Eu já sabia

Desde o momento em que aquela bola cabeceada por Barcos resultou no segundo gol do Palmeiras no Olímpico, semana passada, eu tinha quase certeza da eliminação do Grêmio. Embora obviamente desejasse muito estar errado.

Mas, infelizmente, acertei: o Grêmio já estava fora da Copa do Brasil. E pensando pequeno, fica difícil ganhar alguma coisa.

Basta ouvir uma entrevista do presidente Paulo Odone para entender o que eu quis dizer. Para terem uma ideia, quando questionado sobre o jejum de títulos, Odone disse que o clube não passou vergonha nos últimos 11 anos.

Ou seja, a torcida gremista pode esquecer 2003 e 2004, não precisa se preocupar em não repetir aquilo. Pois é apenas uma ilusão, jamais existiu…

————

Antes que alguém venha me atacar lembrando que o presidente do Grêmio naqueles dois anos era Flávio Obino: não esqueçamos que ele foi aclamado pelo Conselho Deliberativo. E o único voto contrário não foi de Odone, e sim, de Hélio Dourado – que um ano e meio depois de se opor à aclamação de Obino foi o único que teve coragem de assumir o comando do futebol quando tudo indicava o desastre que viria no final de 2004.

Anúncios

Todos os caminhos levam ao Olímpico

No texto de ontem, um leitor comentou dizendo que sofro de “nostalgismo agudo” por não concordar com o fim do Olímpico Monumental. Respondi a ele dizendo que talvez seja verdade, mas que isso é melhor do que ser acometido de “progressismo acrítico agudo”.

Mas, agora vale a pergunta: como não sentir uma certa nostalgia quando algumas horas nos separam do início de um “mata-mata” entre Grêmio e Palmeiras?

Um confronto eliminatório entre os dois clubes é coisa que não acontece desde 1996, quando o Grêmio passou pelo Palmeiras nas quartas-de-final do Campeonato Brasileiro que viria a ser conquistado pelo Tricolor. Mais do que jogos, eram duelos entre os dois times que dominavam o futebol brasileiro na época – apesar de, ironicamente, jamais terem se enfrentado numa decisão de título.

E o mais irônico ainda é perceber que 16 anos depois, os técnicos são os mesmos, apenas em casamatas diferentes. Em 1996, quem ousasse dizer que um dia Wanderley Luxemburgo treinaria o Grêmio, seria tachado de “louco”, no mínimo; provavelmente o mesmo aconteceria em relação ao nome de Luiz Felipe Scolari no Palmeiras. Porém, logo em seguida (1997) os palmeirenses aprenderiam a aplaudir Felipão, assim como os gremistas agora aplaudem Luxemburgo.

De 1996 para cá, Grêmio e Palmeiras ainda conquistaram títulos de expressão (só que pararam já faz mais de uma década). O Tricolor levou as Copas do Brasil de 1997 e 2001 (a primeira com Evaristo de Macedo e a segunda com Tite). Já o Porco ganhou a Copa do Brasil de 1998 e a Libertadores de 1999; ambos os títulos foram com Felipão.

Mas este confronto pela semifinal da Copa do Brasil não deixa de dar aquela nostálgica impressão de que “os bons tempos estão de volta”. Mesmo que só restem daquela época os treinadores que se defrontam. Nem o Estádio Palestra Itália, palco de inesquecíveis partidas entre Palmeiras e Grêmio, existe mais: em seu lugar está sendo erguida uma “arena multiuso”; mesmo modelo de estádio que o Tricolor ergue no Humaitá, longe do Olímpico Monumental.

E atentem para um fato: a não ser que Grêmio e Palmeiras se reencontrem na Copa Sul-Americana, a partida desta quarta-feira será a última entre os dois clubes no Olímpico, visto que no Campeonato Brasileiro o Tricolor e o Porco já se enfrentaram em Porto Alegre.

Ou seja, motivos não faltam para os gremistas se dirigirem ao estádio. Na noite deste 13 de junho de 2012, todos os caminhos levam ao Olímpico.

Feliz década de 1990

Como de costume, fui caminhando ao Olímpico. E comecei a pensar no que viria com a confirmação da classificação contra o Bahia: um confronto com o Palmeiras na semifinal da Copa do Brasil.

Grêmio x Palmeiras num “mata-mata”: coisa que não acontecia desde 1996. Impossível não pensar que “os bons tempos estão de volta”, tanto sendo gremista ou palmeirense. Curiosamente, com os técnicos “invertidos”: agora Luxemburgo é tricolor, Felipão é alviverde.

Em comum entre os dois grandes rivais da década de 1990, uma grande “seca” de títulos. Excetuando-se estaduais e Série B, Grêmio e Palmeiras não ganham nada de importante há mais de 10 anos: a última conquista gremista foi a Copa do Brasil de 2001; já a última taça do Palmeiras foi a Libertadores de 1999 – ou, para quem preferir, a Copa dos Campeões de 2000, que não levo muito em conta porque já foi extinta há anos.

Só uma pena que este reencontro aconteça já na semifinal, e não na decisão – ainda mais que Grêmio e Palmeiras jamais fizeram uma final entre si. Mas ao menos a minha torcida deu certo.

Um Grêmio mais caro

O Grêmio tem contratado bastante recentemente. Se será vencedor neste ano que começa, ainda acho cedo para prever: em janeiro de 2000, a torcida estava empolgada com os nomes que chegavam ao Olímpico (Paulo Nunes, Zinho, Astrada etc.), mas ao final daquele ano nenhuma taça entrou na sala de troféus do estádio. Obviamente minha torcida é para que em 2012 não se repita nem 2000, nem os últimos 10 anos.

De qualquer jeito, já senti diretamente no meu bolso um impacto das contratações: o aumento da mensalidade. Como pago tanto a minha como a da minha mãe (nada mais justo, já que comecei a ser sócio há mais de 10 anos porque ela pagava), hoje se foram 172 reais de minha conta bancária: 86 para cada boleto. Em 2011, a mensalidade era de 69 reais.

Não estranho: o dinheiro para pagar os salários do clube sai de algum lugar. De investidores, patrocinadores e… Dos sócios. Normal.

Mas, depois de um aumento de quase 25% na mensalidade, não peço mais ao Grêmio que ganhe títulos de verdade: passo a exigir. Quero, no mínimo, a Copa do Brasil.

Até porque será preciso taças para que esse time se pague…

Grêmio praticamente fora da Libertadores 2012. Que bom!

Foi constrangedora a atuação do Grêmio ontem. Levou só 3 a 1 do Figueirense em pleno Olímpico, e com isso, é muito improvável que consiga disputar a Libertadores de 2012.

Sabem de uma coisa? Isso é ótimo!

Obviamente não estou contente com a derrota, ainda mais do jeito que ela veio: beirando a humilhação. Mas de tudo se pode tirar uma lição, o que é algo positivo. E neste caso, ela é a de que é insanidade acreditar em vaga na Libertadores do próximo ano. Ficou claro que o objetivo do Grêmio no Campeonato Brasileiro está praticamente garantido: a permanência na Série A. (Até porque ir à Sul-Americana é fácil demais, é quase a mesma coisa que escapar do rebaixamento, dado o exagerado número de vagas para o Brasil.)

Eu quero que o Grêmio dispute a Libertadores para ganhá-la, e não apenas para fazer figuração – opinião que compartilho com o Igor Natusch. E para isso é preciso planejamento a médio e longo prazo, o que tem sido raridade nos últimos tempos em se tratando do Tricolor.

Na atual situação financeira do Grêmio, o melhor é começar “comendo pelas beiradas”, como somos sempre ensinados quando crianças. É fato que o clube precisa voltar a ganhar um título além de Gauchão e Série B, e quebrar a escrita de 10 anos sem conquistas de verdade, mas querer logo a Libertadores é sonhar alto demais neste momento.

Por que não se dedicar a ganhar a Copa do Brasil (que foi justamente a última conquista de verdade do Grêmio)? Ela não demanda um plantel tão caro quanto um Campeonato Brasileiro, é um bom atalho para a Libertadores (sempre ela…) e, melhor ainda, termina no meio do ano. Sobra assim bastante tempo para buscar jogadores bons e baratos e, desta forma, montar um time em condições de conquistar La Copa sem precisar de muitos recursos financeiros.

Mas, é óbvio não irei torcer contra o Grêmio, mesmo que ele corra o risco de se classificar para a Libertadores do ano que vem e, assim, de não poder disputar a Copa do Brasil. Quero que ganhe os próximos jogos, para assim garantir matematicamente a fuga do rebaixamento – e provavelmente uma vaga na Copa Sul-Americana – e, principalmente, que anule Ronaldinho na partida do próximo dia 30 contra o Flamengo (se é que o ex-gremista terá coragem de vir ao Olímpico).

Mas assim que realmente não houver mais nenhum risco, que se ponha a gurizada a jogar e já se comece a buscar jogadores (e também um treinador, já que Celso Roth tem, sim, prazo de validade) para 2012, de modo a que o último ano do Olímpico Monumental não seja tão melancólico quanto o penúltimo.