Sobre a eleição de Renan Calheiros à presidência do Senado

Ontem, Renan Calheiros foi eleito para presidir o Senado pelos próximos dois anos, o que gerou uma justa indignação: ele já foi presidente do Senado de 2005 a 2007, tendo renunciado devido a denúncias de corrupção. E algumas coisas me chamaram a atenção.

A primeira delas foi o tom dos comentários da direita (aquela turma para a qual a corrupção surgiu em 2003). Vários deles falavam de “gente que troca o voto por um prato de comida”: resumindo, acham que a culpa “é do povo que não sabe votar”, e que a isso se deve a eleição de várias “figurinhas carimbadas” da política brasileira como Renan Calheiros e José Sarney (que, vale lembrar, não eram tão odiados durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, ao qual apoiavam). Porém, por que eles não questionam o motivo de existir “gente que troca o voto por um prato de comida”? Afinal, quem faz isso obviamente come pouco ou nada – então, o combate à fome já ajudaria a diminuir esse problema. (Só que aí os mesmos que reclamam das pessoas que vendem o voto diriam que é “populismo”.)

Por outro lado, também foi decepcionante a atitude acrítica de muitos petistas (inclusive Paulo Paim), justificando o apoio do partido à eleição de Renan e dizendo que os contrários são “tucanos”. Seus argumentos podem ser resumidos em poucas palavras: “temos de garantir a governabilidade, porque o PT não tem maioria no Congresso”. Sim, é verdade, mas então por que o partido não se mobiliza nas eleições para aumentar sua bancada, de modo a não depender mais de PMDB e afins? Depois de 10 anos no governo, parece que boa parte do PT ingressou numa “zona de conforto”, achando que “em time que está ganhando não se mexe”: o problema de pensar dessa forma é só perceber os erros após uma derrota.

Anúncios

NÃO ao sigilo eterno de documentos oficiais

O início do governo Dilma tem sido marcado por diversos retrocessos. E agora tem mais este: o governo é favorável à manutenção do sigilo eterno de documentos oficiais. Alguém duvida que com isso, podemos dizer adeus aos arquivos da ditadura?

Para o presidente do Senado (e ex-presidente da República) José Sarney, acabar com o sigilo eterno poderia “abrir feridas” nas relações do Brasil com seus vizinhos, depois de tanto tempo sem atritos. Ou seja, isso quer dizer que as boas relações se devem ao esquecimento, e não à diplomacia…

Sarney acha que “questões históricas devem ser encerradas”. E então retorno ao assunto “ditadura”. Nossos vizinhos têm procurado “passar a limpo” o seu passado, não querem saber desse papo de “encerrar questões históricas”. Eles não se preocuparam em “abrir feridas”, pois estas sequer tinham cicatrizado – estão “tratando-as”.

Já no Brasil, além delas não terem cicatrizado, agora “estão infeccionando”, com o crescimento da extrema-direita que não se envergonha de defender a ditadura.

“Jogo da direita” é apoiar o governo Dilma acriticamente

Eu quero que o ministro Antonio Palocci dê explicações sobre como seu patrimônio aumentou tanto em tão pouco tempo. Pode até não ter acontecido nenhuma ilegalidade (afinal, nem todas as leis são realmente justas), mas é imoral.

Aliás, não só eu. Vários blogueiros de esquerda também querem, assim como a CartaCapital – que, vale lembrar, declarou apoio a Dilma em editorial.

E agora? A CartaCapital “virou PIG”? Vejo mais, é que certos blogueiros apoiadores do governo Dilma viraram “PIF”, sigla para “Partido da Imprensa Favorável” – na genial definição de Moisés Pol, citado pelo Tsavkko.

Uma coisa é apoiar o governo, outra é fazê-lo como se fosse uma crença religiosa: de forma dogmática. Achando, inclusive, que as críticas de esquerda são “jogo da direita”… Como se o Brasil se dividisse apenas em petistas e tucanos.

Lembrando: votei em Dilma Rousseff, nos dois turnos. Me arrependo do voto no 1º turno, que deveria ter ido para Plínio de Arruda Sampaio – mudei por temer vitória do PSDB no 2º turno. O arrependimento se deve não simplesmente ao fato de que a eleição não foi decidida já em 3 de outubro, mas também aos primeiros passos do governo Dilma: retrocesso no Minitério da Cultura, manutenção de Nelson Jobim no Ministério da Defesa e de apoios constrangedores (Sarney, Collor etc.), enquanto os arquivos da ditadura continuam fechados.

E aí, críticas de esquerda ao governo Dilma são “jogo da direita”? Ou será que isso não corresponde a apoiar acriticamente ao governo que é formado por uma aliança que inclui políticos que não são e nunca foram de esquerda?

Envelhecendo

Às vezes, sinto uma dor no joelho direito quando firmo a perna no chão, e por conta disso resolvi consultar um ortopedista. O consultório fica na Rua Mariante, próximo à Dona Laura.

Na saída da consulta, decidi passar em frente ao local onde ficava o Esquilo Travesso. No início de 2009, a casa onde funcionava a escolinha que frequentei de meados de 1986 ao final de 1988 foi demolida.

Achei que seria erguido um espigão no lugar, mas agora há um estacionamento. Dos males, o menor: se a casa não está mais lá, ao menos ainda poderei um dia estar no exato local onde ficava a escolinha, caso um carro do qual eu seja um dos passageiros estacione ali. Como não voltei mais lá depois de dezembro de 1988, poderei pensar: “na última vez que estive neste ponto o presidente do Brasil era José Sarney, a inflação comia o dinheiro dos brasileiros, o Muro de Berlim e a União Soviética existiam, eu via o Jaspion no fim da tarde, e o Grêmio era o último clube brasileiro campeão da Libertadores e do Mundo”.

Tudo isso não deixa de ser sintomático: vi qual foi o destino de minha antiga escolinha no mesmo dia em que fui tratar de uma “dor nas juntas”.

Em defesa dos direitos políticos de Luciana Genro

Acontece hoje às 18h30, no Auditório da Faculdade de Direito da UFRGS, um ato em defesa dos direitos políticos da deputada federal Luciana Genro (PSOL). Por conta da Lei das Inelegibilidades, que impede parentes até o segundo grau de ocupantes de cargos executivos de concorrerem na mesma jurisdição do titular do cargo (a não ser que disputem a reeleição – o que prejudica Luciana, que não foi reeleita), ela não poderá concorrer a nenhum cargo a não ser o de Presidente da República, enquanto seu pai, Tarso Genro, for governador do Rio Grande do Sul.

Não se pode criticar o motivo pelo qual a lei existe: o objetivo é evitar a formação de oligarquias familiares. Mas fica claro que é um remédio amargo. E nem muito eficaz. Num exemplo bem simples, Roseana Sarney é governadora do Maranhão, e seu pai, José Sarney, é senador – mas pelo Amapá. Logo, dribla-se a lei e mantem-se o poder da família.

Já o caso de Luciana Genro é bem diferente. Ela é de um partido que faz oposição (pela esquerda) ao de seu pai. E mesmo quando estava no mesmo partido de Tarso, Luciana tinha muitas discordâncias com ele. Ou seja, politicamente ela sempre foi independente do pai, não representa a formação de uma oligarquia.

Não votei em Luciana na última eleição, mas dei uma ajudinha, ao votar em um candidato do PSOL, Antônio Ruas, para deputado federal – pena que não tenha sido suficiente para o partido alcançar o quociente eleitoral, que reelegeria Luciana. É inegável que ela fará muita falta não simplesmente à Câmara Federal, como à própria política brasileira.

É preciso, então, que haja uma reavaliação dessa lei. Pois é injusto Luciana Genro ser impedida de se candidatar mesmo fazendo oposição ao pai, enquanto o mesmo não acontece com os Sarney, que concorrem por Estados diferentes mas defendem os mesmos interesses.

Por que não votarei em Dilma no 1º turno

Em 2006, no 1º turno da eleição presidencial, votei em Cristóvam Buarque. Estava decepcionado com muita coisa no governo Lula: mensalão, liberação dos transgênicos, alianças espúrias… Tudo bem que por não ter a maioria no Congresso, o PT tivesse de ampliar seu leque de alianças para poder governar. Mas buscar apoio dos Sarney, com tudo o que eles fazem no Maranhão, convenhamos, é fisiologismo demais.

Decidi votar em Cristóvam por sua proposta de dar ampla prioridade à educação, que é o problema mais sério do Brasil – e dele decorrem outros. Instruir à população é resolver, numa tacada só, várias mazelas que afligem o país, como a violência e até mesmo os problemas de saúde pública (quem tem mais conhecimento fica menos doente por saber como se prevenir – o que ajuda a diminuir as filas para consultas médicas).

Mas, como todos se lembram, Cristóvam não foi para o 2º turno – o que era previsto. Sobraram Lula e Alckmin, e não tive a menor dúvida em votar no primeiro. Pois, se estava decepcionado com Lula, também não queria o PSDB de volta ao Palácio do Planalto, para quebrar o Brasil de novo como no governo FHC.

Quatro anos depois, novamente não pretendo dar meu voto ao PT no 1º turno. Além das alianças espúrias, que continuam a acontecer (Renan Calheiros, Sarneys, Collor…), há outros fatores que me levaram a tomar essa decisão.

O primeiro deles, é o modelo de desenvolvimento defendido pelo atual governo: apenas crescimento econômico, sem maciços investimentos em educação nem preocupação com o meio ambiente. Recentemente, Lula deu uma declaração de matar: “só não me peçam para vender menos carros”. Pois é, o país quase parando com tantos automóveis entupindo as ruas, e o presidente quer mais? Deveríamos é incentivar a produção de bicicletas, e não de carros.

E agora, temos o caso de Belo Monte – que está mais para “baita monstro”. A construção da usina hidrelétrica foi decidida sem ouvir quem será diretamente atingido por ela, ou seja, todas as pessoas que terão seus lares inundados e precisarão se mudar para outros lugares – o que nunca é algo simples como muitos pensam. E se há tanta demanda por energia elétrica, por que não investir em fontes alternativas e menos agressivas ao ambiente, como a solar (porra, a maioria esmagadora do território brasileiro fica na zona tropical!) e mesmo a eólica – pelo menos aqui no Rio Grande do Sul, o que não falta é vento, principalmente no litoral.

Outro motivo que me leva a não votar em Dilma Rousseff no 1º turno é a lamentável opinião dela (e do próprio governo Lula) sobre a tentativa de revisão da lei de anistia de 1979. Dilma acha que a anistia, do jeito que foi concedida, evita o “revanchismo”. Acreditem se quiser: ela foi barbaramente torturada durante a ditadura militar, e agora vem dizer que “justiça” é igual a “revanchismo”? Por favor…

“Revanchismo” seria torturar um torturador – ou seja, fazer ele sentir na pele o que é ser torturado – e o autor deste crime contra a humanidade não ser punido.

Sinceramente, acho que o fundamental nisso tudo nem é mais simplesmente colocar os torturadores atrás das grades – uma coisa é tirar a anistia deles, outra coisa é conseguir com que sejam condenados. O que eu quero é ter o direito de, caso faça uma pesquisa histórica e descubra que “fulano de tal” foi torturador, publicar o trabalho citando o nome do cara – e as fontes utilizadas – sem que ele possa me processar. Mas eu nem tenho como fazer algo assim e dizer “foda-se” para o risco de processo, pois o acesso aos arquivos da ditadura é simplesmente negado – Lula não manda abrir porque não quer.

Charge de 2004 do Kayser

Assim sendo, como votar na Dilma no 1º turno? Simplesmente não dá!

Ainda não estou bem decidido sobre quem receberá meu voto para presidente, mas já antecipo que não será José Serra, de jeito nenhum. Marina Silva, além de também concordar com a decisão do STF de manter a anistia aos torturadores (igual a Dilma e Serra), tem se manifestado contra o aborto e as pesquisas com células-tronco (como alguém que se define como “esquerda” pode defender ideias assim?) e seu partido, o PV, não tem coerência nenhuma. Até agora, só Plínio de Arruda Sampaio, do PSOL, se manifestou contrariamente à manutenção da anistia aos torturadores. Aguardo a publicação do programa de governo (e espero que o PSOL faça uma autocrítica quanto ao acontecido em 2008, quando aceitaram doações de grandes corporações para suas campanhas), mas cresce a pontuação de Plínio no meu “votômetro”.

Ele não tem chances? Azar. Cristóvam também não tinha em 2006.

Votar em Dilma, só no 2º turno, para evitar a volta do PSDB ao governo.

Além disso, a política brasileira não se resume a apenas estes dois partidos. E também é falaciosa a postura adotada por muitos militantes de ambos, de identificar o seu como “o bem absoluto” e o adversário como “o mal absoluto”. Embora haja diferenças entre os dois projetos, eles são muito mais parecidos do que os fanáticos pensam – o de Dilma é menos pior.

Aliás, para os que vêem o Brasil como só tendo duas opções, pouco me importando o lado, mando meu aviso: não me encham o saco.