Outra vez, o mundo acaba…

Entrei no Twitter e vi que um dos assuntos mais comentados era “fim do mundo”. Fiz uma pesquisa e descobri que, conforme um grupo cristão, o fim dos tempos acontece neste sábado.

Ou seja, lá vou eu para mais um fim do mundo… E como acho graça disso, obviamente sou um pecador, que não tem outra alternativa a não ser queimar eternamente no fogo do inferno!

Mas, antes da hora final, lembremos algumas das outras vezes em que o mundo acabou.

  • Passagem do Cometa Halley (1910). Desta vez, a ideia de “fim do mundo” até tinha algum fundamento: dizia-se que o cometa se chocaria com a Terra (o que, se realmente acontecesse, aniquilaria a humanidade), ou que sua cauda envenenaria o planeta. Pessoas chegaram a cometer suicídio, de tanto pavor. Uma pena, pois segundo relatos, o Cometa Halley deu um espetáculo no céu;
  • A “profecia de Nostradamus” (1999). No dia 11 de agosto, aconteceu o último eclipse solar total do século XX, visível em boa parte da Europa. De acordo com suposta profecia de Nostradamus, o mundo acabaria naquele dia. Mas Nostradamus também previu a Batalha dos Aflitos, o “tetra”, o “penta”… Tanta coisa, que nem levo mais a sério;
  • Chegada do ano 2000. É a mais clássica de todas. Mas se alguém quisesse achar um motivo para temor, bastaria pensar em computadores e no “bug do milênio” (expressão que se popularizou, mesmo erradamente, visto que o novo milênio começaria só em 2001). Havia o medo de que os computadores que controlam as armas nucleares russas enlouquecessem e os mísseis começassem a ser disparados, já que os sistemas seriam muito defasados. Mas não eram o suficiente para acabar com o mundo;
  • 17 de dezembro de 2006. A temperatura em Porto Alegre foi a quase 40°C, e teve outras coisas das quais já falei;
  • Entrada em funcionamento do LHC (2008). Era para ser a “máquina do fim do mundo”. Era. Mas continuamos aqui…

Até agora. EXATAMENTE AGORA.

Pronto, acabou de novo. Crentes do fim do mundo, nos vemos novamente em 21 de dezembro de 2012. Até lá!

Já para os não-crentes, alerto que a programação do blog volta ao normal, agora que o mundo acabou novamente.

E o mundo não acabou…

Pelo menos para mim. Hoje entrou em funcionamento o Grande Colisor de Hádrons – em inglês: Large Hadron Collider (LHC) -, o maior acelerador de particulas do mundo, na fronteira entre França e Suíça. O projeto custou cerca de 8 bilhões de dólares – valor criticado por muitos por ser elevado – e pretende explicar melhor a origem do universo.

Sempre que se aproxima a inauguração de um acelerador de partículas, surgem os alarmistas de plantão que falam que as experiências podem “acabar com o mundo”, mediante a criação de buracos negros ou de partículas que gerariam uma reação em cadeia que levaria à destruição do planeta – e até do universo. No final de 1999, quando se aproximava a inauguração do Colisor Relativístico de Íons Pesados – em inglês: Relativistic Heavy Ion Collider (RHIC) -, nos Estados Unidos, também se falou em “fim do mundo” – o que confirmaria os mitos de que o mundo acabaria no ano 2000. Lembro que uma professora levou uma revista que falava sobre o assunto – e, claro, sobre as profecias catastrofistas de “fim do mundo” – para a aula: eu terminava o 2º grau e faria vestibular para Física. Os colegas me olharam com uma cara…

O mundo não acabou, e eu abandonei o curso de Física em 2002. Só imagino a expectativa que devem estar vivendo muitos de meus ex-colegas daquela época. Mas também entendo porque tanta gente teme o “fim do mundo” com o funcionamento do LHC: ele pode ser a prova definitiva de que o Deus do qual as religiões falam simplesmente não existe.

———-

Mas, e se realmente o LHC destruir o mundo? Eu prefiro olhar pelo lado positivo: já houveram muitas profecias de fim dos tempos no passado, e as pessoas, que acreditavam tanto nelas, não viveram para ver o mundo acabar. Eu terei esse privilégio!