Um ano roubado

No dia 12 de março de 2020, fui à Arena do Grêmio pela última vez até agora. Era o histórico Grenal da Libertadores: tanto falaram que “o mundo acabaria” quando isso acontecesse que pelo visto virou praga…

Desde então, considero minha vida paralisada, ainda que minha quarentena tenha começado uma semana após o jogo. No sábado (14 de março) almocei com minha mãe e depois fui visitar minha avó, no domingo (15) almocei com meu pai, e trabalhei “normalmente” (entre uma atividade e outra, só se falava de vírus) até a quarta-feira (18). Tudo isso já sem abraçar ninguém. O Grenal acabou virando meu “marco” pois fui à Arena naquela escaldante quinta-feira sabendo que após o apito final ficaria um bom tempo não só sem ir ao estádio como também sem futebol e (principalmente) sem abraços, conforme as recomendações científicas.

Desde então, nunca mais subi correndo a escadaria da Arena (por mais que sempre dissesse que não o faria, acabava fazendo pois queria tomar uma última cerveja antes de entrar), parei de abraçar pessoas e de frequentar bares e restaurantes, simplesmente fiquei a maior parte do tempo em casa, esperando a pandemia passar para poder voltar a fazer essas coisas. Mas ela não acaba nunca.

Nesse ano que se passou perdi minha avó (aquela visita em 14 de março de 2020 foi a última) e no velório dela não pude receber calorosos abraços reais que certamente aconteceriam se não fosse a pandemia. Minha mãe fez uma cirurgia cardíaca e deu tudo certo, mas fiquei o tempo todo preocupado com o risco dela pegar covid-19 durante a internação no hospital – e sigo apreensivo pois na semana passada ela teve consulta de revisão e precisou esperar por mais de duas horas até ser atendida.

Por mais que a pandemia impusesse certo período de reclusão, jamais imaginei que “comemoraria” um ano disso. Em março do ano passado achava que teríamos algumas semanas de restrições para depois retomarmos nossas rotinas. Afinal de contas, era só usar a lógica: com as pessoas ficando em casa, o vírus circularia pouco e o sistema de saúde se prepararia não apenas aumentando o número de leitos (clínicos e de UTI) como também fazendo o rastreamento de contatos nos últimos 14 dias das pessoas doentes tal qual a Coreia do Sul – e o Brasil, com o SUS, tem capacidade para isso.

Mas além do SUS, o Brasil tem Jair Bolsonaro como presidente. Ele chamou a covid-19 (contra a qual não temos imunidade alguma por ser doença nova) de “gripezinha” (sendo que pegamos gripes há muitos séculos e também existe vacinação contra o vírus influenza), falou contra o distanciamento social e o uso de máscaras (maneiras mais efetivas de se evitar o contágio no primeiro momento) e também cometeu o disparate de dizer que não se vacinaria. Era a receita para o óbvio desastre que vivemos um ano após o início da pandemia: enquanto países como Israel e Reino Unido (insuspeitos de terem governos “comunistas”) já enxergam “a luz no fim do túnel” graças às vacinas, o Brasil mergulha em um abismo aparentemente sem fundo e se torna uma ameaça global.


Impossível não pensar que perdi um ano de vida – ou, mais corretamente, que ele me foi ROUBADO por Bolsonaro e sua política genocida. Um roubo pior do que se fosse de dinheiro ou outros bens materiais, pois não há a menor possibilidade de ressarcimento. No dia em que eu morrer, não terei o direito de pedir “acréscimos” para recuperar o tempo perdido como acontece numa partida de futebol.

É um crime que segue em curso, pois a lentidão na vacinação e o discurso anticientífico do presidente – que infelizmente serve de “exemplo” a muitas pessoas – fazem com que esteja muito longe o fim da pandemia no Brasil. E ainda posso dizer que “reclamo de barriga cheia”, pelo simples fato de poder reclamar. Pois (por enquanto) mais de 285 mil brasileiros perderam este direito por terem morrido da doença. São vidas e amores roubados por Jair Bolsonaro.

Parece que é pior ser ladrão do que genocida no Brasil. Como prova a eleição de Bolsonaro em 2018: se IMPLOREI para que não votassem nele, é por que seu histórico como deputado já “dava a dica” do que seria sua presidência; mas ainda assim diziam que “podem chamar ele de tudo, menos de ladrão” e com isso estava “justificado” elegê-lo contra a “roubalheira do PT”. (Engraçado que boa parte de quem falou essa baboseira repetia feito DISCO ARRANHADO que “político é tudo ladrão” e votou em alguém que estava no Congresso desde 1991.)

Mas a verdade é que Bolsonaro é, sim, ladrão. Nem falo das controvérsias (para não usar outro termo) de seu filho. Tampouco de outras coisas mal explicadas, como a multiplicação de seu patrimônio desde que entrou na política (1988, quando foi eleito vereador no Rio de Janeiro). Bolsonaro é um ladrão de tempo e vidas. Ele rouba o que é irrecuperável.

Bolsonaro promove o maior roubo da história do Brasil. Meu maior desejo é que um dia ele seja condenado por isso – ainda que seja impossível devolver o tempo e as vidas surrupiadas.

Já que não o chamam de genocida, então podem chamá-lo de ladrão, pois ele o é. O pior de todos os ladrões.

A ciência nos salva

Demorou, mas temos uma vacina. Ou melhor, duas, pois além do Instituto Butantan ter pedido o registro da Coronavac para uso emergencial, a Fiocruz também solicitou o mesmo para a que ela produzirá em parceria com a AstraZeneca e a Universidade de Oxford.

Foi muito tempo com domínio absoluto de notícias ruins, tristes. E no mesmo 7 de janeiro em que o Butantan divulgou a eficácia da vacina que produzirá em parceria com a Sinovac, o Brasil atingiu a catastrófica marca de 200 mil mortos pela covid-19: é o mesmo número de presentes ao Maracanã na final da Copa de 1950 que, definitivamente, está bem longe de ser a maior tragédia da história brasileira.

Mas, por outro lado, finalmente vemos uma luz no fim do túnel. Ainda vai demorar para todo mundo ser vacinado, mas começando pelos grupos de risco, com o passar do tempo veremos a redução da lotação nas UTIs, profissionais de saúde estarão imunizados e, principalmente, terão um alívio depois de um ano de trabalho incessante e mesmo massacrante. E o melhor de tudo, é que ainda em 2021 vamos parar de ver tantas notícias falando em muitas centenas de mortes diárias por essa doença maldita que já enlutou milhares de famílias.

Viva a ciência! É ela, e não o charlatanismo, que vai nos livrar dessa desgraça.

Cansaço

Ontem estava pensando que ainda não tinha me batido aquela tradicional melancolia de final de ano – que sinto independentemente de ter gostado ou não do que passou – e que provavelmente isso se deveria ao fato de que 2020 acabou, na prática, em março.

Então, eis que ela veio com força hoje. Melancolia, cansaço, esgotamento mesmo.

Para o fim oficial de 2020 falta pouco, só dez dias. Não que as coisas mudem magicamente com a virada do ano, já que faz tempo que não tenho essa fé cega. Essa época serve tão somente para se fazer um balanço do que passou – no caso atual, por demais negativo.

Mas não tenho a menor ideia de quando poderei voltar a viver de verdade novamente. Não sei quando tomarei a vacina – aliás, o Brasil atual faz com que me questione inclusive SE conseguirei ser vacinado. Tenho saudade imensa de poder abraçar pessoas: um gesto tão simples e corriqueiro que nos foi tirado por essa pandemia maldita.

É uma angústia enorme. Muitas vezes, chega a ser algo desesperador.

Apesar de ser verão, queria poder hibernar e acordar quando essa desgraça tivesse acabado, tendo a sensação de que tudo isso não passou de um grande pesadelo.

Não tenho empatia com o vírus

O final deste ano interminável se aproxima, e previsivelmente começam a surgir os “textões” falando em “superação”, “resiliência”, e de como “ficamos mais fortes” e “aumentamos nosso autoconhecimento” em meio à tragédia que é a pandemia de covid-19. Que é só olhar o “copo meio cheio” ao invés de “meio vazio”.

Cada vez que leio algo nesse sentido meu sangue FERVE a ponto de quase passar ao ESTADO GASOSO.

Não é que seja proibido ter passado por momentos felizes em 2020 – comigo mesmo aconteceu, principalmente no começo – e até mesmo ter gostado desse ano. Tenho amigas que viraram mães (uma delas quando “coronavírus” parecia algo muito distante, lá em janeiro). Eu não pretendo ter filhos, mas para quem quer, obviamente se trata de um momento muito bacana e que torna o ano em que o fato aconteceu especial. Apesar da pandemia.

O que não dá é para alguém, com base em sua experiência individual, “cagar regra” sobre como todo mundo deve encarar um contexto geral que é por demais pesado.

Não há “lado positivo” em uma pandemia até agora que matou mais de 1,6 milhão de pessoas, sendo quase 184 mil só no Brasil – e infelizmente ainda vai morrer muita gente. Embora o desenvolvimento de vacinas em menos de um ano seja realmente algo fantástico, isso só aconteceu porque não havia escolha: ou cientistas de todo o mundo colocavam todos os seus esforços em tal propósito, ou sabe-se lá o horror que nos aguardaria logo ali em frente. (E nem com as vacinas estaremos livres de uma crise econômica e humanitária que não se vê há muitas décadas.)

Não tem problema algum achar que este foi o pior ano da sua vida (como é o meu caso), isso não faz ninguém ser “mais fraco”. Assim como também dá para dizer que, apesar dos pesares, 2020 valeu a pena (caso das já citadas amigas que viraram mães). Mas não é admissível considerar um balanço positivo ou negativo como única e exclusivamente dependente de sermos “good vibes” ou “bad vibes”: isso não nos torna “mais fortes”, e sim mais DESUMANOS.

Salvo poucos casos da espécie humana, quem tem muito a celebrar o ano de 2020 é o SARS-Cov-2, e eu não tenho a menor pretensão de “ver as coisas com o ponto de vista dele”. Não sinto empatia alguma pelo vírus. Favor não insistir.

E eu preferiria um milhão de vezes não “ficar mais forte”. Trocaria sem pestanejar o “autoconhecimento” por todos os abraços que não dou desde março.

O último mês do pior ano

Minha vida parou na metade de março, quando entrei em quarentena por conta da pandemia. Mesmo que já não possa dizer que a cumpro (afinal, voltei ao trabalho presencial no início de setembro, ainda que em regime de revezamento), continuo tendo a mesma sensação. O que se passou desde então para mim não é vida, é existência.

Viver para mim é poder abraçar as pessoas sem medo de contaminar ou ser contaminado. É ir pro bar tomar uma cerveja gelada num dia de calor, ou beber um vinho tinto em boa companhia no frio. É poder ir ao jogo do Grêmio, viajar, ou simplesmente dar uma volta pelo bairro sem medo e sem máscara.

Neste 2020 que já apresenta suas árvores de Natal, não tive Páscoa nem pude abraçar minha mãe, meu pai e meu irmão nas datas comemorativas (Dia das Mães, Dia dos Pais e aniversários). Não pude me despedir como gostaria de minha avó – cujo falecimento completa seis meses no próximo sábado – e também não pude ser abraçado nem dar um longo abraço no meu irmão que, assim como eu, sentiu muito a perda dela. Aliás, nem pude ter um luto normal: antes dessa merda de pandemia eu costumava fazer visitas semanais à vó, e depois do dia 14 de março só pude vê-la novamente quase três meses depois, no velório.

Falta pouco para o fim de 2020. Um ano que parece interminável. Ou um março que não tem fim.

Espero chegar bem ao 31 de dezembro, para poder escrever meu tradicional texto de final de ano que provavelmente será bem mais curto que todos os anteriores do mesmo tipo. Afinal, 2020 não merece lá tanta deferência.

E por fim, gostaria de lembrar que embora este texto saia com a data “2 de dezembro de 2020” pelo WordPress, na verdade o dia é 277 de março.

Uma metáfora do meu 2020

Em meados de dezembro do ano passado, eu estava na dúvida sobre “adiantar” o meu 13º salário (o “adiantamento” significaria recebê-lo em dia via empréstimo; coisas de servidor público que nos últimos cinco anos raramente teve os vencimentos pagos em dia) ou deixar para receber parcelado ao longo de 2020.

Nos dois anos anteriores eu optara pelo “adiantamento”, e pensava em desta vez fazer diferente, para pelo menos sempre receber alguma coisa no último dia útil de cada mês. O efeito seria apenas “psicológico”, é óbvio.

Eis que recebi um boleto do Grêmio. Me era dada a opção de adiantar o pagamento de todas as mensalidades de 2020, com desconto e antes do reajuste previsto para a virada do ano. Algo tentador, até para eu não surtar por “estar gastando demais” a cada mês: o Grêmio já estaria pago, e com desconto!

Então decidi “adiantar” o “décimo” e usar parte do dinheiro para pagar o boleto do ano inteiro de 2020; o resto foi para a poupança. Não só eu, meu amigo Alexandre fez o mesmo. De janeiro a dezembro nossa presença na Arena já estaria garantida.

Porém, veio a pandemia de covid-19. Por conta dela, o último jogo de futebol com público em toda a América do Sul foi o Gre-Nal 424, primeiro da história válido pela Copa Libertadores, em 12 de março. Uma partida que por si só mereceria ganhar um documentário sobre ela – como de fato ganhou.

Fui um dos mais de 50 mil torcedores na Arena naquela noite. Já sabendo que depois levaria um bom tempo até poder voltar a presenciar uma partida, visto que a Conmebol havia suspendido a Libertadores a partir da semana seguinte. Só não imaginava que chegaria ao ponto de dizer “hoje faz seis meses que não vou à Arena”.

E não tenho a menor ideia de quando será possível ir a um estádio novamente – mas a certeza é de que isso não acontecerá em 2020. Sendo que paguei o ano inteiro…

O que de certa forma simboliza bem o que significa 2020 para mim: apesar de recém ser setembro, já digo com segurança que se trata do mais frustrante e sem dúvida alguma o pior ano da minha vida.

Sim, o fato de ter perdido a minha avó Luciana tem um grande peso nisso. Mas poderia ter sido uma exceção, assim como o falecimento do meu avô Pedro Laio em 1996, que apesar disso foi um ano muito bacana e do qual lembro com bastante carinho quase um quarto de século depois.

O mundo já vinha de mal a pior, mas no campo pessoal eu tinha boas expectativas para 2020. Dentre as principais, estava a de viajar ao exterior nas férias que estavam marcadas para o período entre o final de maio e o início de junho: no fim elas serviram para eu mandar trocar a tela do meu computador para facilitar minha vida em tempos de teletrabalho, e no último dia (5 de junho) a vó se foi.

Não falta tanto tempo assim para ser dezembro novamente. Chegará à minha caixa de correspondência um boleto do Grêmio com o valor do ano inteiro de 2021, com desconto. Tenho três meses para decidir se adianto ou não.

O top 10 de 2020

Não, o fato de estarmos ainda em agosto não faz ser “muito cedo” para escrever uma lista assim. Duvido que se deixasse para dezembro ela seria muito diferente. Afinal, 2020 já está garantido no futuro como um ano do qual qualquer sentimento de saudades deveria ser classificado como doença mental.

Neste infame ano, várias expressões “forçaram a porta” e entraram no nosso cotidiano. Todas elas, não vejo a hora que voltem para o lugar de onde jamais deveriam ter saído.

É um top 10 ranqueado pela RAIVA que sinto por cada uma delas. A ordem da publicação é “decrescente”, com uma breve explicação abaixo de cada item. Vamos a eles.

10. Lockdown

Entrou na lista só para “completá-la”. E também para lembrar da raiva que sinto de “líderes” fracos, acovardados, que poderiam ter impedido que vivêssemos uma calamidade – e também que eu escrevesse esta lista, visto que não sentiria 1% da raiva que sinto hoje, na situação pela qual passamos;

9. Fique em casa

Sempre gostei muito de ficar em casa, e inclusive considero que a felicidade só é possível quando nos sentimos bem onde moramos. Mas, desde que isso seja por vontade própria. Ter de ficar em casa – ainda mais quando 95% das pessoas que também precisariam e poderiam não ficam – é uma merda;

8. Cloroquina

Nem era para estar na lista. Trata-se de um medicamento muito útil para quem sofre de doenças como malária e lúpus. O problema é que nosso “presidente” tratou a cloroquina como se fosse um “santo graal” contra a covid-19, e até mostrou uma caixa de remédio para uma ema. Ele jura que se curou graças à cloroquina, mas ainda não vi um vídeo que mostrasse ele abrindo uma caixa e tomando um comprimido tirado de dentro dela;

7. Novo normal

Que a dita “normalidade” mudou muito ao longo da história, não é (ironicamente) uma novidade. Inclusive uma doença, a AIDS, mudou a forma como transamos, nos estimulando a usar preservativo. Mas eu não aguento mais ler e/ou ouvir esta expressão. Pois se o “novo normal” for trabalhar em casa e usar máscara sempre (imagina no verão), prefiro mil vezes o “velho” (mesmo não podendo voltar a ele);

6. Home office

É verdade que já se falava nele antes disso tudo. Mas mesmo antes eu já tinha “os dois pés atrás”. Querem que a pessoa trabalhe de casa, mas sem fornecer equipamento e também a estrutura necessária? Não se surpreendam se as ofertas de emprego num futuro não tão distantes anunciarem como pré-requisitos não só a formação e (em muitos casos) a experiência prévia, como também computador com determinadas aplicações e configurações. O “home office” pode parecer bacana, e dependendo da pessoa até pode ser (não precisar passar horas no trânsito é um ganho em qualidade de vida), mas algum empregador está disposto a dar um auxílio para que seu funcionário tenha uma estrutura melhor em casa, de modo a não precisar trabalhar na mesma sala (e na mesma mesa) onde faz as refeições pelo simples fato de não ter outro local? Me parece óbvio que não;

5. Pandemia

Não é a primeira que a humanidade atravessa, e certamente não é a última. Eu mesmo já passei por outra, a da gripe A em 2009-2010. Só que naquela época ela não era o assunto dominante. Houve algumas alterações de rotina – o início do 2º semestre de 2009 na UFRGS foi adiado em duas semanas para conter a disseminação do vírus, por exemplo. Mas nada parecido com agora, visto que para gripe já existia vacina, bastava adaptá-la à nova cepa do H1N1. Teve até Copa do Mundo: o fim da pandemia foi declarado pela OMS um mês após o apito final do Mundial de 2010 na África do Sul;

4. Coronavírus

Outros coronavírus já causaram surtos no passado, sendo o mais famoso deles o da SARS em 2002-2003. Há vírus da mesma família que causam resfriados, e considerando a quantidade de vezes que me resfriei (só em 2019 foram três), é bem possível que eu já tenha estado em contato com algum deles. Mas seria bem melhor se essa expressão seguisse apenas no cotidiano de virologistas;

3. Covid-19

A doença causada pelo coronavírus descoberto no final de 2019, responsável pela desgraça atual. Maldita para sempre;

2. Quarentena

A própria palavra indica que ela se origina de “quarenta”; no caso, seria o tempo de isolamento de uma pessoa para se curar de uma doença e não transmiti-la. Pode ser até menos, como na própria covid-19: cerca de 15 dias após chegar de uma área onde há grande incidência é suficiente. Mas aqui no Brasil, onde muitas vezes se tem a impressão de que tudo é feito errado desde 1500, já são bem mais de 40 dias. Já deixou de ser “quarentena”, é mais que isso. Passou de “cinquentena”, “sessentena”, “setentena”… 160 dias: “cento-e-sessentena” ou, considerando que é o quádruplo de 40, “quaquarentena”;

1. Isolamento social

A grande campeã, sem dúvida alguma. Uma das grandes desgraças de 2020, provavelmente uma das piores épocas de toda pessoa viva neste momento. O ser humano é um animal social, e por conta de um inimigo invisível está precisando se furtar a uma de suas principais características. Sejamos introvertidos ou extrovertidos, todos nós precisamos de contato social: com nossos familiares, amigos, colegas de trabalho etc. Algumas pessoas necessitam mais, outras menos, mas abdicar totalmente disso, só quem deseja se tornar um ermitão. O que não é o meu caso e o da maioria esmagadora da humanidade, que por conta disso reservará a 2020 um lugar cativo na lista dos piores anos já vividos.

Não era nem o meio do caminho

Hoje, 23 de agosto, o Brasil alcança a absurda marca de cem dias sem um titular no Ministério da Saúde, em meio à maior pandemia dos últimos cem anos.

Para se ter uma ideia da quantidade de tempo que passou – e do quão nos acostumamos com isso – basta olhar para trás. Cem dias antes daquele 15 de maio no qual Nelson Teich pediu exoneração do cargo, o calendário marcava 5 de fevereiro, quando a covid-19 ainda nem tinha recebido sua denominação – que seria dada pela OMS seis dias depois.

Em 15 de maio a minha avó ainda estava viva… Faltavam três semanas para o falecimento dela. Aí resolvi fazer a conta: hoje faz 79 dias que ela se foi.

E naquele triste 5 de junho fazia 79 dias desde que eu trabalhara “normalmente” pela última vez, em 18 de março.

Mas aquela sexta-feira não era “o meio do caminho” entre o início e o fim da “quarentena”. Primeiro pois acabei precisando sair mais de uma vez – e não só para o funeral da vó Luciana. Mas principalmente pois, mesmo considerando minhas saídas como exceções, esse inferno de pandemia e isolamento social ainda parece muito longe do fim.

Já faz tempo que me conformei com a ausência de abraços no meu aniversário – que já não está tão longe como em março. Agora já me preparo para a mesma coisa nas festas de final de ano.

E também para passar muito calor no próximo verão, pois certamente ainda será necessário usar máscara. Aliás, o tempo que falta para acabar 2020 é menor do que o passado desde o início dessa desgraça toda.

Como não temer pelo pior?

Em tempos de pandemia de covid-19, impossível não sentir em nenhum momento o temor de contrair a doença e vir a morrer dela – sem ar e sozinho numa UTI. Como diz o ditado, “quem não está com medo não está entendendo nada”.

Obviamente estou tomando todos os cuidados, talvez até exagerando. Passo a maior parte do tempo em casa há 76 dias. Nas raras vezes que saio, não uso elevador, mantenho distância das pessoas e ao chegar de volta, tiro a roupa e vou tomar banho; trato as compras como se estivessem contaminadas e higienizo tudo o que for perecível ou para consumo imediato, o resto fica “de quarentena” por pelo menos quatro dias. Modéstia à parte, se todo mundo fizesse igual a mim, essa pandemia estaria com os dias contados.

Mas não é o que acontece, e sei que é impossível, pois nesse aspecto sou muito privilegiado (e faço uso de tal condição pelo bem da coletividade, ao contrário do bando de idiotas que se aglomera na Orla do Guaíba para “tomar sol” e, pasmem, fazer roda de chimarrão). Em primeiro lugar, não preciso sair para trabalhar – até quando, não sei – enquanto muitas pessoas não têm essa opção, seja por prestarem serviços essenciais – com destaque para profissionais da saúde e auxiliares – ou simplesmente porque seus auxílios emergenciais ficam eternamente “em análise” e assim precisam sair para tentar ganhar na informalidade algum dinheiro para comprar comida. Em segundo, moro sozinho: ficar tanto tempo sem conversas presenciais com pessoas é ruim, mas por outro lado sinto a segurança de que em casa não irei contrair nem transmitir covid-19 a mais ninguém; em compensação, grande parte da população brasileira vive junto com muitas pessoas em espaços pequenos, o que impossibilita qualquer tipo de isolamento caso alguém pegue a moléstia.

E, ainda assim, meus privilégios não querem dizer que estou livre do risco de ficar doente. Pois com um vírus assim, qualquer deslize pode resultar em contaminação. E não levo fé nessa história de “grupo de risco” (ainda mais com uma doença que surgiu há seis meses): muita gente sem doenças pré-existentes pegou covid-19 e perdeu a vida. Não é uma “gripezinha” nem poupa quem tiver “histórico de atleta”, como disse certa pessoa.

Impossível não temer pelo pior em nenhum momento. Não vejo a hora que isso passe, mas do jeito que fazemos as coisas aqui no Brasil ainda vai demorar muito – e para milhares de pessoas jamais passará, infelizmente.

13 anos de Cão Uivador

miau

Já são dois meses sem abraços, sem futebol…

A última atualização do Cão Uivador tinha sido em 29 de fevereiro. Faz pouco mais de dois meses, mas parece ter passado muito mais tempo desde então. Afinal, na ocasião ainda havia futebol (tanto que fui a um jogo do Grêmio na Arena), visitei minha avó na tarde daquele sábado… Covid-19 era algo distante para mim: apenas dois casos confirmados no Brasil, ambos em São Paulo.

O mês de março, iniciado no dia seguinte, mudou tudo. No começo as coisas pareciam “normais”, com comemoração dos 98 anos da minha avó e expectativa para o histórico Gre-Nal da Libertadores que seria disputado na Arena do Grêmio. A situação na Itália já era calamitosa, mas nossa realidade aqui no sul do Brasil ainda não era alterada.

Quando a mudança veio, ela foi abrupta. No dia 10 de março tivemos a confirmação do primeiro caso no Rio Grande do Sul. Dois dias depois, o Gre-Nal da Libertadores foi também a última partida pela competição antes dela ser paralisada até sabe-se lá quando (acho inclusive que acabou ali), sendo também provavelmente o último jogo com público (53 mil pessoas) em toda a América do Sul desde então.

No final de semana de 14 e 15 de março fiz minhas últimas visitas a familiares, já sem abraços e beijos e também com a perspectiva de que em breve teria de passar um bom tempo longe de avó, irmão, mãe e pai. Continuei trabalhando normalmente até o dia 18, mas já num clima de tensão: além de assuntos relativos ao serviço, só se falava sobre o coronavírus.

A partir de 19 de março, portanto, entrei em uma nova rotina, passando a maior parte do tempo em casa, de onde desenvolvo atividades relacionadas ao trabalho. Não é exagero falar em “nova rotina”: os horários que eu cumpria e aos quais estava acostumado foram “pro brejo” (tanto que comecei este texto durante a madrugada, em hora na qual já deveria estar no terceiro sono em “tempos normais”). Uma sucessão de dias muito parecidos um com o outro: acordando tarde e no máximo indo até o mercadinho da esquina comprar alguma coisa que eu precise.

Não à toa, desde então tenho a impressão de que o tempo “voa”: ainda que março tenha parecido durar anos – por conta da enorme diferença entre os dias 1º e 31 – me espanta perceber que o “Gre-Nal do fim do mundo” (apelido que já é dado ao último jogo antes de tudo parar) tenha ocorrido há mais de dois meses. Praticamente não senti abril passar, e já se foi quase metade de maio. Em um “piscar de olhos” provavelmente já estaremos no segundo semestre de 2020, mas o que eu mais gostaria de saber é quantas “piscadelas” serão necessárias para que a pandemia passe e eu possa voltar a visitar e – principalmente – abraçar pessoas sem que isso signifique um risco à saúde, tanto minha quanto delas.

E os 13 anos do Cão Uivador? Sim, o título é esse pois hoje é 14 de maio, aniversário do blog, que criei nesta data em 2007. Mas no atual contexto não vejo nada a ser comemorado. A efeméride foi apenas motivação para tirar a poeira após mais de dois meses sem escrever: ao contrário do que defendem “coaches” e pessoas “good vibes”, durante a quarentena não tenho a menor pretensão de ser “produtivo” em algo que não paga o meu salário e seguirei escrevendo apenas quando estiver com vontade. Danem-se esses malditos discursos de “crescimento pessoal”: é uma porra de uma pandemia que já matou milhares de pessoas – e que infelizmente ainda vai levar muito mais gente a óbito. Não quero “crescer”, minhas únicas vontades são que essa merda passe logo, e bem longe de mim e das pessoas que amo.


Quanto à postura do (por assim dizer) governo federal: não foi por falta de aviso, ?