Deixa eu ver se entendi

Antes o governo federal pretendia trazer médicos estrangeiros para suprir a carência em regiões pouco assistidas. As entidades de classe protestaram, um panfleto reacionário que se acha revista disse que os médicos cubanos seriam “espiões comunistas”. E no fim, o governo decidiu fazer diferente: vai priorizar a contratação de brasileiros; e a partir de 2015 quem cursar Medicina terá, obrigatoriamente, de prestar dois anos de serviço (bem remunerado, aliás) ao SUS para obter o diploma.

A ideia de levar os alunos em final de curso para trabalhar no SUS não é inédita. E nem é “coisa de comunista”: é inspirada no que foi feito no Reino Unido, que tem um dos melhores sistemas de saúde pública do mundo. (Em tempo: obviamente sei que não basta aumentar o número de médicos para melhorar a qualidade da saúde pública, mas tal melhora passa por isso.)

Então, começou a gritaria de novo. Agora, contra a obrigatoriedade de se trabalhar (repito, remuneradamente) no SUS por dois anos para receber o diploma. Não duvidem se daqui a pouco os mesmos que reclamavam dos médicos cubanos começarem a clamar pela vinda deles.

Pensar que eu adoraria iniciar uma faculdade sabendo que nos dois últimos anos do curso teria trabalho e (boa) renda garantidos pelo Estado sem a necessidade de prestar concurso público… Vá entender esses reclamões.

Anúncios

Me antecipando a ela

Corre na internet a notícia de que será erguida em Brasília uma estátua do ex-presidente Lula, projetada para ser mais alta que o Cristo Redentor, ao custo de R$ 13 milhões (13 milhões? Coincidência?) para os cofres públicos. Parece absurdo, né?

Não parece: É ABSURDO. (Inclusive, a ausência das aspas na palavra “notícia” do primeiro parágrafo foi proposital: me divertir um pouco, imaginando quantos reacinhas não cairiam facinho nessa.)

Foi via Facebook que achei a matéria de Carlos Newton no Tribuna da Imprensa publicada no último dia 5, alertando para mais uma dessas malditas correntes. Criação de algum imbecil para desinformar as pessoas: ele ri, mas muito “inocente útil” já deve ter repassado essa bobagem, “espumando de raiva” contra “mais essa dos petralhas”.*

E tenho certeza de que em breve mais essa merda corrente chegará à minha caixa de e-mail

————

Fica uma dica aos leitores: antes de saírem repassando qualquer coisa, pesquisem na internet e chequem a informação. Pode até ser que não se trate de uma mentira (sabe lá se não é notícia em primeira mão), mas se for algo tão absurdo quanto uma estátua em homenagem a uma pessoa viva (ainda mais se acompanhada de comentários raivosos), é alta a chance de ser apenas mais uma dessas porcarias de correntes.

Para facilitar um pouco, indico textos que detonam algumas delas. Tem dois do Vinicius Duarte: um sobre a tal de “bolsa-bandido”, e outro simplesmente impagável sobre aquela “campanha cívica” para baixar o preço da gasolina.

E tem também os que escrevi aqui no Cão, em ordem cronológica (a maioria é relacionada à última campanha eleitoral, mas podem servir como lição):

  • Quem quer um Brasil melhor NÃO REPASSA CORRENTES! Neste aí, acabei com quinze desses e-mails;
  • Não alimente os trolls. Não foi exatamente sobre correntes, e sim sobre os malas que adoram tumultuar o debate em blogs – e enchem o saco também;
  • Depois dos concretoscos, os DIREITOSCOS. À medida que a campanha eleitoral de 2010 avançava, o nível das correntes baixava (e estávamos recém no final de julho). Neste, desmenti a suposta “censura” do governo federal contra o blog de uma jornalista que “desagradaria ao governo” por ser direitosa: na verdade, a “censura” se dera por ordem judicial de um deputado estadual do Mato Grosso, ou seja, nada a ver com Brasília;
  • Mais uma mensagem tosca… Não chegava a ser exatamente uma corrente, pois a informação de que o Brasil abriria uma embaixada em Tuvalu não era totalmente falsa: na verdade o relacionamento bilateral entre os países seria de responsabilidade da embaixada brasileira na Nova Zelândia. Mas foi preciso explicar que relações diplomáticas não são questão de governo, e sim de Estado: só imagino o que mundo pensaria se José Serra ganhasse a eleição e uma de suas primeiras medidas como presidente do Brasil fosse romper as relações com Tuvalu;
  • A última da “fábrica de correntes”. Esta era uma “pesquisa imparcial” que apontava ampla vantagem de Serra, com mais de 60% dos votos. Tão “imparcial”, que Dilma venceu a eleição com 56,05% dos votos válidos no 2º turno;
  • Tem gente que PEDE para não ser levada a sério. Na ânsia de chamar Dilma Rousseff de “ladra”, um amigo teve a ousadia de me enviar (mesmo eu sendo graduado em História) um vídeo de Jair Bolsonaro… Nem assisti até o fim, pois era muito previsível: Bolsonaro começou falando sobre o PNDH-3 – ou seja, a iminente implantação de uma “ditadura comunista” no Brasil – e depois certamente acusaria Dilma de ter sido “assaltante de bancos” na época da ditadura militar (que para o deputado foi o auge da democracia no Brasil), sem citar que não há prova alguma de que Dilma tenha participado de ações armadas, e também de que os “terroristas” dos anos 60 e 70 não combatiam um governo democrático – pelo contrário, o verdadeiro terrorismo era o governo;
  • Eu morro e não vejo tudo… Recebi uma suposta entrevista do nadador Cesar Cielo ao jornal O Estado de São Paulo detonando os dirigentes da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) e o governo federal. Mas detonado mesmo foi esse e-mail: Cielo realmente criticou muito os dirigentes da CBDA, só que na matéria do Estadão que fala disso, publicada em 2 de setembro de 2008, a palavra “governo” sequer aparece… Neste mesmo texto também relatei o recebimento pela segunda vez e da mesma pessoa, de uma outra corrente.

————

* Retificação (14/09/2011, 21:14). Via Facebook, o Natusch me avisou que a origem da “notícia” é o G17, página que satiriza o G1. Ou seja, alguém viu, achou que era sério (já que o leiaute realmente lembra o do G1) e repassou… Ou seja, continua válida a dica de checar as informações. Inclusive para este que vos escreve, de modo a evitar xingamentos a quem fez algo que muito prezo: humor.

Fogaça é o candidato do PMDB

Semana passada, o PMDB lançou a candidatura de José Fogaça ao governo do Estado do Rio Grande do Sul na eleição do próximo ano.

Primeiro ponto a destacar: na prefeitura de Porto Alegre desde 1º de janeiro de 2005, Fogaça terá de renunciar ao cargo para poder concorrer ao Piratini. Não que vá fazer muita diferença: a impressão que se tem de Porto Alegre é de uma cidade sem prefeito.

Charge do Santiago (outubro de 2008)

Segundo ponto a destacar: será que a “grande mídia” cobrará Fogaça em 2010 da mesma maneira que fez com Tarso Genro em 2002? Afinal, ambos prometeram ficar na prefeitura de Porto Alegre até o final do mandato.

De qualquer forma, já antecipo que não votarei em Fogaça de jeito nenhum, e não é porque ele não vai cumprir seu mandato até o fim: afinal, seria incoerência de minha parte (votei em Tarso na eleição de 2002) e, principalmente, porque considero os projetos mais importantes que as pessoas. Em 2000 eu votei no PT, que tinha Tarso como seu candidato a prefeito; já em 2002 meu voto em Tarso também era para o PT, o que não se alteraria se o candidato fosse Olívio Dutra.

Não votarei em Fogaça por conta do que é o governo encabeçado por ele em Porto Alegre – que terá continuidade com Fortunati a partir de abril. Um post do Hélio Paz, escrito um dia após o resultado do 1º turno de 2008, dá uma amostra de como está Porto Alegre com Fogaça de prefeito.

A única diferença, é que mudar de Yeda para Fogaça no Piratini não significará piora tão grande para o Estado como foi para Porto Alegre: no Rio Grande, será uma troca de seis por meia dúzia… Ou seja: mais quatro anos sem governo.

No dia 5 de agosto de 2009…

Charge do Santiago publicada no blog da GRAFAR

Charge do Santiago publicada no blog da GRAFAR

Começamos a perceber, realmente, o fim do pior governo da História do Rio Grande.

Um desastre tão grande, que é raro se ver alguém que admitiu ter votado na Yeda. É preciso coragem para admiti-lo, frente a pessoas que não sejam conhecidas.

Alguns amigos meus que votaram nela, admitem o fato – pelo menos para mim – porque eu os conheço. Sei que votariam até no diabo (se ele existisse), contra o Olívio “que mandou a Ford embora”: sim, porque apesar dele ter feito um bocado de coisas boas (procurou incentivar a agricultura familiar ao invés do agronegócio, a pequena empresa ao invés da grande, criou até uma universidade pública que hoje está sucateada graças à sequência de dois governichos após a sua saída do Palácio Piratini, e tem muito mais), a Ford não quis ficar por aqui sem receber de mão beijada o nosso dinheiro, e por isso o Olívio tinha de ser condenado ao fogo do inferno.

Talvez os meus amigos – tanto os que admitem quanto os que escondem o voto na Yeda – pensem que eu estou adorando tudo o que está acontecendo agora, mas os frustrarei. Fico é triste, por ver que o Rio Grande do Sul perdeu mais quatro anos graças a um estúpido sentimento de “anti-PT”. Graças a uma mídia canalha, que criou tal sentimento, que inventou uma “guerra” que precisava ser “pacificada”.

O Rio Grande ficou “em paz”, mas sem governo, e mergulhado em um mar de lama.

Desse jeito, só nos resta rir… Para não chorar.

Charge do Kayser

Charge do Kayser

Canalhice

O governo tentou, mas não conseguiu aprovar a prorrogação da CPMF. Agora terá duas alternativas: aumentar outros impostos, ou cortar gastos. Se optar pela segunda, tomara que não corte os recursos destinados aos programas sociais, e sim, elimine gastos que sejam realmente desnecessários.

Mas foi enojante ver todos aqueles senadores da oposição com discursos contra a CPMF. Quando eles estavam no governo, criaram a CPMF. Agora, só para votar contra o governo, são contra e fazem discursinhos “defendendo o povo”. É muita cara de pau!