O “mea culpa” que mais espero

Muito se cobra a esquerda (em especial o PT) para que faça uma autocrítica. Concordo tanto que inclusive gosto de lembrar que boa parte das pessoas que conheço de tal lado do espectro político já a fez. Eu mesmo venho fazendo há muito tempo.

Os governos de centro-esquerda do PT cometeram muitos erros, ainda que isso não apague seus acertos, que foram em muito maior número. Milhões de pessoas saíram da pobreza extrema (agora infelizmente estão voltando a ela por culpa de decisões tomadas nos últimos cinco anos) por conta de políticas de inclusão social promovidas pelas administrações petistas, foram abertas muitas universidades país afora, e na política externa o Brasil foi respeitado como poucas vezes em sua história (em compensação, agora…). Da mesma forma que as opiniões lamentáveis sobre política e a clara decadência do futebol do Grêmio nos últimos dois anos não me fazem querer “cancelar” Renato Portaluppi, que como jogador ganhou a Libertadores e o Mundial (com direito a marcar os dois golaços da vitória) em 1983; como treinador, tirou o clube de uma fila de 15 anos sem títulos de peso em 2016 ao vencer a Copa do Brasil, e em 2017 ganhou mais uma Libertadores, a terceira da história gremista. (Achei boa a saída, tanto para o próprio Renato como para o Grêmio.)

O “senso comum” associou o PT à “corrupção”, e considero um erro enorme que o partido não tenha agido com firmeza contra ela. Outro, tão grande e que teve o primeiro como uma de suas consequências, foi a política de alianças pela “governabilidade”, visto que era preciso ter uma forte base aliada no Congresso e a esquerda não tinha maioria. Foi ela que nos “legou” Michel Temer, ainda que isso não justifique a traição dele, que conspirou para virar presidente aliado a quem perdeu nas urnas em 2014.

Quem precisa ainda mais fazer autocrítica é a direita liberal – algo do que já falei aqui. Em especial, no tocante a algo que aconteceu há exatos cinco anos: a infame votação do impeachment na Câmara dos Deputados em 17 de abril de 2016, que mais adiante colocaria Temer na presidência. Foi um show de horrores digno de um livro de Stephen King. E que só aconteceu porque os derrotados de 2014 resolveram ganhar no “tapetão”, cansados de perder eleições.

Considerando a crise econômica na qual o Brasil estava entrando e o desgaste natural do PT após tanto tempo no governo, o mais provável é que, se não resolvessem tirar Dilma Rousseff na marra da presidência, em 2018 a oposição liderada pelo PSDB venceria com facilidade. Talvez com Aécio Neves (que quase ganhou em 2014), talvez com Geraldo Alckmin (com mais base eleitoral por ser de São Paulo). Jair Bolsonaro? Acredito que nem se candidataria: sem apoios de peso para sua candidatura, dificilmente abriria mão da mamata de ser deputado (desde 1991) sem fazer nada de útil pelo país.

Com a opção golpista, a direita liberal que a eleição de 2014 manteve na oposição passou a ser governo em 2016, sem votos. Virou também “vidraça”, levando as “pedradas” que o PT levaria sozinho até 2018 caso continuasse no comando do país. O resultado disso, somado à Operação Lava-Jato (que fez boa população da população achar que “político nenhum presta”), foi a eleição de Bolsonaro à presidência, que conseguiu engambelar uma penca de gente dizendo ser “contra tudo o que está aí” e com apoio (mesmo que em alguns casos só no segundo turno) de quem conspirou pela queda de Dilma pois, afinal, “PT nunca mais”. O PSDB, que se tivesse respeitado as regras provavelmente teria sido o vencedor de 2018, viu Alckmin não receber 5% dos votos após dois mandatos consecutivos como governador de São Paulo, ambos conquistados com vitórias em primeiro turno.

Quando se confirmou o que qualquer pessoa bem informada sabia – ou seja, que Bolsonaro não tinha a menor condição de governar o país – boa parte de quem o apoiou “contra o PT” começou a “tirar o corpo fora”, culpando a esquerda – e não seus votos equivocados – pela eleição do pior presidente da história do Brasil. E dê-lhe pedidos de “autocrítica” para quem tanto avisou em 2018 que, ora bolas, não era boa ideia colocar no Palácio do Planalto alguém que defende torturadores, agressões a homossexuais e salários menores a mulheres “pois engravidam”.

Desculpem, mas essa fatura não é nossa. Afinal, não fomos nós que digitamos “17” na urna eletrônica. (Aliás, dois algarismos que em sequência formam o placar daquele famoso Brasil x Alemanha: um bom sinal de que seria motivo de vergonha para o país, mas que nesse caso é bem maior pois na Copa do Mundo era só futebol.)

Rumo aos 31 a 0

“Todo dia é um 7 a 1 diferente” virou gíria no Brasil de depois daquela fatídica semifinal da Copa do Mundo de 2014. E em muitos casos se usa aquele fiasco diante da Alemanha como comparativo para outras situações.

Foi o caso de um meme (no caso, um print do Twitter) que circulou no final de junho do ano passado. Terminava o primeiro semestre de 2020, e na época achávamos que tinha sido tão ruim que era fácil concordar que a última vez que a primeira parte de algo acabara tão mal o Brasil ia para o intervalo do jogo contra a Alemanha perdendo por 5 a 0. Lembro inclusive de meu comentário ao compartilhar o meme: “pela lógica, levamos só mais dois no segundo tempo e tomara que o ‘gol do Oscar’ seja o impeachment”. (Para ver só, eu nem contava com vacina tão cedo…)

O segundo semestre de 2020 não foi como o segundo tempo daquele Brasil x Alemanha. Afinal, em 2014 os alemães só fizeram mais dois gols. Houve um “gol do Oscar” que foi a vacina; o problema é que em time mal treinado o atacante não presta atenção à defesa adversária e vive impedido: o “gol de honra” acabou anulado, e perdemos por 11 a 0.

Mas foi uma derrota honrosa na comparação com 2021, cujo primeiro semestre (pelo menos no Brasil) se encaminha para ser a pior primeira parte de algo desde quando soou o apito encerrando a etapa inicial de Austrália x Samoa Americana, partida válida pelas eliminatórias da Copa de 2002 que completou 20 anos no último domingo e entrou para a história pelo registro da maior goleada em um jogo oficial entre seleções nacionais. No caso, o Brasil vestiu a camisa de Samoa Americana e a covid-19, a da Austrália, que foi para o vestiário pensando se era ou não o caso de recuar o time e segurar a vitória parcial de 16 a 0.

A “retranca” prevaleceu e os australianos “tiraram o pé” no segundo tempo, só marcando mais 15 gols. Placar final: 31 a 0.

Considerando que estamos na metade de abril, na comparação recém passamos a metade do primeiro tempo. Em Samoa Americana x Austrália, o oitavo gol dos “Socceroos” saiu aos 23 minutos e o nono, aos 25. Aos 27, já estava 10 a 0.

Diálogo com minha mãe

Assunto: os empresários que, tentando furar a fila da vacinação contra a covid-19, pagaram 600 reais e tomaram uma injeção de SORO FISIOLÓGICO.

– Será que era mesmo soro fisiológico? – questionou ela.

– Não se sabe, é preciso averiguar – respondi.

– Mas como é que podem ter acreditado nisso?

– Na ânsia de retomar a vida, as pessoas estão acreditando em tudo mesmo.

– Se me oferecessem qualquer coisa eu iria procurar saber se é de verdade antes de pagar.

– Mãe, não esquece que vivemos no país que elegeu Bolsonaro presidente.


Averiguaram e, de fato, era soro fisiológico. Dica motivacional do dia: se um dia você se sentir otário por qualquer motivo, lembre que teve gente pagando 600 reais por uma injeção dessas…

Em tempo: minha mãe e meu pai já tomaram a primeira dose da vacina contra a covid-19. Pelo SUS, respeitando a fila e sem precisar pagar nenhum centavo na hora.

Abril de 2021, 2020 ou 1964?

Muitas vezes já comentei que o tempo parece ter se acelerado desde o início da pandemia. Uma sucessão de dias muito parecidos uns com os outros que longe da “lentidão” que caracteriza a monotonia, em conjunto se tornam um “foguete”.

Parece que foi ontem que estive em minha última aglomeração, mas já faz mais de um ano. Quando chegou dezembro de 2020, a impressão era de estar “preso” em março, mês em que tudo parou.

Então veio 2021, passamos por outro março – muitíssimo pior que o de 2020 – e agora entramos no segundo abril pandêmico. Ano passado, foi o mês em que percebi a “aceleração do tempo”, o que só não faz parecer que simplesmente voltamos a abril de 2020 pois agora está muito pior.

Mas também há outros ecos do passado neste abril de 2021. Já faz quase 30 anos que a União Soviética saiu da geopolítica para entrar na história, e ainda há quem acredite em “ameaça comunista”. O que nunca existiu no Brasil, mas os defensores do golpe de 1964 (que completa 57 anos neste 1º de abril) defendem essa mentira com unhas e dentes (e alguns deles, com armas).

E agora, em meio à pandemia, temos um presidente que ao invés de fazer das tripas coração para comprar vacinas e preservar a saúde do povo brasileiro, prefere tramar um autogolpe contra os governadores, todos comunistas. (Atenção: contém ironia.)

Hoje já é 1º de abril de 2021, mas parece que 2020 não acabou. E no que dependesse do mitomaníaco que nos governa, estaríamos presos para sempre no Dia da Mentira de 1964.

30 mil, multiplicados por 10

Ontem, 24 de março de 2021, a Argentina lembrou o 45º aniversário do golpe militar que instaurou a mais sanguinária ditadura pela qual o país já passou. Em apenas sete anos de duração (1976-1983), o chamado “Processo de Reorganização Nacional” causou a morte e/ou o desaparecimento de aproximadamente 30 mil pessoas.

No mesmo 24 de março de 2021, o Brasil ultrapassou a marca de 300 mil mortes por covid-19. Desde o começo da pandemia o governo federal sabotou todas as medidas para combatê-la (distanciamento social, uso de máscaras e vacinação em massa) e ainda inventou um tal de “tratamento precoce” que em muitos casos só piora as coisas. Resolveu “se mexer” (mas só um pouco) quando seu principal adversário político voltou a poder concorrer à presidência.

A jurisprudência moderna argentina considera a morte e/ou desaparição de 30 mil pessoas em sete anos como um genocídio. Jorge Rafael Videla, general que chefiou a ditadura de 1976 a 1981, foi condenado à prisão perpétua e morreu na cadeia aos 87 anos, em 2013. E foi apenas um entre vários militares condenados por crimes contra a humanidade.

A omissão (para dizer o mínimo) do governo brasileiro fez (até agora) dez vezes mais vítimas que a pior ditadura da história argentina. E sete vezes mais rápido.


Lembram do que nosso atual presidente falou em 1999, quando era apenas um exótico deputado do “baixo clero”? Objetivo pessoal alcançado, dez vezes.

Adeus, Brasil?

Resolvi fazer uma enquete no Instagram sobre ir ou não embora do Brasil. Por enquanto, a emigração está vencendo de goleada…

Um dos votos “sim” é meu. Nunca tive tanta vontade de ir embora como neste momento desesperador pelo qual o Brasil passa. São três os fatores que me impedem: família, dinheiro (não tenho o suficiente para me manter por mais de dois meses fora) e pandemia (nenhum país que se preze deixaria entrar oriundos de um lugar onde o vírus corre solto).

A realidade, então, se impõe: não posso realizar minha vontade. Terei de ficar no Brasil.

Mas não ficarei “em vão”. Farei de tudo para sobreviver (na situação atual da pandemia isso não é exagero, só ver a quantidade de jovens sem comorbidades em UTIs) pois, quando isso tudo passar, pretendo pelo menos planejar uma mudança para o interior, onde o custo de vida é mais baixo.

E o fundamental: como graduado em História e testemunha de um genocídio em curso, passarei o resto da vida lembrando por que chegamos a isso. É obrigação moral e dever profissional, ainda que eu não exerça o ofício de historiador.

O meu maior erro em 2018 foi acreditar que o bom senso prevaleceria. Não aconteceu. Muitas pessoas me decepcionaram: o ódio ao PT falou mais alto e tornou aceitável o voto em alguém que defende tortura e fuzilamento de adversários políticos. Aceito desculpas de quem se arrependeu, mas só se ele for real – ou seja, se a pessoa pudesse voltar ao segundo turno daquela eleição, digitaria “13” ao invés de “17” (não aceito voto nulo, pois era um momento em que ninguém deveria se omitir).

Perdoo, mas não esqueço. Uma das minhas virtudes é ter boa memória. Até o último dia da minha vida lembrarei de quem foi, ainda que “sem querer” (querendo?), cúmplice da barbárie.

Um ano roubado

No dia 12 de março de 2020, fui à Arena do Grêmio pela última vez até agora. Era o histórico Grenal da Libertadores: tanto falaram que “o mundo acabaria” quando isso acontecesse que pelo visto virou praga…

Desde então, considero minha vida paralisada, ainda que minha quarentena tenha começado uma semana após o jogo. No sábado (14 de março) almocei com minha mãe e depois fui visitar minha avó, no domingo (15) almocei com meu pai, e trabalhei “normalmente” (entre uma atividade e outra, só se falava de vírus) até a quarta-feira (18). Tudo isso já sem abraçar ninguém. O Grenal acabou virando meu “marco” pois fui à Arena naquela escaldante quinta-feira sabendo que após o apito final ficaria um bom tempo não só sem ir ao estádio como também sem futebol e (principalmente) sem abraços, conforme as recomendações científicas.

Desde então, nunca mais subi correndo a escadaria da Arena (por mais que sempre dissesse que não o faria, acabava fazendo pois queria tomar uma última cerveja antes de entrar), parei de abraçar pessoas e de frequentar bares e restaurantes, simplesmente fiquei a maior parte do tempo em casa, esperando a pandemia passar para poder voltar a fazer essas coisas. Mas ela não acaba nunca.

Nesse ano que se passou perdi minha avó (aquela visita em 14 de março de 2020 foi a última) e no velório dela não pude receber calorosos abraços reais que certamente aconteceriam se não fosse a pandemia. Minha mãe fez uma cirurgia cardíaca e deu tudo certo, mas fiquei o tempo todo preocupado com o risco dela pegar covid-19 durante a internação no hospital – e sigo apreensivo pois na semana passada ela teve consulta de revisão e precisou esperar por mais de duas horas até ser atendida.

Por mais que a pandemia impusesse certo período de reclusão, jamais imaginei que “comemoraria” um ano disso. Em março do ano passado achava que teríamos algumas semanas de restrições para depois retomarmos nossas rotinas. Afinal de contas, era só usar a lógica: com as pessoas ficando em casa, o vírus circularia pouco e o sistema de saúde se prepararia não apenas aumentando o número de leitos (clínicos e de UTI) como também fazendo o rastreamento de contatos nos últimos 14 dias das pessoas doentes tal qual a Coreia do Sul – e o Brasil, com o SUS, tem capacidade para isso.

Mas além do SUS, o Brasil tem Jair Bolsonaro como presidente. Ele chamou a covid-19 (contra a qual não temos imunidade alguma por ser doença nova) de “gripezinha” (sendo que pegamos gripes há muitos séculos e também existe vacinação contra o vírus influenza), falou contra o distanciamento social e o uso de máscaras (maneiras mais efetivas de se evitar o contágio no primeiro momento) e também cometeu o disparate de dizer que não se vacinaria. Era a receita para o óbvio desastre que vivemos um ano após o início da pandemia: enquanto países como Israel e Reino Unido (insuspeitos de terem governos “comunistas”) já enxergam “a luz no fim do túnel” graças às vacinas, o Brasil mergulha em um abismo aparentemente sem fundo e se torna uma ameaça global.


Impossível não pensar que perdi um ano de vida – ou, mais corretamente, que ele me foi ROUBADO por Bolsonaro e sua política genocida. Um roubo pior do que se fosse de dinheiro ou outros bens materiais, pois não há a menor possibilidade de ressarcimento. No dia em que eu morrer, não terei o direito de pedir “acréscimos” para recuperar o tempo perdido como acontece numa partida de futebol.

É um crime que segue em curso, pois a lentidão na vacinação e o discurso anticientífico do presidente – que infelizmente serve de “exemplo” a muitas pessoas – fazem com que esteja muito longe o fim da pandemia no Brasil. E ainda posso dizer que “reclamo de barriga cheia”, pelo simples fato de poder reclamar. Pois (por enquanto) mais de 285 mil brasileiros perderam este direito por terem morrido da doença. São vidas e amores roubados por Jair Bolsonaro.

Parece que é pior ser ladrão do que genocida no Brasil. Como prova a eleição de Bolsonaro em 2018: se IMPLOREI para que não votassem nele, é por que seu histórico como deputado já “dava a dica” do que seria sua presidência; mas ainda assim diziam que “podem chamar ele de tudo, menos de ladrão” e com isso estava “justificado” elegê-lo contra a “roubalheira do PT”. (Engraçado que boa parte de quem falou essa baboseira repetia feito DISCO ARRANHADO que “político é tudo ladrão” e votou em alguém que estava no Congresso desde 1991.)

Mas a verdade é que Bolsonaro é, sim, ladrão. Nem falo das controvérsias (para não usar outro termo) de seu filho. Tampouco de outras coisas mal explicadas, como a multiplicação de seu patrimônio desde que entrou na política (1988, quando foi eleito vereador no Rio de Janeiro). Bolsonaro é um ladrão de tempo e vidas. Ele rouba o que é irrecuperável.

Bolsonaro promove o maior roubo da história do Brasil. Meu maior desejo é que um dia ele seja condenado por isso – ainda que seja impossível devolver o tempo e as vidas surrupiadas.

Já que não o chamam de genocida, então podem chamá-lo de ladrão, pois ele o é. O pior de todos os ladrões.

“Já li esse livro?”

Me fiz tal pergunta várias vezes durante a leitura de “O carisma de Adolf Hitler” – que ainda estou longe de terminar, para que se tenha uma ideia.

O livro de Lawrence Rees fala do nazismo mas em muitos (repito: MUITOS) trechos bastaria trocar nomes e época para que se tivesse um retrato do bolsonarismo. Até mesmo no tocante aos absurdos defendidos por Hitler em Mein Kampf.

“Óbvio que ele não vai fazer tudo isso, é só da boca pra fora”: ouvimos muito esta resposta em 2018 quando falávamos da ameaça representada por Jair Bolsonaro à democracia. E, em outras palavras, foi o que os nazistas responderam a quem alertava sobre Hitler.

Terminará o Brasil de Bolsonaro destruído e envergonhado como a Alemanha de Hitler? Melhor será não pagar para ver e fazer andar o impeachment.

Cria cuervos…

O dia 6 de janeiro de 2021 entra para a História: assistimos a uma tentativa de golpe de Estado não na América Latina, mas no país que patrocinou tantos movimentos com as mesmas intenções ao sul do Rio Grande.

É fato inédito nos Estados Unidos, mas não surpreendente. Tudo indicava que Donald Trump, desesperado pela possibilidade de ser preso por fraude fiscal, faria de tudo para permanecer na Casa Branca. Dois meses após a eleição, não reconheceu a derrota e sequer recebeu Joe Biden para uma transição de governo como fizeram todos os presidentes anteriores. Várias vezes contestou os resultados, mesmo com todas as auditorias confirmando que não houve fraude. A única coisa que faltava era tentar um golpe, e eis que aconteceu: praticamente exigiu que Mike Pence, vice-presidente e que também tem a função de presidir o Senado, impedisse a certificação dos resultados eleitorais pelo Congresso (o que sempre foi mera formalidade) e insuflou uma turba de fanáticos a marchar em direção ao Capitólio para intimidar os congressistas. Pence não topou a aventura golpista mas o parlamento foi invadido, o que não ocorria há mais de 200 anos.

O golpe de Trump fracassou, mas seu mandato presidencial vai até o próximo dia 20 e ele tem em mãos os códigos para acionar um arsenal nuclear capaz de destruir o planeta várias vezes: duas semanas, nesse caso, é tempo suficiente para se fazer uma merda bem grande. Não à toa que já estão sendo considerados tanto um impeachment às pressas como a possibilidade de ser invocada a 25ª emenda à Constituição dos Estados Unidos, que prevê o afastamento do presidente caso o vice e a maioria do gabinete o considerem incapaz de seguir no cargo; se isso ocorrer, Pence assume o poder até a posse de Biden. (Sinceramente, torço muito não só para que isso aconteça como também para que Trump seja retirado da Casa Branca algemado.)

Independente do que acontecer nos próximos dias, o fato é que o problema não acaba em 20 de janeiro. Mesmo derrotado, Donald Trump recebeu 74 milhões de votos, o que significa uma enormidade de gente que se sente representada por um sujeito tão boçal. A polarização nos Estados Unidos, país no qual é muito fácil comprar uma arma de fogo e que já teve quatro presidentes assassinados no exercício do cargo, é tão acirrada que não poucas pessoas temem uma guerra civil.

E ainda tem o “exemplo” para os discípulos de Trump, como Jair Bolsonaro. Alguma dúvida de que ele vai tentar melar a eleição de 2022 caso seja derrotado? Com um agravante: no Brasil as instituições são bem mais frágeis que nos Estados Unidos, como provam os vários golpes que já ocorreram por aqui.

Nada de novo

Pelo contrário, tudo muito velho neste começo de 2021 – e nem dava para esperar algo diferente.

A pandemia, obviamente, não respeita calendário, seguindo firme e (ainda mais) forte. Ali pelo meio de janeiro veremos os resultados das aglomerações durante as festas de final de ano.

Em Porto Alegre, temos um novo velho governo. Sebastião Melo, vice-prefeito no segundo mandato de José Fortunati, assumiu a prefeitura na sexta-feira e hoje já decretou uma irresponsável flexibilização que também ajudará a abreviar muitas vidas. Parecia difícil imaginar que um dia eu sentiria saudades de ver Nelson Marchezan Júnior no Paço Municipal, e mais incrível que isso se dê menos de uma semana após ele transmitir o cargo.

Nada de novo também no tocante ao pouco caso de muitas pessoas sobre o que é racismo e como ele passa desapercebido. Como vemos no hino do Rio Grande do Sul, com aquele famoso trecho sobre o destino de “povos sem virtude”. Discussão que ocorre justo quando a Austrália alterou a letra de seu hino nacional por conta de um verso que desconsiderava os indígenas – que chegaram àquelas terras milhares de anos antes do primeiro europeu pôr seus pés lá.

Dizem que Francisco Pinto da Fontoura, autor da letra do Hino Rio-Grandense, não se referiu aos negros quando escreveu “acaba por ser escravo”, mas sim aos rio-grandenses em relação ao Império do Brasil. Da mesma forma que Peter Dodds McCormick (que escreveu os versos do hino nacional australiano) provavelmente nem pensou que suas palavras desconsiderariam os indígenas – até porque eles sequer eram considerados como pessoas pelos censos da Austrália antes da década de 1960. Assim como August Heinrich Hoffmann von Fallersleben nem se preocupou que seu “Alemanha acima de tudo” pudesse ser associado ao nazismo, já que ele escreveu a letra da canção que se tornaria o hino nacional alemão quase meio século antes do nascimento de Adolf Hitler. E ainda há gremista que jure de pés juntos que o uso do termo “macaco” para se referir aos colorados é porque eles “eram imitões”, e não porque nosso rival abriu antes suas portas aos negros. (Sim, reconhecer isso não me faz menos gremista.)

Só que os tempos mudam. E certas coisas não cabem mais neles.

Eram negros os escravizados nos tempos em a letra que o Hino Rio-Grandense foi escrita – e a então província foi reintegrada ao Império do Brasil, não sem antes entregar “de presente” os Lanceiros Negros, tirando-lhes as armas que precisariam para a defesa. Ao contrário do que era cantado com sentido patriótico até 31 de dezembro de 2020 na Austrália, ela não foi descoberta no Século XVIII como diz sua “história oficial”, pois já era habitada mais de 60 mil anos antes da chegada dos europeus. Depois dos horrores perpetrados pelos nazistas, tornou-se inaceitável que os alemães cantassem em coro um verso que colocasse seu país “acima de tudo” mesmo que ele tivesse sido escrito um século antes. E, sinceramente, acho que a torcida do Grêmio fica bem mais legal incentivando o time ao invés de ficar falando do Internacional de forma escrota.

Só não mudam as pessoas que preferem manter suas cabeças fechadas. Assim como as que põem o lucro acima da vida e que agora estão, infelizmente, com mais poder em Porto Alegre.

Até o SARS-CoV-2 muda. Inclusive, sua famosa variante mais transmissível já está no Brasil.


Para alterar aquele verso do Hino Rio-Grandense, vi no Facebook uma sugestão que embora mude um pouco a rima, mantém a mesma vocalização:

Povo que não tem virtude, adora o Bolsonaro.