O que fazer na Expointer?

Lembro de ter ido apenas uma vez à Expointer, com meu irmão e minha mãe. Era o último domingo das férias de inverno nas escolas estaduais, que naquela época duravam 50 dias, fruto do “calendário rotativo” implantado pelo governo Collares de 1992 a 1994. Como é bem típico do nosso inverno que insistem em chamar de rigoroso, fazia calor aquele dia. (Ah, se tivesse uns dias de geada no verão…)

A ideia de ir à Expointer me entusiasmava, afinal, falavam tanto na televisão dela… Devia ser o máximo.

Pois bem: era preciso encarar o trem lotado, filas para entrar, filas para tudo. Sem contar o calor. Achei um saco.

Posteriormente me convidaram para ir lá, mas nunca mais quis. Fazer o quê na Expointer? Ver bois? Cavalos? Sim, só se fosse por isso, porque para comprar produtos como cuias e outros itens de artesanato, é possível fazer isso sem problema algum no Brique da Redenção, sem encarar trem lotado (o que ainda é menos pior do que ir de carro: neste caso é preciso dar mil e uma voltas, e ainda procurar lugar para estacionar). Como não tenho o menor interesse em ver bois e cavalos, ir à Expointer é para mim algo totalmente sem sentido.

Como explicar tamanho fascínio pela Expointer? Acho que da mesma maneira que se compreende tanta gente ir ao Acampamento Farroupilha, mesmo com todo aquele barro (afinal, setembro é o mês mais chuvoso em Porto Alegre). Num Estado com tradições tipicamente rurais mas cuja população é predominantemente urbana, tratam-se de raros momentos em que os “gaúchos de apartamento” (na definição genial de um professor da faculdade) podem sentir-se inseridos no meio em que viviam os gaúchos: barro, campo, cavalos, bois… Mesmo que no meio da cidade.

Anúncios

Revendo conceitos

Em agosto do ano passado, escrevi um post explicando os motivos pelos quais eu não sinto vontade de deixar o Rio Grande do Sul para fazer um mestrado no Rio de Janeiro – onde se localizam duas das universidades mais bem conceituadas na área de História, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Universidade Federal Fluminense (UFF).

Bom, ainda continuo não muito disposto a fazer isto, basicamente pelos mesmos motivos: clima – tenho excessiva produção de suor, o que me faz literalmente tomar banhos quando caminho pelas ruas nos dias de verão, mas pelo menos o calor aqui em Porto Alegre não dura o ano inteiro – e não ter como prioridade a carreira acadêmica, pois não quero publicar mil e um artigos em revistas acadêmicas que serão lidas só pelos meus pares, e sim escrever para despertar o interesse pela História em quem não está na faculdade de História (este é um projeto que penso em concretizar logo). E isto eu posso fazer aqui.

Mas, muita coisa que eu pensava, mandei para a “lata do lixo”. Não são sobre o Rio de Janeiro e sim, do Rio Grande do Sul.

Sobre a cerveja, eu já havia reconhecido naquele post de agosto: a Polar é muito boa, mas não é melhor que a Bohemia. Os marqueteiros que produziram as campanhas publicitárias da Polar souberam explorar o forte sentimento regionalista dos gaúchos para vender um produto que nem é mais “daqui”: a cervejaria Polar foi comprada – há muito tempo – pela AmBev.

Reflexo de nosso regionalismo, de nosso “provincianismo” até. Temos tendência a desvalorizar tudo o que “não é daqui”.

E tal preconceito é forte até mesmo entre a esquerda: em 2006 eu votei no Olívio porque achava que ele, um político identificado com os trabalhadores, seria muito melhor governador do que a Yeda, que formou um dos governos mais bizarros da história gaúcha – como exemplo cito o fato da Secretária de Cultura (filha de um dos mais ardorosos defensores da Ditadura Militar) ter sido candidata ao Senado defendendo a bandeira da segurança pública. Mas vi muita gente que sempre defendeu ideais de esquerda dizer que não se devia votar na Yeda simplesmente porque “ela é paulista”. Ou seja, se a pessoa nasceu em outro Estado não tem o direito de governar o Rio Grande do Sul, mesmo que fixe raízes aqui?

Já o Rio de Janeiro foi governado duas vezes por um gaúcho (Leonel Brizola) que, aliás, acabou indo morar lá definitivamente – só voltou a “fixar residência” no Rio Grande do Sul depois de morto. Segundo uma amiga nascida lá, quando Brizola se candidatou ao governo do Rio os adversários não tentavam desqualificá-lo porque era gaúcho.

Bom, poderá usar-se o argumento de que o Rio foi capital federal e, assim, é mais aberto ao resto do Brasil. Mas provavelmente nenhum Estado seja tão fechado culturalmente quanto o Rio Grande do Sul.

Querem uma prova disso? O Carnaval. Tem gente que não é muito de pular Carnaval (é o meu caso), mas a classe média em geral vai a “bailes de Carnaval”. Pois bem: vão às festas de sua classe, mas não querem saber do Carnaval popular, no caso os desfiles de escolas de samba. Aliás, tem gente que adora dizer “o Carnaval de Porto Alegre é ruim” não com o sentido de “tem que melhorar!”, e sim, de “isso não tem que ter aqui”.

Lembram de como a mídia batia no fato de que depois dos desfiles de Carnaval muitas vezes acontecia das escolas deixarem carros alegóricos abandonados nas ruas, “sujando a cidade”? Pois bem: e quando que reclamaram de, depois dos desfiles de 20 de setembro, as ruas ficarem sujas de bosta dos cavalos que desfilaram? Nunca!

Além disso, argumentavam que era preciso “interromper o trânsito” para realizar o Carnaval (e isso não acontece para o 20 de setembro?) e assim justificavam a necessidade de Porto Alegre ter um sambódromo. Mas no Centro e em bairros próximos, nem pensar: a classe média se levantava toda contra a idéia, “ia ser muita bagunça”. Isso que já se dizia que seria uma “pista de eventos”, não só um sambódromo, e que assim outros desfiles – como o 20 de setembro – poderiam acontecer lá.

Mas, o que aconteceu? Construiu-se a “pista de eventos” bem longe do Centro, dificultando o acesso a quem não mora próximo ao local. E assim, mandou-se o Carnaval, “essa coisa de pobre” como muitos reaças pensam, para um local afastado da classe média, enquanto os desfiles de 20 de setembro seguem acontecendo perto do Centro.

———-

Claro que não acho que o Rio Grande do Sul seja um lugar cheio de defeitos e o Rio de Janeiro cheio de qualidades – até porque não conheço o Rio e fica difícil falar a respeito de lá. Todos os lugares tem suas coisas boas e ruins. O Rio Grande do Sul, por exemplo, tem de bom o inverno (pelo menos na minha opinião), o chimarrão – que não é “tradição gaudéria” porra nenhuma, é de origem guarani -, o Grêmio (é óbvio!) e muitas outras qualidades.

Leia mais sobre o Rio de Janeiro onde escrevem pessoas que conhecem a cidade: no Palanque do Blackão, do Hélio Paz (que está em férias no Rio) e no Blog do Rodrigues – o Diego, mestrando em Economia pela UFJF, passou cinco dias no Rio de Janeiro antes de ir para Juiz de Fora.