A ditadura da felicidade natalina

Eu não gosto de Natal. Faz bastante tempo.

Afinal, tal data é associada ao Papai Noel e ao nascimento de Cristo – e não acredito mais em nenhum dos dois. Logo, é uma comemoração sem sentido para mim. Some-se isso ao fato do Natal marcar o início do verão – é mais fácil agüentar colorados “pifados” do que calor – e completa-se o quadro da dor.

Pior do que a existência da data, é o tal de “feliz Natal”. Em primeiro lugar: se a data não me faz sentido como comemoração, também não vejo razão em sair dizendo “feliz Natal” para todo mundo. Em segundo lugar: sei que, ao contrário da idéia de felicidade vendida pela mídia, muita gente fica realmente deprimida com o Natal – o que não é meu caso, já que tenho ânimo para escrever textos como este, detonando a comemoração fajuta.

Deve-se estar feliz com o Natal, mesmo que se deteste a data. É preciso dar “feliz Natal”, mesmo que a contragosto. Em algumas famílias – felizmente não é o caso da minha – é preciso agüentar alguns parentes chatos que só vemos nesta época.

E cada vez mais, somos “obrigados” a estarmos sempre felizes – nem que para isso seja preciso fingir. E no Natal, a tristeza é tão mais abominada que é ainda mais necessário o fingimento – daí para a depressão é um passo.