A guerra civil facebookeana

Gremistas x colorados. Petistas x anti-petistas. Adoradores do frio x adoradores do calor. Sedentários x atletas. Contestadores x conformados. Há mais vários “conflitos”, e um nessa época em especial: anti-Natal x fãs do Natal.

Durante os protestos de junho, alguns manifestantes levaram cartazes dizendo: “saímos do Facebook”. E, pelo que se via, parecia que realmente as redes sociais tinham ido às ruas. Mas não por inteiro.

No dia em que todos os brasileiros do Facebook resolverem ir às ruas, das duas, uma: ou teremos uma guerra civil extremamente sangrenta (e poucos restarão para contar a história); ou talvez ela não aconteça pelo simples fato de que, com tantos rótulos, ninguém saberá por que e contra quem lutar.

Sejamos “malas” (de preferência, “sem alça”)

Hoje pela manhã, li o excelente artigo de Victor Necchi, “Eu tenho turma”, publicado no RS Urgente. A origem do texto é a coluna de David Coimbra na Zero Hora de sexta, de título “contrário” – ou seja, “Eu não tenho turma”. (No site do jornal a leitura só é permitida aos assinantes, achei o nauseabundo texto aqui.)

Não é de turma de amigos que David Coimbra fala. Ele dispara contra todos os grupos que lutam por alguma coisa, desde os de esquerda até mesmo aos reacionários. Para ele, “é tudo mala”. Na certa, o mundo ideal para o colunista do jornal é um no qual não haja discordâncias, debates: todos devem pensar igual.

Ora, eu discordo totalmente do que defendem os evangélicos ou os reaças “à Bolsonaro”, mas pior seria se, por conta disso, eles fossem proibidos de falar. Como eu disse no texto de segunda-feira, se ofendem alguém, é preciso que haja a possibilidade de punição por isso (afinal, eles são responsáveis pelo que dizem), mas sempre depois de falarem, nunca antes (o que configuraria a verdadeira censura). Se todos pensassem que nem eu, nunca haveria a possibilidade de eu mudar de ideia em relação a qualquer assunto. Convenhamos, um mundo sem os “chatos” que discordam seria muito… Chato.

David Coimbra diz que pode até mesmo ser um tremendo mala, mas que não tenta cooptar os outros para sua “malice”. Então, pergunto: por que raios de motivos ele escreve? Pois toda vez que nos comunicamos, queremos que as pessoas saibam o que temos a dizer. E geralmente o objetivo é convencer quem pensa diferente a mudar de ideia (leia-se “pensar de forma semelhante a nós”). Ela pode ser convencida – ou não. E o texto do colunista da ZH não me convenceu.

Ou melhor, realmente me convenceu. Mas de forma contrária ao que ele defende. Ele quer um mundo “bovino”, em que as pessoas ajam como se estivessem numa manada, só se preocupem em se enquadrar no sistema que ele defende. Eu não quero. Se isso é ser “mala”, então eu sou “mala sem alça”, com orgulho.

E somos “malas” todos os que criticamos o status quo, justamente por que não deixamos os conformistas em paz. Eles acham um saco que alguém os questione. Então, que continuemos assim, sendo “malas”. E de preferência, “sem alça”, para que incomodemos ainda mais.

————

No texto, David Coimbra também diz não ter ideologia. Nada pode ser mais ideológico: com essa, ele optou pela defesa do que está aí.

Classe Média Way of Life

Sem dúvida alguma, foi a novidade mais genial da blogosfera em 2009. O blog Classe Média Way of Life faz uma sátira do setor mais reacionário (literal e ironicamente, em média) da sociedade brasileira.

É um assunto que já foi tema de posts aqui e em outros blogs. Inclusive procuro diferenciar “ortograficamente” a classe média (formada por pessoas que não podem ser consideradas pobres mas ao mesmo tempo também não são ricas – como é o meu caso) da classe mérdia, que é formada por pessoas de classe média mas que são ultra-reacionárias, individualistas, conformistas, têm pavor de pobre e costumam bajular – e muito – os “ricos e famosos”, na esperança de receberem uma migalha de “reconhecimento” deles. E é justamente esse o tipo de pessoa retratado pelo Classe Média Way of Life.

Se eu já falei disso em um post (e bem por cima além de tudo), o Classe Média Way of Life tem um mérito: transformar algo aparentemente simples em um blog temático, com vários posts. E o melhor de tudo – que é justamente o detalhe que o faz genial – é a ironia do autor, Pierre do Brasil, em cada uma das “dicas” para agir como a classe média brasileira. Pois o blog é escrito justamente como um “manual de instruções” – que, pasmem, é “seguido à risca” por muita gente que conheço.

Claro que as pessoas que “seguem” todas as “dicas” se manifestam. E não é com palavras amistosas. Sinal de que o blog está cumprindo um de seus objetivos: através do humor, criticar a mentalidade de boa parte da classe média. A prova de que a crítica é bem feita, são os xingamentos: o “médio-classista padrão” não costuma ter senso de humor e nem aceitar alguma crítica a seu modo de pensar e agir. Nem aceitam que alguém que seja de classe média faça alguma crítica à própria classe média. Acham que é “ofensa”.

Uma prova de que o blog não é “ofensivo à classe média” porra nenhuma é que eu sou de classe média e não me sinto ofendido. O chapéu não me serve, diferentemente de quem deixa comentários “tipicamente médio-classistas”. Fica a esperança de que depois de um xingamento padrão (“Vai trabalhar!”, “Petralha vagabundo” etc.) surja quem sabe alguma reflexão nas cabeças dessas pessoas.

José Saramago: “Os problemas estão aí, mas o que as pessoas fazem para resolvê-los?”

Assisti ao vídeo abaixo no blog dos Amigos da Gonçalo, e posto aqui. Não deixe de ver: são pouco menos de nove minutos que dizem muito mais sobre o mundo do que um “Jornal Nacional” inteiro.