A guerra civil facebookeana

Gremistas x colorados. Petistas x anti-petistas. Adoradores do frio x adoradores do calor. Sedentários x atletas. Contestadores x conformados. Há mais vários “conflitos”, e um nessa época em especial: anti-Natal x fãs do Natal.

Durante os protestos de junho, alguns manifestantes levaram cartazes dizendo: “saímos do Facebook”. E, pelo que se via, parecia que realmente as redes sociais tinham ido às ruas. Mas não por inteiro.

No dia em que todos os brasileiros do Facebook resolverem ir às ruas, das duas, uma: ou teremos uma guerra civil extremamente sangrenta (e poucos restarão para contar a história); ou talvez ela não aconteça pelo simples fato de que, com tantos rótulos, ninguém saberá por que e contra quem lutar.

Politicamente reaças

Anteontem, escrevi sobre o tal de humor “politicamente incorreto” que está na moda. Na verdade, este tipo de “humor” nada mais é do que disfarce para os velhos preconceitos ainda muito em voga no país. Ou seja, é o reacionarismo que, “envergonhado”, se finge de “politicamente incorreto”.

Pois o Milton Ribeiro escreveu um excelente texto sobre algo que considera problemático: diante do crescimento do humor preconceituoso, muita gente quer contra-atacar… Defendendo o “politicamente correto”!

O problema é que “politicamente correto” não combina com humor (e falo daquele que faz rir e também pensar criticamente, não de babaquices). É só reparar nos trabalhos de humoristas como os que citei ontem, e também o pessoal do impagável Monty Python. De “politicamente correto”, eles não têm nada.

A expressão “politicamente correto” não me lembra em uma pessoa consciente, crítica. Pelo contrário: o que me vem à cabeça é o “cidadão de bem”, que segue todas as regras sem sequer pensar na maneira como age. Ou seja, é tão reacionário quanto o tal de “politicamente incorreto” – a diferença é que o “correto” é mais contido e não fala tanta merda nas redes sociais.

A verdade é que “politicamente incorreto” sempre foi sinônimo de contestação à ordem – preferencialmente, de forma bem-humorada. Como a sátira de um governante, de uma sociedade (como se vê em Os Simpsons) pode ser algo “politicamente correto”?

Voltamos, assim, ao começo do texto: o que aconteceu é que os direitosos começaram a utilizar a expressão “politicamente incorreto” para descreverem a si mesmos; assim, posam de “contestadores” e esperam enganar os bobos. Ou seja, não são politicamente incorretos, são é politicamente reaças.

Fora da rota prevista

Ainda bem que tenho o hábito de ler posts “antigos” nos blogs que costumo visitar… Ao contrário dos ignorantes por querer, dos quais a Têmis Nicolaidis fala em um ótimo texto publicado no Alma da Geral em 23 de março de 2007. Afinal, para tais pessoas, “antigo” é igual a “velho”, ou seja, “descartável”.

Eu ia comentar “com mais de dois anos de atraso” – me dêem um desconto, que eu me lembre descobri o Alma da Geral em maio de 2007 – mas imaginei que o comentário ficaria tão grande, que seria melhor transformá-lo num post no Cão.

Como o meu post será baseado no da Têmis, leia o dela, antes de continuar a leitura aqui.

————

Por certo tempo, me esforcei para seguir algumas das “regras para o sucesso”, que a Têmis expôs. Quando criança, gostava de brincar de carrinho. O futebol não me atraía, já que eu era um perna-de-pau e sempre sobrava na escolha dos times. (Ainda sou podre, mas na época eu não via graça nisso, hoje é que chego até a me orgulhar.)

Por volta dos 11 anos, comecei a gostar das gurias. Porém, não me ensinaram a ser machista, a tratá-las como meros objetos (regra que, infelizmente, é legitimada por muitas mulheres). Talvez isso tenha sido a minha “rebeldia juvenil”: não via motivos para me revoltar contra os meus pais nem contra os meus professores (ainda mais que eu tirava notas altas), então eu o fazia contra a “turma”, que só falava em “baladas” (não usavam ainda tal termo, mas o sentido era o mesmo) e “pegação”, enquanto eu preferia me apaixonar (mesmo que platonicamente) por uma só guria. Hoje olho para trás e percebo que exagerei na dose de paixão (que chegou ao auge no dia que foi o pior da minha vida até acontecer o que parecia ser o verdadeiro apocalipse), mas ao mesmo tempo não me arrependo, pois pelo menos não fui igual a todo mundo – e se pudesse voltar atrás, eu continuaria a não querer saber de “baladas”, melhor um boteco com uma boa cerveja gelada.

Passei no vestibular da UFRGS em 2000, para Física. Era a matéria que eu ia melhor no colégio, e principalmente, eu não queria fazer o mesmo que a maioria da turma: o que saiu de advogado dali… Nada contra tal carreira, mas até que ponto a “vocação” não era uma imposição social? Talvez a minha própria opção também: eu remei “contra a maré” mais uma vez, não queria ser igual aos outros.

Dois anos depois, percebi que Física não era o que eu queria. Larguei o curso, pensei até em tentar conseguir um emprego e não voltar mais a estudar. Mas percebi que não era uma boa abandonar os estudos, e prestei vestibular para Direito em 2003 (para “conseguir emprego”, pode?).

Em 2004, fiz e passei para História na UFRGS, e agora estou a pouco mais de cinco meses da formatura – que considero como sendo a apresentação do TCC, a cerimônia eu acho uma grande bobagem. Considero a carreira acadêmica interessante, tentarei fazer mestrado, mas penso em outras possibilidades de trabalhar com o que aprendi.

Bom, o resto do “caminho de sucesso” eu ainda não alcancei. Mas depois de pegar tantos desvios – fazendo uma comparação, seriam estradas de chão batido mas mais bonitas, ao invés de uma auto-estrada asfaltada, duplicada e reta – eu já estou mais que decidido por não seguir o restante, e faço de tudo para me manter fora da rota.

Afinal, eu vejo amigos meus decididos a seguir tal free-way (sim, tem que ser em inglês, dá mais status!). Vidas confortáveis, mas… Monótonas. Onde o tesão pelo que se faz é substituído pelo simples “ganhar dinheiro”. A rotina ao invés da novidade. A troca do amor espontâneo pelo obrigatório. A aceitação e legitimação de tudo o que era aparentemente contestado na juventude.

Tudo isso para quê?

Para chegarem à velhice e perceberem, tarde demais, que a vida passou, e foi perdida.