É para isto que Dilma foi eleita?

Segunda-feira, aconteceu a festa de 90 anos do jornal Folha de São Paulo. A comemoração contou com a presença da presidenta Dilma Rousseff, que em discurso chegou a elogiar o jornal!

Sim, parece piada. Ainda mais depois de tudo o que já se viu nas páginas da Folha: “ditabranda”, ficha falsa, campanha pró-Serra disfarçada de “imparcialidade”, censura… Dilma perdeu uma excelente oportunidade de ficar em Brasília.

Por que motivos Dilma foi bajular o jornal? Esperança de que ele não lhe faça oposição, como fez ao governo Lula? Pfff…

Dilma Rousseff, que tem domicílio eleitoral em Porto Alegre, deveria aprender com o exemplo do Rio Grande do Sul. Em 2007, durante homenagem aos 50 anos da RBS na Câmara de Deputados, vários parlamentares bajularam a empresa, dentre eles Maria do Rosário (PT), Manuela D’Ávila (PCdoB) e Luciana Genro (PSOL) – que no ano seguinte foram candidatas à prefeitura de Porto Alegre.

Adiantou alguma coisa? Não! O então prefeito José Fogaça (PMDB), ex-funcionário da RBS, foi reeleito mesmo sem ter feito nada que prestasse. Não bastasse isso, Luciana Genro – que em 2003 teve a dignidade de se recusar a prestar um minuto de silêncio pela morte de Roberto Marinho – não conseguiu se reeleger, mesmo tendo recebido cerca de 129 mil votos (foi a deputada não eleita mais votada do Brasil), pois o PSOL não alcançou o quociente eleitoral no Rio Grande do Sul. E Luciana ainda tornou-se inelegível no Estado, já que seu pai Tarso Genro é o governador.

Anúncios

A tentação da palavra “renovação”

“Renovação” é geralmente associada a “mudança”. Afinal, quando algo é “novo”, é diferente, né? Logo, quer dizer que houve mudança.

Na campanha eleitoral, temos ouvido vários candidatos falando em “renovar a política”. De fato, acho interessante eleger pessoas diferentes das que já ocupam cargos políticos, mas desde que “tenham conteúdo”. Não podemos nos iludir e achar que basta “colocar gente nova lá”: isso pode fazer com que um novo oportunista ocupe o lugar de um antigo honesto (sim, existem!). Sem contar que mudar apenas por mudar não é uma ideia muito inteligente: prova disso é o que aconteceu com Porto Alegre depois que José Fogaça assumiu a prefeitura em 2005 – ele foi eleito porque “era preciso mudar” depois de 16 anos de administrações do PT, pouco importando se para melhor ou para pior (que foi o que aconteceu).

Pois é situação semelhante que vive o Grêmio neste momento. No próximo sábado, será realizada a eleição para renovação (olha ela aí…) de 50% do Conselho Deliberativo do clube. As três chapas que concorrem apresentam-se como “novidade” (ainda mais com a má fase do Grêmio), mas a única que é, de fato, garantia de “gente nova” no conselho é a Terceira Via, composta por 100% de candidatos que jamais integraram o CD (e ela usa isso como mote de campanha). As outras duas, Renova Tricolor* e Dá-lhe Grêmio (“renovação com qualidade”), apesar de se utilizarem da “palavrinha mágica”, tem grande quantidade de “nomes velhos”.

Como já falei, embora ache interessante renovar, também não se pode fazê-lo de qualquer jeito (como prova a Porto Alegre de Fogaça). Embora seja tentador votar na Terceira Via só por ela ter apenas nomes novos, não podemos descartar bons conselheiros “antigos”. E é complicado que uma chapa tenha como principal critério para selecionar seus membros a condição de nunca terem sido conselheiros: assim fica mais difícil saber quem está disposto a colaborar com o Grêmio, e quem é apenas um novo oportunista (pois os velhos nós já conhecemos).

E além disso, ir de Terceira Via significa um voto a menos para a chapa Dá-lhe Grêmio, e também o risco maior de ambas não superarem a cláusula de barreira, que é de 30%: se as duas fazem, cada uma, 29,9% dos votos, a chapa Renova Tricolor, apoiada por Paulo Odone (que tipo de “novidade” é essa?) leva todas as cadeiras em disputa mesmo tendo apenas 40,2% do eleitorado. E isso é o que considero o pior que pode acontecer para o Grêmio.

Por fim, meu voto do próximo sábado não está decidido (a tendência é que eu vá de Dá-lhe Grêmio), certo mesmo é que não votarei Renova Tricolor.

E quanto ao dia 3 de outubro, só adianto que voto em Plínio de Arruda Sampaio para presidente do Brasil. Os outros votos, ainda não tenho totalmente decididos.

————

* Como a chapa Renova Tricolor não tem página (pelo menos não achei), indico a nominata publicada no blog Grêmio Sempre Imortal, que também publicou as listas das outras duas chapas (disponíveis nas páginas de ambas).

————————

Atualização (06/09/2010, 11:19). O André Kruse (agradeço a ele) indicou em comentário o endereço da chapa Renova Tricolor.

Nem tudo que é novo é bom

Já faz um certo tempo que a Prefeitura de Porto Alegre lançou seu novo portal – não me lembro exatamente quando. Quando soube, pensei: “dentre tantos problemas, pelo menos uma coisa está melhorando”. Tá certo, isso lembra os tempos de Flávio Obino na presidência do Grêmio, quando o time era horroroso mas o Tricolor tinha “o melhor site do Brasil” – e para Obino tudo estava muito bom por conta disso. Mas ainda assim, seria errado criticar o portal da Prefeitura de cara, sem conhecer.

Só assim mesmo para não criticar. Esses dias, fui procurar uma informação, acho que era sobre horários de ônibus. Fui à página da EPTC, que por ser do município, integra o portal da Prefeitura. Mas a organização daquilo era, ironicamente, desorganizada. Visualização péssima, com banners escondendo figuras, texto em cima de texto… Parecia que a página tinha algum problema, decidi voltar mais tarde.

Horas depois, tudo igual. Foi então que me toquei: tem umas porras de páginas que não funcionam direito no Mozilla Firefox. Então decidi tentar acessar o portal da Prefeitura com o Internet Explorer. E… Surpresa! Funcionou tudo direitinho…

Não pensem que fiquei feliz com o resultado. Conferi o que queria, e fechei aquele navegador.

A recém-encerrada administração Fogaça sempre foi considerada por seus críticos (onde me incluo) como sendo muito “lenta”. Pois é, no fim a própria decidiu assumir sua lentidão e lançar um portal que só funciona no navegador mais lento que existe.

Era só o que faltava

Impossível ler uma notícia assim e não pensar: “poderia ter sido comigo ou com qualquer amigo ou conhecido que ande de ônibus”. Um jovem, que retornaria da escola para casa, morreu eletrocutado após encostar em uma grade da parada de ônibus na Avenida João Pessoa, em frente ao Campus Central da UFRGS.

E o pior de tudo é que o problema já era conhecido: moradores da região dizem que a parada está energizada há cerca de um mês, e um segurança da UFRGS diz que alertou a EPTC após uma menina levar um choque no dia 28 de março. E o local sequer foi interditado – diz o prefeito José Fortunati que uma equipe verificou a estação e “não encontrou problemas”.

E José Fogaça, prefeito até o último dia 30, quer ser governador do Rio Grande do Sul. Que beleza.

Arruda cassado

O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, foi cassado. Em consequência do escândalo de corrupção em Brasília, o “mensalão do DEM”, Arruda já está preso há mais de um mês – o que é realmente admirável, se tratando de um país como o que vivemos.

Porém, é uma pena que o motivo da cassação dele tenha sido por infidelidade partidária (ele saiu do DEM na época que veio a público o escândalo), e não por toda a roubalheira…

Aliás, se usarmos o mesmo critério aplicado no caso de Arruda, não deveria ter sido cassado o mandato do prefeito de Porto Alegre? José Fogaça saiu do PPS em 2007, para concorrer à reeleição em 2008 pelo PMDB. E continua prefeito até o próximo dia 30, quando renunciará para ser candidato a governador do Rio Grande do Sul.

Fogaça é o candidato do PMDB

Semana passada, o PMDB lançou a candidatura de José Fogaça ao governo do Estado do Rio Grande do Sul na eleição do próximo ano.

Primeiro ponto a destacar: na prefeitura de Porto Alegre desde 1º de janeiro de 2005, Fogaça terá de renunciar ao cargo para poder concorrer ao Piratini. Não que vá fazer muita diferença: a impressão que se tem de Porto Alegre é de uma cidade sem prefeito.

Charge do Santiago (outubro de 2008)

Segundo ponto a destacar: será que a “grande mídia” cobrará Fogaça em 2010 da mesma maneira que fez com Tarso Genro em 2002? Afinal, ambos prometeram ficar na prefeitura de Porto Alegre até o final do mandato.

De qualquer forma, já antecipo que não votarei em Fogaça de jeito nenhum, e não é porque ele não vai cumprir seu mandato até o fim: afinal, seria incoerência de minha parte (votei em Tarso na eleição de 2002) e, principalmente, porque considero os projetos mais importantes que as pessoas. Em 2000 eu votei no PT, que tinha Tarso como seu candidato a prefeito; já em 2002 meu voto em Tarso também era para o PT, o que não se alteraria se o candidato fosse Olívio Dutra.

Não votarei em Fogaça por conta do que é o governo encabeçado por ele em Porto Alegre – que terá continuidade com Fortunati a partir de abril. Um post do Hélio Paz, escrito um dia após o resultado do 1º turno de 2008, dá uma amostra de como está Porto Alegre com Fogaça de prefeito.

A única diferença, é que mudar de Yeda para Fogaça no Piratini não significará piora tão grande para o Estado como foi para Porto Alegre: no Rio Grande, será uma troca de seis por meia dúzia… Ou seja: mais quatro anos sem governo.

Amor à venda

No desespero de demonstrar que existe gente com coragem de apoiar o (des)governo Yeda – não esqueçamos que no Rio Grande do Sul tem gente que votaria no diabo (se ele existisse) contra o PT – o PSDB acabou marcando “gol contra”.

Durante o ato contra o (des)governo – e também contra uma eventual posse do vice Paulo Afonso Feijó, que é o previsto pela Constituição em caso de impeachment – algumas pessoas, no acesso à Assembleia Legislativa do Estado, balançavam bandeiras de plástico do PSDB e exibiam faixas em apoio à Yeda. Porém, o entusiasmo era tanto…

Fez lembrar a campanha eleitoral de 1998, quando não poucos “militantes” do Britto sacudiam as bandeiras apenas porque eram pagos para aquilo. Na urna, digitaram o 13 do Olívio. A militância petista, na época, era feita apenas no amor.

Foi na eleição municipal de 2004, se não me engano, que a coisa começou a mudar – pelo menos aqui em Porto Alegre. Naquela campanha, não bastasse a aliança do PT com o PL – que vinha desde 2002 em nível nacional – ainda tive de digerir o fato de pessoas receberem dinheiro para sacudirem bandeiras do PT pelas ruas da cidade. Algo que eu sempre fazia “de graça”.

A campanha de 2004, a última antes de vir a público o escândalo do mensalão, foi a última na qual saí para a rua com bandeira do PT, em apoio ao Raul Pont. Não estava satisfeito com os rumos tomados pelo partido, mas fiz um esforço para tentar impedir que Porto Alegre caísse nas mãos da velha direita. Não adiantou nada, e o Fogaça ganhou.

Cheguei a usar adesivos do Olívio em 2006, e foi só. Não me senti mais empolgado a sair para a rua com a bandeira. Isso foi tarefa para os “militantes pagos” cumprirem com todo aquele entusiasmo.

Em 2008, nem sequer adesivo usei, na campanha política mais chata da história recente de Porto Alegre. Votei na Maria do Rosário, por falta de opção: no 1º turno para não correr riscos de deixar a Manuela (com o Britto Berfran) passar ao 2º, e depois porque entre Fogaça e Maria do Rosário, eu não tinha dúvidas do que seria melhor (ou menos pior?) para a cidade. Assim como em 2004, não adiantou nada: o Fogaça ganhou de novo.

Dia 23, diga NÃO à concretosquice!

O voto na consulta popular sobre o Pontal do Estaleiro, dia 23 de agosto, é facultativo. Ou seja, vota quem quiser. Logo, será muito tentador para os acomodados: se não estiverem a fim de votar, podem ficar em casa…

Ou seja, é mais um motivo para quem realmente é contra o absurdo do Pontal ir votar NÃO no dia 23. A consulta popular só acontecerá graças à mobilização dos cidadãos, que não se resignaram com a aprovação do projeto em novembro passado pela Câmara. Por isso, Fogaça o vetou e enviou à Câmara o novo projeto, prevendo um referendo – substituído pela consulta do dia 23, já que o referendo era considerado “caro” (Democracia sai caro?). Se os cidadãos não tivessem se mobilizado, a construção daquelas porcarias de prédios já teria começado.

Deixar de ir votar por ser contra a consulta (pois nem sequer deveria ser cogitada a construção de espigões na orla do Guaíba!) é burrice. Afinal, se apenas uma pessoa for votar, e ela optar pelo “sim”… Mesmo que a consulta não tenha um caráter decisivo – afinal, se ela não sair o Pontal estará aprovado – é importantíssimo participar dela: se a Prefeitura não respeitar a vontade popular em caso de vitória do “não”, ela ficará desmoralizada.

Dia 23, é dia de dizer NÃO à concretosquice! Vá votar NÃO ao Pontal do Estaleiro!

————

E por falar em “não”, NÃO caia na conversa furada do “incentivo ao turismo”. É por isso que eu chamo os defensores do Pontal do Estaleiro de “concretoscos”: querem nos fazer acreditar que, como num passe de mágica, o concreto na Ponta do Melo fará com que um cara que queira ver espigões troque Nova Iorque por Porto Alegre; ou que turistas originados de países da Europa e da América do Norte são apaixonados pela enorme quantidade de neve que cai na “Serra” – na verdade, é uma escarpa – e não ficam em Porto Alegre por falta de espigão.

Ora, conforme já foi dito em abril pelo Cão, os porto-alegrenses não conhecem a cidade em que vivem. Aí saem a repetir bobagens, como “Porto Alegre não é atrativa”, ao invés de procurarem conhecer o que só existe aqui e mostrar a quem é de fora.

O Rio Grande merece isso sim!

Concordo totalmente com o post escrito pelo Marco Aurélio Weissheimer ontem no RS Urgente. O Rio Grande do Sul merece tudo o que está acontecendo. Merece essa podridão que pode ser chamada de qualquer coisa, menos de governo.

Um Estado cuja maioria da população vota em qualquer candidato desde que não seja do PT (que chega a ter status de “satanás” para certas pessoas) não merece um governo decente. Só é uma pena que muitas pessoas que não caem na lenga-lenga da anti-esquerda (nesse caso nem é só o PT, já vejo direitoso com ódio do PSOL e toscamente chamando os membros do partido de “petralhas” – pode???) acabem tendo que pagar pela maioria bovina.

Os direitosos chamam de “petralhas”, “vagabundos”, “desordeiros” quem protesta contra esse (des)governo: como não há argumentos para defender esse desastre – pois o tal de “déficit zero” é uma ficção, o Estado “equilibrou as contas” mas em compensação estão um lixo os serviços públicos como educação e segurança (exceto quando é para matar a saudade da ditadura e reprimir manifestantes) – só resta a eles o caminho do xingamento.

Porém, os mesmos espumavam de ódio durante o governo Olívio, e não hesitavam em atacá-lo por causa da Ford, que se viesse da maneira como estava prevista pelo contrato assinado no (des)governo Britto, com tanto incentivo fiscal (coitadinha da Ford, é pobre, não pode pagar imposto…), teria nefastas consequencias para a economia do Estado – e ainda tem gente que com a maior cara de pau diz que foi o Olívio que quebrou o Estado! Quando o que ele fez foi evitar que a situação ficasse ainda pior.

Por isso, o Rio Grande do Sul “merece isso” sim! E continuará merecendo enquanto existir com força esse sentimento do “anti”. Afinal, Germano Rigotto (PMDB) foi uma mediocridade no Piratini, mas não pior do que Yeda Crusius: muitos eleitores em potencial de Rigotto decidiram votar Yeda no 1º turno de 2006 para tirar o Olívio do 2º turno, e acabaram desclassificando seu próprio candidato; para manterem a coerência raivosa obviamente mantiveram o voto no 2º turno, “contra o Olívio”. E o interessante é que são os mesmos que têm a cara de pau de chamarem ambientalistas de “contra tudo” porque se opõem a descalabros como o Pontal do Estaleiro – esquecendo que os ambientalistas são contra por serem favoráveis a outra proposta, a da preservação da orla do Guaíba.

E já falam em José Fogaça para 2010, um prefeito nulo, que nada fez de importante para a cidade, exceto um camelódromo “nas coxas”, para “mostrar serviço” em ano eleitoral. Ah, mas ele “pacificou” Porto Alegre, “libertou” a cidade da “ditadura” do PT… Tinha me esquecido desse detalhe tão importante.

Será que vão chamar o Josué Yrión?

A carta que a BM Par (dona do terreno onde se localizava o Estaleiro Só) entregou ao prefeito José Fogaça comunicando a desistência da ideia de construir moradias no local é uma verdadeira pérola. A empresa julga-se vítima de uma “corrente satânica” – fica clara a preocupação de tentar passar de vilã à “vítima dos ambientalistas endemoniados”.

Claro que uma carta daquelas não podia ficar sem resposta: ela já está lá, no Porto Alegre RESISTE!

————

E para quem não conhece, o Josué Yrion que eu citei no título do post, é um pastor que enxerga o Diabo em quase tudo – até no Homem Aranha!

Não posso deixar de sentir pena das várias pessoas que acreditam nesse cara. E raiva dele, por enganar tanta gente.