O estuprador não é um monstro

“Como assim não? É UM MONSTRO SIM E MERECE APANHAR ATÉ MORRER!!!!111”, escreve, ensandecido, o comentarista de portal.

Mas, de fato, não é. Assim como nenhum criminoso, por mais cruel que seja, também não é monstro. Da mesma forma que Adolf Hitler não foi. Temos algo em comum com os citados: somos humanos.

Dizer que estupradores e outros criminosos são “monstros” é uma fuga da responsabilidade de refletirmos sobre nossa culpa pela existência de pessoas assim. Afinal, não esqueçamos que nem todo criminoso é um psicopata – ou seja, alguém acometido de um transtorno de personalidade.

Logo, também cabe a nós, homens, denunciar e combater a violência de gênero. Não podemos achar que isso “é problema delas” ou dizer que homens violentos são “monstros”: da mesma forma que nós, eles são… Homens. Ou seja: enquanto gênero, todos somos responsáveis por isso. Todos somos parte do problema.

É exatamente isso que nos lembra o poeta canadense Jeremy Loveday no vídeo abaixo. Assistam: