Como eu gostaria de ver o Galo campeão

Começa logo mais a decisão da Libertadores de 2013, entre Olimpia e Atlético-MG. Uma final bastante interessante, entre um clube que enfrenta grave crise financeira e outro que superou uma maldição.

Muitos gremistas pretendem secar o Atlético, por conta de Ronaldinho. Porém, opto por torcer pelo Atlético, melhor time da Libertadores. Como disse Idelber Avelar, “todos os amantes do futebol devem torcer pelo Galo nesta final”. Com o Atlético campeão, Ronaldinho também ganhará, azar. Ou melhor: e daí?

O “descarrego” de nossa raiva contra Ronaldinho já aconteceu em 30 de outubro de 2011. No ano seguinte, já com a camisa do Atlético, ele veio a Porto Alegre e, após a vitória do Galo por 1 a 0, xingou a torcida do Grêmio quando deixava o gramado, despertando muita raiva naquela hora – inclusive a minha, sendo que durante o jogo pouca atenção dei a ele, justamente por já tê-lo xingado em 2011.

Em compensação, o Olimpia ainda é uma dolorosa lembrança, que hoje completa 11 anos. Em 17 de julho de 2002, uma quarta-feira como hoje, o Grêmio era eliminado nos pênaltis pelo clube paraguaio na semifinal da Libertadores, em um Olímpico lotado. Quando Eduardo Martini defendeu a cobrança de Caballero, o que tirava a vantagem do Olimpia na série, o juiz mandou repetir argumentando que o goleiro gremista teria se adiantado (o que de fato aconteceu, mas não foi um escândalo); Caballero converteu, e assim o Grêmio perdeu por 5 a 4 e foi eliminado, após vencer por 1 a 0 no tempo normal (levara 3 a 2 em Assunção).

Em 2003 o Grêmio eliminou o Olimpia nas oitavas-de-final da Libertadores, e para muitos aquilo foi o “troco” por 2002. Porém, foi uma classificação tranquila, vitórias tanto em Assunção como em Porto Alegre. Não foi como eu queria: nos pênaltis, com o juiz mandando voltar uma cobrança do Grêmio após o goleiro do Olimpia defender, alegando que ele se adiantou.

Já que não foi assim em 2003, que seja em 2013, com o Atlético-MG que conta com dois ex-jogadores do Grêmio (Réver e Victor). Dá-lhe, Galo!

Anúncios

Previsão de “estiagem” no Cão

Ontem à noite, no Twitter, o Idelber Avelar comentou sobre o fim do blog do Pedro Doria e perguntou “o que está acontecendo com os blogs?” – afinal, é mais um a anunciar o encerramento. No dia 6 de agosto, A Nova Corja teve seu último post. E o próprio Idelber anunciou que  seu ótimo blog O Biscoito Fino e a Massa entrou em “hibernação” por tempo indeterminado, já que nos próximos meses ele se dedicará a um trabalho acadêmico, que impossibilitará a atualização do blog e a resposta a comentários.

Aqui no Cão, os próximos meses deverão ter uma significativa redução das postagens – assim como no caso do Idelber, os motivos são acadêmicos: minha monografia de conclusão do curso de História na UFRGS. Não coloco o blog em “hibernação” por temer não cumprir a “promessa”. Ainda mais que há assuntos interessantes a serem tratados de hoje até janeiro – como os 20 anos da queda do Muro de Berlim, em novembro, fato que merece uma reflexão.

Mas a prioridade, será o meu trabalho de conclusão. Tem de ser prioridade. Até porque o ganho será não apenas meu, mas também dos próprios leitores do Cão, já que a monografia – depois de pronta, claro – certamente será tema de vários posts. É sobre futebol, mas não será simplesmente sobre o esporte, mas sim, sobre como ele pode refletir outros aspectos sociais. Ainda mais num país como o Brasil.

(A propósito, dois anos atrás cursei um seminário sobre História Social do Futebol no Brasil ministrado pelo professor Cesar Guazzelli, meu orientador no TCC. O trabalho final – que rendeu um post – tratou sobre a “trégua” na rivalidade Gre-Nal no primeiro semestre de 1967. Sinceramente, acho que consegui ser imparcial, apesar de não acreditar na existência dela.)

Talvez eu poste novamente alguns textos antigos que sejam interessantes de serem relidos – afinal, é só “copiar e colar” – para que o blog não fique muito parado, principalmente de novembro ao início de janeiro, quando finalizarei e revisarei a monografia, além de preparar a apresentação para a banca. E se for o caso de “congelar” o blog, farei “anúncio oficial”.

Coisas do “país do futebol” (será mesmo?)

Li no blog sobre futebol que o Hélio Paz escreve que as craques da seleção feminina de futebol do Brasil precisaram comparecer a um compromisso na “Casa Brasil” em Pequim – desperdício de dinheiro público para tentar mais uma vez (e provavelmente não conseguir mais uma vez) trazer os Jogos Olímpicos para o país – de táxi. Enquanto isso, nossa medíocre seleção masculina tinha um ônibus à sua disposição, após o baile diante da Argentina…

Clique aqui para ler mais.

E clique aqui para ler o ótimo artigo de Idelber Avelar sobre a xenofobia anti-argentina que vigora na imprensa esportiva brasileira. Aliás, lembro que sempre associam futebol argentino à violência, mas ontem quem bateu não foi a Argentina. E lembro também que em 2003 o Corinthians enfrentou o River Plate pelas oitavas-de-final da Libertadores: os argentinos deram um banho de bola, enquanto os brasileiros só deram porrada – e perderam.

Sobre o artigo do Idelber: ele levanta uma discussão interessante de ser abordada, a respeito de alguns “dogmas patrióticos” existentes em diferentes países. No caso do Brasil, é o futebol. Em breve, escreverei mais sobre o assunto.