Como eu gostaria de ver o Galo campeão

Começa logo mais a decisão da Libertadores de 2013, entre Olimpia e Atlético-MG. Uma final bastante interessante, entre um clube que enfrenta grave crise financeira e outro que superou uma maldição.

Muitos gremistas pretendem secar o Atlético, por conta de Ronaldinho. Porém, opto por torcer pelo Atlético, melhor time da Libertadores. Como disse Idelber Avelar, “todos os amantes do futebol devem torcer pelo Galo nesta final”. Com o Atlético campeão, Ronaldinho também ganhará, azar. Ou melhor: e daí?

O “descarrego” de nossa raiva contra Ronaldinho já aconteceu em 30 de outubro de 2011. No ano seguinte, já com a camisa do Atlético, ele veio a Porto Alegre e, após a vitória do Galo por 1 a 0, xingou a torcida do Grêmio quando deixava o gramado, despertando muita raiva naquela hora – inclusive a minha, sendo que durante o jogo pouca atenção dei a ele, justamente por já tê-lo xingado em 2011.

Em compensação, o Olimpia ainda é uma dolorosa lembrança, que hoje completa 11 anos. Em 17 de julho de 2002, uma quarta-feira como hoje, o Grêmio era eliminado nos pênaltis pelo clube paraguaio na semifinal da Libertadores, em um Olímpico lotado. Quando Eduardo Martini defendeu a cobrança de Caballero, o que tirava a vantagem do Olimpia na série, o juiz mandou repetir argumentando que o goleiro gremista teria se adiantado (o que de fato aconteceu, mas não foi um escândalo); Caballero converteu, e assim o Grêmio perdeu por 5 a 4 e foi eliminado, após vencer por 1 a 0 no tempo normal (levara 3 a 2 em Assunção).

Em 2003 o Grêmio eliminou o Olimpia nas oitavas-de-final da Libertadores, e para muitos aquilo foi o “troco” por 2002. Porém, foi uma classificação tranquila, vitórias tanto em Assunção como em Porto Alegre. Não foi como eu queria: nos pênaltis, com o juiz mandando voltar uma cobrança do Grêmio após o goleiro do Olimpia defender, alegando que ele se adiantou.

Já que não foi assim em 2003, que seja em 2013, com o Atlético-MG que conta com dois ex-jogadores do Grêmio (Réver e Victor). Dá-lhe, Galo!

Anúncios

Volta, Olímpico?

Fui à Arena na noite desta quinta, no primeiro jogo com temporal no novo estádio. E também a primeira derrota gremista.

Ironicamente, Grêmio x Huachipato foi o jogo menos difícil no quesito “deslocamento”. Fui direto do trabalho para o estádio, e como acabou cedo, voltei de trem tranquilamente. (Foi para isso que o jogo me serviu: me deixou ainda mais convicto de que o trem é o melhor meio de transporte urbano, já que ele não precisa parar em semáforos e nem pega congestionamento, chegando bem mais rápido ao destino.)

E no fim, pode ser que os jogos voltem a acontecer no Olímpico, e não só pelo Gauchão. O gramado voltou a receber críticas: pode parecer desculpa de perdedor, mas a grama da Arena está horrível.

Aliás, até agora não houve nenhum jogo do Grêmio sem problemas na Arena (além do gramado). Na inauguração foram os banheiros e os bares (a briga não foi culpa do estádio); contra a LDU tivemos a queda da grade na Geral na hora do gol; e agora, além da derrota, a falta de luz em partes da Arena no intervalo: se por um lado não demorou muito tempo para os refletores se reacenderem, por outro tal problema não deveria acontecer num estádio novo.

Suprema ironia: a série de textos em homenagem ao Olímpico publicada no Impedimento ao longo do ano passado se chama #VoltaOlimpico – e do jeito que vão as coisas na Arena, não parece mera licença poética… O problema é que os sócios gremistas estão pagando caro por algo que quase não estão usando.

Será o fim da avalanche?

Não fui ao jogo, então não pude comemorar in loco a primeira vitória oficial do Grêmio na Arena. Tinha de imprimir o tal voucher para entrar e também havia o problema maior – como voltar.

1 a 0, 5 a 4 nos pênaltis, vamos adiante na Libertadores. Beleza.

Mas, por outro lado, tivemos o acidente na hora do gol, quando a grade da mureta na Geral cedeu com a avalanche feita pela torcida para comemorar. Alguns torcedores ficaram feridos e foram levados ao hospital.

Lembro que em novembro, poucas semanas antes da Arena ser inaugurada, os Bombeiros disseram que teriam de ser instaladas cadeiras na Geral, pois a avalanche representaria risco aos torcedores. Houve reclamações, inclusive informando que no Olímpico jamais aconteceu nenhum acidente em dez anos de avalanches (muito embora o Grêmio tivesse reforçado a mureta da Geral para evitar que ela cedesse).

Pois ficou claro que os Bombeiros tinham razão. A estrutura da grade era frágil demais, não tinha como suportar o peso da torcida. Foram instalados para-avalanches para impedir que “toda” a Geral descesse: imaginem se toda aquela multidão fizesse a avalanche?

Agora, restam duas opções: reforçar a estrutura ou acabar com a avalanche, mediante a instalação de cadeiras. E se considerarmos os problemas que a Geral vem causando (como a briga na semana passada), acredito mais na segunda opção.