Meus jogos no Olímpico Monumental: 1995

No dia da despedida do Olímpico Monumental, abro a série de textos em que relembrarei as 258 vezes em que estive no estádio. Ao invés de um número fixo a cada postagem, optei por algo diferente: ano a ano. Assim, algumas vezes falarei de poucos jogos, e em outras o texto será “interminável”.

Como podem perceber, minha primeira ida ao estádio foi tardia: só em 1995. Tinha 13 para 14 anos. Meu pai é colorado, mas subverti a lógica de torcer para o mesmo time do pai e acabei seguindo minha mãe, gremista (mas caso um dia eu venha a ter filhos, espero subverter minha própria lógica e ser pai apenas de gremistas).

Tive chances de ir antes. Como na decisão da Copa do Brasil de 1993, entre Grêmio e Cruzeiro (com Ronaldo no banco). Estava tudo certo… E então, desabou uma chuvarada em Porto Alegre naquele 30 de maio. Como não tinha comprado ingresso (o faria na hora que chegasse ao estádio, naquela época era possível), acabei não indo. E esperei mais dois anos.

Até que chegou o glorioso ano de 1995. Foi quando o Grêmio ganhou a Libertadores pela segunda vez. Mas me faltava algo: ir ao estádio. E então, finalmente, eu fui.

1. Grêmio 2 x 3 Botafogo (Campeonato Brasileiro, 16 de setembro)

Minha estreia foi em um sábado à tarde. O adversário era o Botafogo, que contava com ninguém menos que Túlio Maravilha no ataque (já fora goleador do Campeonato Brasileiro de 1989 pelo Goiás, e em 1994 repetira a dose pelo Fogão).

No começo do Brasileirão o Grêmio estava “relaxado”, descansando da maratona da Libertadores (que terminara poucas semanas antes). Assim, a derrota para o time que viria a ser o campeão nacional daquele ano não chegou a ser tão surpreendente – o Tricolor “engrenaria” no campeonato mais adiante, embora já sem chances de chegar ao título, visto que a prioridade era o Mundial contra o Ajax no final de novembro.

Porém, não era só o Botafogo que tinha um goleador (Túlio marcou duas vezes naquela tarde). O Grêmio tinha Jardel, que marcou o segundo gol gremista (o primeiro foi de Paulo Nunes), diminuindo a desvantagem para 3 a 2.

2. Grêmio 1 x 0 Sport (Campeonato Brasileiro, 29 de outubro)

Esse jogo não teria me deixado maiores lembranças, não fosse um costume da minha mãe (que foi ao estádio comigo) do qual fui “vítima” aquela tarde: sair um pouco mais cedo para conseguir pegar táxi com mais facilidade. Graças a isso, não vi o gol, que saiu nos acréscimos…

Aprendi uma lição: nada de sair mais cedo quando ainda não há nada decidido.

3. Grêmio 2 x 1 São Paulo (Campeonato Brasileiro, 11 de novembro)

Pela primeira vez, consegui sair do estádio comemorando uma vitória, visto que contra o Sport perdi o gol. E foi um baita jogo: após o São Paulo abrir o placar na etapa inicial, o Grêmio virou no segundo tempo, gols de Dinho e Jardel.

Um fato curioso: o goleiro são-paulino era Rogério Ceni, que ainda era o reserva de Zetti. Tanto o primeiro como o último Grêmio x São Paulo que assisti no Olímpico tinham Rogério no gol adversário.

E após o jogo, ainda dei sorte: após chegar em casa, minha mãe pediu para ir ao supermercado comprar sei lá o quê. Quando cheguei à esquina da Cristóvão Colombo com a Ramiro Barcelos, encontrei justamente meu amigo Leonardo Sato, que é são-paulino. E assim não precisei esperar para flautear só quando chegasse na aula de segunda-feira.

4. Grêmio 1 x 0 Criciúma (Campeonato Brasileiro, 18 de novembro)

Esse jogo foi especial. Não valeu título nem nada. É que pela primeira vez, eu via o Olímpico lotar, com a minha presença. Não havia lugar para mais ninguém.

Simples: era a despedida do Grêmio, que disputava sua última partida antes de viajar ao Japão. Assim, o torcedor decidiu comparecer em massa a um jogo que nada valia (pois não havia mais chance de se classificar às finais do Brasileirão). Demonstração de apoio ao time que dez dias depois, iria brigar por seu segundo título mundial. Pena que não achei vídeo desse Grêmio x Criciúma…

————

Estatísticas de 1995:

  • Jogos: 4
  • Vitórias: 3
  • Empates: 0
  • Derrotas: 1
  • Gols marcados: 6
  • Gols sofridos: 4
Anúncios

Meia década

É… Lá se vão cinco anos daquela tarde quente. Maluca. Inesquecível.

26 de novembro de 2005. Milhões de gremistas estavam angustiados diante da televisão. Pênalti contra, sete jogadores contra onze do Náutico, que jogava em casa. Levar o gol significava “morte”, não levá-lo apenas adiaria o inevitável. Afinal, como já foi dito, eram sete gremistas contra onze que ainda por cima tinha mais de 20 mil torcedores a seu favor.

Porém, os sete que enfrentavam onze mais 20 e poucos mil torcedores não vestiam uma camisa qualquer. Era a camisa do GRÊMIO. Não iriam perder o jogo. Não poderiam perder daquele jeito.

E não perderam. Não empataram. GANHARAM.

GANHAMOS, todos nós gremistas, uma lição de vida: a prova de que, realmente, nada é impossível.

Um jogo inesquecível que merece, sim, ser lembrado para sempre.

Porém, é preciso fazer uma ressalva. A Batalha dos Aflitos é uma lição de vida para nós torcedores, porque achávamos que estava tudo perdido. Mas não pode, de forma alguma, ser uma lição de futebol. Tanto que “assino embaixo” dos textos escritos pelo Bruno no Grêmio 1903 e pelo Natusch no Carta na Manga (esse, é do ano passado).

Afinal, o Grêmio só precisou disputar aquele jogo por ter sido incompetente um ano antes, ao não conseguir se manter na Série A. Ou seja, mesmo que tenha sido uma lição de vida, certamente todo gremista preferiria jamais tê-lo disputado. E a dramaticidade se deveu a uma série de fatores:

  • O Grêmio deixou de garantir a vaga antecipadamente por conta de dois jogos contra a Portuguesa: em São Paulo, a partida estava ganha, e acabou 1 a 1; no Olímpico, o 2 a 2 teve sabor de vitória, depois de derrota parcial por 2 a 0 no primeiro tempo. Se tivesse vencido apenas um deles, teria ido aos Aflitos já garantido na Série A;
  • Escalona foi corretamente expulso (sim, foi mão na bola e não bola na mão);
  • O árbitro Djalma Beltrami não “roubou” ao dar aquele pênalti inexistente de Nunes (ali foi bola no braço, e não braço na bola), ele “compensou” um erro cometido minutos antes, quando não marcou a penalidade cometida por Galatto sobre o atacante alvi-rubro Miltinho;
  • Com todos os jogadores partindo para cima do árbitro após a marcação do pênalti (como se ele fosse voltar atrás), tivemos sorte dele ter expulsado apenas Patrício, Nunes e Domingos – além de Escalona, que já levara o vermelho: mais um, o jogo acabaria e o Grêmio certamente perderia no STJD;
  • Se dependesse da vontade de muitos dirigentes e torcedores gremistas naquela hora (inclusive a minha), não teria acontecido nada daquilo que nos emociona só de lembrar, pois o Grêmio teria abandonado o jogo para impedir que o pênalti fosse cobrado, o que resultaria em derrota por WO e possivelmente uma punição por parte da CBF, que levaria o Tricolor para a Série C. Temos de agradecer (e muito!) a Renato Moreira, que alertou o presidente Paulo Odone sobre isso.

Sem contar que aquele jogo deixou mal-acostumados muitos gremistas – principalmente os mais novos, que não viram os grandes times do passado – que chegam ao ponto de achar que basta ter garra para conquistar títulos. Ora, se desde 2005 o que o Grêmio ganhou foram apenas três estaduais (2006, 2007 e 2010), é sinal de que não basta garra, é preciso qualidade técnica: pois foi isso que faltou na Libertadores de 2007 (aquele time foi sem dúvida um dos mais raçudos que já vi, mas fraco) e também no Campeonato Brasileiro de 2008.

Mesmo que o Grêmio tenha tradição de jogadores raçudos, não podemos esquecer que a qualidade técnica também teve muita importância nas grandes conquistas do Tricolor. Foram lances de puro talento de Renato Portaluppi que nos levaram ao título mundial de 1983; Dinho, o “cangaceiro gremista” de 1995-1997, sabia desarmar adversários sem fazer falta; se Jardel não sabia jogar com o pé mas fazia muitos gols, isso se devia à grande qualidade dos cruzamentos de Arce, Roger e Paulo Nunes, fundamentais para levantarmos a Libertadores de 1995; na atualidade, como negar a importância de Douglas na reação do Grêmio neste Brasileirão?

E podemos até voltar à Batalha dos Aflitos. Ganhamos o jogo “na raça”, mas também graças ao talento de Anderson – que chamamos de “Andershow” justamente por conta disso.

Chega de “separatismo”

O Grêmio jogou bem no 1º tempo, mas não no 2º; aí pesou a grande qualidade do Santos, que fez 3 a 1 e garantiu a vaga na final da Copa do Brasil.

Mas não é sobre isso que quero falar (nem nos comentários, OK?). Antes do jogo, como tem acontecido desde algum tempo, foi executado o Hino Nacional Brasileiro. E de repente, o que se escuta? Alguns torcedores do Grêmio cantando o Hino Riograndense! Em resposta, os santistas começaram a cantar mais alto o do Brasil – e eu, que sou gremista, achei ótimo.

Querem cantar o Hino Riograndense? Tudo bem, mas tem hora para isso. E obviamente não é quando se toca o Hino Nacional.

Além disso, eu não quero que a torcida do Grêmio, da qual me orgulho de fazer parte, passe a ter fama de “separatista” (já é dose o rótulo de “baba-ovos de argentinos” devido à Geral, mesmo que já haja muitas torcidas de estilo semelhante em vários Estados). Pois a esmagadora maioria dela não é. Aliás, acho que até mesmo os que dizem ser o fazem por “rebeldia” ou para chamarem a atenção. Pois duvido que desconheçam o fato de que o Tricolor tem torcedores em todas as partes do Brasil – sendo que um grande número destes sequer nasceu no Rio Grande do Sul.

E é também preciso fingir desconhecer a própria história do Grêmio. Na primeira metade do século XX o Tricolor teve uma bandeira muito semelhante à do Brasil – mas de cores diferentes devido a uma lei que proibia “imitações” da bandeira nacional; hoje em dia, há bandeiras nas cores verde e amarela, mas com o círculo central substituído pelo distintivo gremista. E muitos de nossos jogadores mais importantes não eram nem gaúchos, nem “platinos” (já que muita gente acha o Grêmio mais “platino” do que brasileiro). Querem uma amostra?

  • André Catimba (baiano) – fez o gol que deu o título gaúcho ao Grêmio em 1977, depois de um jejum de nove anos;
  • Baltazar (goiano) – autor do golaço que deu ao Grêmio o primeiro título brasileiro, em 1981;
  • Mazaropi (mineiro) – antecessor de Danrlei no “cargo” de “muralha gremista”;
  • Tita (carioca) – marcou o gol do Grêmio no primeiro jogo da final da Libertadores de 1983, empate em 1 a 1 contra o Peñarol em Montevidéu;
  • Caio (carioca) – abriu o placar no jogo decisivo da Libertadores de 1983;
  • César (carioca) – fez o gol do título da Libertadores de 1983;
  • Cuca (paranaense) – autor do gol do título da Copa do Brasil de 1989;
  • Edinho (carioca) – capitão na conquista da Copa do Brasil de 1989;
  • Nildo (paraense) – goleador do Grêmio na Copa do Brasil de 1994, e autor do gol do título;
  • Adílson (paranaense) – capitão da conquista da Libertadores de 1995, e técnico na fuga do rebaixamento em 2003 (pena que no ano seguinte tudo desandou…);
  • Dinho (sergipano) – volante símbolo da “raça” do Grêmio de 1995-1997 (mas que sabia jogar bola), até hoje lembrado em faixas levadas pela Geral ao Olímpico como “Cangaceiro Tricolor”;
  • Luís Carlos Goiano – volante mais técnico que Dinho, cobrava faltas com perfeição;
  • Paulo Nunes (goiano) – fundamental nas conquistas da América em 1995 (a maioria dos gols de Jardel começava nos pés do “diabo loiro”), do Campeonato Brasileiro de 1996 (do qual foi um dos artilheiros) e da Copa do Brasil de 1997;
  • Jardel (cearense) – artilheiro da Libertadores de 1995, fez gol de tudo que é jeito (até tomando bolada na cara!);
  • Aílton (carioca) – fez o gol do título brasileiro de 1996;
  • Zinho (carioca) – capitão do Grêmio de 2000 a 2002 e autor de um dos gols na decisão da Copa do Brasil de 2001 contra o Corinthians;
  • Luís Mário (paraense) – nosso “Papa-Léguas”, ressuscitou o Grêmio marcando dois gols na primeira partida da final da Copa do Brasil de 2001, que assim buscou o empate em 2 a 2;
  • Marcelinho Paraíba – nosso grande craque na conquista da Copa do Brasil de 2001, pena que tenha ficado tão pouco tempo no Grêmio;
  • Ânderson Lima (paulista) – último grande lateral-direito do Grêmio (2000-2003), e cobrava faltas como poucos;
  • Victor (paulista) – atual “muralha tricolor” e capitão, melhor goleiro depois da saída de Danrlei e maior ídolo atual;
  • Jonas (paulista) – perde os gols fáceis mas faz os difíceis (e golaços, como o marcado contra o Santos semana passada);
  • Borges (baiano) – artilheiro gremista de 2010, e melhor centroavante dos últimos anos.

Assim, acho que o país no qual, além de nós, nasceu a maioria esmagadora de nossos ídolos – não esqueçamos dos brasileiros nascidos no Rio Grande do Sul e por isso chamados “gaúchos” (a propósito, se somos “gaúchos”, isso se deve ao fato de sermos brasileiros) – merece mais respeito de nossa parte.

A força do Grêmio é brasileira

Esses dias, li no Grêmio Pegador uma interessante opinião acerca do comportamento de parte da torcida do Grêmio durante a execução do Hino Nacional, antes do jogo contra o Avaí no Olímpico, no último dia 14.

Algumas coisas são mais difíceis de entender no comportamento dos gremistas mais jovens. Além das injustas famas de nazistas, elitistas, racistas e marginais que já temos, parece que agora queremos também a fama de separatistas. Qual a razão de cantar o Hino Riograndense durante a execução do Hino Nacional? Mais absurdo ainda isso fica quando durante a execução do ‘nosso Hino’, a torcida canta qualquer outra coisa. Por quê? Não consegui entender ainda. A faixa onde se lê a inscrição ‘República Riograndense’ também é algo que vem me preocupando. Qualquer gaúcho tem o direito de querer ser o que quiser, até mesmo de querer ser independente do Brasil, mas a colocação daquela faixa ali naquele lugar, dentro da casa do Grêmio, com as cores do Grêmio, deixa muito clara a imagem de que esse não é apenas um pensamento dos torcedores, mas também do clube. E eu sei que o Grêmio não pensa assim.

Isso é algo que também vem me preocupando. E vai muito além da questão política e mesmo constitucional (o Artigo 1º da Constituição Federal de 1988 veta qualquer possibilidade de secessão ao estabelecer a República Federativa do Brasil como “formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal”). Falta é mais conhecimento para o pessoal, até mesmo da própria história do Grêmio (e do time atual mesmo: quantos titulares nasceram no Rio Grande do Sul?).

Engana-se quem pensa que somos “muito diferentes do Brasil”. Basta uma rápida examinada no mapa: como poderia um país tão grande ter, em toda a parte, as mesmas características? Ou alguém acha que, por exemplo, catarinenses e amapaenses são exatamente iguais?

Aliás, mesmo dentro do Rio Grande do Sul, são todos tão “iguais” assim? A famosa divisão entre sul e norte, por acaso é ficção? Acredito que não, visto que não raro aparece alguém propondo a realização de plebiscito para transformar o sul do Rio Grande em um novo Estado.

O que o Brasil tem de melhor é justamente a sua grande diversidade. A possibilidade de interação entre pessoas diferentes, de culturas e lugares tão variados, sem nenhuma fronteira para atrapalhar. Não são muitos os países onde isso é possível. (E pergunto aos que pregam a separação, se gostariam de precisar passar por uma aduana sempre que quisessem ir a Santa Catarina ou ao Nordeste no verão. Pois parece que achariam bom…)

E mesmo com tantas diferenças, temos muitas coisas em comum – que vão além da língua portuguesa e do gosto pelo futebol (que nem é exclusividade brasileira). Dizem que o símbolo maior de nacionalidade no Brasil é a Seleção, mas eu discordo totalmente: em agosto de 1998, passei uma semana no Uruguai (era a primeira vez que viajava para o exterior) e na volta, estava sedento por feijão, prato que não comi nem vi no país vizinho – e tive então verdadeira consciência de minha brasilidade. Afinal, há alguma comida mais brasileira do que feijão? E uma boa feijoada então?

————

Quanto ao que falei sobre o Grêmio e sua força: lembremos aquele timaço de 1995, campeão da Libertadores. Dos onze titulares, apenas quatro eram do Rio Grande do Sul: Danrlei, Roger, Arílson e Carlos Miguel.

Além dos paraguaios Arce e Rivarola, havia cinco brasileiros de fora do Rio Grande do Sul em campo: Adílson (paranaense), Dinho (sergipano), Luís Carlos Goiano (preciso dizer de onde ele é?), Paulo Nunes (goiano) e Jardel (cearense). Como só se pode escalar três estrangeiros, dos sete que são de “outros países”, quais os três que os “separatistas” escolheriam?