Tchau, Mubarak!

Charge de Carlos Latuff

Posso dizer mais do que “desde que me conheço por gente o Egito era governado por Hosni Mubarak”. Seu período no poder praticamente se confundia com minha existência: Mubarak tornou-se presidente em 14 de outubro de 1981, um dia antes de eu nascer. O que mostra quanto tempo durou seu governo (e também o quanto estou ficando velho).

É de se celebrar, é claro, a queda de um ditador, fruto de uma grande mobilização popular. Que começou no fim do ano passado, pela Tunísia (derrubando Ben Ali, que estava no poder desde 1987), e agora motiva o povo em vários países árabes a lutar por democracia. Mas é também preciso ficar cauteloso, pois não sabemos se o que virá pela frente serão verdadeiras democracias, ou apenas “mais do mesmo”.

No Egito, desde a derrubada da monarquia em 1952, todos os presidentes foram militares: o líder do golpe que depôs o rei Faruk I era Gamal Abdel Nasser, que governou o país até morrer, em 1970, tornando-se um dos principais nomes do chamado “Movimento dos Não-Alinhados”; Nasser foi sucedido por Anwar Sadat, que aproximou-se de Israel e dos Estados Unidos, e foi assassinado durante uma parada militar em outubro de 1981 por militares que integravam a Jihad Islâmica, descontentes com as negociações com Israel; com a morte de Sadat, quem assumiu o poder foi o vice-presidente, Hosni Mubarak.

E quem sucedeu Mubarak? Uma junta militar…

Resta torcer para que seja cumprida a promessa de que o governo passará às mãos dos civis após as eleições presidenciais previstas para setembro. É preciso que o povo egípcio se mantenha alerta.

Anúncios

Uma boa prova da parcialidade da mídia corporativa

Na próxima quarta-feira, 2 de fevereiro, Hugo Chávez completa 12 anos na presidência da Venezuela. Os principais “opinistas” não hesitam em qualificá-lo como “personalista”, “aprendiz de ditador”, isso quando não o chamam de “ditador” mesmo.

No dia 14 de outubro, Hosni Mubarak completa 30 anos na presidência do Egito (se o povo não derrubá-lo antes, a exemplo do que aconteceu com Ben Ali na Tunísia). E só agora que percebo a palavra “ditador” acompanhando seu nome na mídia corporativa – provavelmente porque vai pegar mal para os “democratas” não o chamarem assim quando o povo sai às ruas contra seu governo.

E olha que Chávez se mantém no poder ganhando eleições reconhecidamente limpas. Já Mubarak, só foi enfrentar um opositor nas urnas em 2005 – num processo eleitoral marcado por denúncias de fraude.

A diferença entre eles, mais do que o tempo no poder (e sem falar em suas linhas políticas), é que Mubarak é aliado dos Estados Unidos, e Chávez não…

A fome no mundo em 2009

Um dos textos mais lidos do Cão Uivador é o que escrevi em 13 de setembro de 2007, comentando o “mapa da fome” feito pela FAO, que tinha dados de 1970 a 2003.

E agora descobri um mapa mais atualizado (2009) sobre este triste flagelo da humanidade, que também merece alguns comentários. Os países são divididos em cinco categorias: a primeira engloba os que têm menos de 5% da população subnutrida; a segunda, vai de 5 a 9%; a terceira, de 10 a 19%; a quarta vai de 20 a 34%, e a quinta corresponde aos países onde 35% ou mais da população sofre de subnutrição.

A situação da África, por exemplo. Mudou muito pouco desde 2003. Naquela ocasião, apenas cinco países africanos estavam na categoria 1: Líbia, Argélia, Tunísia, Egito e África do Sul (único que não se localiza na “África árabe”, setentrional). Agora, mais dois países se juntaram ao seleto grupo: Marrocos (África setentrional) e Gabão (central) – ou seja, a maioria ainda é de países do norte do continente, árabes e muçulmanos (os “malvados” segundo a visão de mundo tosca de muitos).

E por falar em muçulmanos, é digna de nota a situação do Irã, atual “perigo mundial”: segundo o mapa, a subnutrição era um problema para menos de 5% da população iraniana. Ou seja, o país está na mesma categoria que a maior parte da Europa.

Sim, “maior parte”, e não “toda” a Europa. A fome é uma realidade um pouco mais dolorosa para Eslováquia, Croácia, Bósnia-Herzegovina, Sérvia, Montenegro, Albânia, Bulgária e Moldávia. Países da Europa Oriental, poderá lembrar algum fã da “civilização” e do liberalismo, que ainda dirá que a fome “é fruto do comunismo” – mas convém lembrar que, exceto a Albânia (país mais pobre da Europa), eles não sofriam de tais problemas antes da queda dos regimes “socialistas”; e também que destes oito países, dois integram a União Europeia (Eslováquia desde 2004 e Bulgária desde 2007), que diziam ser “o paraíso”. Dentre os oito, há até mesmo integrantes da categoria 3 (10-19%), caso de Sérvia, Montenegro e Moldávia.

Já na América Latina, nada mudou muito. Cuba continua com menos de 5% de sua população subnutrida, assim como Argentina, Chile, Uruguai, Costa Rica e México (os dois últimos, novidades em relação a 2003).

O Brasil está um pouco abaixo, de 5% a 9% de subnutrição. Em 2003, o país se enquadrava entre 5 e 15% (ou seja, o critério para categorização era um pouco diferente), e provavelmente o percentual de pessoas subnutridas tenha baixado devido aos programas sociais do governo federal.