Henry, o salvador do mundo

Mês passado, postei aqui sobre como os números poderiam levar a um novo “Maracanazo” na Copa do Mundo de 2014. Não refarei toda a conta, o link anterior explica como funciona. Só digo que segundo a fórmula original (e também com as que inventei na hora) o campeão mundial de 2014 seria o mesmo de 1950, ou seja, o Uruguai. O que bem sabemos, não aconteceu, visto que a Celeste foi embora nas oitavas-de-final.

Para a fórmula continuar válida, também seria necessário que o Brasil tivesse sido campeão em 2006 e a Alemanha em 2010; mas como bem lembramos, deu respectivamente Itália e Espanha nessas duas Copas. Porém, vamos supor que tivesse saído tudo conforme os números previam, e tivesse dado Brasil em 2006, Alemanha em 2010 e Uruguai em 2014.

Na próxima Copa, para sabermos o campeão teríamos de subtrair 2018 de 3964, e o resultado seria 1946. Porém, ao olharmos a tabela com os resultados de todos os Mundiais, não encontramos campeão em 1946. E o mesmo acontece com 1942, que indicaria o vencedor de 2022.

A Copa do Mundo de 1942 não aconteceu devido à Segunda Guerra Mundial, que tornava impossível a realização de qualquer torneio internacional de futebol a nível mundial. O conflito só acabou em 1945, o que também inviabilizou a disputa do Mundial no ano seguinte: a Copa só retornaria em 1950, no Brasil, que era um dos candidatos a sede para 1942 (o outro era a Alemanha, que foi proibida de participar em 1950).

Percebam, assim, a importância que teve aquele gol de Thierry Henry marcado contra o Brasil nas quartas-de-final da Copa do Mundo de 2006: foi o que enterrou definitivamente aquela “fórmula”. Caso ela continuasse válida, seria um sinal indiscutível da aproximação da Terceira Guerra Mundial. Ainda mais no atual contexto internacional: a região oriental da Ucrânia vive uma guerra civil, com rebeldes lutando pela anexação das províncias do leste à Rússia.

Com a queda de um avião da Malaysia Airlines justamente na área conflagrada, com suspeitas de que teria sido abatido por um míssil terra-ar, há acusações de lado a lado: o Ocidente acusa os separatistas de terem lançado o míssil que derrubou a aeronave e, de quebra, a Rússia por ter fornecido-lhes armas; já uma fonte do Kremlin diz que o ataque teria sido ordenado pelo governo ucraniano e que o verdadeiro alvo seria o avião presidencial russo (semelhante à aeronave derrubada), ou seja, que o objetivo seria matar Vladimir Putin, que retornava da reunião de cúpula do BRICS acontecida no Brasil (as rotas dos dois aviões eram coincidentes no leste da Europa). Claro que em ambas as versões há coisas estranhas: na primeira, é preciso entender o que levaria os rebeldes a abaterem uma aeronave que não é de uso militar; já na segunda, é de se questionar por que a Ucrânia teria optado por uma maneira tão pouco discreta para tentar assassinar Putin, ainda mais sabendo que um atentado desse nível pode ter consequências seríssimas – há 100 anos, a “faísca inicial” da Primeira Guerra Mundial foi o assassinato do herdeiro do trono da Áustria-Hungria, que nem era a principal potência europeia em 1914 (enquanto a Rússia atual é uma superpotência dotada de milhares de ogivas nucleares). Mas, ainda assim, trata-se de um acontecimento que ainda terá muitos desdobraentos.

Tivesse dado Brasil, Alemanha e Uruguai nas últimas três Copas, a essa altura eu já estaria pensando seriamente em construir um abrigo subterrâneo para me proteger de possíveis ataques nucleares que viriam na iminente Terceira Guerra Mundial. Mas, graças àquele gol que eliminou o Brasil em 2006 e enterrou a “fórmula mágica”, confio em uma solução diplomática que impeça o fim do mundo.

Obrigado, Henry.

Nobel da Paz: total desmoralização

O presidente do Uruguai, José “Pepe” Mujica, reagiu assim à proposta da ONG holandesa Drugs Peace Institute de indicá-lo ao Prêmio Nobel da Paz em 2013:

Estão loucos. Que prêmio da paz, nem prêmio de nada. Se me derem um prêmio desses seria uma honra para os humildes do Uruguai conseguirem um dinheiro a mais para fazer casinhas… no Uruguai temos muitas mulheres sozinhas com quatro, cinco filhos porque os homens as abandonaram e lutamos para que possam ter um teto digno… Bom, para isso teria sentido. Mas a paz se leva interiormente. E o prêmio eu já tenho. O prêmio está nas ruas do meu país. No abraço dos meus companheiros, nas casas humildes, nos bares, nas pessoas comuns. No meu país eu caminho pela rua e vou comer em qualquer bar sem essa parafernália de gente de Estado.

Apesar de Mujica rejeitar a possibilidade, vê-lo indicado – e mesmo premiado – faz sentido. Obviamente ainda há muito pelo que avançar no Uruguai, mas o que já aconteceu serve de exemplo aos países vizinhos e em especial ao Brasil, onde o conservadorismo é muito forte. A ONG holandesa propôs “Pepe” ao Nobel da Paz por sua iniciativa de passar ao Estado o controle da maconha para lutar contra o tráfico de drogas (numa lógica oposta àquela defendida pelos Estados Unidos, ou seja, a “guerra” que apenas gera mais violência e vitima inúmeras pessoas na América Latina), mas o Uruguai de Mujica também é o primeiro país na região a legalizar o aborto até a 12ª semana de gestação, o que salva a vida de muitas mulheres – situação diferente da verificada no Brasil. Sem contar inúmeras declarações do presidente uruguaio: considerado “o mais pobre do mundo” por seu estilo de vida simples, Mujica diz que “pobre é quem precisa de muito para viver”; recentemente, recomendou aos jovens que dedicassem mais tempo ao amor do que ao consumo.

Resumindo: Mujica mereceria, e muito, o prêmio. Porém, é o Nobel da Paz que não está mais à altura de “Pepe”. Instituído por iniciativa do químico sueco Alfred Nobel (inventor da dinamite) e entregue desde 1901, já laureou pessoas realmente importantes para a paz mundial, como Martin Luther King e Nelson Mandela. Porém, há também muitos outros interesses por trás das decisões.

Em 11 de setembro de 1973, o Chile sofreu um sangrento golpe militar porque nas palavras de Henry Kissinger, os Estados Unidos não podiam “deixar um país se tornar comunista devido à irresponsabilidade de seu próprio povo”. A “irresponsabilidade” da qual falava Kissinger, então secretário de Estado dos EUA, era a eleição do socialista Salvador Allende à presidência do Chile, em 1970. No final daquele ano de 1973, adivinhem quem ganhou o Prêmio Nobel da Paz? Ele mesmo, Henry Kissinger… A escolha se deveu a acordo com o objetivo de pôr fim à Guerra do Vietnã, razão pelo qual o vietnamita Le Duc Tho também foi laureado – mas este, dignamente, recusou o prêmio.

Ano passado, o prêmio foi atribuído à União Europeia. Foi piada pronta: a UE ganhou o Nobel da Paz, mas perdeu o de Economia…

Mas nada pode ser pior do que a escolha de 2009, como se percebe cada vez mais. Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, foi premiado “pelos esforços diplomáticos internacionais e cooperação entre povos”. Um Nobel da Paz que faz a guerra: enquanto Obama “se esforçava diplomaticamente”, as guerras no Afeganistão e no Iraque prosseguiam.

E agora, Barack Obama prepara mais uma “diplomática” ação pela “paz mundial”. O alvo da vez é a Síria, em guerra civil desde 2011, devido à acusação de que as forças do ditador Bashar al-Assad teriam usado armas químicas. Há vários relatos de que realmente teriam acontecido ataques com o uso de gases venenosos, mas não se sabe de qual lado partiu. No entanto, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, diz ter provas de que o governo sírio usou armas químicas contra os adversários, situação que faz lembrar as “provas contundentes” de que o Iraque tinha armas químicas e biológicas em 2003: foi o que justificou a invasão mesmo após várias inspeções da ONU não encontrarem nada – e de fato, não havia nada; talvez apenas as notas fiscais emitidas pelos próprios Estados Unidos quando Saddam Hussein comprou tais armas para utilizá-las contra o Irã, na década de 1980.

E provavelmente Kerry saiba da posse de armas químicas pela Síria desde aquele jantar em 2009, época em que Assad era aliado

A morte (?) de Bin Laden não deixa o mundo mais seguro

Na noite de domingo foi anunciada a morte de Osama Bin Laden, acusado de ser o mentor dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos. Após a operação conduzida por militares estadunidenses, o presidente Barack Obama anunciou o “sucesso” da empreitada.

Obama disse que “o mundo ficou mais seguro” com a morte (?) de Bin Laden. Porém, penso exatamente o contrário, ao lembrar de uma frase que lembro de ter conhecido anos atrás, em uma aula de História Moderna (se não me engano):

O rei morreu. Viva o Rei!

Tratava-se de uma saudação à instituição “Rei”, ou seja, à monarquia, que era maior que qualquer pessoa que fosse monarca.

Agora, substituam “rei/Rei” por “Osama Bin Laden”…

Exato: Bin Laden era um símbolo da Al-Qaeda e do extremismo islâmico. Muitos muçulmanos o viam como heroi (desde antes do 11 de setembro de 2001), devido a suas pregações (e ações) contra o mundo ocidental, visto por eles como “opressor” – que realmente é.

Agora, mais do que heroi, ele se torna mártir (se é que realmente morreu). E provavelmente servirá de motivação para novos atentados.

Assim, os estadunidenses que acreditam na volta dos soldados para casa, por já “terem cumprido seu objetivo”, podem tirar o cavalinho da chuva. Pois agora a “justificativa” para a continuidade da guerra será a de “evitar as represálias”…

————

Pergunta que não quer calar: se os Estados Unidos são “a terra da liberdade e da justiça”, por que Bin Laden foi morto (?) sem sequer ser submetido a um julgamento?

17 de abril

A guerra mais longa de todos os tempos não foi a Guerra dos Cem Anos (que durou 115 anos), como a maioria pensa. Hoje pela manhã, descobri pelo meu amigo Antonio Duarte, em seu perfil do Facebook, que houve um conflito quase três vezes mais longo.

Foi a Guerra dos Trezentos e Trinta e Cinco Anos, entre a Holanda e as Ilhas Scilly, localizadas a sudoeste do Reino Unido. O conflito, que se iniciou em 1651, teve origem na Guerra Civil Inglesa de 1648-1649. Defensores da monarquia absolutista (realistas) e do parlamentarismo se enfrentaram. A marinha britânica estava ao lado do rei, mas acabou forçada a se retirar para as Ilhas Scilly.

A Holanda, que recém havia proclamado sua independência, decidira apoiar militarmente os parlamentaristas. Mas sua marinha acabou sofrendo pesadas baixas, impostas pelos realistas baseados nas Ilhas Scilly, e os holandeses decidiram exigir uma indenização. Sem obter resposta, a decisão da Holanda foi de declarar guerra às pequenas ilhas – e só a elas, já que o restante das ilhas britânicas encontrava-se em mãos dos parlamentaristas.

Logo após a declaração de guerra, os realistas foram forçados a renderem-se aos parlamentaristas, e a marinha holandesa retirou-se das Ilhas Scilly sem disparar nenhum tiro. Porém, a Holanda esqueceu-se de um detalhe: assinar a paz. (Sim, antigamente as guerras tinham início e fim formalmente, não eram que nem hoje, quando se inventa uma desculpa do tipo “nós vamos libertar vocês” e assim se mantém indefinidamente a invasão.)

Dessa forma, tecnicamente, as pequenas ilhas continuaram a ser inimigas dos holandeses até 17 de abril de 1986, quando o tratado de paz foi assinado após uma pesquisa histórica comprovar que realmente a Holanda declarara guerra em 1651. Terminava assim, sem nenhum tiro e nenhuma morte, a guerra mais longa de todos os tempos.

————

Mas, se uma guerra que durou mais de 300 anos não matou ninguém, um acontecimento acontecido num dia específico – 17 de abril de 1996 – resultou em 19 mortes.

Cartum de Carlos Latuff

Hoje, completam-se 15 anos do massacre de Eldorado dos Carajás. Nenhum dos policiais responsáveis pela matança foi punido.

Água, fonte de lucro?

É o que pensam as grandes corporações – para elas, a água não tem de ser um bem natural, e sim, apenas uma mercadoria.

E não pensem que isso é tão surreal. Já aconteceu em Cochabamba, na Bolívia, quando os serviços municipais de abastecimento de água foram privatizados. Chegou-se ao absurdo de proibir as pessoas de coletarem água da chuva, já que ela também era considerada “propriedade privada” (ué, cadê a “democracia” que os privatistas tanto defendem?). O povo se mobilizou contra tamanho autoritarismo entre janeiro e abril de 2000, no episódio que ficou conhecido como “Guerra da Água”. E no fim, conseguiu reverter a situação.

Foi uma vitória importante, mas apenas em uma batalha. Pois com a tendência da água potável tornar-se mais escassa devido à poluição, crescerá o risco dela ser vista com olho grande pelas grandes corporações. Sem contar as prováveis guerras por água no futuro, assim como hoje vemos pelo petróleo.

Aliás, tudo isso é de especial motivo de preocupação para nós, já que aqui na América do Sul encontra-se a maior reserva subterrânea de água doce do mundo, o Aquífero Guarani – cuja maior parte fica em território brasileiro.

————

Esta foi minha contribuição para o Dia de Ação dos Blogs 2010 – era para ter sido postado ontem, mas…

————

Correção (16/10/2010, 19:18): O leitor Marcos Correa (ao qual agradeço) deixou comentário com a informação de que o maior aquífero é o Alter do Chão, na Amazônia, que tem quase o dobro de volume d’água em relação ao Guarani.

O risco da “grande mídia”

Como já disse várias vezes aqui, voto em Plínio de Arruda Sampaio para presidente. O que não quer dizer que não preste atenção em como a “grande mídia” faz campanha contra a candidata petista, Dilma Rousseff. Pintam-na como se fosse “uma ameaça à democracia” – quando vejo justamente a “grande mídia” como o maior perigo às instituições democráticas. E não é paranoia minha: Bourdieu disse isso sobre a televisão (até acho que podemos estender à “grande mídia” em geral).

De fato, penso que a televisão, através dos diferentes mecanismos que me esforço por descrever de maneira rápida – uma análise aprofundada e sistemática teria exigido muito mais tempo -, expõe a um grande perigo as diferentes esferas da produção cultural, arte, literatura, ciência, filosofia, direito; creio mesmo que, ao contrário do que pensam e dizem, sem dúvida com toda a boa-fé, os jornalistas mais conscientes de suas responsabilidades, ela expõe a um perigo não menor a vida política e a democracia. (BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997, p. 9-10.)

Na sequência, Bourdieu lembra um episódio acontecido em 1995-1996, quando Grécia e Turquia quase entraram em guerra por duas pequenas ilhas, com rádios e televisões privadas de ambos os países “pondo mais lenha na fogueira” com suas incitações nacionalistas.

No caso do Brasil, a “grande mídia”, embora se diga “imparcial” (e obviamente eu acredito, assim como em Papai Noel, Coelho da Páscoa etc.), tenta de tudo que é jeito dar uma levantada em seu candidato, José Serra (PSDB), que anda por baixo nas pesquisas. Claro que pesquisa não é igual ao voto na urna, mas é difícil imaginar que, com Lula explicitamente apoiando Dilma, a popularidade do presidente não resulte na vitória da petista – no Chile, a ex-presidente Michelle Bachelet praticamente não participou da campanha de Eduardo Frei, e assim o oposicionista Sebastián Piñera venceu.

Assim, agora vemos a “grande mídia” martelando o caso da violação de sigilo bancário da filha de Serra; aqui no Rio Grande do Sul aconteceu algo parecido, mas nem a Zero Hora fala muito – afinal, aqui a acusação recai sobre um tucano, e não sobre um petista. E também batendo em Dilma, nas entrelinhas ou abertamente.

Isso vai dar certo? Só as urnas dirão. Mas é certo que a “grande mídia” sofrerá uma das maiores humilhações de sua história se Dilma vencer no primeiro turno, como indicam as pesquisas.

Sobre a crise coreana

Muito se fala na “grande mídia” sobre a possibilidade de guerra entre as Coreias do Norte e do Sul (na verdade, da retomada da guerra, visto que oficialmente ela nunca terminou, apenas foi assinado um cessar-fogo em 1953).

Pena que não haja muito compromisso com a verdade… Pois como conta a Denise Arcoverde, que vive em Seul, a coisa por lá não parece tão feia como estão pintando aqui. Ela também escreveu um primeiro post sobre a história da divisão da Coreia, fruto da Guerra Fria e que sobreviveu a ela (ou poderíamos dizer que é a Guerra Fria que ainda não acabou lá?).

No Twitter, ela falou uma coisa interessante que não dizem por aqui. Semana que vem tem eleição na Coreia do Sul: a esquerda, oposicionista, defende o diálogo com Pyongyang, enquanto o governo de direita se utiliza do afundamento do navio sul-coreano (aliás, por que afundaram?) para obter votos. Inclusive, a oposição pede ao governo que pare com as provocações à Coreia do Norte.

Craque iugonostálgico

Em entrevista ao programa de Ana Maria Braga na Globo, o meia Dejan Petkovic, do Flamengo, deu uma resposta inesperada à apresentadora. A “cansada” (lembram?) tentou induzir o craque sérvio a dizer que a Iugoslávia socialista era um país em que se passavam muitas dificuldades, mas Petkovic a contrariou. (Não reparem no mapa, em que trocaram Croácia e Bósnia-Herzegovina…)

“Iugonostalgia” é o termo utilizado para definir as pessoas que sentem saudades da época em que Eslovênia, Croácia, Bósnia-Herzegovina, Sérvia, Montenegro, Macedônia e Kosovo formavam apenas um país, a Iugoslávia. Mais específicamente, da época de Tito (1945-1980).

O termo “Iugoslávia”, que significa “união dos eslavos do sul”, passou a denominar em 1929 o reino surgido em 1918 a partir da união entre diversos povos eslavos dos Bálcãs, e que se chamava “Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos” (embora também o integrassem diversas outras etnias, como montenegrinos, macedônios, bósnios e albaneses).

Em 1945, sob a liderança do croata Josip Broz Tito, a Iugoslávia se libertou do domínio nazista que lhe fora imposto na Segunda Guerra Mundial, e transformou-se em uma república socialista federativa. Era um socialismo diferente do que se viu em outros países do Leste Europeu: não foi imposto pelos tanques soviéticos, e sim, construído pelos próprios iugoslavos a partir da liderança de Tito.

Desta forma, o socialismo iugoslavo adquiriu características próprias, como o sistema de autogestão nas fábricas e propriedades agrícolas (que não eram pertencentes ao Estado, e sim aos próprios trabalhadores), a democracia direta (em que a representação não se dava por deputados, e sim por grupos de delegados), a descentralização política (as repúblicas e províncias tinham ampla autonomia) e a independência em relação à União Soviética, após o rompimento entre Tito e Stalin em 1948. Mesmo após a melhora das relações entre Belgrado e Moscou, os iugoslavos mantiveram sua política externa independente e não-alinhada nem à URSS, nem aos Estados Unidos.

A Iugoslávia de Tito desenvolveu-se muito até a década de 1970, proporcionando o aumento tanto da qualidade como da expectativa de vida. Porém, a situação mudou totalmente nos anos seguintes. Em 1980, Tito morreu, e conforme previa a Constituição promulgada em 1974, implantou-se um sistema de revezamento do poder entre as repúblicas. Ao mesmo tempo, o país começou a passar por uma crise econômica, que não atingiu igualmente a todas as repúblicas: Eslovênia e Croácia eram mais desenvolvidas e viviam uma situação melhor, o que atraiu trabalhadores de outras partes da Iugoslávia.

Os anos sob a liderança de Tito tinham criado um sentimento de união entre as diversas etnias que formavam a Iugoslávia. Porém, a perda de uma figura que simbolizava a união nacional, somada à crise econômica, fez ressurgirem velhos rancores que haviam sido temporariamente esquecidos (como entre sérvios e croatas – os primeiros consideravam os segundos colaboradores dos nazistas, mesmo que Tito fosse croata), dando origem a movimentos nacionalistas, principalmente na Sérvia, república mais populosa.

Os nacionalistas sérvios, liderados por Slobodan Milosevic (que assumiu a presidência sérvia em 1989), consideravam injusto o sistema de igual divisão do poder: para eles, a Sérvia, mais populosa, deveria ter maior influência sobre os rumos da Iugoslávia, o que obviamente não agradou às demais repúblicas. No decorrer dos anos 80, a etnia (sérvia, croata, eslovena etc.) passou a ter maior valor como referência de pertencimento do que a “nacionalidade” iugoslava.

As rivalidades cada vez mais acirradas se verificavam em diversos aspectos da vida social. No futebol (já que falamos do Petkovic…), o ultranacionalismo entrou em campo no dia 13 de maio de 1990, quando torcedores do Dinamo Zagreb e do Estrela Vermelha de Belgrado travaram uma violenta briga no estádio da capital croata, com muitos feridos. A polícia, controlada pelos sérvios, reprimia com violência os torcedores do Dínamo, e em resposta o craque do time de Zagreb, Zvonimir Boban, aplicou uma voadora em um policial, feito que o transformou em um heroi nacional para os croatas.

Em 1991, Eslovênia e Croácia proclamaram a independência, e começou assim a violenta desintegração da Iugoslávia, com um conflito militar principalmente entre sérvios e croatas, em que ambos os lados cometeram atrocidades. No ano seguinte foi a vez da Bósnia-Herzegovina declarar sua independência, porém, como o país tinha uma população muito diversificada (muçulmanos, sérvios e croatas), o que se seguiu foi uma sangrenta guerra civil que durou três anos e meio, ceifou muitos milhares de vidas e produziu os piores massacres na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Milosevic assumiu em 1997 a presidência da Iugoslávia (já não mais socialista e restrita apenas às repúblicas de Sérvia e Montenegro), cargo que ocupou até ser deposto por uma revolta popular em outubro de 2000. Reprimiu violentamente manifestações nacionalistas em Kosovo, província da Sérvia em que a maioria da população era de etnia albanesa, motivando ataques aéreos da OTAN em 1999, o que elevou a tensão entre Ocidente e Rússia – eslava como a Iugoslávia. Tropas da ONU ocuparam Kosovo, que em 2008 proclamou sua independência, não reconhecida pela Sérvia (que considera a região como berço de sua consciência nacional) e por muitos países, dentre eles o Brasil.

Em 2003, a Iugoslávia mudou de nome, e passou a chamar-se “Sérvia e Montenegro”, união que se manteve até 2006, quando em um referendo os montenegrinos optaram pela independência de sua república, aceita sem problemas pela Sérvia. Da antiga Iugoslávia de Tito, restou apenas um parque temático – a “Iugolândia” – e as lembranças de um tempo em que se tinha assistência médica gratuita, emprego garantido e boa aposentadoria, sem contar uma maior liberdade para se viajar (para se ir da Eslovênia à Macedônia, por exemplo, não era preciso cruzar fronteiras internacionais por serem pertencentes ao mesmo país) e, principalmente, a paz decorrente da tolerância mútua entre diversos povos que acabou desaparecendo na década de 1980.

Quem é o maior “perigo mundial”?

Até 1979, o Irã era uma monarquia pró-Ocidente. Com a Revolução Islâmica, “o jogo virou”, e o país passou a ser visto como “ameaça” pelos antigos aliados.

Então entrou em cena Saddam Hussein, ditador do Iraque. Armado pelos Estados Unidos, invadiu o Irã e deu início a uma longa guerra (1980-1988), que deixou mais de um milhão de vítimas e acabou “empatada”. Saddam usou armas químicas e biológicas contra iranianos e curdos.

Com a economia debilitada após o conflito, o Iraque, rico em petróleo, desejava que o valor do barril fosse aumentado, o que obviamente não era desejado pelo Ocidente. Em agosto de 1990, Saddam Hussein ordenou a invasão e anexação do Kuwait, riquíssimo em petróleo, que assim como a Arábia Saudita era aliado dos países ocidentais e não aumentava o preço do barril. Foi o que motivou a Guerra do Golfo de 1991, após a qual o Iraque sofreu sérias sanções econômicas, e Saddam foi acusado de possuir “armas de destruição em massa” – pelos países que mais as possuem e, pasmem, que o armaram e o apoiavam quando as utilizou.

Ao longo da década de 1990, as acusações ao Iraque quanto à posse de “armas de destruição em massa” continuaram. O país seria novamente bombardeado em 1996 e 1998, quando o presidente estadunidense Bill Clinton precisava “agradar à opinião pública” nos Estados Unidos: na primeira oportunidade, Clinton concorria à reeleição; na segunda, corria risco de impeachment por conta de um escândalo sexual.

Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, o presidente George W. Bush incluiu o Iraque no “eixo do mal”, lista dos países contrários aos interesses dos Estados Unidos, sob o pretexto de “apoiar o terrorismo”. Ao longo de 2002 procurou, sem sucesso, convencer o mundo inteiro de que Saddam Hussein era uma ameaça igual ou maior que Osama Bin Laden, que o mundo inteiro corria perigo.

Saddam decidiu permitir a visita de inspetores da ONU, em busca das tais “armas de destruição em massa” que supostamente o Iraque teria. Nada foi encontrado. Já Bush e sua claque juravam de pés juntos que Saddam possuia sim as tais armas, para justificarem a guerra. Ignoraram a ONU e os protestos em todos os cantos do mundo, e em 20 de março de 2003 iniciaram a invasão do Iraque.

Seis anos depois, nenhuma “arma de destruição em massa” foi utilizada contra o invasor, nem sequer encontrada. Sinal de que Saddam não tinha mais nenhuma. O país foi loteado entre empresas privadas que auxiliariam na “reconstrução”: a “liberdade” de Bush destruiu o Iraque, para permitir a entrada das grandes corporações “de bem” lá.

Saddam Hussein foi capturado no final de 2003, julgado e condenado à morte, sendo executado em 30 de dezembro de 2006. Foi um julgamento muito longe de ser justo: embora Saddam tenha sido um ditador cruel, deveria ter sido submetido a um tribunal neutro, fora do Iraque ocupado por forças estrangeiras.

————

Por que lembrei tudo isso? Para alertar do perigo que são esses coros de “fulano é um perigo regional/mundial”. Afinal, eles partem de onde está o verdadeiro perigo.

A “bola da vez” é Hugo Chávez. Tudo bem, não é de hoje que ele vem sendo tratado como um “monstro ameaçador”, mas agora a campanha reacionária parece estar se intensificando, com essas tais “marchas” contra ele, orquestradas pelo governo da Colômbia para ocorrerem em vários países.

Mas são milhões assistindo televisão, que apenas fala mal de Chávez sem contraponto. Muitas pessoas que podem acabar incorporando o discurso reacionário sem se darem conta disso, que nem acontece em relação às medidas tipicamente nazistas.

Ora, quem acusa Chávez?

  • Governo dos Estados Unidos. O mesmo que é contra certos países terem armas de destruição em massa, mas as tem aos montes. Assim como no caso do Iraque, o interesse não é a paz mundial ou a democracia: “é o petróleo, estúpido!”. Barack Obama pode até parecer menos ameaçador que George W. Bush, mas é presidente dos Estados Unidos. Como já foi lembrado, Bill Clinton (do mesmo Partido Democrata de Obama) bombardeou o Iraque quando a coisa tava feia em casa, no final de 1998;
  • Governo da Colômbia. O presidente Álvaro Uribe acusa Chávez de envolvimento com as FARC, que por sua vez são acusadas de tráfico de drogas. Porém, o próprio Uribe é acusado de ser um grande narcotraficante. Demonstra não respeitar a soberania dos países vizinhos, quando ainda defende a ação militar que violou a fronteira do Equador em março de 2008, para matar guerrilheiros das FARC;
  • Mídia corporativa. A mesma que apoiou o golpe de 1964 no Brasil e o recente em Honduras, “em defesa da democracia”, acusa Chávez de ser “ditador”. Chiou quando foi aprovada a emenda constitucional na Venezuela que acabou com o limite de mandatos consecutivos – tanto para Chávez quanto para governadores e prefeitos, inclusive os oposicionistas – mas não fez o mesmo agora que o presidente colombiano Álvaro Uribe também poderá concorrer a mais um mandato. E a mesma que chorou a não-renovação da concessão da RCTV em 2007 apoiou os golpistas que fecharam o canal público venezuelano por dois dias em abril de 2002, e não divulgou nada quando o povo saiu às ruas para pedir a volta de Chávez.

Diante de acusadores assim, é possível acreditar que o perigo é Hugo Chávez? Sim, desde que não se divulgue quem está por trás da campanha contra o presidente venezuelano.

Chávez nunca ordenou ao exército da Venezuela que violasse a soberania de outros países, nem sequer pediu à Rússia ou outro país que não se dê lá muito bem com os Estados Unidos para instalar bases militares em território venezuelano.

Que briguem (e muito) entre si

A disputa pela liderança da audiência brasileira entre Globo e Record agora virou guerra aberta. A “plim-plim” dá amplo destaque à ação judicial contra Edir Macedo, dono da Rede Record e da Igreja Universal do Reino de Deus, acusada de desvio de recursos destinados a obras sociais – parte do dinheiro iria para a compra de empresas de comunicação. A Rede Record, por sua vez, relembra o passado que a Rede Globo insiste em esconder – as boas relações com a ditadura militar e as tentativas de derrubar Lula.

Quem está certo? Bom, acho que as duas estão, ao mesmo tempo, certas e erradas. Afinal, os “podres” dos dois lados estão sendo expostos em rede nacional. Ao mesmo tempo, as informações só foram mostradas em “momentos de desespero”: ambas “jogaram a bosta no ventilador” por sentirem-se ameaçadas uma pela outra. Tudo o que dizem não é novo, mas só agora está na telinha.

E o melhor de tudo, é que a guerra das emissoras também ajuda a derrubar o mito de que as emissoras são “apolíticas”: no Congresso, há parlamentares para defender ambas…

Para quem eu torço? Sinceramente, para nenhuma das duas. Se a Globo tem todo o seu passado nebuloso, e também o apoio à velha direita, a Record é porta-voz da Igreja Universal.

E, como agnóstico que sou, acho até pior que a maior emissora do país seja vinculada a uma religião: a preocupação da Globo é apenas o dinheiro, já a Record, por ter a Universal por trás, também buscará aumentar o número de seguidores da igreja – além de dinheiro, é claro. Não seria nada bom que detivesse o monopólio da informação no país.