Isso vai acabar um dia?

Um ano atrás, eu recém havia lido uma matéria na BBC Brasil sobre o chamado “distanciamento social intermitente”, que consistiria num “revezamento” entre medidas de restrição e relaxamento de acordo com as taxas de contágio da covid-19, que poderia durar até 2022. Minha primeira reação à leitura foi: “bah, que exagero, em menos de um ano certamente já teremos vacina e/ou remédio, já que a ciência está priorizando o combate à pandemia”.

É bem verdade que em maio de 2020 eu já deveria “ter posto as barbas de molho”. Afinal, em março eu dizia “vamos ficar uns dois meses em casa e depois tudo volta ao normal”. Os dois meses passaram e tinha ficado óbvio que a coisa não passaria tão rápido assim… Mas demorar mais um ano já me parecia muito pessimismo. Dois, então, era coisa de catastrofista.

Agora, em maio de 2021, já acho bem otimista aquela previsão da matéria. Pelo menos em termos de Brasil. Afinal, mesmo que já exista vacina, moro em um país “governado” por Jair Bolsonaro. Onde todos os dias morrem milhares de pessoas por uma doença contra a qual já há uma vacina – mas que não chegou a braços suficientes porque o presidente fez de tudo por isso.


Exatamente um ano atrás, Aldir Blanc falecia, entrando na lista das muitas milhares de vítimas do genocídio pandêmico no Brasil. Como uma forma de homenagem, trabalhei em casa nesta terça-feira ouvindo diversas músicas compostas por ele. Uma das mais conhecidas é “O Bêbado e a Equilibrista”, que na voz de Elis Regina virou um hino informal da abertura política no Brasil do final da década de 1970.

Alguns de seus versos dizem muito sobre a época que vivemos (infelizmente, uma música de 1979 voltou a ser muito atual mais de 40 anos após seu lançamento).

Chora
A nossa Pátria mãe gentil
Choram Marias e Clarisses
No solo do Brasil

Se em março de 2020 eu achava que dois meses depois voltaria à vida normal, em maio de 2021 me pergunto até quando minha vida ficará paralisada. Também queria saber até quando chorarão tantas Marias e Clarisses, pela perda de tantas pessoas queridas, no solo do país que é um dos piores do mundo no combate à pandemia.

Afinal de contas, isso vai acabar algum dia?


Da mesma música de Aldir Blanc, destaco outros versos que, espero, digam o que acontecerá no Brasil num futuro muito próximo.

Mas sei que uma dor assim pungente
Não há de ser inutilmente

A anistia de 1979, da qual “O Bêbado e a Equilibrista” virou um hino informal, foi “ampla, geral e irrestrita”. Ou seja, também foi usada para “livrar a cara” de torturadores e outros bandidos que agiram na repressão política da ditadura. Naquela ocasião, o “acordo” para redemocratizar o país consistiu no esquecimento dos crimes cometidos pelo Estado brasileiro.

Agora são mais de 400 mil vítimas de um “governo” que insistiu em medicamentos comprovadamente ineficazes contra a pandemia e se recusou a comprar vacinas cedo. O número obviamente chegará a 500 mil e, quiçá, a um milhão.

Dessa vez não pode haver “anistia ampla, geral e irrestrita”. O Brasil não tem o direito de esquecer as vítimas do genocídio pandêmico.


E este 4 de maio se encerra com a notícia da morte do ator Paulo Gustavo, de 42 anos. Por uma doença contra a qual já existe vacina. Mais uma vítima de Jair Bolsonaro.

Muito pior que um Maracanazo

400 mil mortes por covid-19 no Brasil. Dois Maracanãs da final de 1950, uma tragédia incontáveis vezes maior – aquela vez era só futebol.

Um quarto disso só nos últimos 36 dias. E mais da metade quando já existia vacina.

Isso tem nome completo: Jair Messias Bolsonaro.

30 mil, multiplicados por 10

Ontem, 24 de março de 2021, a Argentina lembrou o 45º aniversário do golpe militar que instaurou a mais sanguinária ditadura pela qual o país já passou. Em apenas sete anos de duração (1976-1983), o chamado “Processo de Reorganização Nacional” causou a morte e/ou o desaparecimento de aproximadamente 30 mil pessoas.

No mesmo 24 de março de 2021, o Brasil ultrapassou a marca de 300 mil mortes por covid-19. Desde o começo da pandemia o governo federal sabotou todas as medidas para combatê-la (distanciamento social, uso de máscaras e vacinação em massa) e ainda inventou um tal de “tratamento precoce” que em muitos casos só piora as coisas. Resolveu “se mexer” (mas só um pouco) quando seu principal adversário político voltou a poder concorrer à presidência.

A jurisprudência moderna argentina considera a morte e/ou desaparição de 30 mil pessoas em sete anos como um genocídio. Jorge Rafael Videla, general que chefiou a ditadura de 1976 a 1981, foi condenado à prisão perpétua e morreu na cadeia aos 87 anos, em 2013. E foi apenas um entre vários militares condenados por crimes contra a humanidade.

A omissão (para dizer o mínimo) do governo brasileiro fez (até agora) dez vezes mais vítimas que a pior ditadura da história argentina. E sete vezes mais rápido.


Lembram do que nosso atual presidente falou em 1999, quando era apenas um exótico deputado do “baixo clero”? Objetivo pessoal alcançado, dez vezes.

Adeus, Brasil?

Resolvi fazer uma enquete no Instagram sobre ir ou não embora do Brasil. Por enquanto, a emigração está vencendo de goleada…

Um dos votos “sim” é meu. Nunca tive tanta vontade de ir embora como neste momento desesperador pelo qual o Brasil passa. São três os fatores que me impedem: família, dinheiro (não tenho o suficiente para me manter por mais de dois meses fora) e pandemia (nenhum país que se preze deixaria entrar oriundos de um lugar onde o vírus corre solto).

A realidade, então, se impõe: não posso realizar minha vontade. Terei de ficar no Brasil.

Mas não ficarei “em vão”. Farei de tudo para sobreviver (na situação atual da pandemia isso não é exagero, só ver a quantidade de jovens sem comorbidades em UTIs) pois, quando isso tudo passar, pretendo pelo menos planejar uma mudança para o interior, onde o custo de vida é mais baixo.

E o fundamental: como graduado em História e testemunha de um genocídio em curso, passarei o resto da vida lembrando por que chegamos a isso. É obrigação moral e dever profissional, ainda que eu não exerça o ofício de historiador.

O meu maior erro em 2018 foi acreditar que o bom senso prevaleceria. Não aconteceu. Muitas pessoas me decepcionaram: o ódio ao PT falou mais alto e tornou aceitável o voto em alguém que defende tortura e fuzilamento de adversários políticos. Aceito desculpas de quem se arrependeu, mas só se ele for real – ou seja, se a pessoa pudesse voltar ao segundo turno daquela eleição, digitaria “13” ao invés de “17” (não aceito voto nulo, pois era um momento em que ninguém deveria se omitir).

Perdoo, mas não esqueço. Uma das minhas virtudes é ter boa memória. Até o último dia da minha vida lembrarei de quem foi, ainda que “sem querer” (querendo?), cúmplice da barbárie.

Um ano roubado

No dia 12 de março de 2020, fui à Arena do Grêmio pela última vez até agora. Era o histórico Grenal da Libertadores: tanto falaram que “o mundo acabaria” quando isso acontecesse que pelo visto virou praga…

Desde então, considero minha vida paralisada, ainda que minha quarentena tenha começado uma semana após o jogo. No sábado (14 de março) almocei com minha mãe e depois fui visitar minha avó, no domingo (15) almocei com meu pai, e trabalhei “normalmente” (entre uma atividade e outra, só se falava de vírus) até a quarta-feira (18). Tudo isso já sem abraçar ninguém. O Grenal acabou virando meu “marco” pois fui à Arena naquela escaldante quinta-feira sabendo que após o apito final ficaria um bom tempo não só sem ir ao estádio como também sem futebol e (principalmente) sem abraços, conforme as recomendações científicas.

Desde então, nunca mais subi correndo a escadaria da Arena (por mais que sempre dissesse que não o faria, acabava fazendo pois queria tomar uma última cerveja antes de entrar), parei de abraçar pessoas e de frequentar bares e restaurantes, simplesmente fiquei a maior parte do tempo em casa, esperando a pandemia passar para poder voltar a fazer essas coisas. Mas ela não acaba nunca.

Nesse ano que se passou perdi minha avó (aquela visita em 14 de março de 2020 foi a última) e no velório dela não pude receber calorosos abraços reais que certamente aconteceriam se não fosse a pandemia. Minha mãe fez uma cirurgia cardíaca e deu tudo certo, mas fiquei o tempo todo preocupado com o risco dela pegar covid-19 durante a internação no hospital – e sigo apreensivo pois na semana passada ela teve consulta de revisão e precisou esperar por mais de duas horas até ser atendida.

Por mais que a pandemia impusesse certo período de reclusão, jamais imaginei que “comemoraria” um ano disso. Em março do ano passado achava que teríamos algumas semanas de restrições para depois retomarmos nossas rotinas. Afinal de contas, era só usar a lógica: com as pessoas ficando em casa, o vírus circularia pouco e o sistema de saúde se prepararia não apenas aumentando o número de leitos (clínicos e de UTI) como também fazendo o rastreamento de contatos nos últimos 14 dias das pessoas doentes tal qual a Coreia do Sul – e o Brasil, com o SUS, tem capacidade para isso.

Mas além do SUS, o Brasil tem Jair Bolsonaro como presidente. Ele chamou a covid-19 (contra a qual não temos imunidade alguma por ser doença nova) de “gripezinha” (sendo que pegamos gripes há muitos séculos e também existe vacinação contra o vírus influenza), falou contra o distanciamento social e o uso de máscaras (maneiras mais efetivas de se evitar o contágio no primeiro momento) e também cometeu o disparate de dizer que não se vacinaria. Era a receita para o óbvio desastre que vivemos um ano após o início da pandemia: enquanto países como Israel e Reino Unido (insuspeitos de terem governos “comunistas”) já enxergam “a luz no fim do túnel” graças às vacinas, o Brasil mergulha em um abismo aparentemente sem fundo e se torna uma ameaça global.


Impossível não pensar que perdi um ano de vida – ou, mais corretamente, que ele me foi ROUBADO por Bolsonaro e sua política genocida. Um roubo pior do que se fosse de dinheiro ou outros bens materiais, pois não há a menor possibilidade de ressarcimento. No dia em que eu morrer, não terei o direito de pedir “acréscimos” para recuperar o tempo perdido como acontece numa partida de futebol.

É um crime que segue em curso, pois a lentidão na vacinação e o discurso anticientífico do presidente – que infelizmente serve de “exemplo” a muitas pessoas – fazem com que esteja muito longe o fim da pandemia no Brasil. E ainda posso dizer que “reclamo de barriga cheia”, pelo simples fato de poder reclamar. Pois (por enquanto) mais de 285 mil brasileiros perderam este direito por terem morrido da doença. São vidas e amores roubados por Jair Bolsonaro.

Parece que é pior ser ladrão do que genocida no Brasil. Como prova a eleição de Bolsonaro em 2018: se IMPLOREI para que não votassem nele, é por que seu histórico como deputado já “dava a dica” do que seria sua presidência; mas ainda assim diziam que “podem chamar ele de tudo, menos de ladrão” e com isso estava “justificado” elegê-lo contra a “roubalheira do PT”. (Engraçado que boa parte de quem falou essa baboseira repetia feito DISCO ARRANHADO que “político é tudo ladrão” e votou em alguém que estava no Congresso desde 1991.)

Mas a verdade é que Bolsonaro é, sim, ladrão. Nem falo das controvérsias (para não usar outro termo) de seu filho. Tampouco de outras coisas mal explicadas, como a multiplicação de seu patrimônio desde que entrou na política (1988, quando foi eleito vereador no Rio de Janeiro). Bolsonaro é um ladrão de tempo e vidas. Ele rouba o que é irrecuperável.

Bolsonaro promove o maior roubo da história do Brasil. Meu maior desejo é que um dia ele seja condenado por isso – ainda que seja impossível devolver o tempo e as vidas surrupiadas.

Já que não o chamam de genocida, então podem chamá-lo de ladrão, pois ele o é. O pior de todos os ladrões.

Brasil x Argentina

Quando comparam Brasil e Argentina em relação ao número de mortes por covid-19, nosso “presidente” diz que a população brasileira é muito maior e, portanto, é “natural” que morra mais gente por aqui. A Folha de São Paulo fez as contas e demonstrou que há mais mortes por milhão de habitantes no Brasil do que na Argentina. (E incluiu no cálculo a Suécia, citada como “exemplo” por não ter adotado quarentena.)

Matemática nem tão complexa

Segunda-feira o Brasil atingiu a triste marca de 30 mil mortes por covid-19 e o fato foi minimizado pelo “presidente”, o que me faz lembrar dos hermanos mais uma vez. Pois 30 mil é o número estimado de mortos e desaparecidos durante o chamado “Processo de Reorganização Nacional”, expressão pela qual se autodenominou a última ditadura militar na Argentina, a mais sanguinária que o país já viveu.

O “Processo” durou sete anos, de 1976 a 1983. Na Argentina, a morte e desaparição de 30 mil pessoas durante este período é classificada pela jurisprudência como sendo um genocídio.

No Brasil, em menos de três meses de pandemia já ultrapassamos 30 mil mortes e o número tende a aumentar muito mais. O “governo” dá mostras de estar “cagando e andando”. Como classificar isso? Creio que a Argentina já deu a pista.

Ah, e em 1999 nosso atual “presidente” defendeu justamente que se matassem 30 mil pessoas. Objetivo alcançado, com sobras.

“Mudar não mudando”

Essa expressão foi proferida em 1997 pelo presidente do Internacional na época, Pedro Paulo Záchia. O Inter era treinado por Celso Roth, vinha mal no Campeonato Gaúcho, e como se não bastasse, o Grêmio era o então campeão brasileiro e fortíssimo candidato ao título da Libertadores daquele ano. A pressão por mudanças na comissão técnica colorada era enorme, mas Záchia decidiu manter Roth e anunciou que o Inter iria “mudar não mudando”. Deu certo: o time ganhou o Gauchão e fez sua melhor campanha da década em Campeonatos Brasileiros, acabando em terceiro lugar; como se não bastasse, o centroavante Christian desandou a marcar gols, fazendo 23 só no Brasileirão.

Pois foi algo semelhante que fez a Igreja Católica, ao eleger papa o argentino Jorge Mario Bergoglio. É o primeiro latino-americano que chega a tal posto, e ainda por cima escolheu o nome de Francisco, santo católico associado aos pobres.

“Não mudar, mudando”, é assim que podemos resumir o que aconteceu. Afinal, o novo papa é conservador (se manifestou fortemente contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o aborto), e pesam contra ele acusções de colaboração com a última ditadura argentina, uma das mais sanguinárias que o continente já viu – familiares de desaparecidos, por sua vez, dizem que Bergoglio não colaborou mas fez “poderia ter feito mais” pelos perseguidos políticos na Argentina; e o Vaticano, obviamente, nega tudo.

Só que tem mais. Hoje em dia a América do Sul é uma das regiões do mundo onde o conservadorismo é muito contestado (como provam os vários governos de centro-esquerda e esquerda no subcontinente), ou a Igreja Católica perde terreno (caso do Brasil). Assim, eleger um papa sul-americano pode indicar uma tentativa de reverter o quadro na região. E não simplesmente no aspecto religioso.

Paranoia? Então lembremos de como foi “aberta” a chamada Cortina de Ferro que dividia a Europa na Guerra Fria. Inúmeros fatores causaram o colapso dos regimes socialistas do Leste Europeu: corrupção, burocratização excessiva, autoritarismo etc. Mas tais países eram estáveis politicamente na década de 1970 não devido ao monopólio do poder pelo Partido Comunista, e sim porque a população se adaptara ao status quo, sendo poucas as contestações ao regime – antes da década de 1980, a última fora a Primavera de Praga na Tchecoslováquia, em 1968.

Então a Igreja entrou no jogo em outubro de 1978: quebrando uma tradição que já durava mais de 400 anos, o papa eleito pelo conclave não foi um italiano, e sim um polonês, Karol Józef Wojtyła, que adotou o nome de João Paulo II.

Boa parte dos países do Leste Europeu não têm no catolicismo sua religião majoritária. Mas a Polônia há muito tempo tem uma das mais elevadas proporções de católicos da Europa.

Pois bem: e onde o status quo começou a ser questionado com mais força na Europa Oriental? Foi exatamente na Polônia, onde em 1980 foi fundado o primeiro sindicado desvinculado do PC em um país do Leste Europeu (o Solidariedade), que organizou greves em protesto contra o governo. Após decretar lei marcial no final de 1981 e colocar o Solidariedade na ilegalidade, o regime acabou sendo forçado a negociar, e em 1989 convocou eleições semi-livres (nas quais o Solidariedade conquistou praticamente todas as cadeiras do Senado); no final de 1990, o líder do sindicato, Lech Wałęsa, foi eleito presidente. Tanto Wałęsa quanto Wojciech Jaruzelski (último governante da Polônia socialista) e Mikhail Gorbachev (último presidente soviético) afirmam que o papa foi fundamental no desmoronamento da Cortina de Ferro, por ter “inspirado” os poloneses a se levantarem.

Agora, a escolha da Igreja foi por um papa argentino. Que era visto pelos Estados Unidos como um “poderoso” opositor ao governo Kirchner. Coincidência?

Talvez seja mera coincidência que, poucos dias após Bergoglio ter sido eleito, o ex-ditador argentino Jorge Rafael Videla tenha convocado um golpe contra a presidenta Cristina Fernández de Kirchner. Condenado à prisão perpétua, Videla parece “fora da casinha”. Mas é bom ficar atento com gente “séria” que poderá se meter a defender tais absurdos.

Carandiru, 20 anos depois

Ontem completaram-se 20 anos do Massacre do Carandiru, quando a Polícia Militar de São Paulo invadiu a Casa de Detenção para terminar com uma rebelião. A repressão, comandada pelo Coronel Ubiratan Guimarães, acabou com o motim, e também com a vida de 111 presos.

Até hoje, ninguém foi responsabilizado pelo massacre. O mais perto que se chegou disso foi com a condenação do Coronel Ubiratan, em 2001; porém, a sentença foi revista e ele acabou absolvido em 2006 – mesmo ano em que foi assassinado. No próximo mês de janeiro, outros 28 policiais acusados de participarem do massacre finalmente irão a julgamento.

Graças à impunidade, a violência policial no Brasil continua sendo a regra, e não a exceção. Foi o que vimos em Eldorado dos Carajás no dia 17 de abril de 1996, quando a Polícia Militar do Pará matou 19 sem-terras (massacre igualmente impune); e também nos Crimes de Maio de 2006, quando a PM de São Paulo assassinou centenas de pessoas suspeitas de terem participado dos ataques do PCC. Aliás, a mesma PM paulista matou 229 pessoas apenas no primeiro semestre de 2012.

Mas, se a impunidade revolta, pior ainda é ver gente que concorda com o que aconteceu naquele 2 de outubro de 1992. Tanto que o Coronel Ubiratan chegou a ser eleito deputado estadual em São Paulo. Só que tem mais. Basta acessar as notícias sobre os 20 anos do massacre em vários portais para se deparar com uma grande quantidade de opiniões nauseantes, dizendo que “deveriam ter matado todos”, defendendo que a polícia sempre “desça a porrada e mande bala nos vagabundos” (só torça para que a PM não ache que você é o “vagabundo”).

Em vários destes comentários sobre o massacre se lê as palavras “limpeza” e “faxina”, que sempre foram usadas para “justificar” genocídios: o Holocausto consistiu no anseio nazista de “limpar” a Alemanha, eliminando as “raças inferiores”; o Império Turco-Otomano também quis fazer uma “faxina” durante a Primeira Guerra Mundial e assim exterminou mais de um milhão de armênios; em Ruanda, os extremistas hutus consideravam os tutsis como uma “praga social” e assim decidiram fazer, claro, uma “limpeza”, que resultou em quase um milhão de mortos entre abril e julho de 1994.

Um símbolo do ponto a que pode chegar a humanidade

O Milton Ribeiro postou quinta-feira em seu blog uma fotografia que talvez seja a mais hedionda já obtida. Mais que isso, digo que é extremamente revoltante.

O homem de paletó e gravata, com um pedaço de pão na mão, era um oficial turco-otomano. As pessoas que o cercam, visivelmente desnutridas, eram armênios, vítimas de um genocídio que mais tarde teria inspirado Adolf Hitler a fazer o mesmo com os judeus – é atribuída ao ditador alemão a frase “afinal, quem fala hoje do extermínio dos armênios?”, contando com o esquecimento para argumentar a favor do plano de eliminar as populações judaicas.

Já se passaram 97 anos do início do Genocídio Armênio, em 1915. Até hoje, o Estado turco (sucessor do Império Otomano) insiste em negar que a matança foi deliberada, e ainda reprime qualquer manifestação pró-reconhecimento dentro de suas fronteiras*. E vários países (dentre eles o Brasil), em nome de manter boas relações com a Turquia, não reconhecem o genocídio.

E para ver só, até em matéria de memória quanto a acontecimentos de outros países a Argentina “dá de relho” na gente: ano passado, um juiz argentino emitiu uma sentença condenando a Turquia pelo extermínio. Não foi a primeira medida neste sentido no país vizinho, visto que o Estado argentino já reconhecia formalmente o Genocídio Armênio. O primeiro ato de reconhecimento veio do Uruguai, mediante resolução parlamentar em abril de 1965, 50º aniversário do massacre.

————

* Em 2005, o escritor turco Orhan Pamuk (Prêmio Nobel de Literatura em 2006) afirmou numa entrevista a uma revista suíça que na Turquia “ninguém se atreve a falar” do genocídio contra os armênios e da posterior matança de 30 mil curdos, e por conta disso sofreu processo judicial por “insultar e desacreditar a identidade turca” (crime previsto no artigo 301 do código penal da Turquia).

O fim do “PT gaúcho”

Até pouco tempo atrás, dizia-se que o PT só se salvava no Rio Grande do Sul, onde era “autêntico”.

Mas, a gauchada demorou a perceber que essa afirmação não era lá muito verdadeira. Na eleição municipal de 2008 em Canoas, aconteceu uma coligação PT-PPS, que venceu o pleito, liderada pelo petista Jairo Jorge. Conforme escrevi em agosto, nada é dado “de graça”: o PPS apoiou o PT em Canoas, logo iria querer algo em troca.

O que o PPS ganhou? Um carguinho para Cezar Busatto

Não bastasse essa, já tinhamos a defesa por parte do deputado estadual Adão Villaverde da revisão de nota oficial do PT que condenou veementemente o genocídio na Faixa de Gaza.

A pequena esperança do PT retornar ao Piratini em 2010, foi-se por água abaixo. O voto da classe mérdia, obviamente o partido não obtém. E da esquerda, fica cada vez mais difícil, visto que o PT caiu na “vala comum”, tornou-se igual aos outros.

Não foi com a nomeação de Busatto, nem com a aliança PT-PPS. Isso apenas fez a máscara cair. O “PT gaúcho”, autêntico e aguerrido, acabou. Apenas restam alguns bons nomes lá, como Olívio Dutra e Raul Pont.