Para saciar a fome do Chaves

Pobre México, tan lejos de Dios y tan cerca de los Estados Unidos. A frase, dita por Porfirio Díaz (ditador deposto pela Revolução Mexicana em 1911), sintetiza boa parte da história do México no Século XIX: considerável porção do território do país acabou nas mãos dos Estados Unidos, mediante guerras ou compras de terras. Não é por acaso que várias cidades estadunidenses têm nomes “espanhóis” (San Francisco, Los Angeles, San Diego, Las Vegas etc.): a Califórnia, por exemplo, pertenceu ao México até 1850.

Jugamos como nunca, perdimos como siempre. Tal frase é de Alfredo Di Stéfano (craque argentino naturalizado espanhol), mas é sempre lembrada pelos mexicanos a cada fracasso de sua seleção em Copas do Mundo. Afinal, o México sempre é um adversário difícil de ser batido (como a Seleção Brasileira bem sabe, no último Mundial ficou no 0 a 0 em uma jornada memorável do goleiro mexicano Ochoa), mas desde 1994 vem sendo eliminado nas oitavas-de-final. Aliás, vale lembrar a forma dramática como se deu a derrota de 2014: vencia a Holanda no Castelão por 1 a 0 até os 42 do segundo tempo, quando Sneijder empatou com um chutaço; nos acréscimos, Huntelaar virou o jogo com um gol de pênalti (incorretamente marcado, ao meu ver). E como se não bastasse, essa foi a terceira vez em que o México abriu o placar nas oitavas: já tinha saído na frente da Alemanha em 1998 e da Argentina em 2006.

Mas, se tem algo em que o México não perde de jeito nenhum, trata-se do seriado “Chaves”, cuja exibição no Brasil completou 30 anos no último dia 24 de agosto. O personagem principal é um tanto representativo da realidade mexicana e latino-americana como um todo: um menino pobre e esfomeado que não tem família (como o próprio Chaves diz sobre seus pais, “ainda não fomos apresentados”) e que depende muito da solidariedade alheia; talvez por isso tenhamos tanta identificação com o seriado a ponto dele ser tão adorado mesmo que os episódios se repitam desde 1984.


Se o México “joga como nunca e perde como sempre”, comigo na cozinha acontece o contrário. Ainda mais quando foi a minha vez de ir fazer a comida mexicana, mais um dos pratos da “Copa da Culinária”, nos almoços de sábado na casa da minha avó. Eu decidi o prato na madrugada de sábado: achei uma receita de Feijão Mexicano que tinha todo jeito de ser deliciosa. Porém, para poder fazê-la esqueci um detalhe: deixar o feijão de molho… Resultado: tive de trocar. Fui novamente à pesquisa na manhã de sábado, achei um prato chamado Frango à Mexicana, resolvi fazer, e ficou bom! Me atrapalhei como nunca, deu certo como sempre… Igual aos episódios do Chapolim, em que tudo acaba bem mesmo depois de incontáveis e hilárias trapalhadas.

Ingredientes:

  • 100ml de vinho branco;
  • 100g de amêndoas;
  • 2 dúzias de azeitonas;
  • 200g de tomates;
  • 250g de azeite;
  • 1 dente de alho;
  • Pimenta de Caiena;
  • Farinha de trigo;
  • 1 folha de louro;
  • 1 cebola;
  • 1 frango.

Modo de preparo:

Cortar o frango e condimentá-lo, passando-o pela farinha; fritar no azeite com a cebola em rodela e o alho esmagado; juntar o vinho branco, deixando cozinhar durante cerca de 30 minutos, condimentando-o com o louro e a pimenta de Caiena; pouco antes de servir, juntar as amêndoas cortadas em fatias finas, as azeitonas e os tomates.


Como em outras receitas que fiz, nem tudo correu conforme o script. Mas dessa vez, foi bem pouca coisa mesmo: a diferença principal foi a pimenta. Não achei a pimenta de Caiena, então optei pela vermelha; mas sem exagerar, devido às lembranças do “calorão” que foi a comida chilena.

O resultado, está abaixo. É ou não de saciar a fome do Chaves?

frango mexicano


Fazia mais de um mês que eu não postava nenhuma receita, mas não é por eu não ter feito mais nenhum prato. Nesse meio tempo eu fiz a comida italiana e não escrevi ainda… Em breve, publico aqui.

Anúncios

“Amor”, uma mercadoria

Em fevereiro, escrevi uma postagem sobre algumas vantagens da “solitude” – que é estar só por livre e espontânea vontade, diferentemente da “solidão”, que denota sofrimento por tal situação. “Complementei” aquele texto quatro meses depois, lembrando (ou seria melhor “comemorando”?) que eu poderia assistir Inglaterra x Estados Unidos no dia 12 de junho, pela Copa do Mundo, sem ter de desviar minha atenção do futebol depois do apito final. O jogo foi uma bosta, mas deixemos isso pra lá – ao menos teve aquele frangaço do Green.

Mas sei que muita gente sofreu naquele dia – e não foi por não ter visto o jogo. Pois conforme eu comentei no texto de fevereiro, existe uma espécie de “ditadura da companhia”, que faz “pegar mal” estar só em certos lugares e/ou situações. E mais: é ela que leva muitas pessoas a acreditarem que os solteiros estão invariavelmente “em busca de um amor” – e que, quanto mais tempo passam solteiros, mais “incompetentes” são no quesito “vida amorosa”.

Com tanta gente achando que a solteirice é sinal de “incompetência no amor”, obviamente ela é abominada pela maioria. Daí o desespero para “encontrar o amor” (ou seja, mais um reforço para aquela ideia do parágrafo anterior), o mais rápido possível, sem se ter muito tempo para conhecer a pessoa, saber do que gosta, o que pensa. Pois “demorar demais” significa conviver mais com o rótulo de “incompetente”. E com a atual correria do dia-a-dia, que faz sobrar menos tempo para se conhecer novas pessoas, a pressa parece cada vez mais não ser uma opção, e sim uma necessidade. (Aí vemos tantos relacionamentos efêmeros, o famoso “prazo de validade”, e ninguém entende o motivo disso.)

E, claro, é preciso “demonstrar o amor” gastando dinheiro com um presente em 12 de junho… Ou seja, uma lógica mercadológica, da qual poucos casais escapam, e que não se resume apenas ao “presentinho”. O próprio “amor” (entre aspas, claro) se tornou praticamente um “item de consumo”, que em uma sociedade consumista serve para ser ostentado, mostrado aos outros.

————

Uma boa dica de resposta aos malas que vêm com o papo de “quando vais desencalhar?” é a que foi deixada pelo leitor Eduardo, em comentário àquele texto de fevereiro: “sozinho, sim; mas não tô em liquidação”. (Em certas situações, mais do que uma resposta, tal frase será um ato de subversão!)

“Lance de soccer” no Couto Pereira

Clemer, pra variar… No jogo Coritiba 4 x 2 Inter, por pouco o Coxa não nos vingou.

Mas, convenhamos, o Victor falhou feio no gol do Botafogo. Menos mal que viramos para 2 a 1 e assim seguimos na briga pelo título.

Que tarde!

Tarde chuvosa e ventosa, mas nada disso pára o Tricolor. 1 a 0 contra o São Paulo, um dos times mais fortes do país.

Já no Rio de Janeiro… O time do marketing, da balaca, levou 4 a 0 do Vasco, candidato ao rebaixamento. Com direito a um “lance de soccer”, protagonizado por Clemer, é lógico.

Começo agora uma campanha, espero que haja grande adesão:

FICA PÍFFERO!