A falha (para dizer o mínimo) da Folha

A Folha de São Paulo está processando os autores do blog Falha de São Paulo, que satiriza aquele jornal imparcial, por “uso indevido de marca” e “danos morais”. (Aliás, como se não se tratasse de uma publicação totalmente desmoralizada.)

E agora, não bastassem as manifestações de apoio aos blogueiros – que não têm condições financeiras de se defenderem de forma eficaz no processo – agora a organização Repórteres Sem Fronteiras pede à Folha que retire a ação judicial. A mesma RSF que é exaltada pela “grande mídia” quando critica a Venezuela, agora é ignorada por ela.

Ou seja: intimidar blogueiros, pode. Mas criticar a parcialidade da “grande mídia”, é “ameaça à liberdade de imprensa”…

Solidariedade a Milton Ribeiro

Mais um processo contra blogueiro. Prova de que essa mídia sem credibilidade realmente incomoda.

Li no blog do Milton Ribeiro que ele está sendo processado por Leticia Wierzchowski, autora de A casa das sete mulheres (que virou minissérie na Globo, e não por acaso a mais adorada pelos bovinóides, já que fala sobre a “Revolução” Farroupilha). A ação por “danos morais” deve-se a um post no blog dele, publicado em 11 de fevereiro deste ano.

Não é o primeiro caso de processo movido a partir de posts em um blog. O pessoal d’A Nova Corja que o diga, com três: Banrisul, Políbio Braga e Felipe Vieira. Ainda no Rio Grande do Sul, temos também o caso do professor Wladimir Ungaretti, proibido por ordem judicial de se manifestar a respeito do “fotojornalismo” da Zero Hora.

E é impressionante qualquer coisinha acaba em processo. Afinal, tudo se resume a intimidar com base no poder econômico. Mesmo que por motivos ridículos.

Processar alguém por besteira, a meu ver serve para dar ainda mais razão ao processado, e o efeito pode ser o inverso ao desejado – ou seja, a exigência de reparação ao “dano moral” apenas serve para deixar o processante realmente “mal na foto”.

Pois, no caso da Leticia Wierzchowski, nunca li um livro dela – e por isso me abstenho de criticá-los. Mas com este ridículo processo contra o Milton Ribeiro, a autora ganhou tanta antipatia de minha parte que jamais pretendo ler qualquer coisa escrita por ela. Nem sequer para fazer críticas. E ainda recomendo o mesmo a todos os meus amigos, leitores e amigos-leitores.

Porto Alegre no futuro

Em 2008, é assim (a charge é do Kayser):

surrodromo

Logo, provavelmente será assim: é permitida a participação em manifestações de pessoas com mais de 200 anos de idade, com autorização dos pais (só o pai ou só a mãe não vale).

———-

Tal futuro pode estar muito próximo mesmo. Leio que a Brigada Militar estaria preparando aparato repressivo para o dia 12, quando será votada na Câmara a alteração de lei municipal que atualmente inviabiliza o projeto Pontal do Estaleiro.

Talvez sejam apenas boatos para intimidar os cidadãos contrários a tal descalabro. Mas considerando o que alguns “nobres” vereadores andam dizendo, é de se ficar atento.

Ao mesmo tempo, a última coisa que podemos fazer é nos borrarmos. Não é a nós que a polícia tem que perseguir. Se tais informações – procedam ou não – nos deixarem com medo, eles vencem.

Boa lembrança em horas como essas é um belo poema de Eduardo Alves da Costa, com destaque para a segunda estrofe:

No caminho com Maiakóvski

Assim como a criança
humildemente afaga
a imagem do herói,
assim me aproximo de ti, Maiakóvski.
Não importa o que me possa acontecer
por andar ombro a ombro
com um poeta soviético.
Lendo teus versos,
aprendi a ter coragem.

Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.
Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

Nos dias que correm
a ninguém é dado
repousar a cabeça
alheia ao terror.
Os humildes baixam a cerviz;
e nós, que não temos pacto algum
com os senhores do mundo,
por temor nos calamos.
No silêncio de meu quarto
a ousadia me afogueia as faces
e eu fantasio um levante;
mas manhã,
diante do juiz,
talvez meus lábios
calem a verdade
como um foco de germes
capaz de me destruir.

Olho ao redor
e o que vejo
e acabo por repetir
são mentiras.
Mal sabe a criança dizer mãe
e a propaganda lhe destrói a consciência.
A mim, quase me arrastam
pela gola do paletó
à porta do templo
e me pedem que aguarde
até que a Democracia
se digne aparecer no balcão.
Mas eu sei,
porque não estou amedrontado
a ponto de cegar, que ela tem uma espada
a lhe espetar as costelas
e o riso que nos mostra
é uma tênue cortina
lançada sobre os arsenais.

Vamos ao campo
e não os vemos ao nosso lado,
no plantio.
Mas ao tempo da colheita
lá estão
e acabam por nos roubar
até o último grão de trigo.
Dizem-nos que de nós emana o poder
mas sempre o temos contra nós.
Dizem-nos que é preciso
defender nossos lares
mas se nos rebelamos contra a opressão
é sobre nós que marcham os soldados.

E por temor eu me calo,
por temor aceito a condição
de falso democrata
e rotulo meus gestos
com a palavra liberdade,
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores.
Mas dentro de mim,
com a potência de um milhão de vozes,
o coração grita – MENTIRA!