Especial para os “machões” de plantão

– Elas reclamam, mas no fundo gostam.

– Mas também, vestindo essa roupa, ela pediu.

– Fica se insinuando e depois reclama de assédio.

Quantas vezes não ouvimos pessoas – inclusive mulheres – falando tais frases? É tão frequente, que nos leva ao questionamento: será que a luta feminista é sem sentido? Que as queixas relativas a assédio sexual são apenas “da boca pra fora”? Enfim: será que realmente as mulheres gostam disso?

Pois bem: uma pesquisa mostra que 83% delas não gostam de ouvir cantadas. Ou seja, uma maioria esmagadora. E tem mais: 81% das mulheres já deixaram de fazer coisas por medo de assédio, 90% trocaram de roupa pensando no lugar que iam por temerem abordagens desrespeitosas por parte dos homens, e 73% não respondem aos assédios que ouvem na rua, principalmente por medo de serem vítimas de violência sexual.

Os homens que insistem em afirmar que “elas reclamam, mas gostam” estufam o peito para bradar seu “orgulho hétero”. Afinal, não basta “ser homem”: é preciso deixar isso bem explícito, para que ninguém pense o contrário. Demonstrações de afeto? Isso não é coisa de “macho”, pois “homem que é homem” é insensível, é “caçador”, tem de “pegar todas” e, principalmente, mostrar, pois como já foi dito, não se pode dar margem a dúvidas.

Isso não tem nada de natural. É fruto de uma cultura machista, que cria padrões a serem seguidos por homens e mulheres – e que, por ser ensinada desde a infância, no dia-a-dia, parece ser natural. Mas não é.

Nós, homens, aprendemos a tratar as mulheres não apenas como objetos, mas também como números, “estatísticas”: quanto mais “pegamos”, mais “pontos” ganhamos como “machos”. Já com elas acontece o contrário: se “pegam muitos” são taxadas de “vadias”, vão para aquela “relação” das que “não servem para casar”; se bem que isso também não faz lá muita diferença, pois por mais “donzela” que a mulher seja, basta dizer um “não” para ser igualmente chamada de “vadia”. Ou seja, sempre serão rotuladas, independentemente de suas atitudes… Desigualdade de gênero, na qual o homem leva vantagem sobre a mulher; resumindo em uma palavra só: machismo.

Como foi dito, aprendemos a ver isso com naturalidade. Aceitamos que o homem assedie mulheres na rua, pois é “macho”, e que elas “reclamam, mas gostam”. Porém, a maioria esmagadora delas não gosta. Não podia haver recado mais claro a nós, homens: fomos ensinados que somos “fodões” e podemos desrespeitar as mulheres; já passa da hora de aprendermos o contrário.

————

Atualização (10/09/2013, 19:56). Depois de reler o texto, percebi algo: da maneira que escrevi, parece que só devemos respeitar as mulheres por conta do resultado da pesquisa. Reparem só como o machismo age: afinal, não devemos respeitá-las sempre? Mesmo que a proporção fosse inversa (ou seja, que a maioria esmagadora delas não visse problema em ouvir cantadas), ainda assim deveríamos tratá-las com respeito. E falo de todas, pois mesmo dentre as que gostam de cantadas (sejam minoria ou maioria), duvido que alguma se sinta confortável diante de um tarado que lhe mostra o pênis na rua (leiam os depoimentos).

Anúncios

Faltam 178 dias para o outono

Pois é… Agora é fazer contagem regressiva para o retorno da melhor época do ano. Na qual a noite dura mais que o dia e o Sol não é meu inimigo. Pesquisas dizem que “o inverno deprime”¹ devido à falta de luz solar (ainda mais combinada com chuva), mas não lhes dou a mínima credibilidade: acho dias chuvosos um saco, mas existe o guarda-chuva para evitar que eu me molhe todo; em compensação, ainda não inventaram um “guarda-suor” para usar naqueles terríveis dias de verão em Porto Alegre – que não por acaso vira “Forno Alegre” nos meses mais quentes.

E por falar em chuva, o inverno que acabou na madrugada da sexta-feira foi uma verdadeira “prova de fogo” (ou melhor, de “água”), pois choveu uma barbaridade. Mas sigo firme, preferindo usar guarda-chuva a suar feito Ted Strike (personagem de Robert Hays que aterrissa o avião, encharcado de suor, em “Apertem os cintos, o piloto sumiu!”). E quanto ao fato de ter pego três² resfriados (sendo que o segundo deles resultou numa otite média), uma gripe e uma amigdalite no período de maio a setembro, não culpo o inverno: quem me mandou não tomar os cuidados necessários?

Exato: mudar de ideia, para mim, não é como trocar de roupa. Alguns chamarão isso de “teimosia” (pode até ser), mas prefiro ver como “opinião firme”. Que não é imune a mudanças, é claro.

Porém, morando em Porto Alegre, onde no verão faz bem mais de 30°C em conjunto com índices de umidade do ar superiores a 500%, e sem possibilidade de se refrescar no Guaíba, vejo a dicotomia inverno x verão como a rivalidade Gre-Nal: eu mudar de “opinião climática” seria como mudar de time! Ainda mais que o inverno porto-alegrense não é um transtorno: a neve é raríssima, e quando cai, é escassa; já no Canadá ou na Sibéria, o acúmulo não se mede em centímetros, e sim em metros – isso sim é um incômodo. E quanto ao sofrimento que o inverno representa para os mais pobres, não nego de forma alguma, mas acho interessante lembrar que na Escandinávia faz muito mais frio que aqui, só que lá isso não é uma tragédia social, justamente porque naqueles países a desigualdade não é absurda como no Brasil.

Mas uma coisa não muda de jeito nenhum: minha preferência pela luz solar mais fraca, que não torra minha pele (e nem adianta passar protetor, eu suo tudo!). Além do fato de adorar a noite: o nome do blog e a Lua no cabeçalho não são obras do acaso.

Então, contemos: faltam 178 dias para o outono. Tentando pensar positivo (sei que fica bem difícil quando “esquecem aberta a porta do forno”), pois a cada dia que passa o número fica menor. E logo chegaremos ao sonhado 20 de março de 2012, melhor dia do ano que vem.

————

¹ Por falar em “depressão”, o leitor reparou que a palavra rima com “verão”?

² O terceiro resfriado começou na noite da quinta-feira, a última do inverno, e agora avança primavera adentro… Culpa dela? Óbvio que não: a culpa é minha!

A origem do Dia Internacional da Mulher

Por muito tempo, ouvi a história de que o 8 de março era o Dia Internacional da Mulher devido a um acontecimento de 1857. Naquele dia, mulheres que trabalhavam numa fábrica teriam sido queimadas vivas por ordens do dono da empresa, em punição ao fato de estarem em greve. Inicialmente eu acreditava, mas depois de um certo tempo pensei que se o cara realmente fez isso, ele queimou não só sua mão-de-obra, como também as máquinas. E sabemos que, para um capitalista, nada pode ser mais importante que a produção: ele caga e anda para a mão-de-obra; agora, as máquinas…

E de fato, é possível que esta greve não tenha acontecido – ou não com um final tão trágico. De acordo com o blog Quem mandou nascer mulher?, não há registros históricos sobre tal acontecimento de 8 de março de 1857.

Já tinha lido que a escolha do 8 de março se devia a um acontecimento da Revolução Russa de 1917: sua primeira etapa, a “Revolução de Fevereiro”, começou nesse dia (23 de fevereiro pelo calendário juliano, utilizado pela Rússia naquela época), quando teve início uma greve de operárias têxteis, que saíram às ruas protestando contra a fome e a participação na Primeira Guerra Mundial (cujas trincheiras ceifavam muitas vidas). Só que, de acordo com o link que citei no parágrafo anterior, a escolha da data se deveu justamente ao fato de já ser, na época, considerada como Dia Internacional da Mulher.

Assim, a razão pela qual se considera o dia de hoje como Dia Internacional da Mulher permanece desconhecida. Agora, o que se sabe é o motivo de existir um dia dedicado às mulheres: a luta contra a exploração. Não é uma data comercial, para se dar rosas, como muitos fazem.

Seja pela tal greve de 1857 da qual falta documentação, seja pelas operárias russas de 1917, o que se percebe é que o Dia Internacional da Mulher está diretamente relacionado à luta contra o capitalismo – sistema que gera toda a exploração que elas enfrentaram, e ainda enfrentam*.

Logo, engana-se quem pensa que a luta das mulheres “é problema delas”. Nós, homens que defendemos um mundo mais justo, não podemos deixar de apoiá-las, e também devemos combater o machismo que ainda está enraizado em nossa sociedade (dentro de nós mesmos, muitas vezes). Até porque isso é prejudicial não só às mulheres, como até mesmo aos homens que não se encaixam no padrão de “masculinidade” que é socialmente imposto.

Ou seja, sem a superação do machismo, será impossível que se tenha uma sociedade mais justa.

————

* Alguém pode lembrar que nos países ditos “socialistas reais” uma mulher jamais chegou ao poder, e é verdade. Porém, é bastante questionável a ideia de que aquilo era, realmente, socialismo: afinal, o regime que pregava a igualdade apenas criava uma nova elite dirigente, a burocracia do Partido Comunista (os “mais iguais” dos quais falava George Orwell em seu excelente “A Revolução dos Bichos”). E, como qualquer elite, ela era predominantemente masculina.

A “guerra do Rio”

Nada escrevi sobre a violência no Rio de Janeiro nos últimos dias, simplesmente porque não significa nada de novo. E infelizmente, não irá acabar de uma hora para a outra – até porque também não foi “do nada” que ela surgiu, e sim da desigualdade social no Brasil, que no Rio é muito visível.

Como diz o ditado, “uma imagem vale por mil palavras”; então troco três mil palavras por três cartuns de Carlos Latuff.