Perigoso precedente

O zagueiro Bolívar, do Inter, recebeu uma punição inédita por parte do STJD. Após entrada criminosa que rompeu o ligamento cruzado do joelho esquerdo do lateral-esquerdo Dodô, do Bahia, o colorado ficará suspenso por no mínimo quatro jogos. Além destes, também estará proibido de jogar pelo mesmo período em que Dodô não puder entrar em campo devido à lesão.

Aparentemente, é uma punição exemplar. Porém, abre um perigoso precedente: agora, qualquer jogador que se machucar em uma dividida poderá provocar punição do mesmo tipo ao adversário, mesmo que ele não seja o culpado pela lesão.

Suponhamos que um atleta tenha problema no ombro, que inclusive já seja de conhecimento do departamento médico de seu clube. Aí um dia, num lance “ombro a ombro” (que pode até ser faltoso, mas é das jogadas mais normais no futebol), ele desloca a clavícula. O adversário é culpado? Não, pois o lesionado poderia se machucar em outro lance, talvez até mesmo sozinho. Sem contar que teríamos de partir do pressuposto de que o “agressor” sabia do problema do jogador adversário, e assim a “jogada de corpo” teria tido a intenção de machucar seu oponente.

Obviamente a minha hipótese não se aplica a Bolívar: sua entrada foi maldosa, merecedora de uma punição severa. Seis meses, um ano talvez, um longo tempo afastado dos gramados (até se levando em conta o período estimado para a recuperação de Dodô). E poderiam ser incluídos na pena os custos do tratamento.

Mas, que seja por um tempo definido. Pois caso Dodô machuque sozinho o mesmo joelho no futuro, como definir se a culpa ainda é de Bolívar? Aliás, mesmo caso do hipotético jogador com problema no ombro: se logo após voltar a jogar ele novamente deslocar a clavícula, a tendência será culpar o “responsável” por sua primeira lesão (mesmo que talvez nem na primeira ele seja culpado!).

As vergonhosas calçadas de Porto Alegre

Mês passado, falei aqui sobre mais uma queda sofrida pela minha avó, então com 88 anos de idade (completou 89 no último dia 5), em decorrência de uma calçada em péssimo estado de conservação, cheia de calombos e buracos. Foi praticamente no mesmo local em que ela caiu em fevereiro do ano passado.

Hoje pela manhã, ela ia ao supermercado, tropeçou em um buraco e por pouco não sofreu nova queda. Aliás, só não caiu pois ia de braço dado comigo (depois do último tombo, praticamente obrigo ela a enganchar o braço dela no meu toda vez que sai comigo).

Eu havia comentado, naquele texto de 7 de fevereiro, que Porto Alegre “não é recomendável para idosos”. Preciso retificar minha afirmação: a capital gaúcha é um desafio a qualquer pessoa. Desde um idoso (que corre maior risco devido à idade, que dificulta a recuperação de uma fratura), até mesmo a alguém mais jovem, principalmente se tiver qualquer dificuldade para caminhar.

Como foi meu caso nesta semana, já que torci o pé direito sábado passado (mas aí é preciso lembrar que não foi culpa de nenhuma calçada, e sim de minha distração ao entrar no Estádio Olímpico Monumental para assistir ao Gre-Cruz). Percebi que, logo após se sofrer uma entorse, as calçadas de Porto Alegre representam considerável risco de nova lesão. Tanto que, duas vezes, quase torci novamente o pé.

Meu segundo Gre-Cruz

O abafamento da tarde de ontem quase me fez não ir ao Gre-Cruz, no Olímpico. Mas no fim, eu fui, e no Metropole’s encontrei o Hélio e a Lu.

Na hora de entrar no estádio, o susto. Pisei em falso, virando o pé direito. Doeu, mas dava tranquilamente para caminhar. “Daqui a pouco passa”, pensei, lembrando dos meus tempos de criança (mas esquecendo que estou a sete meses de completar a minha terceira década de vida). E me dirigi ao lugar onde costumamos sentar na Social.

Quanto ao jogo, vencido pelo Cruzeiro por apenas 2 a 0 (com onze espectadores de luxo dentro do campo: os jogadores do time reserva do Grêmio), só me restou a oportunidade de fazer piada: finalmente achei um rival à altura para o meu time! Pois a maioria dos Gre-Nais em que eu fui ao estádio, acabou com vitória tricolor; agora, Gre-Cruz… Na metade dos que eu fui, o Grêmio perdeu!

Na hora de ir embora, mancando, tive a confirmação que aquela idade do “daqui a pouco passa” já se foi há muito tempo. Entorse, e garantia de três dias com o pé direito enfaixado. Menos mal que o calorão vai dar uma folga, mas que bosta ter de ficar sem minhas caminhadas nesse período, atrapalhando a adoção da estratégia bolada pelo Milton Ribeiro para emagrecer: perder 1kg por mês (assim eu posso chegar ao final do ano com 70kg).

Bom, ao menos mais uma piadinha tosca. Descobri uma utilidade para a direita na minha vida: indicar onde está o pé machucado!