Em Porto Alegre não falta alga

Desde o final do ano passado enfrentando uma estiagem, o Rio Grande do Sul precisa de chuva – como a deste sábado – para amenizar a situação. Várias cidades racionam água devido à escassez.

Em Porto Alegre o racionamento não chega a ser necessário em épocas de estiagem, já que o Guaíba recebe água de vários rios, sendo o principal deles o Jacuí. Porém, não corresponde à verdade dizer que o abastecimento de água na cidade não é afetado. Pois a combinação de pouca chuva, calor e poluição favorece a proliferação de algas, que além de darem uma tonalidade esverdeada à água, também a deixam com gosto ruim e cheiro forte.

Apesar do tratamento remover os poluentes, o cheirinho e o gostinho “de terra” não saem, e é sentido quando se toma um chimarrão ou um café feito com água da torneira.

Tal situação acontece agora, e o Kayser a retratou de forma genial.

Eu também não gosto de sushi...

Anúncios

Um pedido que muitos devem estar fazendo

O Rio Grande do Sul precisa muito de chuva. E antes fosse só para aliviar o calor…

Não por acaso, tenho lembrado muito de um texto que escrevi em março do ano passado, em que defendi que até uma previsão do tempo pode ser ideológica. Afinal, dizer que um dia de sol é “tempo bom” significa aplicar juízo de valor, e ignorar a importância da chuva (claro que em quantidade moderada) para os agricultores.

Mas, por incrível que pareça, ainda tem apresentadores de previsão do tempo chamando dia de sol de “tempo bom”. Definitivamente, sensibilidade não é o forte deles.

Previsão de “estiagem” no Cão

Ontem à noite, no Twitter, o Idelber Avelar comentou sobre o fim do blog do Pedro Doria e perguntou “o que está acontecendo com os blogs?” – afinal, é mais um a anunciar o encerramento. No dia 6 de agosto, A Nova Corja teve seu último post. E o próprio Idelber anunciou que  seu ótimo blog O Biscoito Fino e a Massa entrou em “hibernação” por tempo indeterminado, já que nos próximos meses ele se dedicará a um trabalho acadêmico, que impossibilitará a atualização do blog e a resposta a comentários.

Aqui no Cão, os próximos meses deverão ter uma significativa redução das postagens – assim como no caso do Idelber, os motivos são acadêmicos: minha monografia de conclusão do curso de História na UFRGS. Não coloco o blog em “hibernação” por temer não cumprir a “promessa”. Ainda mais que há assuntos interessantes a serem tratados de hoje até janeiro – como os 20 anos da queda do Muro de Berlim, em novembro, fato que merece uma reflexão.

Mas a prioridade, será o meu trabalho de conclusão. Tem de ser prioridade. Até porque o ganho será não apenas meu, mas também dos próprios leitores do Cão, já que a monografia – depois de pronta, claro – certamente será tema de vários posts. É sobre futebol, mas não será simplesmente sobre o esporte, mas sim, sobre como ele pode refletir outros aspectos sociais. Ainda mais num país como o Brasil.

(A propósito, dois anos atrás cursei um seminário sobre História Social do Futebol no Brasil ministrado pelo professor Cesar Guazzelli, meu orientador no TCC. O trabalho final – que rendeu um post – tratou sobre a “trégua” na rivalidade Gre-Nal no primeiro semestre de 1967. Sinceramente, acho que consegui ser imparcial, apesar de não acreditar na existência dela.)

Talvez eu poste novamente alguns textos antigos que sejam interessantes de serem relidos – afinal, é só “copiar e colar” – para que o blog não fique muito parado, principalmente de novembro ao início de janeiro, quando finalizarei e revisarei a monografia, além de preparar a apresentação para a banca. E se for o caso de “congelar” o blog, farei “anúncio oficial”.

Não se preocupem, “vai piorar”…

Maio de 2009 foi o mês mais “improdutivo” desde o “nascimento” do Cão Uivador. Teve 19 posts, menos que maio de 2007 (que teve 21, mas com a ressalva de que o blog começou no dia 14). Novembro de 2007 teve  20 atualizações (até maio de 2009, era o mês com menos posts).

Se a estiagem no Rio Grande do Sul tinha (ou ainda tem?) como causadora o fenômeno “La Niña” – o mesmo que deixou o Norte e o Nordeste do Brasil debaixo d’água – a “seca de posts” no Cão se deve ao último ano de faculdade. À medida que dezembro se aproximar, a tendência é que o blog seja menos atualizado.

Mas esses últimos dias de maio também foram de poucas atualizações porque eu estava envolvido não só com o projeto de monografia (que será escrita no 2º semestre), mas também com um artigo para uma revista acadêmica. O prazo para o envio terminava ontem, e revisei o máximo possível. Menos mal que, mesmo que o artigo seja aprovado para publicação, provavelmente me será enviado de volta para corrigir alguns erros que devem ter passado e na hora não percebi.

Enfim: não abandonarei o blog, de jeito nenhum. Até porque ele poderá me ajudar a “arejar a cabeça” nos momentos de maior estresse ao longo dos próximos meses – e que certamente não serão poucos. Apenas diminuirá a frequência de posts.

Mas, após 11 de dezembro – último dia do 2º semestre na UFRGS, logo o último dia para a defesa do meu TCC (e que será o escolhido por mim, caso eu possa escolher…) – a chance de uma “enchente” no Cão, para compensar a “seca”, aumenta.

A volta do artilheiro com “congestão nasal” do gol

O Grêmio recontratou o centroavante Marcel. Aquele que não marcou gol contra o Botafogo (“existem coisas que só acontecem com o Botafogo, exceto levar o milésimo gol do Romário e um gol do Marcel”), que provocou uma enchente em setembro do ano passado, que fez chover com sol no Gre-Nau de outubro do ano passado…

Considerando o quadro de estiagem que boa parte do Rio Grande do Sul enfrenta, é bom que o Marcel comece logo a marcar seus gols.

(charge do Kayser)