“Oi, sumido”

Passei um bom tempo (mais precisamente, dois meses e cinco dias) sem aparecer por aqui, e a meia dúzia de pessoas que ainda lê este blog deve ter pensado que ele tinha acabado de novo. Mas está tudo dentro do previsto: ao retomar o Cão Uivador, avisei que não pretendia voltar a ter o mesmo ritmo de 2007-2014.

Nesse meio tempo, fiz um concurso e fracassei de maneira ÉPICA. Precisava acertar pelo menos 70% das questões, mas o índice foi de pouco mais de 50%. Só não considero fiasco pois confesso que estudei bem menos do que deveria.

Já o Grêmio, meus amigos… Esse anda passando bem longe dos fracassos. Não só ganha, como dá show. Ano passado achava que era cedo, mas agora já não tenho medo de dizer que nunca tive tanto prazer em ver meu time jogar como nessa era dourada iniciada em 2016 e que, espero, ainda esteja bem longe do fim.

Mas justamente hoje faleceu o maior símbolo das vitórias gremistas: o ex-presidente Fábio Koff. Em sua primeira gestão, levou o Grêmio à sua maior conquista, o Mundial de Clubes em 1983. Já a segunda passagem começou 10 anos depois em um contexto bem diferente: saindo da segunda divisão e com pouco dinheiro em caixa. E ainda assim, Koff só faltou fazer chover: montou um time barato mas muito qualificado em 1995, que nos levou a ganhar mais uma Libertadores. A última (2013-2014) não teve título algum mas foi também importantíssima: renegociou o contrato da Arena, cuja versão firmada durante a gestão anterior, de Paulo Odone, era péssima para o Grêmio; ao decidir não concorrer à reeleição, Koff indicou como seu sucessor Romildo Bolzan Júnior, que foi eleito e levou nosso Tricolor à atual era dourada.


Nestes dois meses que passaram, tive um período de 15 dias em férias, na segunda quinzena de março. Era saldo do ano passado. No começo de julho desfrutarei de 12 dos 30 dias cujo direito adquiri no começo de 2018. Poderia deixar o restante para tirar no verão de 2019, mas serei obrigado a usá-los para manter minha sanidade mental na época da campanha eleitoral: se já é complicado conviver com colegas de extrema-direita agora, imagina ali por setembro e outubro…

Minha única dúvida diz respeito ao período: fim de setembro e começo de outubro (quando acontece o primeiro turno) ou segunda quinzena de outubro, para escapar do segundo turno e da semana imediatamente posterior? Pois quero acreditar que certo candidato que só fala merda e pouco trabalha (e cujo nome não mencionarei para que as buscas do Google não tragam seus descerebrados eleitores para cá) não ficará acima do terceiro lugar. O problema é que ando cada vez mais pessimista.

Anúncios

Bem-vindo de volta

mercado

Só de saber que o Mercado Público reabre parcialmente hoje dá vontade de ir até lá correndo no fim da tarde. Então lembro que a partir de sexta-feira estarei em férias e poderei ir com mais calma…

Bem-vindo de volta, Mercado! E tomara que nunca mais precises passar tanto tempo fechado.

São José do Norte: tranquilidade com os dias contados?

Em minhas últimas férias, tive a oportunidade de conhecer São José do Norte. Estive na pequena cidade, que fica ao norte de Rio Grande (daí a denominação que lembra sua localização geográfica, sendo que os riograndinos costumam chamar a localidade simplesmente de “Norte”) no dia 29 de março.

Era 2013, mas se olhássemos apenas para os prédios, poderíamos achar que era bastante tempo atrás. Pois andar por algumas ruas de São José do Norte dá a impressão de que se voltou ao passado: boa parte das edificações da cidade é antiga, com muitas casas de estilo açoriano.

Tal impressão se acentua também pela tranquilidade da cidade. Tudo bem que era feriado*, mas o pouco movimento nas ruas me chamou bastante a atenção: afinal de contas, em dias úteis certamente São José do Norte não lembra nem um pouco sua vizinha Rio Grande, que é uma cidade muito maior e que começa a ter problemas semelhantes aos de Porto Alegre, como a alta no preço dos imóveis e o trânsito caótico – o que é fruto do crescimento econômico gerado pelos investimentos no porto, transformando a cidade em um importante polo naval e atraindo mão-de-obra vinda de muitos lugares.

Agora, está sendo construído em São José do Norte um estaleiro para construção de plataformas de extração de petróleo, o que gerará um impacto positivo na economia do município, atualmente baseada na produção de cebola. E provavelmente causará um aumento populacional, pois como os imóveis estão muito caros em Rio Grande, morar em São José do Norte deverá sair mais em conta: mesmo sem a sonhada ligação “a seco” entre as duas cidades (via ponte ou túnel), há uma linha hidroviária que só não funciona durante a madrugada, operada por barcos que saem de meia em meia hora. (Sem contar que depois do asfaltamento da antiga “estrada do inferno” é possível sair da cidade por terra podendo se ter uma ideia do horário de chegada ao destino: não muito tempo atrás, uma viagem que hoje dura horas era uma aventura que podia levar dias, devido aos diversos atoleiros naquele trecho da BR-101.)

Não acredito que São José do Norte ficará tão agitada como Rio Grande em um curto espaço de tempo, mas certamente a cidade mudará bastante, se tornando mais movimentada. Assim, fica a dica: quem quiser curtir seu aspecto “de passado”, aproveite enquanto ele ainda não é coisa do passado.

Abaixo, algumas fotos que tirei da cidade:

Porto Alegre, cidade-fantasma

Algo que já disse ano passado, mas não custa nada repetir: não fosse o calor insuportável, o verão seria, disparado, a melhor época para se estar em Porto Alegre. E no feriadão de Ano Novo, então, a cidade consegue ficar ainda melhor, visto que as pessoas viajam mais do que no Natal.

Sou um cara estressado. O nível de estresse varia de pessoa a pessoa, mas obviamente o lugar onde ela vive também tem certa influência: certamente eu me estressaria menos morando no interior (embora também não quisesse me mudar para uma cidade pequena demais). E Porto Alegre é uma cidade cuja rotina é estressante: o trânsito é cada vez pior (a qualquer hora se pode ficar preso num congestionamento), ir ao supermercado no final da tarde é garantia de fila (já não gosto de supermercado, e de enfrentar fila então…), almoçar ao meio-dia também (o que me leva a antecipar meu almoço para as 11 da manhã, de modo não passar mais tempo na fila do que comendo), dentre outros fatos do dia-a-dia que cansam.

A rotina é algo que nos faz desejar muito um descanso. Porém, de nada adianta tirar férias ou viajar num feriadão, se é para se estressar também. Aí, é melhor permanecer na cidade. Ou é uma coisa muito boa ficar fora da cidade por quatro dias, mas destes, passar quase um inteiro na estrada?

Sem contar que o estresse da cidade se muda para a praia nos feriadões: é época de fila nos supermercados, nos restaurantes… Além de muito trânsito. Na última vez que passei o Carnaval no litoral, em 2009, usar o carro como forma de deslocamento exigia muita, mas muita paciência. Se a ideia era chegar rápido a algum lugar, era melhor ir a pé ou de bicicleta.

Em 2013 tirarei férias em fevereiro e escaparei do calorão. Mas, definitivamente o melhor mês para elas é março: nos permite escapar tanto do “Forno Alegre” (o terceiro mês do ano é ainda bem quente) como do caos que retorna junto com o início das aulas – aliás, é justamente o retorno às aulas na minha especialização que determina as férias em fevereiro, não em março.

O Bar do Arante

Bar do Arante, na praia de Pântano do Sul, Florianópolis

Faleceu na quarta-feira Arante José Monteiro, mais conhecido como “Seu Arante”. Para quem não conhece, é o fundador do Bar do Arante, na praia de Pântano do Sul, em Florianópolis.

Conheci o Arante em março, durante minhas férias. E as paredes explicam porque o lugar se tornou famoso na Ilha de Santa Catarina: são literalmente forradas por bilhetinhos, deixados pelas pessoas que visitam o bar como recordação. Quando voltam (duvido que alguém não queira voltar), certamente fazem questão de procurar seu bilhete anterior, antes de deixar um novo.

Porém, não foi só o interior do bar que me agradou. Como ele fica junto à praia, almocei com vista para o mar. Lembrei de amigos que na mesma hora deviam estar enfrentando filas em algum restaurante no meio dos prédios em Porto Alegre, pensei em tirar uma foto e imediatamente postar no Facebook pelo celular, mas achei melhor deixar para quando estivesse novamente em casa: como era segunda-feira, seria muita crueldade.

26 de março de 2012, uma bela segunda-feira

Pântano do Sul é um dos belos recantos do Sul da Ilha, onde o “progresso” (aquele que poluiu e nos tirou o Guaíba) ainda não chegou com tudo, como se vê mais no Norte. Um lugar tranquilo, com mar calmo e azul: morar lá seria, sem dúvida alguma, o fim do meu problema com o calor. Quem sabe um dia eu possa fazer isso…

Montevidéu, uma cidade que dá saudade

Fui (só) duas vezes a Montevidéu. A primeira foi em agosto de 1998, em viagem de intercâmbio escolar: recém o Brasil tinha perdido a Copa do Mundo para a França, e os uruguaios não esqueceram de uma “flautinha básica”, além das já tradicionais referentes à Copa de 1950.

A outra foi em fevereiro de 2006, quando era visível a preocupação dos montevideanos: havia a previsão de um ciclone, seis meses depois de uma tempestade que traumatizou o Uruguai. O vento que presenciamos não foi tão forte quanto o registrado em agosto de 2005, mas foi o suficiente para buscarmos abrigo no saguão de entrada de um prédio na Praça Independência.

Vrc0112

Sete anos e meio separaram as duas primeiras visitas a Montevidéu. Por esta lógica, eu volto lá em agosto do ano que vem. Porém, minhas próximas férias serão em fevereiro, e terei mais uns dias que tirarei em julho para dar os retoques finais em meu trabalho final da especialização. Já tinha tudo certo para ir à Argentina e ao Chile no verão, mas a viagem não sairá mais.

Ainda não redefini meu(s) destino(s) de fevereiro, mas parece que Montevidéu me chama…

Este slideshow necessita de JavaScript.

O primeiro gostinho de despedida

Estamos no último ano do Estádio Olímpico Monumental. Isso é uma obviedade desde que 2011 virou 2012, mas ainda não me tinha “caído a ficha”. Pois agora, amigos, é que isso começou a acontecer.

Lembro de, no início de 2012, ter prometido a mim mesmo que iria ao máximo possível de jogos no Olímpico, se possível a todos. Promessa que o verão de destruição em massa que tivemos este ano em Porto Alegre me fez descumprir, pelo menos até o camarada equinócio de outono. Até ali, só fora ao Gre-Nal do dia 5 de fevereiro: estava um calorão e o Inter escalara o time reserva, mas era Gre-Nal.

Por sua vez, desde que os dias voltaram a ficar mais curtos que a noite (e mais amenos), não perdi mais nenhum jogo do Grêmio em casa. Foi curioso: viajei duas vezes, e tive a sorte de nestes períodos fora de Porto Alegre o Tricolor só jogar no estádio adversário. Acreditem, na hora de marcar as viagens eu não conferi as tabelas do Gauchão e da Copa do Brasil: só dei uma olhada na da Divisão de Acesso estadual, pois queria ir (e fui) a um jogo do Vovô em Rio Grande. Entre uma viagem e outra, conferi Grêmio x Avenida, vitória fácil por 4 a 0.

Reparei que, do início do outono em diante, passei a cumprir a promessa que fiz… Porque este é o último ano que vou a jogos no Olímpico.

E agora percebo que, em menos de um ano, passar ali pela famosa “rótula do Papa” não terá mais o mesmo significado de sempre para mim. Hoje eu passo ali, olho para o lado e lá está o Olímpico Monumental: dá aquele orgulho, pois olhar para o Olímpico automaticamente faz lembrar do Grêmio, dele se impondo contra seus adversários, ganhando títulos como aquela Libertadores de 1983 e também o Brasileirão de 1996. Faz lembrar a torcida apaixonada tomando conta da região nos dias de jogos. Também me vêm automaticamente a lembrança de ter estado lá dentro mais de duzentas vezes desde 16 de setembro de 1995.

Já em abril de 2013, passar por aquele ponto me fará lembrar de tudo isso que falei no parágrafo acima. Mas não terei mais o Olímpico Monumental para olhar. Vai dar uma tristeza, um aperto no peito, mesmo com o Grêmio existindo, embora em outro endereço – que, espero, seja realmente um bom negócio para o Tricolor…