Brasil durante 8 anos de mandato; reconheço que os 8 anos de governo Lula foram os mais crescentes da nação. Não há como negar que a população brasileira teve seus momentos de glória durante a presidência de FHC, mas conseguiu ser mais emergente no governo Lula. Não vamos dar todos os méritos para o Lula, pois sabemos de suas falhas, de seus exageros e de seus “eu não sabia de nada”; contudo, não é possível canonizar um FHC que pouco investiu em educação, saúde e segurança, apesar de tê-lo feito em economia, somente.

Os candidatos que ao povo se apresentam para o pleito devem de fato continuar o trabalho de um ou de outro. O problema, para mim, é como farão isso. Recebi muitas propostas para o governo Dilma. Com algumas concordo, com outras discordo.

Sobre o candidato Serra, nada recebi de proposta. Sempre que abro minha caixa de e-mail recebo diversos pedidos para não votar na Dilma, mas em nenhum deles me dizem seriamente porquê. Não devo votar na Dilma porque ela é mulher; porque ela é dentuça; porque o amigo dela fala errado; porque foi guerrilheira; porque supostamente não vai poder viajar senão será presa logo após a aterrissagem do avião; porque ela é o diabo, vai provocar o armagedom e obrigar as pessoas a fazer abortos. Se descarregar minha caixa de mails, há uma infinidade de piadas (muitas sem graça) para que apenas não vote na Dilma. Mas vou votar em quem? No Serra? Por quê?

A argumentação em Língua Portuguesa se sustenta em vários alicerces. Podemos usar desde o discurso de autoridade até uma argumentação baseada na escolha das palavras. Como linguísta, prefiro observar a linguagem nela mesma. Se um discurso é bem feito, é porque houve uma série de escolhas, de escritas, de construções que o fizeram ser bem feito. Confesso que não recebi nenhuma proposta ou discurso para que imaginasse votar no Serra, nem uma frase, nem uma proposta, nem uma ideia; apenas os clássicos “não vote na Dilma”.

Então me questiono: “Votar na Dilma, por que não?” Desde incentivo à Educação, aos professores e às universidades; desde o combate ao racismo e à violência contra a mulher; desde uma avaliação das diversas bolsas-caridade espalhadas no país, o que aparece como ideia ou descontentamento do brasileiro, meus descontentamentos atuais, estão presentes nas propostas dela. Não como uma coisa extremamente nova, mas como um ajuste ao que vem sendo feito pelo atual governo.

Sei que ninguém é ingênuo na Política. Por vezes, ingênuo é o povo brasileiro, que se deixa levar pelo riso fácil ou pelo discurso religioso. Meus amigos que me conhecem sabem que não sou dado a mails de corrente e de bobagens a toda hora. Se me dou ao trabalho de escrever essas duas páginas de texto, é porque sei que os que lerão poderão perceber que ainda sou o ponderado de sempre. Colocar uma mulher na presidência, por que não?

Prof. Ms. Fábio Castilhos Figueredo

Olha só, como tem erros de ortografia no Cão!

Vejo com bons olhos a unificação da escrita de todos os países de língua portuguesa. Mas a partir de quinta, quando as novas normas ortográficas entrarem em vigor, este blog estará simplesmente cheio de erros.